História Amar é um crime pt 2 - CHANGE MY LIFE (Jimin) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Rosé, V
Tags Bts, Jimin
Exibições 41
Palavras 569
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIIIIIIII
Olha quem ta de ferias <3
Gente esse capitulo ta minusculo, desculpa, mas é a visão do Jimin ok, bem rapidinho, no proximo voltamos com tudo
Desculpa a demora, novamente.
Boa leitura

Capítulo 11 - X - Promisses


Fanfic / Fanfiction Amar é um crime pt 2 - CHANGE MY LIFE (Jimin) - Capítulo 11 - X - Promisses

[JIMIN]

Confesso que minha vida estava sendo uma confusão. Estive sempre a um fio de perder meu título de soldado. Treinei durante 5 anos para me tornar um, e quando finalmente fui resignado para uma missão, já comecei a me arriscar. Para começar, nunca imaginei que me tornaria um soldado para vigiar portas impossíveis de serem abertas por dentro. A princípio achei que fosse algo comum, como algo que um iniciante faz, porém lembrei-me de meu colega Kim Taehyung, que já era soldado há 4 anos e entrou nessa missão comigo. Ficou por 2 anos, até que aquele episódio aconteceu, e eu fiquei sozinho dentro do reformatório. Realmente sozinho, visto que não havia mais prisioneiros a serem vigiados. Senti-me inútil e impotente de usar meu uniforme, pois não podia salvar meu país numa guerra, nem mesmo de alguém perigoso.

Durante três semanas fiquei encarregado de separar a comida dos prisioneiros. Foi durante um dia qualquer, num final de turno, que o Tenente me chamou para conversar. Uma nova prisioneira estaria chegando no dia seguinte, e eu deveria encontrar um soldado para vigiar, pois ele sairia a negócios e julgou-me confiável para essa tarefa. Por mais que eu tenha me sentido honrado, ainda não estaria fazendo algo digno de um soldado, portanto ainda me sentia derrotado. Coloquei a ficha da prisioneira na cabeceira de minha cama mais inútil que eu e sentei-me nela, querendo um tempo para pensar em tudo que poderia estar fazendo. Foi depois de alguns minutos que resolvi ver a ficha, e imediatamente algo veio a minha cabeça: Achei alguém para vigiar essa pessoa.

Uma semana havia se passado desde que comecei a vigiar Park Chaeyoung. Quando ouvi sua voz pela primeira vez depois de 10 anos, tudo que eu quis fazer foi abrir aquela porta e abraçá-la. Entretanto, tive que me segurar. Eu a amei todos aqueles anos e não podia colocá-la em perigo, deixar alguém levá-la para longe novamente. A história de Kim não me permitia ter qualquer contato com ela.

Nunca passei por tamanha dificuldade quanto estar a uma porta de distância da pessoa que amei por 10 anos e não ser reconhecido. Além disso, esse sentimento aumentava a medida que nós nos aproximávamos novamente, como se eu estivesse a conquistando outra vez. Continuei arriscando meu trabalho, fazendo de tudo para deixá-la bem, para poder ficar perto dela. Prometi a mim mesmo não me afastar novamente, não deixá-la para trás, e não preocupá-la, principalmente quando nossa relação começou a ficar mais forte. Entretanto, não podia me esquecer de que era um soldado, e tudo que eu mais queria desde que me tornei um, era servir meu país, fazer algo importante. O problema é que eu não imaginava quando isso iria acontecer, e que seríamos separados novamente.

Um dia o Tenente convocou todos os soldados, dizendo que estava ocorrendo uma guerra e que deveríamos partir imediatamente. Todos os outros soldados levaram seus prisioneiros por ordem do Tenente, para que servissem na guerra também. Porem, eu não consegui fazer aquilo com Rosé. Não poderia colocá-la num perigo daquele tamanho, e então minha promessa foi quebrada. Deixei uma mensagem para Taehyung e parti para a guerra, deixando-a para trás.

No momento em que me encontrei em um helicóptero, observando o reformatório se afastar mais e mais, fiz uma nova promessa: não morrerei nessa guerra, e voltarei para poder olhar novamente para Rosé e dizer que a amo.


Notas Finais


uhu voltamos, amanha tem mais, vamo descobrir o que vai acontecer
bjinhossss saranghae voces


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...