História Amizade colorida. Karol Sevilla ruggarol larol - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Karol Sevilla
Visualizações 10
Palavras 697
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 44 - Feliz aniversário Karol. Continuação.


A música que tocava era a primeira que dançamos na boate. Me trouxe recordações. Abriu os braços esperando que eu me aconchegasse nele, e eu o fiz.
Rodei minhas mãos atraz da sua nuca e as dele abaixo da minha cintura. Nossos corpos comecaram a se mover no ritimo da música , no mesmo compasso. Bem devagar. Sua respiração se chocava com  minha e deitada no seu ombro podia ouvir as batidas do seu coração, enguanto ele cantava a música que tocava, vairios tons abaixo do original. Me senti envolvida, me sentia tão bem. 
- Feliz aniversário.  Sussurrou. 
-Já passou da Meia noite. Não é mais meu aniversário .
- Você gostou da surpresa?
- Sim.
Beijou meu pescoço e acaricieu minha pele com seu nariz.
- O que você pediu ao soprar as velinhas?
- Se te digo, não se cumpre. 
- Eu te realizo. Seja o que for. 
- Mesmo se for uma casa na Koreia?
- Eu construo.  
Só  me aconcheguei mais ainda em seu peito. Faltava pouco pra acabar a música.
- Não diga tonterias. Jamais te contarei meu pedido. 
- Bom, mais não tem nada que esteja com vontade de fazer?
Levantei o olhar. 
- Lio, eu não queria estar em outro lugar que não  fosse esse,  tãopouco queria estar com outra pessoa que não seja você. Isso que quero agora.
Ele sorriu. Estávamos tão perto e isso me alterava. Podia sentir que sua respiração era a mesma da minha.
- Daria tudo pra te beijar agora. Sussurrou. 
Inclinou o rosto pro lado e roçou suavemente seus lábios nos meus. Eu não sabia se me afastava ou fazia o que eu realmente queria fazer. Mordeu meu lábio inferior tentando me provocar mas eu seguia sem corresponde-lo. A luta interna comigo mesma era demasiado forte. Lio tomou essa falta de resposta como um não, e se afastou.
- Perdão Nena. Perdão. Já sei que os amigos nao fazem isso. 
Sua expressão me doía o peito. Eu queria aquilo. Acho que mais do que ele. Mas ele está certo, os amigos não fazem isso.
- Sinto muito. Disse entristecida.
- Eu vou la fora tomar ar. Perdi o sono.
- Não. Espera. 
Recuperei o pequenobespaco que tinhas entre nós. Fiquei na pontinha dos pés e o beijei. Me rodeou com os braços e saboreou minha boca com suaves toques de sua língua. 
- Espera. Se deteve. Você está fazendo isso por que quer?
- Porque quero. Quero isso desde a última vez , Lio.
Sorriu e voltou a me beijar. Baixou a alças do meu vestido e abriu o zíper fazendo com que ele  caísse  por seu próprio peso e me deixando apenas de roupa interior. Me pegou nos braços e me deitou na sua cama. 
Tirou a camisa e se posicionou em cima de mim. 
- Tá prometo que jamais esquecera esse noite.
 Virei  e me coloquei em cima dele. Colei meus lábios em seu pescoço deixando humedos beijos enquanto ele se desfazia do meu sutiã. 
Se voltou pra mim e ficou uns segundo olhando meus seios. Os beijou. E tirou minha calcinha. 
- Você e tão bonita. Me olhou de cima  baixo. 
Se desfez a de suas calças e cueca e rodeei minhas pernas nele. Nos fazendo ficar mais pertos. Entrou em mim e nosso gemidos ressonaram em todo quarto. Se movia lento, mais intensos e firmes, um detrás do outro, cada vez mais dentro de mim. A onda de de prazer me sacudiu. Minhas mãos subiam e deciam nas suas costas e minhas unhas gravaram em sua pele. Ele parecia não se importar. O soltei e apertei as cobertas ao meu redor a fim de não macuca-lo mais. Lio abaixou o corpo a fim de ficar mais perto de mim. Sua cabeça estava a escacos centímetros do meu ouvido e seus graves gemidos soavam. Quando eu esperava que diminuísse a velocidade, ele se faz mais rápido. Um grito me escapou num volume exagerado. Ele tampou a minha boca rindo entre as sacudidas.
- shiiii. Me beijou. Temos vizinhos!!!
Ele se deteve mas continuou dentro de mim. Sabia que ainda não tinhaos terminado.
- Eu disse que você jamais esqueceria essa noite. 


Notas Finais


Quero comentários pra saber se estão curtindo ou não.
Essa história e muito grande. Está longe de terminar e queria interação de quem está lendo pra saber se devo seguir ou finalizo ela logo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...