História Amar pode Doer - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amigas, Brigas De Família, Casamento Arranjado, Drama, Gravidez, Irmãos, Romance
Visualizações 6
Palavras 1.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Esse é o Calebe 😍😍😂😂😂

Capítulo 6 - Em plenas 7:30


Fanfic / Fanfiction Amar pode Doer - Capítulo 6 - Em plenas 7:30

A minha sexta-feira parou como um borrão, quando percebi já estava na cama prestes a dormir. E agora eu continuo na cama, só que estou prestes a levantar, a única coisa que me impede de levantar no momento é a preguiça de encarar a dura realidade que se encontra fora da minha cama. Mas como o mundo não se resume ao meu quarto e daqui a pouco a Hadassa vai aparecer aqui, é melhor eu levantar.

Levanto num salto, antes que eu desiste e procuro pela roupa que eu tinha separado ontem. O parque da nossa cidade é um dos muitos parques nacionais do país, ou seja, tem cachoeiras, área de piquenique, animais a solta... porém a jornada até as cachoeiras é bem longa, por isso, vou colocar uma roupa de ginástica por cima do biquíni.

Meu biquíni é bem simples, verde e com franjinhas na parte de cima e liso na parte de baixo. A roupa que coloco por cima é uma regata amarela e uma calça legging preta, coloco também um tênis de caminhada e verifico se tudo está na bolsa. Após conferir tudo, troco os óculos pelas lentes, afinal não quero perde-lo ou quebra-lo.

Depois de tudo pronto, pego meu celular e sigo para o quarto da Hadassa, como o Miguel e a Maria ficaram de preparar os lanches, não preciso me preocupar com nada além de levar uma garrafa d'água.

- bom dia Daph - ela esfrega os olhos um pouco sonolenta quando abro a porta do quarto.

- bom dia loirinha - fecho a porta e pego ela da cama para começar a vesti-la - sabe quem vai ir com a gente Dassa?

- quem? - tiro seu pijama colorido e coloco o seu maiô das Winx.

- a Maria - coloco o shorts verde que eu tinha separado ontem e depois a sandália.

- obaaa, vou levar um desenho pra ela.

- prontinha. Agora vamo tomar café e depois esperar o pessoal chegar aqui - dou a mão para ela que segura firme e me puxa para a cozinha enquanto cantarola alguma música de algum desenho.

Quando chego na cozinha tomo um susto tão grande que dou até um pulo para trás. Eu não tinha escutado nenhum barulho enquanto arrumava a Dassa, ou enquanto me arrumava, então pensei estar sozinha. Mas aí quando eu chego na cozinha do nada eu vejo a Lana e o pessoal tomando café como se a casa fosse deles.

- bom dia pra você também - Lana morde sua maçã verde.

- como vocês entraram aqui? - pergunto meio confusa enquanto a Dassa se solta de mim e vai até a Maria.

- eu abri pra eles - ouço uma voz grave atrás de mim e tomo um susto quando o Calebe aparece só de cueca e com a cara amassada - mas foi a pior coisa que eu fiz, vocês falam de mais. Será que dá pra ficarem quietos? São...- ele procura pelo relógio da parede - sete e meia ainda, vocês deviam tar dormindo - ele anda até a mesa e pega um pedaço de bolo.

- ahhh, então galera? Vamo? - J.P ergue os olhos do celular quando percebe que tudo ficou em silêncio.

O João Paulo e o celular são quase a mesma pessoa, ele está sempre conectado e sempre conversando com alguém online, mesmo que esteja em uma conversa pessoalmente. No começo eu achava muita falta de educação, mas depois de um tempo me acostumei. Afinal se não fosse assim não seria o J.P.

- a sua amada e sua cunhada precisam comer né? Ou você pretende carrega-las? - Miguel sendo o engracadinho se sempre.

- a Hadassa eu não me incomodaria de carregar não, mas a Daphne? Pff, sou o Hulk não gente - ele volta a mexer no celular.

- eiii, eu sou levinha ok? Agora me passa uma fruta aí,  porque pelo jeito a Maria já deu o café da Dassa, ou seja, vamo logo ou vamos ficar aqui? - pego uma banana, uma maçã e uma pêra.

- vai virar feirante agora menina?

Quando seu dia parece que vai melhorar alguém aparece para estragar, e esse alguém por incrível que pareça é minha própria mãe.

- não mãe, é só um lanche - coloco a pêra e a maçã na bolsa.

- ahhh sim. Vai com Deus e aproveita o dia com o Maurício viu? - ela sussurra a ultima parte para mim - bom passeio crianças. Hadassa, obedece a sua irmã hein - ela gira nos calcanhares e volta para sabe-se lá onde.

Faço uma careta e encaro meus amigos.

- tão esperando o quê? Um convite? Vamo cambada - pego a Dassa, que veio correndo até mim, no colo e sigo para a porta.

- tchau esquisitos - ouço o Calebe ao longe.

- então... como a gente vai fazer pra chegar no parque mesmo? Pelo que eu lembro ele fica do outro lado da cidade - Maria ajeita o rabo de cavalo.

Como eu, hoje ela preferiu as lentes, o que é um evento muito raro.

- acho que o ônibus foi inventado pra alguma coisa né? - Miguel chega com a mochila imensa e um ezopor pequeno.

Parando para reparar agora, todos têm uma mochila, tirando a Maria e o Miguel, que tem um ezopor e uma sacola.

- ônibus? Sério gente? - Lana faz bico.

Ela odeia o transporte, segundo ela ônibus só tem gente fedida ou tentando te encoxar, coisa que eu dicordo completamente, um exemplo de que no ônibus conhecemos pessoas bacanas é o J.P. A uns 2 anos atrás eu tinha ido buscar a Dassa na creche como sempre, só que tava chovendo muito, então tive que pegar o ônibus, mas como sabemos ônibus as seis da tarde é sempre lotado. Não tinha lugar nem para me mexer dentro do transporte, a Dassa estava dormindo nos meus braços e estava ficando cada vez mais pesada devido ao cansaço. Foi então que um menino de capuz me ofereceu o lugar dele, ele estava cheio de livros no colo e eu fiquei morrendo de dó de pegar o lugar dele, mas se não o fizesse iria acabar derrubando a Dassa. Eu sentei no banco e carreguei uma boa parte dos livros dele, o que nos rendeu muito assunto e aí nasceu nossa amizade.

Sei que você deve estar sem entender o fato de meus pais serem "ricos" e eu assunto dar de ônibus, viver a pé, não ter um motorista... mas é que meus pais querem "me ensinar a ser humilde", por isso apesar de viver em uma casa muito bem localizada e bem "exagerada" vivo como a maioria das pessoas normais, coisa que eu almejo ser, já que assim não teria que suportar meus pais me atazanando com casamentos...

- ooi, Daph? - Lana estala os dedos em frente aos meus olhos e desperto do meu transe.

- o quê? - olho ao meu redor meio atordoada e meu olhar cruza com o de quem eu mais tentei evitar... Maurício.


Notas Finais


Sei que não tem muitas falas, mas é um capítulo de reflexões kkk. Beijos, espero que estejam gostando. Caso sim, comentem para eu saber. Obrigada Beijos 😙😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...