História Amar-te - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Steven Universe
Exibições 9
Palavras 1.715
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Então gente, por favor não me odeiem hahahahaha
Estamos próximos do fim, embora eu relute um pouco em admitir, talvez teremos só mais dois ou três capítulos :(
Ficou um pouquinho maior que o esperado, mas acho que dá pra relevar.
Obrigada por lerem <3

Capítulo 17 - 17


            A brisa fresca da madrugada trazia o cheiro da maresia e pinicava meu nariz.

            Meus pés pareciam chumbo colado no chão de areia, e todas as gems que defenderiam Beach City estavam caladas e austeras. A maioria delas lutara na última guerra, e todas sentiam a tensão e o terror paralisante que antecedia o combate.

            Eu trazia o arco e a aljava de flechas de ferro muito bem atados a minhas costas, e trajava as calças do tecido mais maleável que Connie me emprestara.

            Steven autorizara minha estada na praia até que todas as tentativas de uma resolução diplomática se esgotassem, depois, quando o confronto real se iniciasse, eu seria levada para o templo, bem protegida e guardada, como a humana fraca que era.

            Jasper parecia um satélite ao meu redor, refletindo cada movimento meu e mantendo-me praticamente colada a ela.

            Eu não ficaria longe da luta.

            As minhas experiências anteriores não eram nada agradáveis, mas eu nunca poderia abandonar Jasper e as outras sozinhas no campo de batalha. Steven e Jasper não conseguiriam me prender no templo, eu iria até as últimas consequências para lutar ao lado deles.

            A formação antes desarrumada das gems se alterou imediatamente quando uma nave imensa e prateada foi avistada descendo até a praia. Eu não sabia se os cidadãos da cidade haviam se desesperado ou não, mas eu vira nenhum sinal de qualquer pessoa perto da praia. Era bom, pensei, que ninguém ficasse por perto.

            Jasper me pegara no colo imediatamente, não dando a mínima para meus grunhidos de protesto.

            - Vai ficar aqui – ela disse ao me carregar para o centro de um aglomerado de gems estrategicamente posicionado de modo a deixar Steven a frente e ao mesmo tempo protegido ao menor sinal de violência.

            - Jasper, tem de me deixar... – eu protestara, tentando inutilmente abrir caminho de volta ao mar.

            Ela me segurara firmemente pelos ombros e me fincara no chão.

            - Perdoe-me, Lápis, mas não vou arriscar sua segurança. – ela se virara e caminhara para o lado de Steven e as Crystal Gems originais, deixando-me desesperada no meio de gems desconhecidas.

            - Não a deixem sair, quero que executem a ordem 272! – Jasper gritara sobre o ombro enquanto a nave planava suavemente acima do oceano azul profundo.

            Eu olhara para meus lados e me vi cercada de gems do tipo labradorite, que haviam invocado seus escudos e me mantinham no centro de sua formação.

            - Hey! – chamei uma delas, e uma gem azul com a pedra na testa me olhou rapidamente. – O que é a ordem 272?

            Ela me olhou por um minuto, como se decidisse se contaria ou não a uma humana os códigos de organização de sua equipe. Aparentemente, eu era conhecida como a humana de Jasper, e me contrariar não parecia uma boa ideia.

            - Proteção total, minha senhora. – ela me respondera e voltara a encarar a nave.

            Oh, droga.

             Eu estava fadada a ficar confinada no meio de soldados azuis enquanto a parte importante acontecia. Na hora do confronto eu daria um jeito de escapar, então poupei minhas forças e me concentrei ao máximo para entender o diálogo que começaria agora.

            White Diamond descera da nave quase com arrogância, como se seus pés não fossem dignos de tocar o chão deste planeta. E realmente não tocavam.

            Uma fina camada de – algum tipo de vidro? – transparente flutuava a alguns centímetros do solo, e a diamante permanecera de pé sobre ele.

            Ela era realmente imensa.

            Um bom meio metro mais alta que Jasper, e o cabelo revoltoso e branco como a neve parecia dar mais centímetros a sua altura, e a pedra na testa emprestava um ar aterrorizante a sua figura. Ela vestia alguma espécie de macacão branco liso, e todo o séquito de gems que descera com ela ostentavam o losango branco de White Diamond em alguma parte do corpo. Vi losangos azuis e amarelos também, sinal que os seguidores de Yellow Diamond queriam vingança pela queda da governante totalitária.

            Analisando friamente, os números até que estavam equilibrados. Não haviam muitos soldados dos dois lados, no máximo vinte gems contra trinta, o contingente a mais pendendo para o nosso lado, sinal de que a batalha verdadeira estava sendo travada no espaço.

            Steven manteve sua postura inalterada, não se deixando intimidar pela chegada da diamante. Pérola, Ametista e Garnet seguiram seu exemplo.

            Vi Jasper a alguns passos atrás do grupo, tão rígida quanto uma rocha poderia ser, encarando o inimigo.

            White Diamond olhou para nós com desdém e falta de interesse, detendo o olhar em Pérola e deixando uma expressão de desgosto tomar conta de seus traços angulosos.

            - White Diamond – a voz grave de Steven ribombou pela praia, e vi com satisfação que a bandeira e a pedra de Rose Quartz ainda intimidavam muita gente – Isso não precisa se transformar em uma batalha. Entregue-se e pouparemos você e seu soldados!

            Um silêncio carregado de expectativa seguira suas palavras, e eu prendi a respiração até que White Diamond se pronunciara.

            Ela não pestanejara e apontara o dedo de unhas em garra para o quartzo rosa.

