História Amnesia - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jihope/hopemin, Namjin, Yoonmin, Yoonminseok, Yoonseok
Exibições 76
Palavras 5.646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ola Aliens!
Então né voltei, esse ta bem grande do jeito que gostam.
Boa Leitura.

Capítulo 18 - Sweet Pleasure


Jimin se sentia culpado por ter deixado Hoseok sozinho arrumando tudo, mas ele tinha algo para resolver de extrema emergência, e uma historia para tirar a limpo. E ao ouvir a voz sonolenta de Yoongi do outro lado da linha, seu coração falhou uma batida; e pela demora em que o mais velho teve em lhe responder deduziu que talvez ainda estivesse decifrando com quem falava.

Jimin? – Ele perguntou confuso.

– Sim. – Respondeu.

Como conseguiu meu numero? E de quem é este que está usando? – Era claramente perceptível que Yoongi estava confuso, mas também para alguém que tinha acabado de acordar era normal, portanto o Park considerou. Porem não hesitou em revirar os olhos.

– Hyung, por favor, te explico tudo depois, mas eu preciso muito conversar com você.

– Tudo bem.

– Onde podemos nos encontrar para conversar?

Venha aqui em casa as quatro da tarde. Estarei te esperando.

– Ok. Até mais tarde hyung. – O Park não esperou o mais velho responder, apenas desligou o seu novo aparelho para em seguida voltar correndo para a cozinha.

Hoseok lavava os pratos utilizados com uma carranca pouco perceptível, mas por algum motivo Jimin sabia que aquilo demonstrava o seu completo descontentamento. E apesar de achá-lo completamente  fofo com as bochechas pouco infladas, sabia claramente que a causa daquilo tudo era ele. Foi ate o maior e o abraçou por trás, lhe beijando as costas, sentindo o maravilhoso aroma do perfume de suas roupas.

– Desculpe hyung. – Disse apertando mais o mais velho, e aconchegando-se às costas de seu hyung.

– Pare de se desculpar Jimin. – Retrucou.

– Mas não quero que pense que sou interesseiro.

– Isto não se passou pela minha cabeça ChimChim, fique despreocupado. – Hoseok se virou depositando um breve beijo nos lábios fartos de Park.

Trocaram alguns poucos carinhos, para enfim retomar suas atividades. Desta vez Jimin o ajudou a guardar os utensílios utilizados. E Hoseok finalmente sentia-se bem porque finalmente, agora, estava sentindo como se fossem um casal de verdade.

Achava que nada poderia os deter, muito menos as memorias que Jimin ia recobrando aos poucos. Era algo não muito importante para Hobi no momento. Não é como se ele não se importasse, mas sentia que isto não os atrapalharia por agora. O que eram pequenos fragmentos perto de novas memorias criadas?

Parou por um segundo para refletir. Nunca havia sequer parado para conversar com Jimin sobre o assunto. Condenou-se mentalmente por ser tão estupido e insensível. Como poderia ser tão egoísta a ponto de não ligar para as memorias de Park? Estava cego. Cego de amores olhava tanto para o seu eu que o fato de seu pequeno ter amnesia não o importunava. Estava tão cego que não percebeu seu pouco egoísmo. Certamente burro.

Ao terminarem de arrumar as coisas na cozinha, Hoseok tomou o pulso de Jimin o puxando ate o sofá. Sentaram-se e o mais novo sem muito entender o olhou procurando por respostas, que já viriam. Mas havia um nó na garganta de Hoseok que o impedia de perguntar qualquer coisa que fosse. Estava receoso, talvez ate com medo, não sabia o que aguardar, ou se Jimin o contaria algo. E todo aquele silencio repentino estava deixando Jimin aflito, ele sabia que sua curiosidade era enorme, e ver o Jung enrolando tanto para lhe dizer algo, o deixava extremamente irritado.

– Pelo amor de Deus Hyung, fale logo de uma vez. – Hobi se assustou com a fala impaciente do menor, mas ainda sim sorriu. Olhou-o nos olhos e respirou pesado.

– Jiminie preciso saber se você já se lembrou de algo. Qualquer coisa para mim está valendo. – A resposta definitivamente era sim, mas Jimin não se sentia confortável para dizer, era sempre tudo muito constrangedor com ele. Abaixou a cabeça totalmente corada, apenas pelo fato de ter se lembrando de um momento totalmente intimo dos dois, à apenas alguns dias atrás.

– Hobi é constrangedor para mim. – Sorriu tímido brincando com os dedos gordinhos.

