História Amor à distância - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~heyParrilla_

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Henry Mills, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Jennifer Morrison, Lana Parrilla, Once Upon A Time, Ouat, Swan Queen
Exibições 145
Palavras 1.952
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura!! Para os que acompanhavam a história antes, eu não mudei nada nesse capítulo.

Capítulo 3 - Capítulo III


{Emma}

 Meu coração acelerou e me remexi na cadeira, aceitei a chamada e enquanto o Skype carregava amarrei o meu cabelo deixando só a franja solta. Quando a tela de Regina apareceu ela não estava, dei de cara com uma parede amarela cheia de posters e ouvia alguns ruídos ao fundo.  

— Emma? – Chamou, meu coração errou uma batida ao ouvir sua voz, um tom rouco e doce dançou em meus ouvidos e quando a ouvi fungar despertei.   

— Regina? – Chamei desconfiada e um pouco perdida. De repente o notebook de Regina começou a se mexer e foi suspenso, ela o virou e seu pescoço foi a primeira coisa que vi, a câmera tremeu um pouco mais e de novo estava virada para um lugar aleatório, ouvi uma tosse e ela pegou o notebook novamente. – Tá tudo bem aí? – Perguntei para quebrar o silêncio, ela provavelmente estava se ajeitando.  

— Estou me sentando. – Falou antes de pegar o notebook de novo e finalmente tentar ajeita-lo em frente seu rosto. — Estava checando se você era mesmo mulher. — Falou e deu uma risadinha.  

Regina estava com o rosto inchado e vermelho devido ao choro, mesmo assim deu para notar que ela era muito bonita. Seus olhos eram da cor de chocolate, seus cabelos curtos e repicados  batiam nos ombros. Seus lábios eram convidativos e não pude deixar de perceber em uma cicatriz que tinha no lado esquerdo da boca. Regina era a coisa mais fofa do mundo. Ela estava escorada na parede de posters e sorrindo, resolvi passar os olhos ao redor dela mas ela fungar novamente chamou minha atenção.  

— Eei, você estava chorando por minha causa? — perguntei e a voz falhou um pouco. Regina deu de ombros e coçou seu ombro esquerdo. — Você não sabe a raiva que estou sentindo da companhia elétrica nesse momento. — Brinquei e ela soltou uma risada abafada fitando algo em seu colo, ainda coçava o ombro. Regina abriu a boca para dizer algo mas não saiu nada, em vez disso ela franziu o cenho e começou a chorar.  

— É que eu achei que você não tivesse gostado de mim sabe? — Disse de uma vez só soltando uma lufada de ar em seguida. Meu coração se partiu em mil pedaços quando terminei de processar a frase, minha vontade era de ir até onde Regina estava e abraçá-la o mais forte que eu conseguisse, prometendo que tudo ficaria bem mesmo sem saber o que, além de mim, estava machucando-a.   

— Não precisa chorar. — Falei tocando o dedo na tela como se limpasse suas lágrimas.  

Ficamos em silêncio enquanto Regina se acalmava, nesse meio tempo tive a oportunidade de observar o quarto da morena,  e então vi um pôster que já tinha visto antes mas não tinha notado ser da Katy Perry.  

— Aquela ali é a Katy Perry?   

— Onde? — olhou para trás a procura da imagem — é o pôster de divulgação do lançamento da nova música dela, Firework. Você gosta?  

— Eu gosto muito dela, você não faz ideia. — Respondi animada, posso jurar que meus olhos brilhavam ao observar mais atentamente todos os outros posters ao redor. 

— Eu também!   — Respondeu abrindo-me um sorriso radiante. 

— Qual sua música favorita dela? — Perguntei. 

— Não sei — Coçou a cabeça pensando. — I Kissed a Girl, ouço muito.  

— Us girls we are so magical soft skin, red lips, so kissable — Cantarolei.  

— Hard to resist so touchable too good to deny it — Regina continuou, ela cantava muito bem.  

— Too good to deny it ain't no big deal, it's innocent — Completamos juntas sorrindo.  

— E a sua?  — Devolveu a pergunta. 

— Thinking of You.  

— Ui, ela é toda apaixonadinha — Debochou. 

— Ei! Não sou nada. — Fingi indignação mas acabei rindo da acusação feita por ela.  

— É até bonitinha a música.    

— Já tinha ouvido antes?  

— Algumas vezes.  

— Estou contando os dias para a nova música dela.   

