História Amante - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~Radiancy

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Hopev, Nossa Pequena Sofrencia, Seoktae, Taeseok, Vhope
Visualizações 257
Palavras 3.106
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Não era apenas mais um caso


As velas tremulavam na pequena sala de Taehyung. Esse que estava completamente nu e nutria um sorriso ladino nos lábios bonitos. Seu coração estava batendo forte contra o peito e ele sabia disso, mas não se comprava ao do Jung, esse que sentia que o órgão que impulsionava a vida poderia sair pela sua boca a qualquer momento. Sua mente não estava registrando direito o que estava se passando diante dos seus olhos, mas parecia que era uma espécie de sonho, sonho esse que ele não desejava acordar tão cedo. Sua mente estava anuviada e ele queria apenas fechar seus olhos e quando os abrisse aquela cena ainda estivesse ali.


        Seus olhos aos poucos iam se abrindo, e não pode negar a estranha sensação de ter uma respiração próxima demais ao seu rosto, quando as orbes enfim fixaram o dono daquele respirar comtemplou TaeHyung a milímetros de distância de seu resto. Seus olhos estavam fixos no dele, assim como sentiu que o corpo alheio o prendia contra a parede, já que o Jung se encostara nela procurando saber se aquilo era real ou não. Quis falar, mas foi interrompido quando o menor, sem retirar os olhos de si, puxou seu lábio inferior com os dentes. O fazendo suspirar baixinho, já que esse ato era apenas o pedido, pedido esse de um longo beijo que se iniciara entre os dois.


            Hoseok fechou os olhos, a fim de sentir melhor a sensação que lhe tomava inteiro. Sua boca era invadida sem pudor ou delicadeza. O osculo quente banhava sua boca de sensações assim como os leves choques que sua língua recebia. Estava nas nuvens, apenas com um ato tão pequeno. Estava se sentindo em paz e ao mesmo tempo incendiando. Seu menino estava ali, lhe prendendo e lhe fazendo seu. Era mais do que um dia pode querer.


          Passou as mãos pelas costas do mais novo, fazendo com que o mesmo se arrepiasse inteiro. Eles se separavam apenas para tomar ar e logo continuavam. Hoseok ousou um pouco mais, acariciando e apertando as coxas desnudas do mais novo. Não havia filtros entre eles, só vontades, desejo e malicia. Pois se queriam intensamente. Seok apertou forte o outro, assim como impulsionou seu quadril para cima empurrando as ereções que já gritavam por atenção, recebendo um gemido longo de seu saeng. Foi a loucura. Puxou o outro mais para si, mas agora tomava a iniciativa, beijando a derme do pescoço alheio, com vontade e de uma maneira que fez com que Tae perdesse sua sanidade. Se queriam mais do que podiam imaginar.


          Queria sim uma explicação sobre o que estava acontecendo e porque iriam fazer sexo, mas não se concentrou nela, não quando seu menino estava ali pronto para ele. Pronto para tê-lo ou ser dele. O que se passasse ao redor não importava mais. Não quando aqueles dois estavam se sentindo e se provando, se amando e se tendo. Estavam em paz para poder sentir e ser o que quisessem. Taehyung não era mais seu amante.


          TaeHyung agora deixara a boca alheia, mordeu o maxilar do seu hyung, e depois seu ombro. Sempre fora fascinado por aquelas partes do outro e lentamente descia seus selares pelo peitoral alheio, o ouvindo gemer. Alcançou a roupa alheia e com pressa retirou as peças de roupa como pode, meio atrapalhado e nervoso como estava, mas do jeito que podia. O mais velho lhe ajudou um pouco e assim logo os dois estavam como vieram ao mundo. Completamente nus e entregues ao sentimento que os queimava por dentro. Não havia porque temer e sim se entregar por inteiro.

          Mas ali era desconfortável, por mais que quisessem usar um ao outro com amor e por amor em qualquer lugar daquela casa. Por isso mesmo não evitaram de ir em direção ao sofá tomados pelos beijos quentes e acaricias ainda mais abrasantes, completando aquele ciclo vicioso que era um ter o outro entre quatro paredes ou onde quer que fosse. Se queriam sim e estavam se tomando mais ainda, o ósculo era quente e molhado e as peles se roçavam uma na outra buscando mais e mais contato. Querendo demais, provando demais. A quanto tempo não faziam sexo sem culpa? Era a primeira vez.


           Hoseok gemia baixinho, seus olhos estavam fechado e a boquinha pequena estava entreaberta, o suor ainda escorria por sua têmporas. Aliás seu corpo inteiro estava tomado uma fina camada de suor, já que as preliminares daquele momento não foram nada contidas. Da forma como o Jung gostava, ser dominado não era ruim, mas isso só quando se tratava de Kim TaeHyung, seu menino. Onde o domava e era domando por ele sem qualquer amarra ou convenção. Não importava quem fosse por cima ou por baixo, o que importava era ser e gozar gostoso.


