História Amor assassino - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mirai Nikki
Personagens Yuno Gasai
Tags Drama, Mirai Nikki, Romance, Yuno Gasai
Exibições 12
Palavras 1.390
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Escolar, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa dia, boa tarde ou boa noite!
Bem, não estou tendo exatamente um bloqueio criativo sobre o que posso fazer, mas não ando muito inspirada para escrever ou coisas assim. Peço desculpas por não estar conseguindo atualizar a fic todos os dias, mas não quero escrever algo só para deixá-la atualizada, sendo que pode estar ruim. Não vou abandonar a fic, mas não estranhem o meu atraso, caso ele realmente venha a ocorrer. Se for para postar, tentarei trazer com qualidade boa, afinal, vocês que favoritaram a fic, que me acompanham, não merecem algo mal feito. Então, tentarei atualizar o mais cedo que conseguir, mas caso demorar um pouco mais do que o previsto, me desculpem. Inclusive, vi que deu um bug no capítulo passado, no final. Ignorem aquilo, ok? Vou tentar arrumar, mas caso não consiga... Só ignora mesmo :v Desculpa AEHHUEAUHUHE Sem mais atrasos, boa leitura ^^

Capítulo 29 - Palavras que machucam


Sentia sua respiração em meu pescoço, enquanto me deliciava com o vento que vinha e balançava meus cabelos. Os cabelos de Yukkii eram tão macios... Meus dedos passavam facilmente por eles. Sua expressão enquanto dormia, conseguia ser mais angelical do que quanto estava acordado. Enquanto sorria, direcionei meu olhar através da janela, olhando para o céu, que agora estava somente nublado. Depois daquela tempestade, creio que não vai mais chover por hoje... Ainda mais com os raios de sol que perfuram as nuvens, iluminando meu quarto. E Akise-kun..? Será que agora acredita em mim? Tomara que sim, não quero ter que matá-lo... Deixaria Yukkii triste. Porém, também não posso deixá-lo descobrir meu outro lado, coisa que Akise-kun já, provavelmente, deve saber. Ainda vou tentar convence-lo que ele está errado, mas, se não conseguir... Ah, merda! 

POV Akise ON

A música que tocava era calma, me deixava tranquilo. O travesseiro apoiava minha cabeça, enquanto me virava o tempo todo em cima da cama, pensando sobre ontem... A noite foi tensa. Após termos recebido os exames de Yuno, que, por sinal, está bem, fomos para casa. Exceto Yukiteru, que resolveu ficar com ela até o amanhecer, na esperança de vê-la acordar. Me pergunto como está a Rea... Deve estar sendo difícil para ela, também. *Suspiro*... O que será que aconteceu ontem? Está tudo muito, muito confuso... Por onde algum assassino poderia ter entrado? Pela janela quebrada? Mas, se foi assim, como não ouvimos nada? Bem... Pode ter sido que... Eu não tenha ouvido. Afinal, Yukiteru também não havia ouvido a risada de antes. Vai ver, meu sono estava pesado. Entretanto, isso ainda não explica o por que... O por que de Uryuu ter sido morta. Yuno teria mesmo feito isso? Mas, se foi ela, por que estava ferida? 

- Tch... Mistério difícil! - Resmunguei, mordiscando uma unha. Nunca gostei de coisas fáceis, mas... Este está me dando dor de cabeça. 

Ainda acho que Yuno matou as outras, porém, nesse caso, não poderia ter sido ela. Embora, todas as pistas indicam que poderia ter sido ela... Uryuu visivelmente amava Yukiteru, mas não era esse tipo de amor. Mas, não podemos ignorar os diversos olhares carregados de ódio da Yuno, todos em direção a ela, principalmente quando eles estavam juntos. Eu consideraria a possibilidade dela ter feito isso, se eu não a encontrasse sangrando, no chão. Se foi mesmo ela que matou as outras, sim, ela é louca, mas... Ela não seria louca a um ponto de matar a Uryuu na própria casa de Yukiteru, seria arriscado demais para ela. A não ser que mesma tenha se machucado, com uma faca... Naah, é loucura demais. Talvez, eles tenham razão. Posso estar pensando demais, sendo que ela não tem nada a ver, mas... Por que minha intuição diz que foi ela? Por que sigo acreditando que não deveria desistir das hipóteses? 

- Tch... - Murmurei baixinho, já com o ódio mostrado no rosto. