História Amnesia - HIATUS :( - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Abraham Mateo, Magcon, Midnight Red
Personagens Aaron Carpenter, Abraham Mateo, Anthony Ladao, Brent Rivera, Cameron Dallas, Carter Reynolds, Christian Collins, Colton Rudloff, Crawford Collins, Eric Secharia, Hayes Grier, Jack and Jack, Jacob Whitesides, JC Caylen, Joey Diggs Jr., Kian Lawley, Mahogany LOX, Matthew Espinosa, Nash Grier, Nate Maloley, Personagens Originais, Sammy Wilkinson, Shawn Mendes, Taylor Caniff, Thomas Augusto
Tags Amnésia, Anthony Ladao
Exibições 27
Palavras 1.495
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, amores!! Como vocês estão? Eu estou ótima! E ansiosa pra minha festa de 15. Ontem teve ensaio fotográfico e gente... Sério. Ficou muito legal as fotos.
Enfim, aqui vai mais um capítulo para vocês e espero que curtam. Ainda tem tempo de fazer a ficha. Lembrando que entre aqueles outros, Shawn também já não está mais disponível.
Ah! E duas personagens novas irão aparecer. Aninha e Bea ♥
Bom, enfim. Boa leitura!
E eu consegui colocar GIF!! Vou voltar com as GIF's, Baby's!! Se Deus quiser!

Capítulo 3 - New friends


Fanfic / Fanfiction Amnesia - HIATUS :( - Capítulo 3 - New friends

"Tudo é novo hoje. Cidade, amigos, casa e talvez, um amor..."

Lena POV

Os dois dias que eu precisava para ficar aqui, finalmente tinha acabado.

Do hospital era diretamente para o aeroporto. Graças a Deus, no quarto em que eu estava, no banheiro tinha um chuveiro, então tomei banho ali mesmo.

Coloquei uma calça jeans, uma blusa regata preta e soltinha e minha bota preta. Coloquei uma jaqueta de couro.

-Pronta? -Minha mãe perguntou, entrando no quarto.

-Sim. -Cocei a nuca. -Eu acho...

Minha mãe se aproximou de mim, sorrindo e me abraçou, beijando o topo de minha cabeça.

-Vai ficar tudo bem, filha. Pense pelo lado positivo. Você renasceu. Vai poder mudar sua vida. Agora, voltou a ser uma página em branco, pronta para ser reescrita, só que para melhor.

E se eu não quisesse ter renascido? E se eu quisesse apenas que minha memória voltasse e que eu acordasse e tudo não se passava de um mero sonho? E se eu não quisesse que minha vida virasse um livro em branco que eu teria que reescreve-la?

Eu só queria minha vida de volta. Me lembrar pelo menos de coisas boas que passei ao lado daqueles que se importavam realmente comigo. Era tudo que eu mais queria, mas agora não tinha como voltar para trás.

-Vamos, garotas? -Meu pai entrou no quarto e eu concordei, andando ao lado de minha mãe para fora daquele hospital.

Entrei no táxi e coloquei meu fone. Começou a tocar Who Says da Selena Gomez.

Encostei minha cabeça na janela e quando o táxi começou a se locomover, observei as pessoas, casas, animais, prédios, tudo. Mesmo não tendo muita lembrança, sentiria falta daqui. Muita falta.

Deve ter levado pelo menos uns cinquenta minutos quando finalmente chegamos no aeroporto.

Meu pai pagou o motorista e fomos para dentro daquele local grande.

Fizemos o check-in e fomos em direção ao corredor que dava a porta do avião. Entramos nele e fomos para nossos assentos. Fiquei na janela e meus pais ao meu lado.

Novamente coloquei o fone e me desliguei disso que chamamos de mundo.

(...)

Acordei com alguém me cutucando. Abri meus olhos lentamente e encarei minha mãe.

-Filha, chegamos. Vamos. -Ela falou e eu assenti, me levantando do assento.

Saímos do avião e fomos até a esteira pegar nossas malas. No meio do caminho, estava bem distraída com meu celular que acabei trombando com alguém.

