História Amor a toda prova - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bruno Mars
Tags Alice, Bruno Mars, Drama
Exibições 57
Palavras 3.523
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá meus amores!!! Cá estou eu novamente, com uma capítulo novinho e cheio de amor pra vocês Queria ter voltado antes, mas o que importa é que eu cheguei!!! Espero que vocês gostem e me perdoem se algo não estiver batendo, mas as vezes as ideias me confundem!! Bom, boa leitura e até mais!

Capítulo 35 - Eu preciso de você na minha vida!


Fanfic / Fanfiction Amor a toda prova - Capítulo 35 - Eu preciso de você na minha vida!

Alice on


- ... Pronta para sair daqui? – o olhei sem entender.
-Como assim Miguel? – questionei – Do que você está falando? – franzi a testa e ele segurou minha mão.
 - Olha nana, eu sei o quanto essa doença já te fez sofrer no passado, e você sabe que eu te amo mais que tudo nesse mundo – o olhava atenta – e assim como foi a mais de 20 anos atrás, eu tenho a oportunidade de te salvar!
- Miguel, meu irmão – meus olhos se encheram de lágrimas – eu também te amo muito – apertei sua mão – mas você já fez muito por mim!
- Não, nunca se faz demais a quem se ama, e eu sei que você nem pensou nessa possibilidade, mas nós somos compatíveis nana, eu nasci pra te ajudar, e jamais deixaria você passar por isso sem tentar fazer tudo que estivesse ao meu alcance.
- Mas Miguel, eu jamais te pediria isso, jamais colocaria essa responsabilidade sobre você outra vez!
- Mas você não esta colocando nenhuma responsabilidade sobre mim nana – me olhou com carinho – eu sei que quando era adolescente eu fali coisas que pode ter te feito achar que de alguma forma eu não me importava com você, pelas coisas que eu te falei, e que por isso você não achou que eu faria algo nesse sentido por você - me olhou nos olhos – mas saiba de uma coisa, eu faria qualquer coisa pra te ver bem e saudável e ter essa oportunidade de te doar medula óssea para ter ver bem é nada perto da felicidade que eu sinto em poder fazer isso por você nana!
- Eu nem me lembrava mais daquela briga – rimos – no mesmo instante eu já tinha me esquecido do que você me falou – acariciei seu rosto – eu nem sei o que te dizer!
- Diga que sim, e diga que me perdoa por aquilo?

Flashback on

Faltava meia hora para uma consulta no dentista que minha mãe havia marcado para Miguel, e ela me pediu para busca-lo em casa pois ela não poderia ir. Miguel no auge da “arborescência” com seus 14 anos estava trancado em seu quarto quando eu cheguei na casados meus pais.

