História Amizade: O Maior Amor - Segunda Temporada - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 14
Palavras 1.390
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi Amores!
Voltei! Estava fazendo as contas e a fic deve ter mais alguns dois ou três capítulos... Só para avisar a vocês e agradecer desde já o carinho!

Mas ainda não acabamos! :)
Mais um capítulo para vocês!

Enjoy! :*

Capítulo 14 - Treze


Treze

- Oi Sam - a voz temerosa falou ao corpo sereno na cama do hospital - Sou eu, o Vicente. Eu sei que você não vai me responder, e quem passar ali fora vai me ver conversando sozinho. Vão achar que eu sou doido, e a culpa é toda sua. Me lembre de brigar com você por isso quando acordar. Falando no assunto, já pode se recuperar, tá bem? Já aprendi a lição. Então não morre, ok?

Vicente conversava com o corpo desacordado de Sam. Estava ali a algum tempo, desde que Rafael e Felipe tinham ido ao trabalho. A equipe do orfanato não demonstrou interesse em saber em qual estado se encontrava o garoto. Vicente se ofereceu para estar ali. Se sentia mal por terem sido tão rudes as últimas palavras que Sam escutou de sua boca.

- Então, Sam, desculpa - o pedido era sincero - eu não queria ter te magoado. Só não quero amar de novo para ser abandonado. Tenho certeza de que você iria se cansar de mim, como todos cansaram. O Thomas não foi o primeiro e nem vai ser o último a me deixar.

“Acho que nunca contei isso para ninguém. Quando eu tinha 12 anos, eu me apaixonei pelo meu melhor amigo. Era Alfred o nome dele. Nós fazíamos tudo juntos. Era tão bom! Mas ele descobriu sobre meus sentimentos e não falou mais comigo. Acho que já me acostumei com isso. Por isso não acredito em tudo o que você fala sobre amor. Não entendo como as pessoas dizem como ele é bom, se machuca tanto.

Vicente não chorava, mas estava triste por ver o amigo naquele hospital. Acariciou a bochecha quente, passou os dedos por ali sentindo a maciez da pele. Reparou na pequena pinta perto da orelha esquerda dele. Era até charmosa. Vicente sorriu ante aquela visão. Samuel era uma pessoa linda, por dentro e por fora, mas não era para ele. Ainda sorria quando se afastou da cama. Precisava comer algo.

- Acha que amar dói? - aquele som o pegou de surpresa. Vinha da cama de Sam - bater a cabeça no asfalto dói muito mais. Devia experimentar!

No segundo seguinte, Vicente estava sobre o corpo de Samuel. O órfão fez o que pôde para retribuir o abraço que recebia. Vicente aninhou-se na curva do pescoço de Sam, ficou ali sem conter o sorriso que teimava em se desenhar em sua boca.

- Eu não vou desistir de você. Não vou me cansar de nós dois. - Sam apertou mais o corpo de Vicente contra o seu - eu te amo de verdade.

- Ama? - havia uma fagulha de esperança na voz de Vicente. A fagulha virou uma fogueira quando Sam balbuciou um sim - Promete que não vai me abandonar também?

O queixo de Vicente foi tocado pelas mãos quentes do órfão. Sam acariciou a região e admirou cada pequeno detalhe do rosto tão bonito de Vicente.

- Prometo, AMOR.

E eles se beijaram, por fim. Seus lábios se encontraram, não se moveram a princípio, estavam apenas se sentindo. As línguas se encontraram  também. Era quase mística a sensação de ser amado que o invadiu quando teve aquele contato trouxe a Vicente.

- Não queria interromper, mas eu também quero abraçar meu filho - Rafael disse divertido. Ele estava parado ali a algum tempo, deixando que os garotos tivessem seu tempo, mas agora era sua vez.

- Filho? - O rosto de Sam se iluminou - vocês conseguiram? Mesmo?

Rafael confirmou com um aceno de cabeça. Tinham um enorme sorriso nos lábios. Eram uma família agora.

- Nós conseguimos! - falou antes de se juntar em um abraço triplo com o sobrinho e o filho.

****

- Oi Luke! - Yan disse mantendo na face um sorriso de zombaria - Tudo bem? - antes mesmo que o inspetor pudesse responder, ele continuou - sou Yan Parker, do segundo ano.

O adolescente estendeu a mão para um aperto. Luke não respondeu ao cumprimento, apenas disse ríspido ao garoto.

- Yan do segundo ano volte para a sala de aula. Não deveria estar no corredor a essa hora. - passou pelo adolescente e continuou o caminho interrompido pelo aluno.

