História Amiga da Minha Irmã - Short Fic Ruggarol - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Personagens Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Ruggero Pasquarelli
Tags Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Ruggarol, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna
Visualizações 446
Palavras 1.810
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


E aí, pessoal?
Prontos para o segundo e último capítulo da short fic?
Antes de lerem, gostaria de comentar sobre a volta de Sou Luna. Gente, o que foi aquele capítulo? E o salvamento? E o beijo? Eu viajei nas nuvens, literalmente. Quem dera se aquelas cenas acontecessem na vida real mesmo, principalmente a da declaração e do beijo. Confesso que eu queria ver ali um beijo de verdade e não esses selinhos sem graça dos "padrões Disney", mas... Nem tudo é como queremos.
Enfim... Bora ler agora?

Capítulo 2 - A Amiga Virou Cunhada


As horas se passam e Karol começa a se arrumar. Bom, ela estava arrumada, mas... Queria um modelito especial, afinal, Ruggero iria para a boate com ela e Carolina que por insistência da amiga, acabou convencendo o irmão.

FLASH BACK ON.

- Vai, Ruggero... Vai com a gente.

- Já falei que não, Carolina. Quantas vezes vou ter que te dizer isso?

- E quantas vezes vou ter que te dizer que eu quero que você vá? Poxa, irmão... Você nunca sai comigo. E quando sai, fica cinco minutos e depois vai embora. Por favor, a Karol quer você na balada.

- O problema é dela. – Ruggero fala remexendo em alguns papéis.

- Ruggero.

- O que?

- Aff. Você vai ir sim nessa boate.

- Vai me obrigar? Não, porque pelo que sei... O irmão mais velho aqui sou eu, Carolina.

- Rugg, pelo amor de Deus... Vai na balada com a gente. O Agus vai ir também e eu sei que vocês são amigos. Por favor, se não for pra ficar com a Karol, vai pra conversar com o Agus ou até mesmo comigo.

- E ficar de vela de vocês dois? Não. Muito obrigado, Carolina. Mas, desse programa “maravilhoso”, eu to fora.

- Maninho, eu não vou parar de te incomodar até você aceitar. Ruggero, você fica todo santo dia enfurnado numa empresa, dentro de um escritório. Em plena sexta à noite, ainda quer continuar trabalhando?

- Arg!! Tudo bem, Carolina. Você e aquela sua amiga da pá virada lá venceram. Eu vou nessa boate. Mas que fique bem claro: Não irei pra ficar com a sua amiga.

- Obrigado, Rugg. Muito obrigado. – Caro fala e pula no colo do irmão o abraçando fortemente. Karol que ouvia tudo escondida sorri maliciosamente.

- Essa noite você será meu, Ruggero.

FLASH BACK OFF.

- Amiga, eu já estou pronta. Irei te esperar lá embaixo, ok? – Karol fala pegando sua bolsa.

- Tudo bem. Vai. Até já imagino o porque. Rsrs. – Carolina fala rindo das intenções que imaginava que a amiga tinha em mente. Karol apenas lhe mostra a língua e sai rebolando.

Ruggero olhava seu relógio impaciente pela demora de Carolina e Karol. – E essas garotas agora? Será que vão passar a noite toda se arrumando? – Rugg fala irritado, mas engole a seco ao escutar o som de saltos ecoando pela escada. Ele se vira e prende a respiração ao ver Karol descendo. Linda, provocante, gostosa... Uma mulher e tanto. Seus cabelos estavam extremamente lisos, obviamente por conta da escova que havia feito. Ela o encarava enquanto tirava o excesso de seu batom vermelho. Ah... Como queria ser ele aquele lenço de papel que passava pela boca de Karol. A jovem possuía uma boca carnuda, excitante, extremamente convidativa para um beijo e ele já conhecia o sabor daquela boca. Uma boca a qual queria provar novamente e ele sabia que se provasse, não iria querer provar nenhuma outra boca por um bom tempo.

- Como estou? – Karol fala e dá uma volta na frente de Ruggero.

- Está... Apresentável.

- Aff! Apresentável? Fala sério! – Karol fala revirando os olhos.

- Estou brincando, Karol. Você está linda.

