História Amigos inseparáveis - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Magos, Outro Mundo, Seres Sobrenaturais, Universo Original, Vida Escolar
Visualizações 10
Palavras 2.065
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Espero que gostem. Se gostarem, comentem, favoritem e recomendem a outras pessoas, pro favor <3

Capítulo 6 - O que o diretor esconde?


Dia 8 de fevereiro de 2017, São Paulo.

O trio continuou passando as páginas do grande livro, e a maioria das coisas que estavam escritas era em português. 

 — Não estou entendendo mais nada, aqui fala que magos vivem em um continente, no outro as criaturas normais e... Algo haver com sombra, não entendi direito, esse livro está todo manchado. - dizia o moreno, confuso. -

— Esquece esse livro, vamos olhar outras coisas. - dizia Larissa. -

— Eu tive uma ideia. - disse Leo, fechando o livro, tirando um papel e um lápis de sua mochila e escrevendo o nome do livro no papel.  — Depois a gente procura esse livro em alguma livraria ou na internet, que tal? Mas agora não podemos ficar aqui, aqui está muito sujo, vai fazer mal a nossa saúde.

— Okay, mas e se eu levar esse cajado para casa? - perguntou o moreno, segurando o objeto brilhante. -

— Não pode, como você vai levar uma coisa desse tamanho para casa? E também, tem câmeras aqui, você não pode pegar nada daqui. -disse o garoto de cabelo alaranjado. -

— Ah, okay então.

— Vamos descer e voltar ao banheiro, ai ficamos a noite inteira lá. Quando bater o sinal, a gente sai e finge que nada aconteceu, pode ser assim? - sugeriu a loira. -

Os três saíram da sala, fecharam ela e chegaram á cantina, descendo a escada para o pátio. Quando chegaram lá, eles voltaram á sala do diretor e colocaram todas as chaves exatamente no lugar que elas estavam antes de serem pegas por eles. Os amigos entraram novamente no banheiro, e ficariam lá até a escola abrir, tocar o sinal para os alunos entrarem na escola e eles poderem sair de lá, sem que ninguém veja que já estavam lá.

— Minha mãe vai me bater muito... - dizia o moreno, um pouco preocupado.  

— A minha também, e aposto que a do Leo também, estamos ferrados. - dizia Larissa, também preocupada com o que iria acontecer.

— Isso é o de menos, e se olharem as câmeras? Vão pensar que a gente roubou alguma coisa, vão nos expulsar. - disse o garoto de cabelo laranja, totalmente preocupado com o que iria acontecer.-

— Não vão olhar as câmeras, eles nunca olham. Só olham quando tem algo suspeito, e deixamos tudo no exato lugar que estava. - disse a loira. -

— Espero que tudo dê certo. - disse Oliver. -

A garota olhou as horas no celular do moreno, e viu que já era quase 00:00.

— Já é 00:00. A gente demorou tanto assim? - perguntou a loira, espantada. -

— Sim, e ainda vamos ter que ficar até 1:00 da tarde aqui. Vamos ficar 13 horas aqui. 

Eles estavam espantados com o tanto que eles ficariam ali, mas resolveram não ligar para isso. Em vez de se importarem, eles ficaram conversando sobre algumas coisas que ocorreram a eles, mas logo começaram a falar do livro. Eles faziam teorias sobre aquele livro, pensavam que era um livro de outro mundo. Eles não acreditavam que aquilo era algo real, mas mesmo assim pensavam: "e se for?" 

Eles ficaram a noite inteira conversando, até dar sono, mas eles não dormiram. O dia amanheceu e ainda estavam ali, conversando. A escola abriu para o turno da manhã, e alguns alunos entraram no banheiro, fazendo eles se esconderem, mas felizmente nenhum aluno abriu a porta em que eles estavam. Eles ficaram calados, para não serem descobertos, e se passaram horas. 

Faltava algum tempo para tocar o sinal para os alunos do turno da manhã saírem, e o diretor chegou na escola (no turno da manhã o diretor não fica na escola, só a coordenadora). Tocou o sinal para os alunos da manhã saírem, e já estava na hora dos alunos da tarde entrarem. 

