História Akai Ito 1 - AMOR A SEGUNDA VISTA - Capítulo 60


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Calipso, Frank Zhang, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper Mclean, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano
Tags Colegial, Percy Jackson, Romance
Visualizações 595
Palavras 2.321
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Escolar, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Trama que conta o dia que cada um soube que seria pai ela primeira vez.

Capítulo 60 - One-Shot - Vou ser papai.


Percy

_______________________________________________________________________

Quase quatro anos de casados, e Annie e eu ainda parecíamos namorados de colegial, a única coisa que complicava entre nós, eram os dias que tínhamos que ficar separados por conta do trabalho. Minha empresa ganhou encargos para serviços internacionais, e Charles e eu reversávamos nas viagens. Annie apesar de recusar a maioria dos serviços internacionais, também tinha vezes que precisava viajar. Hoje eu estava chegando de uma viagem que durou quinze dias, a única coisa que eu queria era poder chegar em casa e matar a saudade da minha esposa.

O cheiro do jantar inalava toda área do apartamento, e eu sorri, por saber que toda essa recepção era por conta da minha chegada. Nosso apartamento era todo decorado pelas ideias criativas da Annie, o designer clássico e simples, e as cores dos cômodos eram tudo marca registrada dela. Annie estava na cozinha, entrei com um sorriso e a observei terminar de enxugar a pia. Seu cabelo agora estava longo novamente, tão longo quando na época da escola, tinha um rosto mais moldado e serio, ainda permanecia com o corpo perfeito e atlético, embora eu já havia percebido que ela tinha encorpado mais... Eu a abracei por trás e lhe dei um beijo na nuca, era seu ponto fraco desde o colegial. Annie se arrepiou e sorriu.

- Sempre jogando sujo – Ela disse

- Saudade! – Eu pressionei seu quadril sobre mim.

Annie riu e virou para ficar de frente comigo.

- Que tal um banho, um jantar delicioso, uma massagem e uma noite especial – Ela mordeu os lábios inferiores.

- Você que manda – Eu a beijei para poder me afastar.

Tomei um banho e desfrutei do jantar que ela havia feito, conversamos sobre minha viagem e das novidades que aconteceram desde que estava fora. Era sempre bom ter um momento de conversa com a Annabeth, as palavras fluíam e o tempo passava rápido. Depois do jantar fomos para o quarto, eu odiava ter que viajar por dias, e odiava ter que vê-la viajar por dias, mas existia apenas dois momentos desse período que eu ama... A despedida, e o reencontro, esses eram os momentos que mais provinham de prazer e amor, não que os outros momento não fossem desse jeito, mas já passamos um momento tão longe um do outro que toda despedida era carregada de sentimento, e todo retorno vinha o dobro da saudade, e estávamos acostumado demais a vivermos um com outro agora.

***

Acordei pela manha ainda sonolento, Annie não estava na cama, ao invés dela tinha um bilhete em seu lugar.

“Eu estava esperando você chegar”

 

O bilhete dizia. Franzi a testa em confusão sem entender, olhei para o quarto vazio e percebi outro bilhete colado no imenso espelho que ficava ao lado da cama, me levantei curioso, imaginando ser alguma surpresa vindo da Annie.

“Estava ansiosa para que soubesse sobre mim”

 

Eu sorri, ainda não conseguia matar a charada. Olhei para o quarto novamente e não havia mais nada, calmamente fui até o corredor fora do quarto. Outro bilhete na parede.

“Já consigo fazer vocês perceberem o quanto eu brinco aqui dentro... É divertido”

 

Continuei sorrindo, olhei pelos corredores e vi um bilhete colado no fim dele, andei até lá, um pouco ansioso.