– Jimin só quero saber se lembrou-se de algo, não preciso de detalhes sobre. Apenas quero ficar a par da situação. – Insistiu o mais velho olhando – ou tentando – nos olhos do Park.

Sim Jimin queria muito lhe contar tudo, mas não tinha certeza de como Hoseok iria reagir, além do mais aquele momento de intimidade no qual havia se lembrado ocorrera na noite passada, quando Hoseok estava com um fogo enorme em seu corpo depois de tantas garrafas de Soju. Em todo caso, era sempre bom ter alguém para compartilhar isto, e pensou que não haveria alegria maior em deixar seu hyung saber que sua mente progredia aos poucos.

– Hyung. – Segurou as mãos do mais velho. – Você provavelmente não deve se lembrar, mas ontem à noite você praticamente me atacou. – Ambos riram. – E enquanto estávamos nos beijando ontem eu me lembrei de um momento carinhoso nosso. – Sorriu de forma tímida para seu hyung que lhe fez carinho nas mãos.

– Sinto muito por não me lembrar da noite passada Jimin. Mas como era a sua memoria? O que fazíamos para ser mais exato? – Respondeu o mais velho sorrindo sereno.

– Você disse que me amava, segurava minhas mãos com carinho como esta fazendo agora. – Sorriu bobo para o mais velho e fora retribuído. O Jung não parou com as caricias nas mãos de Park depois de vê-lo ali contente com o contato. E apesar de ter amado saber de que Jimin havia se lembrado de um momento dos dois juntos, queria saber qual fora esse, pois já havia dito a jimin diversas vezes que o amava.

– ChimChim se importaria de ser mais especifico? Pois já me declarei centenas de vezes a você. – Ambos mais uma vez riram.

– Parecia que erámos mais novos. E ouso dizer que fora depois de uma noite daquelas. Aish eu não sei como explicar. – Se constrangeu novamente com o que havia dito e abaixando sua cabeça.

– Poderia ser o dia em que você finalmente me deixou dizer que eu te amava. – Questionou Hobi ainda confuso.

– Por que? Eu não deixava? – Curioso como sempre ergueu seu corpo e perguntou.

– Não, você não deixava em parte eu acho que era porque você tinha medo. Medo de que eu dissesse e, que talvez você não pudesse me corresponder com a mesma intensidade. Mas no dia que eu disse, você se confessou também, e só ai fizemos amor. – Jung sorriu ao se lembrar daquele dia, que fora tão especial, mas também tão perigoso. Haviam transado na casa dos Park, os pais de Jimin mal tinham se acostumado quanto a sexualidade do filho, e aqueles dois já estavam se amando sem a benção dos mais velhos, debaixo do próprio teto.

Porem além de perigoso fora divertido, muito divertido o Jung tinha de admitir. Já que os pais do mais novo estavam em casa, eles tiveram de fazer sem soltar um mínimo ruído. E com isso todo o prazer de um bom sexo fora descontado na pele. Hoseok ficou com marcas de arranhões alongadas por toda a extensão de suas costas por quase duas semanas, mas não se arrependia, pois apenas de ver o Park também muito bem marcado já era uma vitória.

– Aish, porque eu tinha que ser uma pessoa tão confusa. – Reclamou o mais novo bagunçando os cabelos, tal irritação serviu para arrancar uma risada baixa de Hoseok.

– Aquele dia foi bem legal. – E mais uma vez o Park corou ao ver o sorriso safado que brotara de forma involuntária em Hoseok, que o encarava com divertimento.

– Não vou nem perguntar o que fizemos. – O Jung gargalhou.

– Boa ideia. – Respondeu ainda rindo.

– Aish! Por que tão pervertidos? – Fora uma pergunta retorica, mas Hobi apenas para provocas seu pequeno se dispôs a responder.

– Bom-

– Não responda. – Jimin se levantou com os olhos apertados podendo ouvir a gargalhada escandalosa de seu hyung no sofá. – Yah! Pare de rir. – Retrucou segurando-se para não rir também.

– Venha me fazer parar. – O mais velho desafiou. Jimin ergueu uma sobrancelha com aquele desafio, ele realmente não queria, mas o seu eu antigo não reagia muito bem quando era desafiado. E por segundos, se encheu de coragem indo ate o Jung e tomando seus lábios com certo fogo. Hoseok certamente não esperava por isto, achava que seu pequeno iria coçar a cabeça e sair dizendo um “Aish”, porém se esquecia que o antigo eu de Jimin não suportava ser desafiado.