             Sua pele estava tão escorregadia quanto a de seu parceiro e isso estava causando um atrito gostoso em seu pênis. Já que o abdome do outro se chocava com o seu esmagando de maneira boa seu membro. Fazendo com que o mais velho delirasse quando isso acontecia. Hoseok estava contido nos sons que emitia, não que fosse de seu feitio ser assim na hora do sexo. Ele sempre era escandaloso com seus gemidos, fazendo com seu parceiro entendesse muito bem que ele estava tão mergulhado no clima quanto ele. Só que naquele momento ele ainda estava com vergonha, já que o prédio do Kim era todo residencial e de paredes não tão grossas assim.


            TaeHyung marcava a pele macia do pescoço alheios com selares doces e gentis. Tinha medo de que aquilo fosse um sonho ou mesmo que o outro fosse quebrar a qualquer momento. Isso era percebido pelo mais novo que estava acariciando os fios acastanhados com uma certa força e cuidado. O Kim amava aquilo, nunca ninguém em toda a sua vida lhe trouxe as sensações que estava sentindo agora. Hoseok tinha uma pele, um cheiro, um gosto e uma voz que serviam de armadilha. E ele confessava que queria muito se prender nela.

             O Jung gostava de beijar TaeHyung e esse, por sua vez sentia que aqueles beijos eram sua fonte de vida. Como uma água sagrada que ele sempre bebia para viver. E o Jung não ficava para trás. Ansiava por aquele homem mais do que qualquer coisa e tê-lo tão ativo e provocante em relação a si era mais do que um dia poderia querer. E decidiu que aproveitaria tudo o que o outro pudesse lhe dar. Olhar para seu Tae daquela maneira era como ter a mais primordiosa tela em branco. Nem que dispusesse de todas as mais belas cores do mundo, não seria suficientes para colorí-lo como seria necessário. Aqueles dois pararam seus atos e se olharam nos olhos. Hoseok soube naquele momento que tinha sim, um lugar para onde voltar e onde podia se sentir seguro, mesmo com todos os medos que lhe perseguiam. Já TaeHyung teve mais uma vez a certeza de que estava mais do que preso e rendido a aquele homem. O Jung sentia que seu corpo precisava de mais assim como sentia que tinha a missão de provar de seu menino, mas esse decidiu que ele quem provaria do seu hyung primeiro.

               Logo o corpo do mais velho sofria com os esparmos, que provinham de um oral bem feito. HoSeok estava suado, tinha os fios ruivos grudados em sua testa, assim como seu tórax subia e descia no ritmo desenfreado de sua respiração, seus olhinhos estavam fechados e sua boca entreaberta, enquanto sua mãos se fixavam nos fios do mais novo, que por sua vez, chupava a glande alheia com uma vontade imensa. Ele estava intercalando aquele ato com uma massagem nos testículos alheios, quando não era isso, ele apertava a parte interna das coxas do mais velho, enquanto sugava com vontade sua extensão. O Jung gemia, não tão contido quanto tinha vontade, mas gemia da maneira que seu corpo mandava. Ele estava afundado naquele prazer gostoso que TaeHyung lhe proporcionava. Era gostoso demais, para o mais velho, ficar fitando seu saeng de baixo enquanto fazia o pênis sumir por inteiro dentro de sua boca. Ele gemia também, causando um ressonar gostoso para o outro. O pênis alheio era delicioso.

            — Ah, TaeTae isso vai. Estou quase, quase lá. — o mais velho dizia em um fio de voz, um tanto rouca e sensual. Para o outro ali, aquela era a melhor visão. E por isso mesmo que ele tratou de subir e descer mais rápido no falo alheio, deixando que seus dentes arranhassem de leve o mesmo. Ele era cuidadoso e sabia como fazer.


            Não demorou muito e ele sentiu que o abdome alheio estava se contraindo, avisando os esparmos que o orgasmo produzia, TaeHyung aumentou mais suas investidas e logo o gosto do gozo invadiu sua boca, ele não tardou a se concentrar, novamente, na glande e chupar aquilo como se sua vida dependesse disso. O orgasmo fora prolongado com sucesso, pensou.


                HoSeok abriu os olhinhos e fitou um Kim descabelado suado e passando a língua pelos lábios de uma forma provocante demais. O Jung não pode evitar sorrir ao ver o mais novo vindo em sua direção como um gatinho dengoso, colocando as faces juntas para beijá-lo mais uma vez. Era gostoso os lábios alheios. Nunca sentiu tanta gana em um ato quanto sentiu agora.