- Agora melhorou. – Karol fala e se aproxima de Ruggero. Ela toca em seu peito e sobe as mãos para seu pescoço. – Me enfeitei assim só pra você.

- É... E fez um ótimo trabalho. Você está maravilhosa. – Ruggero fala e abraça a cintura de Karol que sorri.

- Só não te beijo agora, porque quero aproveitar muito a balada de hoje à noite.

- Teremos muito tempo para isso, delícia. – Ruggero sussurra no ouvido de Karol que estremece e arranha sua nuca. O fato é que o rapaz estava louco por ela e não iria resistir. Queria ao menos uma vez na vida sair fora dos seus padrões. Ruggero queria realmente enfiar o pé na jaca... Pelo menos naquela noite. Depois? Bom, depois era depois.

- Estou pronta. Vamos? – Carolina fala descendo as escadas e obviamente, atrapalhando o momento do casal.

- Claro. Vamos.

- Amiga, você está uma gata. Mas, vem cá... Você não iria com o Agus?

- Sim, mas ele vai nos encontrar na balada.

- Então vamos logo, porque pelo visto... Essa noite vai ser longa. – Rugg fala maliciosamente encarando Karol. A morena passa por ele e recebe um tapa em sua bunda.

- Ai, essa doeu.

- Tem outra coisa que vai doer ainda mais daqui a pouco, querida. Não se preocupe. Isso foi apenas um... Aperitivo. – O italiano sussurra no ouvido de Karol que dá uma gargalhada.

- Hey, eu estou aqui, ok? E escutei tudo.

- Como de conta que você é uma santa, Carolina. – Ruggero fala ironicamente.

- Eu te disse que ele não deixaria barato. – Caro sussurra para Karol que novamente ri. Os três entram no carro de Rugg e saem rumo a tão esperada balada que prometia muitas coisas.

Os minutos se passam e já na boate, Agus os esperava animado e louco para se divertir naquela noite. – Oi, meu amor... – O rapaz fala ao ver Carolina que o abraça e o beija. – E aí, Rugg? Como vai?

- Estou bem, cara.

- Aliás... Muito bem, não é mesmo? – Agus fala e aponta para Karol que sorri maliciosamente.

- Acho que já se conhecem, não? – Ruggero fala e Agus e Karol acenam positivamente. Os dois casais entram na boate e se encaminham para uma mesa.

- Ai... Vamos dançar, amor? – Caro fala sugestivamente para Agus que entende a indireta e sai com a namorada deixando Ruggero e Karol sozinhos.

- Então, o que quer beber? – Ruggero pergunta tranquilamente.

- Pode ser você?

- Rsrs. Eu não conto. Não sou bebida.

- Mas é uma comida deliciosa. – Karol fala e Ruggero baixa o olhar levemente envergonhado pelo comentário da garota.

- Você é uma tentação, garota.

- E você não, não é mesmo? Não sei como aguentei ficar tanto tempo sem te conhecer. Se eu soubesse que era tão gostoso assim... Teria feito Caro me apresentar você há muito tempo atrás.

- É. Eu sempre vivi para o trabalho. Comecei muito jovem a trabalhar na empresa de meus pais e bom... Acabei me deixando levar pelo trabalho e deixei minha vida pessoal de lado.

- É, nem na formatura da sua irmã você foi. Mas, tenho certeza de que isso irá mudar.

- Ah é? E como tem tanta certeza assim?

- Porque você me conheceu, meu amor. Eu vou ser a responsável por te desvirtuar dos caminhos do bem. Rsrs.

- É mesmo? Então vem cá e me desvirtua então... – Falando assim, Ruggero puxa Karol que se senta de lado em seu colo e a beija apaixonadamente. A morena entrelaça sua língua na do rapaz e geme quando sente a crescente ereção de Rugg tocando seu baixo ventre.

- Já está animadinho... Gosto disso. – Karol sussurra em meio ao beijo e Ruggero aperta sua coxa esquerda.

- Delícia. Você vai pagar por ter me deixado de pau duro hoje à tarde.

- Eu pago com juros, gato. – Karol fala e sorri. Ruggero então se levanta e a puxa junto para um canto mais afastado da boate, onde obviamente haviam mais casais transando.

- Pra onde estão indo? – Carolina pergunta ao passar pelo casal.