“Sei que você é mais esperto, pra entender quem eu sou... Pois demorou pra que eu fosse descoberta. Bem, mas se ainda não entendeu olha pra mesa de centro da sala”

Minhas mãos tremeram, minhas pernas tremeram, eu fui ansioso até a mesa, e sorri emocionado, sem nem acreditar. Lagrimas vieram aos meus olhos sem que eu pudesse segura-las. Sobre a mesa havia um par de sapatinhos branco, com laços rosa, e um bilhete escrito:

“Acho que você já tinha matado a charada com o bilhete anterior, afinal, a mamãe é que é um pouquinho lenta, ela não me percebeu até duas semanas atrás, então eu tive que dar vários chutes em sua barriga pra que ela percebesse que havia algo aqui dentro. Eu já estou grandinha, e já posso fazer você sentir meus empurrões, passei esses quatro meses quietinha ouvindo a voz de vocês, e estou ansiosa pra ouvir a voz do papai falando diretamente comigo, pois a mamão não parou de tagarelar durante essas duas semanas. Eu ainda não tenho um nome, pois quero que o papai escolha... Estou feliz por ter chegado, deixei a mamãe muito feliz também, e agora quero deixar o papai feliz. Eu sei que você já tem bastante experiência com o mundo rosa, espero que não tenha problemas com mais uma na equipe. Eu te amo papai, e a mamãe também”

Eu sorria e chorava ao mesmo tempo, Annie apareceu na sala com um sorriso largo no rosto e com a barriga a amostra. Eu a abracei bem forte e a beijei, ela chorou junto comigo.

- Isso é serio? – Eu a encarei

- Bem serio – Ela sorriu – Parabéns papai!

Eu sorri e a beijei novamente, depois me abaixei e beijei sua barriga. Eu havia percebido que a Annie tinha encorpado mais, só que não imaginava que o motivo seria tão bom. O sentimento era algo incomparável, achei que nunca amaria outra mulher além da Annie, só que isso mudou em segundos após essa noticia. Eu seria pai, eu estava realizando um sonho que lutei pra conseguir desde os quinze anos, eu estou construindo um futuro, uma família com a mulher que eu amo.

Jason

__________________________________________________________________________

Percy já teve seu primeiro filho, filha pra ser mais especifico. Ele era verdadeiramente um pai babão, sempre que nos encontrávamos na rua, ele estava com a Luiza nos braços. Annie diz que as brigas de casais agora, eram por conta das disputas para a atenção da filha, era divertido ver o quanto estavam mais unidos e mais maduros depois disso. A Luiza era linda, cabelos loiros e finos como os da Annie, mas era a copia perfeita do Percy, não existia nada que pudesse negar isso, acho que por conta desse grande detalhe, o Percy deve se achar bastante.

Piper e eu estávamos casados a mais tempo que eles, mas a ideia de ter um filho só surgiu depois que convivemos com a gestação da Annie, foi tão divertido ver a empolgação dos dois, que acabamos vivendo aquela emoção juntos, e o desejo de viver minha própria emoção dominou meus pensamentos. Piper e eu estávamos tentando, mas até então não havia indícios da possibilidade, eu já estava ficando frustrado.

Foi em uma manha de sábado que tudo mudou. Piper e eu havíamos discutido por alguma besteira que não sei explicar o porquê se agravou daquela forma. Ultimamente ela tem estado bastante impaciente com tudo. Eu estava esquentando o café quando ela chegou na cozinha, achei que ela já ia começar a resmungar algo, já estava me preparando para aquilo, mas ela apenas se sentou na mesa segurando um envelope.

- O que é isso? – Perguntei receoso, com o medo de ser um pedido de divorcio – Vamos conversar com calma... – Me sentei a sua frente. – Eu sei que está complicado, que estamos nos desentendendo demais, mas não acho que isso seja a melhor solução... Eu sei que você me ama, e eu te amo...

- Jason... – Piper me interrompeu – Do que você está falando? – Ela fez uma careta.

- Ah... – Olhei para o envelope – Nada...

Piper riu.

- Eu sinto muito pelos desentendimentos, comecei a desconfiar o que eram porque a Annie conversou comigo sobre questão de sintomas...

- Sintomas? – Eu a interrompi

- Sim, fiz um beta...

Puxei o envelope antes dela terminar a frase, e o abri rapidamente. Piper riu com meu desespero. Havia varias palavras naquele papel, mas a única que consegui ler foi “POSITIVO”

- Ai meu Deus! – Levantei da cadeira surpresa – Vamos ter um bebe.

Piper se levantou sorrindo e puxou o papel, analisando com cuidado. Eu nem esperei ela terminar de ler, já fui abraçando-a, e chorando feito criança. Agora eu podia entender perfeitamente a sensação que o Percy tentou me explicar, de como era saber que seria pai pela primeira vez. Eu era o cara que mais queria isso, normalmente o desejo maior vem da mulher, mas nesse caso era eu quem queria muito isso, e agora parecia que todo meu corpo ia entrar em combustão de felicidade.

- Finalmente – Piper disse empolgada – Me desculpe pelos desentendimentos sem motivo, na verdade era meu emocional já mudando.

- Não tem problema, pode gritar, brigar o quanto quiser – Eu disse.

Piper riu.

- Você é tão bobo – Ela alisou meu rosto

- Eu vou ser pai – Sorri

- Parabéns papai – Ela me beijou – Nós te amamos.

- E eu amo muito mais vocês – Eu a beijei novamente.

 

Frank

________________________________________________________________________

Quando Percy descobriu que seria pai pela segunda vez, o Jason já tinha tido seu primeiro filho, eu estava nervoso e ansioso pelas suspeitas que a Hazel tinha sobre ela. Não é que eu não quisesse ser pai, é que isso me assustava um pouco. Hazel tinha uma personalidade forte, que eu ainda tentava domar, ela tinha uma boca muito seja em relação a xingamentos, e eu já imaginava como isso poderia influenciar uma criança.

- Frank! – Ela me gritou – Vamos...

- Vem cá – A chamei, eu ainda estava deitado na cama.

Hazel apareceu no quarto. Quando éramos adolescentes, ela era um pouco diferente de agora. O cabelo era o mesmo, compridos cachos armados e caídos até abaixo dos ombros, porem hoje com minha ajuda de instrução de treino, e reeducação alimentar, ela havia emagrecido mais, não quis adotar um corpo atlético como o da Annie, preferiu manter suas belas e torneadas curvas naturais. Sempre achei a beleza da Hazel intrigante, sempre tive um interesse em particular por ela, mesmo quando éramos apenas amigos, seus olhos tinham um brilho natural envolvente, e o tom da sua pele em contraste com a minha, sempre me chamou atenção. Nossos sentimentos sempre foram recíprocos, e tivemos um relacionamento tão tranquilo que era difícil imaginar que tudo estava bem até o momento. Em comparação com a luta do Jason na época da escola para reconquistar a Piper, e o quanto Percy sofreu pra ter finalmente a Annie junto com ele, fazia do nosso relacionamento o mais perfeito possível.

Hazel se sentou ao meu lado na cama com uma cara emburrada.

- Vamos logo – Ela reclamou.

- Calma... – Eu disse a puxando para um abraço e deitando sobre a cama – Pra que a pressa?

- Quer mesmo que eu diga...

- Ei, o que conversamos sobre palavras sujas? – Eu a repreendi. Hazel revirou os olhos e suspirou.

- Estou começando a achar que você não quer isso – Ela resmungou – Preciso confirmar se estou mesmo gravida.

- Não interprete dessa forma – Eu sorri – Eu só estou com medo.

Hazel sorriu.

- Vamos estar juntos – Ela colocou a mão sobre meu rosto

- Você precisa controlar seu jeito impulsivo com as palavras – Eu a lembrei

- Prometo – Ela fez uma cara de inocente.

Eu sorri e a beijei.