O Park se sentou no colo do mais velho com um fogo recém-descoberto, mal entendia o porquê de seu corpo estar agindo assim, mas não se sentiu a vontade para parar, aquilo era bom demais para ser interrompido. Sentiu as mãos de Hoseok irem ate sua cintura o puxando mais contra si, e apertando de leve sua bunda. “Hobi hyung também não perde uma”. Pensou.

Quando Jimin percebeu o quão entregue o mais velho estava com o beijo, sorriu e se levantou de seu colo, deixando um Jung completamente confuso e de lábios vermelhos naquele sofá. Jimin riu por dentro ao ver a face desgostosa de seu hyung. E o mesmo ao perceber o que Jimin estava fazendo jogou sua cabeça no estofado macio do sofá e fechou os olhos, sorrindo em deboche de sim mesmo.

– Por que? – Hobi perguntou passando a língua entre os lábios.

– Só estou te dando o troco de ontem, mas como não se lembra de nada não vai saber sobre o que eu falo. – Deu as costas para o mais velho começando a caminhar ate Choco, que havia se apossado de seu enorme urso de pelúcia.

– Jimin-ah! O que eu fiz ontem? – Pediu o maior em um tom manhoso. Ele sabia que se o antigo Jimin estava ali, por mais breve que fosse jamais resistiria a seu tom manhoso. E estava certo, pois viu o menor girar nos calcanhares e sorrir ladino.

– Me deixou com vontade hyung. – Foi direto se virando mais uma vez para ir acariciar Choco.

– Desculpa. – Hoseok riu de si mesmo e de Jimin. Conhecendo bem seu pequeno, era de se esperar que ele fizesse algo do tipo. – Você se lembrou de algo a mais? – Perguntou o Jung se concertando no sofá acariciando os próprios cabelos. Jimin gelou, não queria falar do que se lembrou para Hoseok. Não queria o deixar preocupado, muito menos abatido.

– Por enquanto não hyung. – Disse já coçando atrás das orelhas de Choco que aceitava o carinho de olhos fechados. Um silencio foi instalado no quarto, mas não era desconfortável, muito pelo contrario.

– Você quer sair comigo mais tarde? – Perguntou Hoseok quebrando o silencio. Jimin pensou um pouco. Queria sim sair com o mais velho, mas tirar suas duvidas era de extrema prioridade. Ponderou se contava para o Jung o que iria fazer mais tarde, e acabou por contar.

– Eu vou conversar com Yoongi mais tarde. – Disse simples, mas isto já foi o suficiente para fazer Hoseok se levantar, e se sentar apoiando os braços nos joelhos enquanto encarava as costas do mais novo.

– O que vai falar com ele? E a onde vão?

– Eu só quero tirar umas coisinhas a limpo hyung. E não vamos a lugar algum, ficaremos na casa daquele outro hyung rabugento. – Virou-se para Hobi que estava apreensivo.

– Eu posso ir? – Perguntou.

– Hoseok, eu quero resolver isto sozinho. – Caminhou de volta ate onde o mais velho se encontrava o vendo olhar para baixo e respirar pesado. – Por favor. – Pediu o Park.

– Tudo bem, mas deixe que eu pelo menos te leve ate lá. – Jimin assentiu caminhando de volta ate o Jung que tinha uma cara bem desgostosa para a opinião de Jimin.

– Hyung por que esta com esta carinha? – Perguntou esboçando o sorriso mais fofo que conseguia esboçar, para ver se fazia Hobi sorrir, o que não aconteceu. O mais velho apenas virou o rosto e bufou.

– Eu não me sinto confortável em ver vocês dois juntos Jimin, não consigo me acostumar com a ideia de ter vocês dois juntos, mesmo que seja para conversar. – Reclamou o mais velho. Jimin o entendia, e depois daquela lembrança, que desta vez queria apagar, também estava receoso em encontrar o Min. Não sabia o que aguardar, e não saber lhe deixava completamente assustado. E sabia que Hoseok jamais se sentiria confortável em ver ele e Yoongi juntos.

 – Por favor, pare. – Pediu o mais novo pegando no queixo de Hobi fazendo-o olha-lo. – Não é como se eu fosse desaparecer, apenas vamos conversar. Hyung eu não te trocaria assim, e além do mais vocês eram namorados quando acordei do coma, não pode simplesmente ficar com raiva de algo que aconteceu antes. – Insistiu o Park. 

– Eu entendo Jimin, mas ainda sim não consigo me sentir confortável com tudo isso. 

– Pelo amor de Deus hyung, você pode colocar na sua cabeça que eu gosto de você? Caramba eu gosto muito de você, me dê um voto de confiança. – Dizer em voz alta que gostava do Jung, era realmente um grande passo. Não era exatamente amor, mas sentia que era algo grande e bom. E obviamente não seria Min Yoongi que iria interromper este sentimento. 

Hoseok se espantou com o que ouvira. Sabia como era absurdamente difícil para Jimin dizer algo como aquilo, e apenas de ouvir que ele gostava de verdade de si, fez seu coração falhar uma batida. Mesmo não sendo um "Eu te amo", tal esse que estava sendo aguardado fielmente, Jung sentia que poderia voar se pulasse de um prédio de tanta felicidade.  

– Diga algo pelo amor de Cristo. – Jimin estava começando a enraivecer  com o silêncio irritante do mais velho, porém este tinha uma expressão embasbacada. 

– Tudo bem Jimin. Mas da próxima vez quero ir com você. – Sorriu de ponta a ponta. Ainda não satisfeito, mas digamos que com o que o Park havia lhe dito, ganhara uma espécie de passe livre. 

– Muito obrigado. – Sorriu o mais novo abraçando o mais velho. – Da próxima você definitivamente vai comigo. 

 

 

 

*.*.*.*.*

 

 

 

 

Mal haviam visto o dia passar, apenas ficaram fazendo nada, esperando dar quatro horas. Ficaram deitados no sofá trocando algumas carícias, brincando com Choco ou vendo filmes. E quando viram que já era hora de sair, se apressaram em se arrumar, coisa que não demorou muito. 

Em pouco tempo já estavam no carro ouvindo músicas e até mesmo as cantando e se divertindo. Era óbvio que Hoseok não queria deixar Jimin lá sozinho, e sim confiava nele. Apenas não tinha a segurança com Yoongi. Apesar de tudo, gostava sim do mais velho, o desculpara por tudo, mas em hipótese alguma sentia-se confortável para ter ele e Jimin conversando sobre algo que não estava a par. Seu coração quase parou no dia em que Jimin se perdeu, e algumas horas mais tarde recebeu uma ligação do Min dizendo que o Mais novo dormiria em sua casa. Fora assustador para o Jung, e horrível à péssima noite de sono que tivera pensando nisto.

E quando enfim parou em frente ao prédio do Min sentiu seu coração diminuir a frequência cardíaca aos poucos. Jimin o olhou e sorriu tão fofo e bonito que Hoseok não pode evitar em lhe sorrir de volta. 

– Não se preocupe, eu vou voltar. – beijou brevemente os lábios do maior e em seguida saindo do carro as praças.

Hoseok observou seu pequeno entrar no prédio e sumir em meio a porta de vidro do hall de entrada. Bufou arrancando o carro. Precisava falar com alguém, e esse alguém seria Lee. Talvez ela o ajudasse a compreender melhor a situação, ou apenas lhe jogaria a verdade nua e crua na cara. Não importava Hobi precisava dela agora, e mesmo que estivesse ocupada, não hesitaria em arrasta-la para fora daquele salão, para que ela lhe mimasse um pouco. 

 

 

 

Jimin cumprimentou o gentil porteiro com uma reverência e um sorriso singelo, adentrou o elevador e apertou o botão do andar de Yoongi. Enquanto a que cubículo subia devagar os andares até a cobertura, Jimin mantinha seus punhos fechados, pois sábia que se os soltasse iria começar a tremer de nervoso. Respirou fundo, e quando as portas se abriram, encheu o peito de ar e saiu daquele espaço quadrado. Caminhou até a única porta daquele andar e tocou a campainha, podendo assim soltar o ar reprimido.

Para surpresa de Jimin, o Min não demorou muito a atender a porta, porém não era exatamente o Min que estava ali em sua frente. Era um cara não tão alto quanto si, tinha feições angelicais, e seus cabelos obtinham um tom agradável de rosado E por cima de sua camisa social Branca, e calça jeans preta, o rapaz tinha um avental cheio de frutas e lacinhos amarrado ao corpo. Este sorriu simpático para Jimin dando espaço para que ele entrasse, e assim o fez. 

– Eu sou Kihyun, um amigo de Yoongi. Você deve ser Jimin não é? – O ruivo assentiu. – Fique a vontade Yoongi está tomando banho. – O rosado disse fechando a porta logo voltando para cozinha ficar de olho em sua carne grelhada. 

Jimin se sentou em uma das banquetas do balcão emadeirado vendo aquele rapaz cozinhar. Cozinhava com tanta maestria que era invejável. Apesar de querer muito provar daquela carne grelhada, sua mente não podia deixar de trabalhar em pensar o que Kihyun estava fazendo ali, era apenas curioso somente isto.