-Velho, foi mal. -Uma garota loira falou.

-Ah... tá tudo bem. -Falei.

Ela me encarou por breves segundos e sorriu.

-Prazer. Sou Amber Marie Lee Espinosa. Mas todas costumam me chamar de Am... -sorri.

-Sou Lena Barbosa. Vou ser a diferentona então. Te chamarei de Marie.

-Apenas Marie. Gostei. -Comentou.

-Amber! -A voz de um garoto ecoou naquele local e logo um loiro parou do nosso lado. Mais especificamente do lado de Marie.

-Fala, Matt. -Ela se virou para ele, sorrindo.

-Mamãe estava preocupada. Sabe disso, né?

-Ah! Qual é! Só saí para ir ao banheiro. -Resmungou, e eu tive que morder meu lábio inferior para não dar risada.

-Sei. -O olhar do garoto foi para cima de mim e olhei para baixo, envergonhada. -E essa? Quem é?

-Minha nova amiga. Lena Barbosa. -Falou Marie.

-Prazer, Lena. Sou Matthew Lee Espinosa. Irmão dessa baixinha que amo tanto.

-Bleh! -Marie mostrou a língua para Matt e depois os dois riram.

-Lena? O que está acontecendo? -Meu pai se aproxima e eu o encaro e depois volto meu olhar para os dois jovens a minha frente.

-Conheci gente nova. -Falei.

-Ah! Bom. Isso é muito bom. Qual o nome de vocês? -Meu pai sorriu amigavelmente.

-Matthew Lee Espinosa, senhor. -Matt falou todo educado.

-Por favor... -meu pai soltou uma risada e minha mãe se juntou na conversa. -Me chame apenas de Roland. E você, menina?

-Amber Marie Lee Espinosa. -Marie sorriu abertamente e fiquei até feliz por meus pais e os dois jovens estarem se dando tão bem com meus pais.

Dois adultos chegou perto e a mulher colocou a mão no ombro de Matt e Marie.

-Quem são esses, filhos? -A mulher perguntou, sorrindo.

-Aqueles são os pais da Lena. -Marie falou. -Lena é minha nova amiga.

-Ah! Amiga nova? -O homem sorriu. -Prazer. -E apertou a mão de meus pais.

-Prazer. Sou Roland e essa é minha esposa, Alessia.

-Meu nome é Edward e essa é minha esposa, Luce.

Meus pais e os pais de Marie e Matt ficaram conversando, então fiquei conversando com os dois.

-Ei, passa seu número, para gente conversar. -Marie falou.

-Ok. -Passei e Matt vi que anotou também. Admito que ele era bonitinho, mas só seria meu amigo.

-Eu te chamo assim que chegar em casa. -Matt cutucou Marie que soltou uma risadinha. -Quer dizer, depois que eu também terminar de arrumar meu quarto e ajudar meus pais com a mudança.

-Vocês estão também se mudando? -Perguntei, curiosa.

-Sim. -Respondeu Matt. -Éramos de Canadá.

-E você? -Marie perguntou.

-Inglaterra. -Sorri.

-Se lembra de algo de lá? Senti falta já de algo? -Matt perguntou.

-Eu não sei. -Sorri triste. -Eu sofri um acidente e acordei com Amnésia. Não me lembro de nada além de meus pais.

-Eu sinto muito.

-Tudo bem.

-Crianças! Temos notícias. -Meus pais estavam sorridentes. Até demais.

-Fala, mãe. -Matt falou.

-Os pais de Lena e ela são nossos vizinhos!

Encarei Matt e Marie de olhos arregalados. Marie me abraçou fortemente e Matt fez o mesmo. Ri com aquilo e retribuí.

-Ah! E Lena, sou dona de uma loja de instrumentos musicais. Se quiser trabalhar lá, eu te contrato. Sua mãe disse que você se dá super bem com música e fotos. -Luce falou.

-Claro. -Eu realmente amava a música. Mesmo que eu não me lembrasse.

-Vamos então. -Edward falou, sorrindo.

Meus pais e os pais de Marie estavam se dando bem, o que eu achava que era muito bom, pelo menos.

