História Amor Apocalíptico - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Abraham Ford, Carl Grimes, Carol Peletier, Daryl Dixon, Enid, Eugene Porter, Gabriel Stokes, Glenn Rhee, Maggie Greene, Michonne, Morgan Jones, Negan, Paul "Jesus" Monroe, Personagens Originais, Rick Grimes, Rosita Espinosa, Sasha, Tara Chambler
Tags Amor Apocalíptico, Carl Grimes, The Walking Dead, Twd
Exibições 127
Palavras 2.123
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oieeeee Lhamanicórnios do meu coração 💘💘
Não me matem pela demora
Aquela mesma historinha de irmã na faculdade
Quase que não iria postar hoje mas aqui estou eu (pelo celular) para vocês 💘
PS. Desculpem qualquer erro, dizendo novamente: estou pelo celular 😉
PSS. Gostaria de avisar que tem algumas frases nesta fic (que agora que lembrei de falar isso) que são de outras fanfics então
TOTAL CREDITO A ESSAS FANFICS QUE NO MOMENTO NÃO LEMBRO O NOME 😂

Capítulo 13 - I take back what I said


CARL GRIMES

Desci de Balius carregando Kat para a enfermaria. Hilltop havia nos oferecido uma médica e era até ela que eu a levava. Sentia o sangue dela escorrendo por meus braços enquando sua cabeça pendia para trás, desacordada. Abaixei o olhar até ela quando ouvi um gemido, não parando um segundo de correr.
-Kat? -Chamei e ela gemeu mais uma vez.
-Dói -ela disse com a voz falha.
-Fica calma - eu sussurrei para ela enquanto subia os degraus da enfermaria. A porta foi aberta pela médica e eu a olhei. -Ajuda ela, Melissa! - eu emplorei a ela, entrando correndo e largando-a em uma maca de barriga para baixo.
-O que aconteceu? - ela perguntou correndo de um lado para o outro, pegando gazes, remédios e um monte de outras coisas.
-O que parece que aconteceu? -eu perguntei indignado enquanto olhava para Kat que tentava se mover e chorava quando o fazia.
-Fica calma - sussurrei para ela.
-Você esta sangrando? - ela perguntou enquanto arrumava suas coisas.
-Isso não importa -eu disse. - Ela primeiro.
-Aqui - Melissa disse entregando uma toalha para que Kat mordesse. Ela se preparou para jogar um líquido em suas costas e me olhou. -Segure a mão dela.
Sentei na poltrona ao seu lado e alcancei sua mão. Kat me olhou com os olhos cheios de lágrimas. Melissa jogou o líquido e ela gritou. Entrei em desespero com seus gritos. Kat apertava minha mão com força. A médica limpou suas costas e passou a costurar os rasgos.
-Vai ficar tudo bem - sussurrei para ela esperando que adiantasse para mim também.
-Dói -ela disse entre lágrimas apertando minha mão.
-Fica calma -eu repeti me aproximando dela. - Está acabando.
-Pronto - Melissa disse fazendo curativos. Quando ela terminou, deu alguns remédios a Kat e se virou para mim. -Agora você.
-Pronto Kat - falei e ela me olhou meio grogue. -Esta tudo bem.
Levantei e me sentei na maca ao lado. Melissa limpou os cortes e eu não fiz sequer uma careta. Estava ocupado demais me preocupando com Kat.

POV KATHERINE SALVATORE

Abri meus olhos devagar, minha cabeça girava e minha visão estava turva. Aos poucos meus olhos foram se focando e eu me vi deitada em uma das macas da enfermaria de barriga para baixo com Carl ao meu lado. Ele dormia calmamente enquanto segurava minha mão. Não pude reprimir um sorriso. Tentei me sentar mas logo me arrependi quando uma forte dor cruzou por minhas costas, me fazendo morder os lábios para não gritar.
Uma mulher se aproximou de mim com alguns comprimidos e me entregou. Eu a olhei enquanto pegava os mesmos e tomava.
-Você é Katherine, não é? -ela perguntou e eu assenti. -Ouvi historias sobre você. Sou Melissa.
-Historias? -perguntei não entendendo
-Ah... Você sabe. -ela disse dando de ombros e se aproximando para dar uma olhada nas minhas costas. -A Princesa Sociopata.
-Que horror -eu disse fechando os olhos. -Só quero esquecer isso.
-Você não pode -ela disse e eu a olhei. -Não pode esquecer o passado. Ele forma quem nós somos. Olha pelo lado bom, é passado. -Ela disse e eu ri.
-Quando posso voltar para casa? -perguntei a olhando. Ela levantou o curativo e o abaixou novamente.
-Sente dor?
-Não muito -falei e ela assentiu.
-Nesse caso, amanhã -Ela disse e eu assenti. Olhei para Carl, ele continuava dormindo enquanto segurava minha mão. -Desculpe por isso, mas vão deixar cicatrizes.
-Tudo bem -eu disse ainda olhando para o garoto. -As melhores pessoas sempre carregam alguma cicatriz. Será um prazer me juntar a eles.
-Ouvi essas historias também -Ela disse e eu a olhei. - A garota que conquistou este coração estilhaçado. -ela apontou com a cabeça para Carl.
-Rick e os outros voltaram? -perguntei mudando de assunto fazendo ela rir.
-Sim, logo depois que vocês chegaram. Ele esta resolvendo alguns assuntos agora mas passou aqui mais cedo para ver como estavam.
-Deu tudo certo?
-Mais do que certo -ela disse e eu sorri.