– Pensei que Suga hyung fosse estar sozinho. – Disse Jimin ao rapaz que virava a carne na grelha com calma.

– Aigoo, alguém tem que salvar a pele desse velho rabugento. Às vezes, se eu não venho cozinhar para ele, esse miserável come inúmeros lámens. – Os dois riram minimamente. Jimin se calou vendo o rosado cozinhar com certa paixão. E Kihyun ao reparar como Jimin o olhava com  feição sorriu novamente para o ruivo. – Você quer experimentar? – Perguntou.

- Sim. - Respondeu animado. Kihyun sorriu mais ainda, se tinha uma coisa que o rosado amava, era o fato de alguém querer experimentar de sua comida. Deixou a carne no ponto e preparou um prato para Jimin, o mesmo experimentou com gosto. Fazendo uma careta saborosa após sentir aquele pedaço de carne praticamente derreter-se em sua boca. Neste momento o sorriso de Kihyun se intensificou. - É maravilhoso. - Disse o Park após engolir a carne feita com tanto carinho. 

– Aigoo! Agradeço pelos seus elogios, muito obrigado mesmo. Coisa que aquele bode velho do Yoon-

– Kihyunnie você vai envenena-lo. – Respondeu Yoongi com seu tom de voz lento e preguiçoso, aparecendo na cozinha trajando um conjunto de roupas pretas. Seus cabelos estavam molhados e não estavam mais na cor platinada, agora eram em um tom de cinza, diria mais para o prateado. Estava bonito de fato, mas Jimin fez uma careta desgostosa ainda preferia tê-lo visto de cabelos verdes, seria agradável e certamente mais fofo.

– Vá se danar Yoongi. Agradeça por eu estar cozinhando algo bom, porque veneno é o que você come quase todo dia. 

– Ok, ok, continue aí rosinha, eu estou com fome. Quanto a você Jimin venha comigo. – Era isso? Nem ao menos um comprimento? O Park achou meio rude da parte do mais velho, mas não questionou sabia o quão instável poderia ser o humor de Min Yoongi, por tanto apenas se levantou e o seguiu.

Não era confortável ficar em um quarto sozinho com o Min, não depois do que havia se lembrado. Não o culpava como Hoseok havia feito, mas para que o antigo platinado tivesse lhe beijado deveria ter algum motivo. Eles estavam no quarto de Yoongi, o anfitrião sentado na cabeceira e o visitante mais afastado, certamente receoso e com medo.

Na cabeça de Yoongi mil perguntas se formulavam, porém resolveu deixar que Jimin iniciasse um assunto. Ele via o tamanho do desconforto do mais novo, e não achou adequado o bombardear com perguntas de imediato.

– Pensei que estaríamos sozinhos. – Começou o mais novo erguendo a cabeça e olhando diretamente nos olhos de Yoongi.

– Kihyun já é de casa. – Riu consigo mesmo. – Ele entra aqui a hora que quiser, é só fingir que ele não esta aqui, o garoto rosa é um mestre da discrição. – Yoongi comentou certo do que falava. O barulho alto de panelas caindo veio da cozinha, e logo em seguida um grito de desculpas vindo de Kihyun, isso fez com que o Min revirasse os olhos e o Park conter um riso.

– Bem discreto.

– Ignore isto. Mas o que queria conversar comigo? – Perguntou o anfitrião querendo ir direto ao ponto de toda aquela conversa.

– Eu queria saber o porquê de há três anos atrás você ter me beijado. – Foi direto ao ponto chocando o Min, certamente não esperava por aquele tipo de conversa. Não esperava que Jimin fosse o procurar tão cedo para aquele tipo de coisa, agradecia mentalmente por Kihyun estar ali, assim ele poderia conseguir, talvez, evitar um escândalo.

A verdade era que Min Yoongi não estava preparado para conversar sobre aquele assunto tão cedo, talvez nunca estivesse, talvez jamais tenha superado a causa daquele ato estupido. Quando olhava para trás e o via julgando alguns idiotas sentia-se completamente culpado, pois agora, ou pelo menos, depois daquele dia ele era um dos maiores dos idiotas.

– V-você se lembrou disso? – Perguntou um pouco atordoado.

– Sim, e se não se importa quero uma resposta. Do porque, ou para que. Você queria magoar o Hobi? – Fora posto em uma caixa trancada, não teria saída a não ser contar tudo para aquele dongsaeng curioso.

