História Amando uma sereia? - Capítulo 13


Escrita por: ~ e ~hannahlily

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Aventura, Comedia, Fairy Tail, Romance
Exibições 43
Palavras 813
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Hentai, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência, Yuri
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


eu tenho pouco imaginação e vontade de escreve por isso não estou postando muito desculpem...

Capítulo 13 - Plano - ciumes parte 1


Fanfic / Fanfiction Amando uma sereia? - Capítulo 13 - Plano - ciumes parte 1

Autora on

 

De quantas formas possíveis pode-se despedaçar um coração? De quantas maneiras você pode suporta uma dor que vem de dentro?. São varias perguntas que rodavam a cabeça de cada uma delas que se deprimem todas as noites com seus pesadelos as sufocado as levada de volta a cena de sua mãe sendo levada. Elas acordam cada vez mais frequente e acabam perdendo a razão de realidade.

Em uma dessas noites as garota estavam tentando ao Maximo dormi sem sonhar mais era impossível. Mais uma delas foi pega e acordou chorando. Lucy segurou firmes os lençóis quase sem forças ela tentou falar.

— Lucy? — natsu se aproximou da mesma que o olhava com lagrimas escorrendo — o sonho de novo?

Ela assentiu. E rapidamente Gray abriu a porta em desespero junto com juvia.

— esta tudo bem? — perguntou ele sem fôlego. Natsu assentiu — ouvimos o grito dela, ela estava sonhando também?

Natsu assentiu.

 — isso esta ficando muito repetitivo. Todas as noites sonhamos com a mesma coisa e nunca para — desta vez foi levy que pronunciou.

— será que tem alguma coisa haver com a família de vocês? — perguntou Gray.

— não poderia ser possível, não temos pesadelos a décadas... — respondeu levy pensativa — E quando tínhamos elas não era frequentes e nem sonhávamos todas ao mesmo tempo...

Um silencio se implantou no quarto naquela madrugada. Natsu encarava o relógio e olhava as pessoas, mais logo se lembrou do fato de Gray e juvia entrarem no mesmo segundo.

— quebrando um pouco o silencio... — natsu finalmente disse quebrando o silencio — por que o Gray e a juvia entraram no mesmo segundo?

Ambos se calaram e deram meia volta saindo do quarto.

— sorte de vocês que estou realmente com sono, por que estaria numa sala de interrogatória agora... — disse levy com a voz de sonolência se retirando do quarto.

Lucy ainda estava estática parada demais. Natsu suspirou e a deitou em sua cama delicadamente e a abraçou por trás. A mesma se assustou mais logo se acolheu abraçando os braços de natsu.

— amanha vou colocar uma senha de cofre para entrar no meu quarto... — murmurou natsu para Lucy que sorriu — você tem que para de entrar assim...

— duvidaria que fosse funcionar... — sussurrou Lucy se acolhendo ao sono profundo que estava a dominando.

No dia seguinte Lucy ainda dormia tranquilamente na cama de natsu enquanto o mesmo ainda da cama para se arrumar. Ele suspirou e tocou lucy.

— amos nos atrasar bela adormecida... — ele dizia a cutucando mais a mesma só resmungava e não levantava. Ele sabia o que ela queria —  você e uma peça...

Ele se aproximou dos lábios da mesma e deu um pequeno selinho. Ele a cutucou de novo E dessa vez ela levantou com um sorriso estampado no rosto resplandecente branco.

— agora você entendeu como se acorda alguém especial? — perguntou com ironia e sorria. O rosado bufou e deu as costas — resmungão...

— insolente... — ele murmurou de volta e saiu bufando do quarto a deixando sozinha.

Lucy olhou a janela e suspirou. Mais um dia cansativo de humana. Esse termo não era usado com bondade em sua terra era usada para significar pessoas, mas que não se importava com ninguém.

Ela se levantou contra gosto e tomou um banho demorado. Que depois de sai do banheiro encontrou o rosado deitado na cama.

— finalmente terminou, pensei que moraria no chuveiro... — ele reclamou. Ela soltou uma bufada de raiva e se sentou para secar os cabelos. — vai mesmo me ignorar?

Ela nada respondeu apena só continuou virada. Ele assentiu e se levantou em direção a cadeira que ela sentava. Ele a olhou pelo espelho e sorriu. Ele se retirou do local e ela suspirou.

Depois de alguns minutos saiu do quarto.

— pensei que moraria no quarto... — exclamou levy de braços cruzados e a olhando seriamente.

— eu sempre fui assim, não sei por que ainda não se acostumaram... — ela respondeu no mesmo tom seria.

— mais La não precisávamos lhe esperar aqui já e diferente... — ela revidou saindo com as outras.

Natsu e Gray não trocaram palavras com as garotas em nenhum momento, e em cada segundo lucy olhava para natsu que não retribuía.

Ao chegarem natsu e Gray foram encaminhados para seu jogo em uma partida e as garota para a bancada os olhando.

Natsu cutucou Gray e sussurrou no ouvido do mesmo que assentiu, em seguida eles retiram suas camisas e ficaram mostrando seu corpo definido e músculo.

Natsu jogou para uma da garotas qu gritou. Lucy ferveu de raiva mais logo se lembrou que o rosado estava a fazendo isso por cauda de gelo.

— vamos jogar dragneel... — ela sussurrou o olhando nos olhos com um brilho intenso de vingança.

— já to vendo que isso não vai prestar... — disse cana.

 

“ o amor e um sentimento tão profundo que te faz crer no impossível, te faz sentir uma sensação maravilhosa e pode ser decifrado com apena um eu te amo”

 

Continua...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...