— É mesmo, havia me esquecido dessa. Agora vou ficar ansiosa também e a culpa é sua. – Regina me acusou e sorriu.   

Seu rosto já havia melhorado muito, não estava mais tão vermelho e eu estava extremamente encantada com o sorriso da morena. Além de Katy Perry vi muitos outros posters de coisas que eu gostava e se estavam na parede dela, ela gostava também.   

— Ei, está bastante claro aí. — Falei percebendo a claridade.  

— Onde você mora? – Regina perguntou. – Que horas são aí?  

— São quase uma da manhã aqui. — Disse e bocejei.   

— Meu Deus Emma! – Falou se assustando. — Vai dormir.  

— Não, que horas são aí? Você não mora nos Estados Unidos? — Ela negou.  

— Não. – riu.    

— Como você fala inglês tão bom então? Você mora na França mesmo?  

— Moro. Minha mãe é americana e bom.. – Fez uma pausa revirando os olhos. – Eu tive que aprender.  

— E como você foi nascer aí na França?   

— Minha mãe é uma empresária muito rica. Não que eu queria me gabar – riu. – E ela veio organizar a construção da filial até que passou mal e bom... Eu estava lá dentro dela. A gravidez era de muito risco e ela não pode voltar para os EUA, nove meses e uma semana bastou para que ela se apaixonasse pela Europa e não quisesse voltar mais. E uma observação, eu não estou na França, estou na Espanha. Por que, você sabe... Você disse “aí na França” mas a França está lá e não aqui. — Disse sorrindo e revirando os olhos de si mesma. Como se ela rotulasse a própria ação como chata. 

— Uau! Isso é muito bacana! E quanto a seu pai? Ele é francês? E o que você está fazendo na Espanha? — A enchi de perguntas. 

— Me fale sobre os seus pais! Onde você mora? – Perguntou ignorando todas elas e forçou um sorriso.  

— Bom, eu moro em NY mas fui feita no Canadá graças a uma grande nevasca que prendeu meus pais em casa e uma briga depois que minha mãe encheu meu irmão de doces. Meu pai ficou irado porque ela mimava ele demais.  

— Mas seu irmão estava lá quando eles...? – Regina perguntou fazendo uma pausa e eu entendi. Seu cenho estava franzido  deixando-a mais adorável do que era normalmente.  

— Não. – ri. – Foi por telefone, ele estava com a babá e ela ligou para meus pais porque ele estava fazendo birra, minha mãe mandou a mulher enchê-lo de balas, pirulitos e sorvete. – Respondi e vi um pequeno sorriso habitar seu rosto novamente.  

— Entendi. Então você tem um irmão...  

— Tenho! E você é filha única?  

— Não. Eu tenho uma irmã. Por parte de pai.   

— Ela é francesa também?   

— Não, ela é inglesa. – Respondeu e riu.  

— Sua família é bem diversificada hein?   

— Sim! É muito bom. Minha irmã é muito boa pra mim e um tanto louca. Eu sinto muita falta.  

— Ela não mora contigo?   

— Não, ela mora em Reykjavík na Islândia. Mas vive viajando, é o trabalho dela.  

— O meu irmão também! – Respondi animada - Ele não fala muito comigo então não sinto tanta falta mas o amo demais mesmo.   

— Quantos anos ele tem?  

— Vinte e sete.  

— Ah, minha irmã também.  

— Você ainda não me falou sobre seu pai.  

— Eu falei que minha mãe era empresária. O que os seus pais fazem?  

— Meu pai ficou um bom tempo sem trabalhar mas agora ele é vice presidente de uma empresa. Minha mãe era professora, agora ela desenha livros infantis e pinta quadros bem bacanas. – Falei e Regina assentiu, em seguida começou a olhar para os cantos e levou a mão ao ombro, coçando-o novamente. Aquilo provavelmente deveria ser alguma mania de quando estava nervosa.  

— Bom.. Ele é de Porto Rico e ele era motorista. Ele me ensinava a falar espanhol mas não deu tempo de terminarmos assim como terminei o inglês... Ele estava tão feliz com meu empenho em aprender e.. E quando aconteceu eu não sabia falar quase nada ainda. – Desde o início de sua fala eu percebi que ela estava segurando o choro. Me arrependi no mesmo segundo de tanto insistir em perguntar sobre seu pai quando ela começou a chorar antes mesmo de terminar a falar. Não conhecia Regina, não ficava assim nem com Ruby que era minha melhor amiga mas quando a morena chorava eu me amaldiçoava pela minha inutilidade de não poder fazer nada e muito menos saber o que falar. – Eu sinto tanta falta dele Emma. Ele era o meu melhor amigo, tudo que eu tinha, e há um ano eu estou sozinha. – Lá estava seu rosto vermelho novamente, ela falava com dificuldade, a voz modificada pelo choro e as fungadas em busca de ar se faziam presentes também.  