– Em hipótese alguma fora para magoar o Hobi, hoje eu me importo muito com ele, mas eu não tinha a intenção. E te beijei porque eu queria esquecer alguém. – Foi direto. – Talvez eu jamais tenha esquecido essa pessoa. – Completou.

– Mas eu?  Logo eu Hyung? Por quê? – Insistiu Jimin.

– Eu não sei o que tinha na minha cabeça Jimin, eu queria que todos sentissem a dor que eu estava sentindo. E quando vi você e o Hobi brigarem meu coração se alegrou um pouco, e depois veio a noticia de seu acidente, e quando eu ouvi tenho certeza de que eu sorri. – O Park arregalou os olhos. – Não me orgulho disto Jiminie, jamais me orgulharei, mas na época me pareceu tão certo.

– Meu Deus Yoongi – O Park estava chocado, não conseguia entender como o coração de uma pessoa podia ser tão mau, não conseguia colocar na cabeça que uma pessoa poderia se divertir vendo outra sofrer, era absurdo. – Isso foi muito doente Min. – O Park olhou com desprezo para o mais velho, que apenas aceitou o olhar com cabeça erguida.

– Sim eu sei. Hoseok me jurou de morte Jimin, não é brincadeira. Ele não podia me ver, ou muito menos ouvir meu nome. Teve um tempo que ele chegou a me perseguir, eu realmente fiquei com medo. Ele estava enlouquecendo, e foi quando eu vi o estado em que ele se encontrava que eu percebi o tamanho da merda que tinha feito. SeokJin queria o internar, porem consegui reverter as coisas. Concertei tudo. Na verdade quase tudo, pois quanto a você eu não podia fazer muito. – O Park sentiu as lágrimas brotarem no canto de seus olhos, e não as reprimiu, deixou que rolassem livremente por seu rosto.

Ambos ficaram calados apenas ouvindo o fungar baixo de Jimin, que não queria mais olhar para o mais velho. Ele entendia que eram aguas passadas e que não deveria sentir raiva de Yoongi. Não sentia, sentia raiva do que ele havia feito, mas estava estampado na cara do Min que agora ele era uma pessoa melhor. E não deveria nutrir raiva dele, ainda mais ao saber que ele não se orgulhava do que tinha feito.

– Não quero que me odeie Jimin. Eu era tão novo quanto vocês dois, não sabia o que fazer. Meu cérebro movia a base de álcool, e drogas por uma grande parte do dia. Eu deveria estar ficando louco também. A minha sorte fora ter Kihyun a meu lado, se não eu já teria sucumbido à overdose. – Jimin enxugou uma de suas longas lagrimas e respirou fundo.

– Não o culpo Yoongi, só estou chocado. Obrigado pelas respostas. – Se levantou para ir embora, mas teve o pulso puxado.

– Jimin o Hobi te ama muito. Na época em que ele estava comigo continuava dizendo que te amava, ele sempre me deixava de segundo plano, para eu sempre saber que o amor que ele sentia por você era maior que tudo. Nós jamais chegamos a nos deitar juntos, ele ama muito você. Faça o que puder para retribui-lo logo, e não me odeie pelo que te contei. – Jimin não podia negar que ficara mexido com tais palavras de Yoongi. Ele estava tentando, de todas as formas possíveis retribuir os sentimentos de Hoseok, gostava de verdade daquele hyung e pensar que poderia magoa-lo, ou simplesmente o destruir aos poucos, como fez, acabava com Jimin.

– Não se preocupe, eu não te odeio. – Sorriu para o Min, limpou as lagrimas e saiu do quarto do mais velho. Deu um tchau para Kihyun que ficou sem entender nada, mas deu de ombros. Ligou para Hobi pedindo que este o buscasse.

 

 

 

 

 

*.*.*.*.*

 

 

 

 

 

Hoseok estava tão feliz que fazia o Park ficar feliz também. Haviam chego no apartamento do Jung, e este sorria de canto a canto enquanto contava sobre sua conversa com Lee. O maior acariciava Choco que se deitara por cima do dono no sofá, Jimin apenas escutava tudo sorrindo hora ou outra, mas seus pensamentos estavam longe demais para prestar a atenção totalmente no que o mais velho dizia.

Jung percebendo que seu pequeno não estava nada bem sentiu vontade de perguntar o que tinham conversado. Mas pela cara de Jimin, ele obviamente não estava nem um pouco a fim de conversar sobre tal coisa. E o fato de não saber o frustrava muito.