- Miguel, já estamos em cima da hora! – falei batendo na porta do seu quarto. – Vamos Miguel, não tenho o dia todo. – gritei, pois o som dentro do quarto estava alto demais. – Miguel! – gritei pela terceira vez e finalmente a porta se abriu me dando um susto.
- O que você quer Alice! – falou num tom de deboche.
- Miguel estamos em cima da hora para o dentista rapaz, o que você estava fazendo aí dentro desse quarto trancado em? – falei olhando pra dentro de quarto que estava uma bagunça e com um cheiro estranho – Miguel você estava fumando aí dentro? – perguntei assustada.
- Você não é minha mãe para me encher o saco, então não se meta na minha vida! – falou com raiva e eu me assustei com sua atitude.
- Olha aqui garoto, não sou realmente sua mãe, mas sou sua irmã mais velha, então me respeite! – tentei falar firme com ele.
- Não te devo respeito, afinal você nem mora mais aqui, não tem o direito de me perturbar, pra isso já tenho o pai e a mãe que vivem pra falar na minha cabeça! – falou mais nervoso.
- Miguel, nossos pais só querem o melhor pra você, não seja injusto com eles ok! Se eles pegam no seu pé é porque realmente você tem se comportado de maneira rebelde ultimamente. – argumentei e ele me olhou  furioso.
- Rebelde? – riu sínico – Não sou nem a metade do que eu posso ser Alice, mas eles estão ocupados demais prestando atenção em você, nem veriam o que eu fizesse, porque nessa casa só se fala em Alice! – falou nervoso – Alice pra cá, Alice pra lá, você é sempre vai ser a queridinha da família, a “doentinha” – fez aspas com os dedos – a que precisa de atenção, a mais inteligente – fez uma pausa e me olhou – e eu? E eu Alice, nossos pais nem me queriam, eles me tiveram só por causa da sua maldita doença, eu não tenho culpa de você ter ficado doente, e espero que não conte comigo pois eu não sou obrigado a ser seu “banco de células”, não sou brigado a nada! – percebi que ele estava quase chorando.
- Miguel! – gritei – Para com isso agora! Você não faz ideia do que você está falando – eu já estava chorando – nossos pais te amam, e sempre fizeram de tudo para que você se sentisse assim, não seja injusto com eles – apontei o dedo para ele – eu sei que você não tem culpa de nada, e que não é obrigado a nada por mim, mas saiba que mesmo assim eu sou e serei eternamente grata a você por ter me dado o direito a continuar viva – ele me olhou – você querendo ou não, mesmo sendo apenas um bebê salvou minha vida Miguel, e eu jamais esquecerei disso, e eu sei que você está passando por uma fase de descobertas e que é tudo muito novo pra você, mas uma coisa eu te peço – ele me olhava atentamente – Eu entendo que você possa se sentir preterido de alguma forma por nossos pais em relação a mim, eu entendo que você tenha raiva de mim por ter ficado doente, mas eu não admito de forma alguma que você falte com respeito com nossos pais, eles sempre te deram tudo, você estuda em uma boa escola, faz cursos de idiomas e pratica esportes, então você não tem motivos para ser revoltado com a vida, você tem uma família, um lar e é muito amado por ela, então de valor enquanto você tem! – desabafei em meio às lágrimas – e vai pro seu quarto agora e arruma aquela bagunça, eu vou ligar para o dentista e remarcar sua consulta, depois eu me entendo com a mamãe. – falei seria e ele saiu em direção ao quarto sem dizer uma palavra.

Flashback off



- Miguel, eu não fiquei magoada com você, eu sabia que aquilo era uma fase, coisa de adolescente. – acariciei seu rosto.
- Mesmo assim nana, eu falei coisas horríveis pra você naquele dia, e mesmo assim você nunca contou daquela briga aos nossos pais, você me deu um choque de realidade aquele dia nana, e eu nunca te pedi perdão por isso! -  me olhou triste.
- Se é por falta de perdão, fica tranquilo já te perdoei a anos! – sorri.
- Então deixa eu te ajudar? Deixa eu ser novamente o irmão protetor que eu passei a ser depois daquele dia? – falou olhando-me nos olhos emocionado.
- Miguel – estendi os braços para ele que me abraçou imediatamente – obrigada por ser assim, obrigada por tudo, nunca serei capaz de agradecer suficientemente o que você fez por mim, e o que está prestes a fazer novamente! – nos afastamos – obrigada!

Estávamos os dois emocionados e chorando muito. Jamais pediria isso a ele ou a qualquer pessoa, é claro que desejo me curar, mas isso é algo que não se pede, e depois daquela conversa me senti muito mais encorajada a continuar lutando. Meu irmão novamente vai ser meu herói, mais uma vez será meu anjo da guarda, e não há dinheiro no mundo que pague isso, pois isso se chama AMOR, na sua forma mais simples e pura!

- Bom temos que conversar com seus médicos, claro que eles já sabem pelo seu histórico que somos compatíveis, mas eles nunca falaram nada sobre isso! – Miguel falou quando já estávamos mais calmos.
- Sim, acho que tem haver com a ética médica né Mi, mas eles vão pedir uma serie de exames para confirmar tudo eu creio. – comentei.
- Claro, eu imagino que sim, mas tenho certeza de que isso será mera formalidade! – sorrimos.

Continuamos conversando e combinamos de conversar com meus médicos na segunda feira.

...

O final de semana passou tranquilo, recebi visitas de Marie que estava cheia de saudade e também de Rita, as duas me encheram de carinhos e mimos, além delas Bruno e minha mãe também ficaram comigo, que acabou fazendo o domingo passar bem rápido. Eu e Miguel conversamos com minha mãe e Bruno sobre a possibilidade do transplante, e minha mãe fiou eufórica com a atitude de Miguel, pois ela assim como eu não pediria isso a ele, não depois dele ter feito tanto por mim na infância, e Bruno como era de se esperar ficou empolgadíssimo, e fazendo mil planos.