— Você não está sozinha. Aposto que tem vários amigos que te adoram e não querem te ver chorando assim. – Falei com a voz um pouco falha também, não iria me permitir chorar na frente dela. Ela começou a balançar a cabeça negativamente .  

— Não tenho ninguém, não tenho amigo nenhum. Eu não posso falar sobre isso com minha mãe entende? – Perguntou e eu assenti. – Eu não vou mais a escola, as pessoas que eu costumava chamar de amigos ficaram com dó de mim por alguns dias mas logo não se importavam mais. Zelena se importa mas ela fala comigo apenas por mensagem e tipo, cinco minutos por dia. – Acrescentou revirando os olhos no final ao falar da irmã.  

— Você pode falar comigo. – Me adiantei a falar.   

— Você nem me conhece, por que iria querer uma desconhecida te enchendo de mensagens o dia todo? – Perguntou, sua voz já tinha melhorado um pouco e o choro estava mais controlado.  

— Bom, se você ficar me enchendo o dia todo logo passará a ser uma conhecida, certo? – Falei e sorri oferecendo a ela algum tipo de conforto.  

— Você é muito chata Emma. – Falou cruzando os braços, emburrada.  

— Eei!! Como assim? – Perguntei um tanto ofendida.   

— Eu.. Eu nunca tive ninguém se importando comigo assim, é estranho. – Respondeu ainda emburrada. – Eu sou muito estranha. Você tem certeza que quer ser minha amiga?  

— Quero. – Respondi mesmo sem nem pensar.  

— Então vai dormir! Já tomei minha dose diária de você. – Falou com uma cara sapeca. Que ousada e atrevida era Regina Mills, uma hora chorando uma dor que parecia ser forte, outra tirando onda com minha cara.  

— Não estou com sono, quero ficar aqui com você. Não tenho nada pra fazer amanhã de manhã.   

— Mas já são uma hora da manhã aí e você já está bocejando. Daqui a pouco sua mãe briga com você também. Vou desligar a webcam e você vai deitar.   

Antes que eu pudesse responder a chamada foi encerrada fazendo uma ponta de decepção fincar meu corpo. Fiquei encarando a janela de Regina, a morena ainda online ali fazendo algo que eu queria saber o que. 10 minutos se passaram e nada, o sono realmente começou a pesar e eu desliguei o computador, liguei a televisão em seguida para me fazer companhia e logo meu telefone vibrou.   

"Você me ajudou tanto hoje. Obrigada por me fazer rir e sorrir, obrigada pelo interesse, pela distração. Você é muito linda loirinha. Boa noite!" 

Meu coração faltou saltar pela boca, me virei de lado ainda deitada e fiquei encarando aquela mensagem, lendo e relendo todas as palavras contidas nela. Regina era um amor, me partia o coração saber que ela carregava uma dor tão forte a ponto  de "forçá-la" a fazer coisas que nem ela mesmo queria e que ela mesmo que pouco, se abriu comigo. Também me chateava o fato de e eu estar imensamente longe dela para ajudá-la a passar por isso de perto.  

Logo meu celular vibrou outra vez: 

Regina: Me chame amanhã por volta de meio dia aí para você? 

Pediu e mandou o número de telefone, logo imaginei que fosse para chamá-la por mensagem e coloquei um lembrete no meu telefone para chamá-la 11:59am embora com certeza eu não fosse precisar porque já estava contando os segundos para isso.


Notas Finais


- Olá pessoas, como estão? Vocês tem spotify? Porque se sim, eu fiz uma playlist de Amor a distância {https://open.spotify.com/user/12177799027/playlist/4HBpyXkoDt1S0oxPDehiHD} mas as músicas começam a partir do sétimo capítulo, quem quiser já ir ouvindo fique a vontade para tentar descobrir os spoilers que elas possuem heheh.

- Decidi que vou postar de dois em dois dias os capítulos que já estão prontos, então, até quinta-feira. Comentem!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...