              — Seokie hyung. — disse manhoso enquanto o mais velho acariciava seu falo. HoSeok simplesmente não parava de beijar o outro, também tomado pelo mesmo sentimento do mais novo.

                Aquele olhar gostoso e quente, safado e instigante. Ainda mais quando podia sentir aqueles olhos tão presos, tão entregues e provar daquela boca. Boca essa que tornou a estar em contato com a sua, só que dessa vez com mais expertise, mais força, mais vontade. Assim como as mãos do outro que agora estavam em seu quadril, puxando para si, buscando mais contato. Roçando as ereções que latejavam igualmente.


           Hoseok estava hipnotizado, nem ele mesmo entendia porque. Se questionou naquele momento, como seu menino poderia parecer tão atrativo. Sendo que para ele TaeHyung era sempre perfeito, mas naquele momento estava mais perfeito ainda. Mais completo. Mais bonito. Mais tudo, seu menino era um sonho.

             Assim como o Kim tinha ciência de que nunca fora tocado e provocado desse jeito. Se sentiu especial, como nunca antes, temeu por isso. Mas de novo, espantou esses pensamentos e atacou os lábios que tanto gostava, enroscando sua língua ao do outro e aproveitando um beijo molhado e sedento, enquanto se sentia ser apertado ainda mais pelo ânus alheio. Gemidos, beijos, arranhões, mordidas, apertos e palavras desconexas... E assim ganharam foi noite à dentro, um sendo do outro mais do que já eram. Mais do que um dia esperaram ser e mais do que poderiam cogitar. Não havia nada melhor do que simplesmente ser Kim TaeHyung inteiramente de Jung HoSeok.

             Amante não tinha lar e nem nunca iria casar? Naquele momento o Kim sabia que era mais do que qualquer amante. Ele era o homem da vida do seu hyung e não mero fruto de um desentendimento conjugal. Nunca.


                               [...]


             A noite para o casal foi longa e eles aproveitaram cada minuto dela, já haviam sofrido demais quando estavam longe um do outro, quando Hoseok estava preso ao seu casamento de aparências, agora que tudo passou e ele estava finalmente livre, não queria mais nada além de poder amar o seu Kim, o menino de sorriso quadrado que fora conquistando o seu coração sorrateiramente até se tornar dono dele como num piscar de olhos, a felicidade que tomou o lugar da angústia em seu peito era imensurável, sentia-se realizado e em paz, dividindo a mesma cama que Taehyung e com ele adormecido em seus braços, estava no lugar certo, no seu lugar. O mais novo não tinha como estar diferente, todas as vezes que se amaram o levou às nuvens, mas nada se comparava a pegar no sono sendo abraçado por Hoseok, tendo seus cabelos acariciados por ele, recebendo seus toques sutis e cheios de sentimentos pelo corpo, até tentou ignorar o cansaço somente para poder olhar o rosto do seu amor mais vezes e tocá-lo também, embora soubesse que era real, estava tudo tão perfeito que tinha medo que acabasse enquanto ele estivesse com seus olhos fechados, porém, o mais velho lhe assegurou que estaria ali quando acordasse pela manhã e por toda a vida se lhe fosse permitido, não foram necessárias mais palavras, Taehyung confiava nele.


              Hoseok acordou primeiro e sorriu ao sentir o peso do outro sobre o seu corpo e braços ao redor da cintura, deixando os dois bem juntinhos, Taehyung tinha a mania de dormir assim quando estava com ele, mas jamais reclamaria disso, amava sentir o calor que emanava do mais novo, assim como o seu cheiro e principalmente como estavam agora, sem nenhuma roupa para atrapalhar com exceção das peças íntimas, não tinha nada melhor que sentir a pele do Kim sobre a sua, quase que involuntariamente curvou um pouco a cabeça para que seu nariz roçasse no pescoço dele devagar, o menino se mexeu pouco, mas continuou de olhos fechados, aparentemente dormindo. Hoseok parou um pouco para não despertá-lo, mas não conseguiu ficar quieto por muito tempo e resolveu voltar a provocar o Kim, dessa vez, com carinhos leves na barriga, toques tão sutis que causava cócegas, riu baixinho quando o menino se mexeu novamente para se livrar das sensações engraçadas e dessa vez não parou.


          — Hyung! isso faz cócegas. — Taehyung reclamou em tom de brincadeira quando não deu mais para fingir que estava dormindo para Hoseok continuasse o acarinhando. Ele parecia bonito até mesmo ao acordar, com os cabelos desgrenhados e carinha de sono.