***

-Carl... -ouvi a voz de Rick mas continuei com os olhos fechados, fingindo estar dormindo. -Carl você precisa ir para casa. Ela esta bem. Vá descansar um pouco. Tome um banho e coma alguma coisa.
-Eu... -Carl começou mas foi interrompido.
-Você está aqui desde ontem a tarde e não comeu absolutamente nada. -Rick disse. -Vá que eu fico com ela.
-Eu... Eu volto daqui a pouco. -Ouvi ele se levantando da poltrona, passos e então a porta se fechando.
-Olá tio Rick - falei abrindo meus olhos fazendo ele se assustar.
-Não sabia que estava acordada -ele disse se sentando na poltrona. Eu olhei para a janela e ri quando Carl passou correndo em direção a sua casa. Rick seguiu meu olhar e riu. -Ele não vai demorar nem 5 minutos.
-Percebi -falei rindo.
-Como você está? -ele perguntou passando os olhos pelas minhas costas enfachadas.
-Bem - eu disse e me Remechendo um pouco. -Não esta mais doendo. Melissa disse que amanhã posso ir para casa.
-Que bom - ele disse e suspirou. -Sinto muito que isso tenha te acontecido.
-Ou era em minhas costas ou nas dele -eu disse dando de ombros. -Carl já passou por tanta coisa. Não achei que ele merecia mais dor e sofrimento.
-Você foi corajosa -ele disse sorrindo para mim. -Eu te agradeço.
-Tudo bem - eu disse sorrindo.
-Sabe... -ele começou e riu. -Quando eu disse para criar algum tipo de distração não era isso que eu tinha em mente.
-Muito menos eu -eu disse rindo.
A porta foi aberta e Carl entrou, seus cabelos estavam molhados e ele mordia uma maçã. Rick checou seu relógio e riu.
-4 minutos -ele disse e eu ri. -Eu te falei.
-O que? - Carl perguntou parando ao lado do pai.
-Ele disse que você não demoraria nem 5 minutos -eu disse rindo e ele fez uma careta.
-Eu vou indo - disse Rick vindo até mim e me dando um beijo no topo da cabeca. -Fique bem.
-Logo logo já estarei saltitando por ai - eu disse. Ele riu e saiu do quarto fechando a porta atrás de si. Carl se aproximou e se sentou na poltrona. -Como está as suas costas?
-Como esta as minhas costas? -ele perguntou parecendo indignado. -Você está perguntando como estão as minhas costas? Eu levei duas chibatadas e você 20, está preocupada com as MINHAS COSTAS?
-Não pergunto mais também -falei virando a cara para o outro lado fazendo com e ele bufasse. Ficamos em um silencio irritante.
-Ei Kat - ele disse e eu quase ri mas não falei nada Ele bufou novamente. - Kat...!
-O que? - eu disse, grossa, me segurando para não rir sem me virar para ele.
-Serio que você vai ficar brava? -ele perguntou e eu engoli a risada fazendo uma cara seria e me virando para ele. -Ah, para com isso! Você sempre fica colocando os outros na frente de si mesma! Isso me deixa indignado!
-Por que?
-Porque... -ele parou quando me viu segurando o riso. - Ah, vai se ferrar! Achei que estava brava!
-Não tem como ficar brava com você - eu disse rindo e ele se aproximou, ficando cara a cara comigo.
-Isso porque eu sou irresistível. -ele disse e eu ri irônica.
-Sou imune a seus encantos, Grimes.
-Duvido -ele disse roçando sua boca contra a minha enquanto falava.
-Retiro o que eu disse- falei e o puxei pela camisa, colando nossos lábios. Carl pediu passagem com a língua e eu cedi. Ele tinha gosto de morando. Ah... Como eu amo morango!
A porta se abriu em um estrondo e eu me separei de Carl rapidamente, olhando para Maggie que estava parada na porta. Ela nos olhou de boca aberta e depois deu um gritinho fino.
-Meu deus! -Ela disse balançando as mãos enquanto eu sentia minhas bochechas esquentarem. -Vocês ficam tão fofos juntos!
-Eu... -eu comecei e ela abanou a mão dispensando meu comentário.
-Não estou nem ai para um "foi sem querer"... -ela disse eu a cortei.
-Não foi sem querer -eu disse e ela deu mais um gritinho. Ouvi Carl rindo e eu o olhei sorrindo. Ele piscou para mim.
-Antes que eu me esqueça. -Ela disse se virando para Carl. -Eu preciso falar com você sobre aquele negócio de mais cedo.
-Que negócio? -perguntei e eles me ignoraram.
-Você conseguiu? - ele perguntou a ela seguindo-a para fora do quarto, me deixando no vácuo. Ele fechou a porta e eu bufei.
-Melhor coisa do mundo ser ignorada -falei para mim mesma enquanto tentava sentar na cama novamente. Quando eu consegui soltei um suspiro de alívio.
Olhei para as paredes entediada parando quando vi uma cruz pendurada na mesma e lembrei de uma música.