- Tem certeza que temos que ir agora? – Perguntei a puxando mais pra perto, apertando seu corpo contra o meu.

- Não – Ela riu – Não precisamos ir agora.

Eu sorri entre o beijo, e me coloquei sobre ela. Minha esposa era linda, e eu a amava demais. Se era uma família que ela desejava ter, nós teríamos, e continuaremos a ter nosso relacionamento tranquilo, e seremos a família perfeita.

***

A confirmação foi feita, Hazel estava gravida. Não sei explicar as inúmeras sensações que eu tive quando confirmei aquilo, o medo se transformou em ansiedade e eu já comecei a imaginar o pequeno bebê em meus braços. Hoje estávamos indo fazer uma ultrassom, estava ansioso para ouvir o coração do bebê, e saber o sexo. Confesso que esperava que fosse um garoto, a questão de ser pai de garota me deixava nervoso, nunca tive motivos para ser um cara ciumento, já presenciei muitas cenas do Percy com sua irmã, e o quanto ele ficava nervoso com a questão dos ciúmes, e agora tendo uma filha, eu podia ver claramente o quanto aquilo ia ser um pouco mais difícil, acabei percebendo que comigo não seria diferente, e que provavelmente seria até pior.

- Nervoso? – A doutora perguntou já preparada para passar o aparelho na barriga da Hazel.

- Um pouco – Confessei

- Muito! – Hazel me corrigiu rindo.

- Vamos lá então – A doutora começou.

Estreitei os olhos ao perceber que o barulho de algo batendo era um pouco irregular. A medica analisava atentamente a tela da ultrassom.

- Porque esse barulho? – Perguntei

- É... Porque? – Hazel perguntou – Isso é o coração.

- É sim – A medica sorriu

- E o sexo? – Hazel perguntou.

- Porque esse coração esta parecendo um eco? – Perguntei confuso.

- Onde foi que vocês fizeram a primeira ultrassom? – A medica perguntou

- Foi em uma clinica, quando confirmei a gravidez – Hazel disse

- Ninguém avisou a vocês que são gêmeo? – Ela nos encarou

- Como é? – Levantei na mesma hora.

- Han? – Hazel fez uma careta surpresa

- Isso mesmo papais – A medica sorriu – São dois bebês.

Ela marcou na tela as duas formas perfeitas. Foi uma surpresa, mas ao mesmo tempo foi emocionante poder ouvir os corações batendo quase uniformemente.

- Ai meu Deus – Hazel suspirou nervosa.

- Tu do bem, a gente da conta – Eu segurei sua mão – E o sexo.

- Duas garotinhas – Ela disse.

- O que? – Meu sorriso se desfez.

A sala rodou, a visão turvou, e as pernas cederam.

- Frank! – Hazel me chamou

- Preciso sentar – Me joguei com tudo na poltrona e tentei respirar – Duas... Duas garotas.

Hazel começou a rir.

- Você da conta! – Ela tentou amenizar a situação.

- Claro! – Engoli seco encarando a tela.

Foi uma mistura de sentimentos sem igual, eu seria pai de duas GAROTAS... Os primeiros minutos foi tenso, a ansiedade aumentou ainda mais, porém ainda assim, foi o dia mais feliz durante minha vida.


Notas Finais


Não resisti e fiz... kkkkkkkkk
é curto, mas achei que seria apropriado criar esse momento especial, dos papais mais lindos da fic *---*

Link do grupo no Whtas: https://chat.whatsapp.com/9rh3Eip6LMr1zamcPfhEWZ
Lá eu divulgo noticia sobre as fics, e também pode ser um meio de divulgação pra sua fic. Tem dicas de escritas, e ajuda na hora da criatividade...

COMO ´PROMETIDO:

Link da continuação da fic com os filhos deles:
https://spiritfanfics.com/historia/lacos-inquebraveis-akai-ito-7184881


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...