           — Mas é exatamente essa a intenção, meu amor. — Hoseok lhe roubou um selinho e os afastou para sentar na cama e puxar o menino para o seu colo, ouvindo-o suspirar e em seguida foi presenteado com um daqueles lindos sorrisos abertos que só ele tinha, aqueles que até aqueciam o coração, suas mãos chegaram até as costas de Taehyung e ficaram passeando por lá, sentindo a maciez da pele dele em seus dedos sem nenhuma pressa, agora ele tinham todo o tempo do mundo e o mais velho queria que seu menino sentisse que era especial e importante para ele, já tinha-o feito chorar por muito tempo, mas isso se tornou passado pois o Kim foi corajoso e honesto ao confessar toda a verdade para o seu ex-marido, também muito generoso ao aceitá-lo de volta e entregar-se novamente de corpo e alma para ele, acreditou no sentimento que tinham e foi paciente o quanto pôde, suportou o fardo pesado da culpa apenas para estar perto de si, era o suficiente para saber que havia encontrado tudo o que sempre buscou, um amor de verdade. Dessa vez estavam livres para ficarem juntos e fariam valer a pena cada minuto.


              As últimas palavras de Hoseok não passaram despercebidas para Taehyung, “meu amor”. Claro que ele já havia lhe chamado assim outras vezes, mas agora parecia diferente e realmente era,  continuou fitando os olhos do seu hyung que transbordavam de carinho, desejo e admiração, sentiu-se tão feliz por ser o causador de todos esses sentimentos, por saber que ele não precisaria mais deixá-lo para segurar outro homem e que dali para frente, seguiriam como um casal, poderiam construir e realizar sonhos para vida e sentir a certeza que um sempre teria o outro por perto em qualquer situação.


            — Eu amo você. — o Kim sussurrou abraçando o seu hyung bem forte, transmitindo para ele tudo o que vinha da sua alma, apesar de estar com a cabeça apoiada no ombro dele, jurava que agora ele também estava sorrindo bobo, sabia o quanto ele gostava quando verbalizava o que sentia e lhe dizia ao pé do ouvido, como se fosse um segredo íntimo e somente deles.


            — Eu também, meu menino. — não puderam resistir mais, logo ambos estavam conectados através de um beijo calmo e intenso, estava tão bom viver naquele “mundinho particular” que já não queriam saber que existia um outro lá fora, não poderiam imaginar uma vida mais bonita.

 

[…]

 

 

Dois anos depois...

 

- Desde quando você gosta desse tipo de bolo? - HoSeok disse com um sorriso aberto, enquanto roubava um pedaço do doce do namorado, que comia silenciosamente, como se fosse uma criança arteira em cima do sofá, sujando o mesmo de farelos.

- Desde que você fez e que ficou gostoso. - confessou simplista. Dando de ombros e voltando a comer o doce.

- Era para o nosso aniversário de dois anos de namoro TaeTae. - o Jung suspirou. Seu menino não tinha jeito mesmo.

Se acomodou no sofá e recebeu mais um pedaço da torta de morango com chocolate do outro. Andava experimentando umas receitas aqui e ali e aquela havia ficado uma delicia, aos olhos do mais novo e agora aos seus também.

- Não senhor. Eu quem vou cozinhar amanhã. E vou fazer uma sobremesa bem gostosa, não tanto quanto essa, por que você me surpreendeu amor. Está uma delicia. - comentou e recebeu um beijo tão doce quanto a calda de chocolate.

- Eu te amo tanto Tae. - HoSeok sussurrou com os olhinhos brilhando. Nunca havia amado ou sido amado daquela forma. Tudo dentro de si se aquecia demais.

- Eu também te amo, muito. E fico feliz que tenha se apaixonado por mim.

O Jung riu e puxou o mais novo para seu colo, que se ajeitou como pode, isso sem largar o prato com o bolo feito pelo mais velho.

- Eu não sou somente apaixonado, seu bobo, eu amo você mais do que tudo no mundo. Você me ensinou a viver de novo e olha. - ele pegou a mão do mais novo e colocou em seu peito. - Meu coração bate somente por você. E eu me sinto o homem mais sortudo do mundo por isso. Por ter o seu amor, por poder te amar.

Taehyung se esticou todo e colocou o prato em cima da mesinha de centro e abraçou seu namorado com força, com todo o carinho e vontade do mundo. Não poda estar mais feliz do que aquilo.

E HoSeok poderia dizer o mesmo, já que de todos os presentes que Kim TaeHyung lhe dera, o seu amor era o maior deles. E assim os dois viviam. Dividindo tudo. Aprendendo um com o outro dia a dia. Passando pelas dificuldades, mas sempre dando atenção as necessidades do companheiro. Tendo um relacionamento verdadeiro e completo.

Que podia ser criticado por uns. Mas que era muito mais bonito do que muitas relações de plástico por ai. 

 


Notas Finais


Agradecemos a todos que acompanharam e os que deram muito amor e carinho >...<
Esperamos que tenham gostado

MUITO OBRIGADA


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...