My lover's got humour
She's the giggle at a funeral Knows everybody's disapproval
I should've worshipped her sooner 
If the Heavens ever did speak
She is the last true mouthpiece
Every Sunday's getting more bleak
A fresh poison each week 
We were born sick
you heard them say it 
My church offers no absolutes
She tells me "worship in the bedroom"
The only heaven
I'll be sent to Is when
I'm alone with you
I was born sick, but I love it
Command me to be well 
Amen. Amen. Amen 
Take me to church
I'll worship like a dog at the shrine of your lies
I'll tell you my sins
So you can sharpen your knife
Offer me that deathless death
Good God, let me give you my life
Take me to church
I'll worship like a dog at the shrine of your lies
I'll tell you my sins
So you can sharpen your knife
Offer me that deathless death
Good God, let me give you my life
If I'm a pagan of the good times
My lover's the sunlight
To keep the Goddess on my side
She demands a sacrifice 
To drain the whole sea get something shiny
Something meaty for the main course
That's a fine looking high horse
What you got in the stable? 
We've a lot of starving faithful
That looks tasty
That looks plenty
This is hungry work
Take me to church
I'll worship like a dog at the shrine of your lies
I'll tell you my sins so you can sharpen your knife
Offer me my deathless death
Good God, let me give you my life
Take me to church
I'll worship like a dog at the shrine of your lies
I'll tell you my sins
So you can sharpen your knife
Offer me my deathless death
Good God, let me give you my life 
No masters or kings when the ritual begins
There is no sweeter innocence
Than our gentle sin
In the madness and soil of that sad earthly scene
Only then I am human, only then I am clean
Amen. Amen. Amen
Take me to church
I'll worship like a dog
At the shrine of your lies
I'll tell you my sins
So you can sharpen your knife
Offer me that deathless death
Good God, let me give you my life
Take me to church
I'll worship like a dog at the shrine of your lies
I'll tell you my sins
So you can sharpen your knife
Offer me that deathless death
Good God, let me give you my life

POV CARL GRIMES

-Você acha que é certo fazer isso agora? -perguntei em tom baixo por estarmos do lado de fora do quarto onde Kat se encontrava. Ela me olhou e eu expliquei gesticulando com as mãos. -Com tudo isso que aconteceu e tals.
-Querido -Maggie disse no mesmo tom dando uma pausa quando ouvimos Katherine cantar. Ela bagunçou meus cabelos. -Você deveria ter feito isso a muito tempo.
-Eu sei mas... - falei afastando sua mão com uma risadinha mas logo fechando o sorriso. -Aconteceu muita coisa muito rápido.
-Sinto muito -ela disse e eu a olhei. -Vocês cresceram muito rápido, perderam muitas coisas. Fico feliz por querer dar este passo. Vocês merecem ser felizes.
-Sou feliz só por ter esta família -eu disse e ela sorriu me puxando para um abraço. -Falando em família. Já decidiu os nomes?
-Não exatamente -ela disse me soltando e eu ri. - Glenn e eu concordamos que se for menino se chamará Hershel. Mas menina não conseguimos nos acertar nunca. Eu penso em Valentina e ele em Victória.
-São dois ótimos nomes para um apocalipse -eu falei e ela riu.
-Meu deus, você cresceu muito rápido. Ontem mesmo era apenas um garotinho tentando se matar -ela disse e eu fechei a cara. Maggie abriu a porta, saindo da enfermaria. -Você sabe que eu te adoro!
-Também te adoro! -gritei quando ela fechou a porta.


Notas Finais


Este teve uma drástica diferença entre os outros cap
Foi mais calmo
Não se apeguem muito
No próximo vem BOMBA 💣
AQUI ESTOU EU
NÃO ME MATEM
SÉRIO
QUERO VIVER PARA VER A MEGA MARATONA DA FOX E O EP NOVO
BJS DAS TREVAS
E até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...