O diretor entrou em sua sala, que havia deixado aberta sem querer, e olhou se tudo estava em ordem. Ele notou que tudo estava normal em sua sala, exceto uma coisa: uma das chaves estava totalmente fira do lugar. O homem saiu rápido de sua sala, e mandou todos os alunos ali presentes se reunirem ali.

— Olá alunos. Na minha sala, há uma chave que está fora do lugar. Eu não deixei ela assim, sabiam? Estou desconfiado que alguém entrou aqui. -dizia o diretor. Ele sempre era muito atento aos detalhes, principalmente quando se trata de suas coisas.   

No exato momento em que ele disse isso, todos os alunos ficaram com medo, e os três amigos ficaram totalmente assustados. Eles tremiam a cada fala do diretor.

— Eu vou olhar as câmeras, e vou ver quem fez isso. Vai ser expulsão na hora, não admito que entrem em minha sala e mecham nas coisas. Podem subir para as suas salas. - dizia o homem, que foi para a sala em que se encontra um computador mostrando o que é visto nas câmeras. 

Os alunos subiram as escadas e foram para suas salas, e o trio estava mais assustado a cada passo para a sala.

— N-nós vamos ser expulsos. - gaguejou a garota, assustada. -

Os outros dois estavam completamente assustados, tanto que não falavam nada até chegarem na sala de aula. Ao se sentarem em suas carteiras, Leo disse:

— Nós não vamos ser expulsos, vamos mentir se for preciso. Na hora eu vou inventar algo e vocês confirmem, tá bom? - dizia o garoto de olhos verdes.  — Eu não vou ser expulso quando eu só queria ajudar.-

— Tá bom. - dizia o moreno, tremendo de medo. -

O diretor bateu na porta da sala dos garotos, e chamou os três, fazendo os outros alunos gritarem

— Iiiih, vai ser expulso, olha lá. - dizia um garoto do fundo da sala, e os outros riam. -

O trio desceu as escadas, de cabeça baixa e tremendo, e o diretor mandou eles entrarem em sua sala. Os amigos entraram, e o diretor fechou a porta.

— Eu dou 5 minutos para vocês se explicarem. Mal começou o ano e já estão causando problema? - falava o diretor, furioso. -

— C-calma. Eu estava passando mal, então eu entrei no banheiro e eles foram comigo, ai demoramos demais. - disse Leo, mentindo. -

— Mas entrou no banheiro feminino? Está errado em dobro. - dizia o diretor, olhando fixamente para o garoto. -

— E quando ele melhorou, a gente resolveu abrir a mochila dele para comer alguma coisa, e foi quando eu vi um bilhete que jogaram na mochila dele. - mentiu a garota. -

— Onde está o bilhete? Deixe- me ver. - disse o homem. -

— Nós jogamos fora. - disse Oliver. -

— Okay, mas por que entraram em minha sala, pegaram as chaves e entraram em todas as salas?

— N-no bilhete dizia que uma pessoa escondeu o meu estojo em um lugar muito difícil de achar, e a gente queria o estojo de volta. Me desculpe, senhor. - disse Leo. -

— Okay, mas eu não terminei de olhar as câmeras. Venham comigo. - dizia o diretor, abrindo a porta e deixando eles saírem. -

Eles entraram na sala das câmeras, acessaram o computador e o diretor dessa vez ouviu os áudios. Ele ouviu tudo antes deles irem ao banheiro, que eles iam esperar a escola fechar para procurar o anel, o homem viu que eles estavam mentindo.

— Expliquem isso.

— Está bem, eu vou contar a verdade. - disse o moreno, deixando os outros dois desesperados, mas ele piscou para eles, indicando que ia ficar tudo bem e que não iria contar tudo.   — A gente queria procurar o anel, entramos no banheiro para esperar fechar a escola. Ele começou a passar mal, aconteceu tudo o que eu disse, do bilhete. A gente resolveu que íamos procurar o estojo e o anel.

O diretor tinha acreditado neles, mas ia expulsar eles mesmo assim, eles não podiam fazer isso sem autorização. 

— Eu vou expulsá -los. - disse o diretor, mas antes de completar a frase, ele sem querer clicou no mouse, fazendo mostrar a câmera da cantina.-

O diretor viu que eles subiram para um lugar que não deveriam ir, o homem parecia preocupado com alguma coisa. Viu que eles ficaram 2 horas lá, depois de descer a escada, descer a escada da cantina e ir ao banheiro de novo. 