Segunda feira chegou e com ela uma ansiedade grande! Miguel veio ao hospital logo pela manha para conversar com Dr. Clark, depois de muita conversa e de explicações sobre os riscos e todas as formalidades médicas, ele nos disse que um transplante é uma grande esperança e que se os exames forem positivos poderemos marcar a cirurgia para próximo mês. Nem preciso dizer o quanto isso nos deixou animados não é?
...

Uma semana se passou e com ela a nossa ansiedade, pois os resultados dos exames ficaram prontos e como esperávamos Miguel e eu somos totalmente compatíveis, e assim ele me doaria medula óssea! Meu irmão mais uma vez vai me salvar!

- Amor eu estou tão feliz! – Bruno disse assim que o médico nos deu a notícia
- E eu amor, imagina como eu estou? -  falei chorando.
- Eu te falei que nós iriamos vencer isso amor, eu te falei! Eu nunca poderei ser grato suficiente a você meu cunhado. – ele e Miguel se abraçaram.
- Eu amo minha irmã Bruno, e seria capaz de qualquer coisa por ela. – ele também estava emocionado.
- Bom, mas eu tenho mais algumas coisas para falar com você Alice. – Dr Clark falou nos chamando a atenção.
- O que é doutor? – Bruno se apressou em perguntar – aconteceu alguma coisa?
- Não é nada de ruim Bruno - sorriu – bem é que como nós realizaremos a cirurgia o mais rápido possível, vamos intensificar a quimioterapia para tentar eliminar a maior quantidade de células cancerígenas possíveis – ele falou calmamente – e poderemos marcar a cirurgia assim que fizermos os exames pré-operatórios.
- E quando vamos fazer esses exames doutor? – Miguel perguntou.
- Amanha mesmo vamos começar com os pré-operatórios, e as visitas para a Alice terão que ser reduzidas, pois não podemos correr riscos de que ela pegue alguma infecção, além de todas as visitas que vierem ter que usar mascaras cirúrgicas por precaução a partir de amanha. Ele explicou todos os detalhes e nós ouvimos tudo. Confesso que um frio na barriga se formou em mim, mas a certeza de que tudo dará certo é mais forte que tudo!

- Que carinha é essa meu anjo? Aconteceu alguma coisa? – Bruno me perguntou depois que o médico já havia saído do quarto, e Miguel foi telefonar para mamãe.
- Não – respirei fundo – é que eu estou com saudade dos meninos, e agora eles não poderão mais vir me visitar! – torci os lábios.
- Amor eu sei que você esta com saudade dos meninos, e acredite eles estão com muita saudade de você também, não tem um só dia que eles não perguntem que dia você chega, e mesmo depois que você conversa com eles por telefone eles ainda querem você na hora de dormir, e de contar histórias pra eles – sorrimos – e é exatamente por isso que você precisa ser forte, pra poder voltar pra casa e continuarmos nossa vida juntos – me olhou nos olhos – eu sinto sua falta meu amor, eu e os meninos estamos com saudades, por favor aguenta só mais um pouco hum?
- Eu estou tentando amor – sorri fraco - juro que vou ficar bem tá!  - falei segurando as lágrimas, e senti um desconforto nas costas.
- O que foi o que você está sentindo? – ele falou preocupado.
- Não é nada, um desconforto nas costas, deve ser a posição. – falei e ele me ajudou a me arrumar na cama numa melhor posição. – pronto bem melhor! – falei e ele sorriu, aquele sorriso que me encanta – Como eu amo te ver sorrindo! – falei e ele sorriu mais ainda me fazendo sorrir junto.
- E eu amo tudo em você, exatamente tudo, cada detalhe seu, cada gesto de carinho comigo, meu filho e o Davi, cada sorriso que você me dá, cada vez que você me chama de amor ou diz eu me ama – falou me olhando nos olhos – Eu amo te fazer sorrir, eu amo te amar!
- Amor – falei chorando – que lindo, eu amo você lindo, e você é meu melhor motivo pra sorrir meu amor! – me sentei na cama para o abraçar.

 

Bruno on

Como eu amo essa mulher, como eu quero cuidar dela, e faze-la a mulher mais feliz desse mundo! Havia me declarado e aberto meu coração para Alice, dizendo o quanto eu a amo e o quanto ela me faz bem, nos abraçamos e como era bom tê-la em meus braços, me sinto completo com ela em todos os sentidos.