            - Matem-no! – a voz dela era como a junção de mil trovões.

            O tempo pareceu congelar.

            Eu não conseguia me mover. Tudo o que fiz foi assistir quando o corpo a corpo começara, as gems – tanto nossas como dela – invocando suas armas e partindo para cima da outra.

            - Levem-na! – Jasper gritara enquanto se lançava sobre uma jade particularmente grande.

            Cinco labradorites se destacaram a formação que se desmanchava e me arrastaram precariamente em direção ao templo.

            - Não! Soltem-me! – eu gritava e me debatia, inutilmente.

            Vi Ametista mancando e encarando com raiva uma ágata laranja, antes de se lançar violentamente pelo ar e estrangula-la com o chicote.

            As soldados azuis que me escoltavam foram atacadas de surpresa por uma ametrino e uma pequena e selvagem berilo com uma espada maior que ela.

            Vi minha chance para fugir.

            Atirando uma flecha após a outra, abri meu caminho pela batalha violenta.

            Cacos de pedra eram esmagados por meus pés, e lágrimas desesperadas caíam de meus olhos vermelhos.

            - Jasper! – gritei, girando em meu eixo e procurando por ela.

            Estava uma confusão. Gems se fundiam e eram estraçalhadas a todo o momento.

            Pérola lutava bravamente contra duas gigantes - cujas pedras eu não fora capaz de identificar - com duas espadas.

            Corri entre a confusão, e meu braço fora agarrado com brutalidade por alguém.

            Virei-me e ofeguei com horror.

            Cianita, uma das gems de Homeworld que me prendera no espelho, me encarava com ódio e um sorriso de escárnio, balançando uma maça repleta de cacos em seus espinhos de metal.

            - Parece que o passarinho azul voou de novo, não é? – ela levantara a maça pronta para me golpear, mas eu fora mais rápida e acertara uma flecha bem no centro de sua pedra, sobre o estômago.

            Virei e corri enquanto Cianita pufava e se despedaçava com um grito inumano.

            - Jasper! – gritei novamente, olhando ao redor e acertando cada gem que usasse o losango das diamantes.

            Ela estava costas contra costas com Garnet, e as duas trabalhavam juntas contra cinco gems que as atacavam.

            Jasper as desconcentrava com uma poderosa cabeçada de seu elmo, enquanto Garnet terminava com elas arrancando suas pedras com suas luvas.

            Ela estava bem, e uma sensação de alívio tomou conta de mim e eu quase esqueci que estava no meio da batalha que decidiria o destino da Terra. Novamente.

            Um rugido chamou minha atenção.

            White Diamond lutava contra Steven Universo.

            O homem estava visivelmente ferido, esquivando-se dos golpes da lança da diamante e desferindo a esmo seus próprios golpes de espada. Somente o escudo o protegia da morte.

            Um vulto passara correndo pelo meu lado.

            - Steven! – uma voz feminina gritara.

            Ela correu para ele, e vi uma luz se ascender nos olhos do Quartzo quando Connie pulara e se fundira com ele.

            Eu não sabia como ela viera, nem como conseguira ultrapassar a violenta batalha que acontecia entre as gems, mas graças a Connie, Steven tivera a chance de lutar com igualdade contra White Diamond.

            A luz rosa diminuiu, e Stevonnie brilhara em toda a sua glória. Ela vestia a armadura de Steven, mas os cabelos negros de Connie balançavam lindamente a cada golpe desferido contra a diamante em fúria.

            A batalha que havia paralisado quando Connie aparecera agora voltava com força total.

            Jasper agora se lançava contra uma fluorita que aparentava estar perdida, e que fora pufada rapidamente.

            Corri até ela e a abracei, escondendo meu rosto em seu peito e deixando as lágrimas rolarem.

            - Lápis! Não deveria estar aqui!

            Olhei em seus olhos e envolvi seu rosto com as mãos, o arco jazendo abandonado no chão e com a aljava vazia de flechas.

            - Não me deixe. – sussurrei quase sem voz.

            Ela deve ter visto algo em meus olhos que a demovera de sua decisão. Jasper olhara ao redor, para a batalha que arrefecia e para as poucas gems que ainda resistiam.

            O único combate realmente perigoso era o de Stevonnie e White Diamond, e, honestamente, a diamante não parecia que iria durar muito.

            - Vamos sair daqui. – Jasper me segurara pelo pulso e me levara por um caminho seguro até a orla, perto do templo. – Não vou cometer o mesmo erro duas vezes...

            Meu corpo sofreu um solavanco e as palavras delas me pareceram subitamente distantes.

            Jasper se virara e gritara meu nome.

            Não entendi o que estava acontecendo. Levei minha mão ao meu colar, mas não o senti em meu pescoço.

            - Jasper – sussurrei enquanto tombava na areia – Onde está... Onde... Meu colar...

            - Lápis – ela me segurara no chão, com os olhos mais desesperados que eu já vira em minha vida – Por favor, não se mexa, a lança...

            Olhei para baixo e vi a lança de White Diamond cravada em minha barriga, o sangue rubro logo ensopando a camiseta branca e pingando na grama.

            - Não, não de novo... – sussurrei, ainda tateando loucamente em busca do colar.

            - Lápis, não se mova, por favor... – Jasper chorava copiosamente, e eu compreendi que não teria forma alguma de me salvar.

            Eu era apenas uma humana.

            Reuni minhas últimas forças e sussurrei.

            - Jasper... Eu amo... Você. – a escuridão se abatera sobre mim como uma mãe que conforta o filho.


Notas Finais


Ps: não me matem 2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...