— Olha, eu não vou expulsar vocês, mas apenas se não disserem para ninguém o que tem em uma das salas. - disse o diretor. -

— O que? O que tem lá? A gente só demorou porquê dormimos. - mentia Oliver. -

— Lá tem muita poeira, restos de móveis, carteiras, cadeiras e etc. Isso não é bom para a imagem da escola. 

— Ta bom, não vamos contar nada. Mas você não vai expulsar a gente, né? - perguntava a loira, aliviada. -

— Não, vocês ajudaram uma garota, foi uma causa justa, então não importa se vocês fizeram bagunça na escola. Também não vou contar aos pais de vocês, e espero que isso não se repita. E me entreguem o anel.

— Ta bom. - Oliver pegou o anel, que estava em sua mochila, e entregou na mão do diretor.- 

O diretor abriu a porta e disse para eles darem licença, e os amigos voltaram para a sala de aula.

Os alunos da sala ficaram impressionados, porque eles não foram expulsos.

— O que aconteceu lá? O que vocês fizeram? Ele não vau expulsar vocês? - perguntava vários alunos, indo às carteiras dos três amigos. A professora se incomodou, e ordenou que os alunos fizessem silêncio. 

Se passou todas as aulas do dia, os três não fizeram nada, mas anotaram as atividades para fazerem em casa. O sinal para a saída dos alunos tocou, e eles foram ao pátio, passando pela sala da diretoria. Leo viu sua mãe, o pai de Oliver e a mãe de Larissa na diretoria, conversando com o diretor.

— Eu sabia que ele ia contar, sabia. - disse o moreno, desapontado com o diretor, e com raiva. -

Os três foram lá na diretoria, e quando os pais deles os viram, abraçaram seus filhos.

— O que aconteceu? Por que ficaram presos na escola? Ficaram aqui a noite inteira sem fazer nada? Passaram frio? - perguntava os pais, aos filhos. -

Os três explicaram a seus pais que nada aconteceu, e saíram da diretoria, deixando os seus pais falarem com o diretor.

— O diretor não disse nada. Ainda bem, pensei que ia apanhar muito hoje. - ria Leonardo, escondendo que estava totalmente assustado com o que poderia acontecer, mas no fim deu tudo certo. -

— Sim, mas ainda é um mistério. Por quê o diretor deixou toda a nossa cagada passar, só porque descobriu que fomos naquela sala? - perguntou Oliver, curioso. -

— Não sei, e acho que nem vamos descobrir, melhor esquecer. Mas eu vou comprar aquele livro para a gente ler, só esperem. - disse o garoto de cabelo alaranjado. -

— Tá bom, boa sorte. 

Os amigos se despediram, e os pais de Leo o levaram para casa de carro, o pai de Oliver o levou para casa de moto e mãe de Larissa a levou para casa andando, pois ela não tinha carro e nem moto.

Quando os três chegaram em casa, se deitaram em suas camas, cansados.

Oliver pegou o seu celular e mandou uma mensagem no grupo de Whatsapp, que ele se comunica com seus amigos. Eles responderam na hora.

— hoje foi um dia bem louco, o mais louco da minha vida. - dizia a mensagem de Larissa. -

— O meu também. - dizia a mensagem de Leo. -

— Ah, por que vocês acham que o diretor mudou de ideia de nos expulsar? - perguntou o moreno, na mensagem. -

— Eu acho que é porquê ele não queria que a gente contasse a alguém o que tinha naquela sala. A gente disse que não entrou lá, e ele mentiu quando disse o que tinha lá. Está meio estranho. - dizia a mensagem de Leonardo. -

— Sim, eu acho que é isso também. - dizia a mensagem da loira. -  — Enfim, tchau para vocês. Vou dormir.

— Eu também vou. Tchau. -dizia a mensagem do moreno. -

Os dois se deitaram em suas camas, puxaram o cobertor para si e adormeceram, menos Leo. Ele ainda estava pensando o que era aquele livro e todas aquelas coisas, mas resolveu ignorar, afinal ele não ia descobrir, só quando fosse tentar comprar o livro. Ele se deitou na cama, achou uma posição confortável e adormeceu.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...