- Transar. – Karol fala calmamente e sai com Ruggero. Agus cai na gargalhada enquanto Carolina tenta entender o que a amiga havia falado.

- Seu irmão encontrou o par perfeito pra ele.

- Concordo. Eu adoro a Karol e aprovo essa relação dela com o meu irmão. Mesmo que tudo tenha acontecido as pressas.

- Desejos, meu amor. Isso os uniu e pelo visto, não vai os separar tão facilmente.

Já num corredor afastado dos demais frequentadores da boate, Ruggero prensa Karol contra a parede e a encara. – Agora você vai pagar pelas provocações, morena gostosa. – Falando assim, Ruggero puxa os cabelos de Karol a a beija cheio de paixão e vontade fazendo a garota gemer contra sua boca. Suas mãos vão para sua nuca ao mesmo tempo em que uma de suas pernas é erguida na altura da cintura do moreno, fazendo ela sentir ainda melhor a ereção pulsante e quente que havia em Ruggero.

A falta de ar se faz presente e o italiano se afasta da boca de Karol e começa a distribuir beijos e chupões em seu pescoço, fazendo a morena arfar e ansiar por cada vez mais de seus toques e beijos. – Ahhh... Ruggero...

- Delícia... Não... Não temos muito tempo para preliminares e...

- E quem disse que quero preliminares? Elas podem esperar. Agora... Quero você... Dentro de mim... Agora... – Falando assim, Karol beija novamente Ruggero que a solta e começa a desafivelar o cinto de sua calça jeans. Após conseguir o fazer, Ruggero a abaixa juntamente com a cueca revelando um membro extremamente duro e pulsante. Pronto para se enterrar dentro da intimidade quente e molhada de Karol. – Rugg... Por favor...

- Calma, delícia. Temos a noite toda pela frente. – O moreno fala e desce uma das mãos até a intimidade de Karol... Que estava sem proteção nenhuma. Sim, a mexicana estava sem calcinha e usando apenas um vestido curto e sexy. – Ah Karol... Você me paga... – Falando assim, o moreno pega se abaixa e pega uma camisinha no bolso de sua calça. Na subida, o italiano distribui beijos pelas pernas de Karol até chegar a intimidade da mesma. Ele lhe dá um chupão fazendo a garota gemer alto.

- Ahhhh....

- Molhada. Como eu sempre gostei... – Falando assim, ele se ajeita e coloca o preservativo em seu membro. Sem avisar, Ruggero penetra Karol de uma só vez fazendo a morena gemer e arranhar sua nuca com toda força que conseguia ter naquele momento.

- Ahhh... Rugg... Mais... Mais rápido... Por... Ahhh... Favor... – Karol fala entre gemidos e Ruggero sorri aumentando ainda mais o ritmo de suas estocadas dentro da intimidade da jovem.

Enquanto se move contra a morena, o italiano a puxa para um beijo extremamente quente e apaixonante fazendo a garota perder a noção de seus atos. Suas línguas travam uma batalha sem fim onde ambos queriam ser os ganhadores. – Delícia... – Ruggero sussurra após afastar sua boca da de Karol.

Não demora muito e ambos sentem os espasmos de prazer. Karol e Ruggero gemem juntos ao chegarem ao ápice num intenso e viciante orgasmo. – Rugg...

- Karol... Ahhh...

- Você é tão delicioso.

- Você é mais, garota.

- Como vai ser daqui pra frente? Ahh... – A jovem sussurra e geme ao sentir Ruggero sair de dentro de si.

- A minha irmã que me perdoe, mas a amiga virou cunhada, viu? – Dizendo isso, Ruggero beija apaixonadamente Karol, selando ali um compromisso mudo entre ambos. Aquele fim de semana estava longe de terminar. E Karol e Ruggero iriam saber exatamente como aproveitar aquele dentre muitos outros finais de semana.

 

 

FIM.


Notas Finais


Gostaram? Odiaram?
Mereço comentários?
Karol atazanou tanto que acabou tendo Ruggero só para si e pelo que podemos perceber, essa relação vai longe...
Espero que tenham gostado.
Vejo vocês em novas fanfics Ruggarol e Lutteo aqui no site...
Agora... Fui...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...