Notou o suspiro apaixonado que reverberou pelo local. Se virou a tempo de ver Yan se aproximando. Quando estavam a menos de um passo de distância, o adolescente disse sussurrando.

- Faz tempo que eu quero você - Luke respirou fundo. Se arrependeu quando inalou o perfume caro e amadeirado do garoto. Tão bom! - E eu sou muito melhor que a sua namorada sem graça. Deixa eu provar?

Luke considerou a possibilidade de agarrar o adolescente ali mesmo. Aquelas palavras sussurradas arrepiaram os pelos de sua nuca. E desceram direto para o meio de suas pernas. Mas ele se recusava a sentir aquilo por outro cara.

- Você não conhece a definição da palavra “limite”? - Luke afastou o corpo do garoto com apenas uma das mãos - Vá. Para. A. Sala. - falou pausado deixando o garoto plantado no corredor.”

*****

“- Amor, os bombardeios estão cada vez piores. Talvez devêssemos voltar para casa. - Luke, agora militar no exército da paz, acariciava o rosto do namorado.

- Nós temos que salvar vidas - Yan colocou sua mão sobre a de Luke - Amor, foi para isso que viemos. Não foi?

- Não quero te perder novamente - Luke quase chorava - não vou aguentar ficar mais tempo longe de você. Casa comigo Parker?

O sorriso de Yan seria capaz de iluminar uma cidade inteira. Era tão bom para ele ouvir aquilo do homem que sempre amou. Talvez estivesse mesmo na hora de se dedicarem ao seu amor. Luke segurava uma caixinha, os anéis de noivado dentro dela.

- Caso, amor! É claro que eu caso - Só se deu conta do tamanho do sentimento quando olhou o anel brilhante em seu dedo.

Juntaram suas testas, em um acordo mútuo de que aquela seria sua última missão. Trocavam um beijo apaixonado quando as sirenes anunciaram uma nova onda de ataques.

Era no subúrbio da cidade, as casas pequenas agora estavam destruídas. As pessoas se aglomeravam em torno de um monte de escombros. No meio dos pedaços de concreto, um gemido de dor foi ouvido. Mal havia meios de ver o rosto do garoto no meio de tanta poeira.

Eles sabiam da consequências da guerra quando se alistaram. Yan deu um último olhar para Luke. Sussurrou um “Eu Te Amo” antes de se jogar sobre o corpo do garoto no momento em que o impacto de outra bomba lançou estilhaços sobre eles.

O desespero de Luke era quase físico, palpável. Não podia perder Yan novamente. Preferia morrer em seu lugar. Talvez fosse egoísmo pensar dessa maneira, mas olhando a aliança prateada em sua mãos teve certeza: Yan era o grande amor de sua vida.

Empurrou os colegas para chegar a cena. Abriu um sorriso quando pôde ver.

- Nunca mais faça isso, seu… - Luke perdeu as palavras e ficou observando o noivo carregar o garoto no colo. Não havia sido ferido - Não me assusta mais desse jeito. Eu não aguento, amor.

Quando voltaram para os EUA, Henrique estava com eles. Era o filho que sempre sonharam em ter.”

****

- Pai! - a voz de Henrique encheu o quarto silencioso do hospital - Posso ficar aqui com você?

Yan respondeu com um sorriso. Abraçou o ombro do filho e juntos ficaram olhando o corpo de Luke.

- Papai contou para mim, Bry e Sam como vocês se conheceram. - Yan sorriu ao lembrar dos dias da escola. Apesar de estarem separados, foi quando eles notaram o quanto se amavam - ele disse que vocês ficaram separados por um tempão. Ele disse que foi tão ruim, que sofreu muito sem você.

- Ficamos - o oficial suspirou cansado - foi horrível. Mas, no fim, tudo se resolveu. A gente só podia estar juntos agora. Com seu pai acordado.

- Nós estamos bem, pai! - Henrique viu surgir no rosto do pai a sombra de um sorriso. Trocaram um olhar confortador - vai ficar tudo bem.

O silêncio foi a única companhia da família por um tempo. Até ele ser quebrado por um grito estridente. Eram Sam e Vicente na porta.

- Henry! O Bryan acordou!


Notas Finais


Yan tá todo triste por causa do Luke :'(

Em compensação, Vicente finalmente tomou vergonha na linda carinha dele e se declarou para o Sam!!!!!

****Ah! E como teve especial BerNan, decidi que vou fazer um especial para todos os casais. Qual querem agora? Pode pedir que assim que ficar pronto eu posto para vocês!!!

Me contem o que acharam!
Bjos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...