Quando pegamos um táxi separado pois não cabia todos em um só, fiquei trocando mensagem com Matt e Marie.

Ao chegarmos fomos para a nossas casas e alguns móveis já estavam postos, talvez exatamente como meus pais pediram para os homens.

-Bom, -minha mãe comentou. -vamos ao trabalho.

Assenti e subi para meu quarto.

(...)

Devia ter se passado duas ou três horas arrumando tudo. Deitei na minha cama, exausta e logo recebi uma mensagem.

Acabou tudo? Eu estou exausta. -Pequena Marie.

Graças a Deus, acabei sim. Eu também estou exausta. -Eu.

Estou querendo ir numa pizzaria que tem aqui para jantar. Vamos? -Pequena Marie.

Claro. Por que não? Que horas vamos? -Eu.

Daqui a uma hora. -Pequena Marie.

Estarei esperando vocês. -Eu.

Ps: o Matt não vai. Ele estará saindo com os amigos dele. Sim, mesmo nos mudando agora, Matt já tinha vários amigos por aqui! -Pequena Marie.

Ok -Eu.

Bloqueei meu celular e me levantei, indo para o banheiro. Tomei um banho rápido sem lavar o cabelo e vesti uma calça jeans colada e clara, top cropped branco e um salto preto.

Fiz uma make básica para noite e peguei meu celular e dinheiro, logo saindo de meu quarto.

-Vai sair? -Minha mãe me pergunta.

-Sim. Com a Marie.

-Certo. Cuidado.

-Pode deixar.

Assim que saí, vi Marie na frente da minha casa, conversando com uma garota. Me aproximei delas.

-Oi! -Falei.

-Olá. -As duas responderam.

-Lena, essa é uma nova amiga que acabei de fazer depois que acidentalmente, esbarrei nela. -Marie comentou.

-As técnicas infalíveis de Amber Marie Lee Espinosa! Esbarre numa pessoa e você fará rapidamente uma amizade. -Zombei e nós três rimos.

-Mas continuando, ela é a Beatriz Campbell.

-Prazer Beatriz. Sou Lena Barbosa.

-Prazer, Lena.

-Bom, agora que já nos apresentamos, vamos para a pizzaria? Estou morta de fome.

-Claro! -Eu e Bea respondemos em uníssono.

Fomos a pé mesmo, já que era perto e ficamos conversando sobre várias coisas aleatórias durante o percurso.

Assim que chegamos, fizemos nossos pedidos, zoamos pra caralho, comemos, pagamos a conta e fomos embora.

-Amanhã tenho que trabalhar. -Bea comentou.

-Você trabalha aonde? -Marie perguntou, curiosa.

-No Winter's Shopping.

-Não brinca! Minha mãe tem uma loja de instrumentos lá!

-A Luce's? -Marie concordou. -Caraca!! Qualquer dia desses passo por lá. Já que a livraria é no andar de baixo.

-Estou perdida. Quantos andares tem nesse shopping? -Indaguei.

-É o maior shopping aqui de Califórnia. Tem... quatro andares. -Respondeu Marie.

-Você vai gostar de lá. -Falou Bea.

Finalmente tínhamos chego na nossas respectivas casas. Descobri que Bea morava na casa ao lado, assim como Marie.

-Amanhã, seis da manhã esteja acordada. É a hora que vamos para o serviço de minha mãe. -Marie falou para mim que assenti.

-Ei, Lena. Passa seu número. Para gente conversar.

-Claro!

Passei e depois entramos nas nossas casas. Todos já dormiam na minha e resolvi ir para meu quarto. Tirei minhas roupas e as troquei por um pijama confortável.

Fiquei olhando para o teto e aos poucos fui sentindo meus olhos pesarem. Em poucos minutos, já estava adormecida.


Notas Finais


Bom, por hoje, foi isso. Espero que tenham gostado e bem, sei que a fanfic não está com taaaantos favoritos e comentários, mas isso já me deixou mt feliz. Obrigada!
Beijos de chocolate e até a próxima! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...