Depois de mais uma semana internada Alice estava um pouco fraca por conta da quimioterapia que está começando a mostrar efeitos mais pesados nela. Os cabelos começaram a cair, mas ainda não precisou raspar, ela tem medo, mas eu tentei acalma-la dizendo que ela continuaria linda de qualquer forma para mim. Ela também apresentou febre nos últimos dias, o que fez os médicos reduzirem ainda mais as visitas e o contato físico com ela. Por precaução os médicos também colocaram uma cânula no nariz para ajuda-la a respirar melhor. Confesso que ver minha Alice assim me deixa com o coração na mão, e a cada dia que passa rezo para o transplante ser feito o mais rápido possível para vê-la livre desse sofrimento intenso. Era final de tarde e eu estava com ela no quarto enquanto ela lia um livro.

- Bruno – ela me chamou – você pode pegar água pra mim, por favor?
- Claro!– me levantei peguei a água e a entreguei – Como você está sentindo meu bem?
- Obrigada! – pegou o copo de agua e deu um gole – estou sentindo bem amor, só um cansaço mesmo. – me entregou o copo que eu coloquei sobre a mesinha do lado. – estou com saudade dos meninos. - lamentou
- Eu sei meu amor – acariciei seu rosto – calma, que logo menos você volta pra nossa casa! – ela se sentou na cama com minha ajuda – Você está indo muito bem, tem sido muito forte e estamos todos orgulhosos de você princesa! – ela sorriu sem vontade.
- Eu estou com medo! – ela disse olhando para baixo.
- Eu sei que está meu amor, eu também estou, mas tenho muita fé, e você também precisa ter! -–levantei seu rosto – eu te amo!
- Eu também te amo! – dei um selinho demorado nela mesmo usando a mascara e a abracei. Senti que ela relaxou em meus braços, e por um instante senti meu corpo congelar, chamei sei nome e ela não me atendeu, afastei com cuidado seu corpo do meu e minha suspeita se confirmou ela tinha apagado completamente.
- Alice! Amor! – falei desesperado tentando fazer com que ela reagisse, mas nada aconteceu – Amor, não faz isso comigo!

A deitei com cuidado e sai do quarto desesperado em busca de socorro, o que rapidamente aconteceu, de repente uma equipe de médicos e enfermeiros estavam no quarto, e eles falavam coisas que eu não entendia e usavam equipamentos que julguei ser para reanimação. Eu estava simplesmente paralisado, comecei a chorar compulsivamente enquanto eles realizavam o atendimento.

- Alice, meu amor por favor, não faz isso comigo! – gritei chorando.

Uma das enfermeiras veio em minha direção e me retirou do quarto.

- Senhor, por favor fique aqui, estamos fazendo o possível lá dentro.
- Minha Alice! – tentei falar – o qu está acontecendo, por que ela desmaiou? – perguntei desesperado.
- Procure se acalmar senhor, assim que tiver noticias o senhor será avisado!

Ela simplesmente saiu e retornou ao quarto, e eu me vi ali sozinho, desesperado, e sem saber o que fazer. Me sentei na sala de espera mas não conseguia me acalmar, não conseguia para de pensar no que estaria acontecendo. abaixei minha cabeça a apoiando nas mãos, e chorei copiosamente.

- Bruno? – uma voz masculina me chamou – olhei e era Dr Clark
- Sim! – me levantei imediatamente – o que aconteceu, como ela está? Não me diga que?! – perguntei sem parar pra respirar.
- Calma, olha Alice teve uma parada cardíaca, mas foi reanimada, ela foi levada para exames para investigarmos o que aconteceu, mas aparentemente foi uma reação aos medicamentos.
- Mas ela vai ficar bem? Pelo amor de Deus Dr Clark, seja sincero comigo! – implorei.
- Olha Bruno, uma parada cardíaca pode ser realmente fatal, mas ela foi atendida rapidamente e não ficou mais que dois minutos sem oxigenação no cérebro, avaliamos os sinais vitais e ela pareceu bem, mas os exames detalhados vão nos dar um melhor entendimento para o que aconteceu, agora me deixe ir pois quero acompanhar os exames de perto, mas fique calmo ela está fora de perigo agora. – ele falou colocando a mão no meu ombro e eu assenti.