Já entardecia, o céu ficando com as cores mais bonitas do dia, em um tom de laranja com azul escuro. E foi nesta mistura inocente de cores que Jimin se pegou pensando novamente no que Yoongi disse '" Nós jamais chegamos a nos deitar juntos...", realmente tinha adorado aquela noticia, o que só fazia o Park imagina a pele de Hoseok, sentir de forma mais próxima possível. Teve a ideia que talvez se arrependesse, mas esperava jamais se arrepender.

– Hobi tome um banho comigo? – Aquela pergunta surpreendeu Hoseok que se mantivera calado. Arregalou os olhos e o olhou.

– O que? – Perguntou para ver se tinha escutado direito.

– Ora vamos, não é nada disso eu apenas quero ser mimado. – Respondeu-lhe com certa manha. Se levantou do canto do sofá onde se encontrava sentado pegando nas mãos do mais velho e o puxando consigo.

Jimin puxou para cima a blusa do mais velho, que mesmo não conseguindo falar nada seguia os movimentos do mais novo com extrema felicidade. Não demorou para que se despissem por completo e entrassem dentro do box escuro e ligassem o registro, deixando que a agua quente caísse de forma relaxante em seus corpos.

Enquanto pele e cabelos eram molhados, Jimin abraçou seu hyung envolvendo seus braços na cintura do mais velho, deixando que este o envolvesse em um abraço apertado também. Sentia leves carias serem deixadas em seus cabelos, aproveitava os afagos de olhos fechados, e beijava um dos ombros de Hoseok.

Jung beijou a testa de Jimin descendo pelas bochechas, e enfim sua boca. Suas mãos também escorregaram pelo corpo do menor parando na cintura do mesmo, a apertando de leve. Aquilo só poderia ser um sonho. Hoseok não podia acreditar que estava tendo um momento tão intimo com seu pequeno, parecia ser surreal. Ficou receoso em descer mais as mãos, porem Jimin lhe deu sinal verde levando uma das mãos de Hoseok para mais baixo, e consequentemente a outra foi junto. Deixando um leve apertão na parte mais avantajada de Jimin.

Com todo aquele esfregar sôfrego de corpos, junto da água quente criava um clima perfeito. Jimin não conseguia conter o quão animado estava ficando. Tombou a cabeça para trás quando quebraram o osculo, e Hoseok aproveitou para distribuir vários beijos acompanhados de leves mordidas naquele espaço tão prazeroso de se marcar. E a cada mordida dada Jimin soltava uma lufada de ar, ajudando a embaçar mais o box. Hoseok beijou também a clavícula do mais novo fazendo suas partes se roçarem ainda mais, isso fez com que Jimin reprimisse um gemido.

– Hyung... – Chamou o mais velho em um sussurro, se recuperando e olhando na face de Hobi. Jimin corou violentamente. Não era exatamente isso que ele queria quando o chamou para tomar banho consigo. Mas a atração que sentia pelo Jung era enorme, não podia nunca negar isto nunca.  – ...e-eu estou começando a ter um probleminha aqui. – Confessou olhando para o lado tentando não ficar tão vermelho.

O olhar atrevido e divertido de Hoseok estava de volta, o mesmo olhar que o provocara mais cedo. Jung Hoseok era realmente um jogador muito baixo. Ele percebeu quando seu pequeno começou a se animar de mais, e nem por isto parou. A única coisa que fez foi se controlar, e fez um bom trabalho. Sorriu ao ouvir Jimin confessar tão coisa, ele era tão adorável que Hoseok tinha vontade de aperta-lo ainda mais em seus braços.

– Por que não encerramos este banho huh? – Perguntou ainda com o rosto virado. O Jung pegou no queixo do menor fazendo-o olha-lo.

– Agora que o banho estava ficando bom ChimChim? – Fez um bico, vendo Park lentamente se render totalmente aos seus encantos. – Eu posso te ajudar, não precisa resolver isto sozinho. – Jimin não havia reparado o enorme poder de persuasão de seu hyung, e antes que se desse conta suas costas já estavam encostadas na parede fria.

O Jung mais uma vez tomou os lábios de Jimin para si. Segurando o rosto do jovem rapaz com uma de suas mãos enquanto a destra descia entre os corpos molhados e quentes, indo parar direto no membro já ereto do rapaz. Começou a estimula-lo devagar e com maestria. Hoseok sorriu quando viu Jimin interromper o beijo para soltar um gemido sôfrego, mordeu levemente o lábio inferior do mais novo aumentando um pouco mais a velocidade de sua mão. A saliva de Jimin desceu pesada pela garganta, sua cabeça escorada na parede com os fios alaranjados molhados caindo sobre seu rosto, olhos completamente fechados, e a boca levemente entreaberta soltando baixos gemidos e sôfregos suspiros; em meio a toda aquela neblina que o chuveiro fazia, era a visão dos deuses para Hoseok.