Ele saiu para acompanhar Alice nos exames, e eu fiquei ali na sala de espera, ainda atordoado, não sei o que seria de mim se algo acontecesse a ela. Telefonei para a mãe e o irmão dela para falar do que aconteceu e eles vieram no mesmo instante para o hospital.

Depois de algumas horas de espera finalmente doutor Clark veio ao nosso encontro.

- Doutor, como ela está? O que aconteceu? – Marcia perguntou assim que ele entrou na sala de espera.
- Calma, podem se acalmar, Alice realmente teve uma parada cardíaca, realizamos o procedimento e ela foi reanimada, realizamos exames clínicos e verificamos que os sinais vitais estão perfeitos, e o que causou o parada foi a reação de um componente de um dos medicamentos da quimioterapia, mas já estabilizamos e ela está bem agora.
- Meu Deus! Nem sei o que faria se algo acontecesse a minha filha! – Marcia falou e Miguel a abraçou.
- Calma mãe, ela está bem agora! Mas doutor, quanto ao transplante, quando ela poderá fazer?
- É doutor, ela precisa desse transplante, quanto tempo mais ela vai permanecer assim? – perguntei ansioso.
- É sobre isso mesmo que eu quero falar, os exames que fizemos nessa semana, nos deram uma boa noticia, as células cancerígenas reduziram bastante devido a quimioterapia, vamos cuidar para que ela se fortaleça o suficiente, e se tudo correr bem e poderemos marcar o transplante para a próxima semana.
- Meu Deus que notícia boa! – Marcia falou.
- Finalmente! – Miguei disse sorrindo.
- Posso vê-la doutor? – perguntei sem pensar.
- Pode sim, ela está dormindo, mas somente uma pessoa por vez, ela está um pouco fraca no momento.

Olhei para Marcia e Miguel que concordaram que eu fosse o primeiro a entrar, e fui em direção ao quarto. Abri a porta com cuidado e ela estava ali, tão linda, e ao mesmo tempo tão frágil. Me aproximei de sua cama, e não pude suportar, me rendi a lágrimas de alegria misturadas às lágrimas de medo e terror por quase tê-la perdido a pouco tempo atrás.  Me debrucei com cuidado sobre a cama e beijei seu rosto pálido.

- Amor, eu tive tanto medo – sussurrei em seu ouvido – tanto medo de te perder, eu te amo tanto, tanto – falei baixinho enquanto algumas lágrimas desciam pelo meu rosto, e fiquei assim por alguns minutos.
- Hey – ela falou baixinho – eu estou aqui, estou bem. – sorriu fraco.
- Amor, não fala nada, você precisa descansar – acariciei seu rosto – só me escuta ok? – ela assentiu – Eu sei que eu não sou o mais bonito, ou o mais romântico, eu sei que nos conhecemos a pouco tempo, mas eu te amo tanto, quero que nossos dias sejam de felicidade e amor, quero e vou te fazer a mulher mais feliz desse mundo – ela me olhava atenta, e com um sorriso tímido – Eu não te prometo que será fácil, ou que não vou ter mais ciúmes de você – ela riu -  mas eu prometo te beijar sempre no meio das brigas, e te provar que nosso amor é pra valer, e que é pra sempre! – beijei sua testa – Alice eu te amo, e nunca senti tanto medo n minha vida como passei quando você desmaiou nos meus braços, eu preciso de você em minha vida!
- Me desculpe por isso - eu a interrompi. 
- Não se desculpe amor, o que eu estou tentando te dizer é que eu percebi que não quero correr mais riscos de ter perder um dia, eu quero ter a certeza que estamos juntos para sempre – ela m olhava ainda atenta – eu estive tentando encontrar o melhor momento para isso, mas não acho que existe o momento perfeito, o que existe é a pessoa perfeita, e  você é essa pessoa na minha vida. – retirei uma caixinha preta do bolso – estou com ela há algum tempo, mas senti que não posso mais esperar por isso – me ajoelhei na beira da cama e ela arregalou os olhos.

- Alice, Casa comigo?
...


Notas Finais


Bom espero que tenham gostado, volto em breve com mais um capítulo. Qualquer duvida ou sugestão estou a disposição!!
Beijos e até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...