Mais uma vez beijou o pescoço do rapaz, e fez uma trilha de beijos pelo tronco do mesmo, deixando um rastro de saliva por onde passava. Jung Hoseok queria muito não se excitar com a visão de seu pequeno, mas estava sendo muito difícil. Ah se Jimin soubesse o quão provocativo era em horas como estas não ficaria com tanta vergonha de ser tocado.

Jimin não podia acreditar no que estava acontecendo. Seria o seu sonho se realizando aos poucos? Confessava que estava sendo melhor do que no sonho. Aquele era um lado de Hoseok em que estava adorando saber que existia.  Não saberia como lidar com uma situação dessas, e ver o quão seu hyung estava acostumado com seu corpo o deixava feliz. Acostumado ate demais, o mais velho sabia todos os pontos onde sentia conforto em ser tocado, apenas não os testava de uma vez, pois tinha medo de que pudesse o assustar.

O mais novo olhou para baixo podendo ver Hoseok o encarando com um sorriso travesso enorme, e uma surpresa para Jimin foi ver o mais velho envolver sua boca em seu membro duro, e a surpresa maior ainda era sentir a boca quente de seu hyung trabalhando em si. Gemeu tão alto ao sentir a boca de Hoseok em si que ficou com medo de que vizinhos ouvissem.

Hoseok não se importava, apenas queria aliviar Jimin. Não deixaria dormir necessitado, não hoje, não como fizera na noite anterior segundo o mais baixo, por tanto apenas intensificou mais os movimentos incluindo sua língua em todo aquele processo.

Park não sabia exatamente o que fazer. Não sabia se gritava, se puxava os próprios cabelos ou se desabava. Seus braços estavam moles, e sentia que se caso desgrudasse daquela parede não aguentaria o peso de seu corpo e cairia ali mesmo, por mais que seus músculos estivessem tensionados.

Por que Hoseok tinha que ser tão bom em exatamente tudo o que fazia, era o que se perguntava. Chegava a ser invejável, invejavelmente bom. Interrompeu sua linha de raciocínio para gemer arrastado mordendo os lábios com força em seguida. Jimin sentia que não iria aguentar por muito tempo. Não foi necessário mais que três sucções de Hoseok, para que Jimin se desfizesse com um gemido arrastado.

Não viu o que Hoseok fizera após seu orgasmo, apenas sentia suas pernas bambas. Teria caído se Hobi não tivesse o segurado o colocando em seu colo. Jimin colocou seu rosto na curvatura do pescoço do maior, tentando se acalmar e normalizar sua respiração. Percebendo que já estava bem abraçou o pescoço do mais velho, e entrelaçou suas penas na cintura deste. Ouviu Hoseok desligar o chuveiro para em fim saírem do box. Jimin sentiu uma corrente fria passar por seu corpo o que o fez se apertar mais em Hoseok, que por sua vez também o abraçou mais forte e por fim o colocando sentado em cima da bancada da pia.

– Jimin. – Chamou o mais novo que estava com a cabeça abaixada.

– Isso foi tão vergonhoso Hoseok. – Disse em um tom baixo, mas que o Jung pode ouvir.

– Nada disso. – Sorriu reconfortando o mais novo. – Eu adorei fazer isto em você, depois de tanto tempo ainda continua o mesmo, ou quase.

– Aish! – Jimin cobriu o rosto com as mãos.

– Não fique envergonhado, foi um doce prazer pequeno.

– Doce prazer?

– Sim. Agora vamos nos vestir, e ver algum filme acho que você precisa descansar. – E assim fizeram. Em todas as hipóteses este acontecimento só fez com que Jimin ficasse mais próximo de Hoseok, e o Park tirou da cabeça que deveria ficar envergonhado com isto, pois segundo seu hyung mais coisas viriam por ai se ele permitisse, e seriam apenas doces prazeres. 


Notas Finais


Então já peço desculpas por esta ultima parte, eu não me dou bem com essas coisas. Sempre que tento sai ruim. Mas ta ai.
Quero explicar o porque de eu não estar postando com frequência, e talvez este seja o ultimo capitulo antes das ferias. O motivo de eu não postar é a falta de tempo. Ta bem puxado para mim. Vou tentar escrever boa parte dos capítulos nas ferias, aguardem bastante treta,

Agora sobre o Yoongi, quem será a pessoa que ele não consegue esquecer hein?
Bjs da Is. >_<.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...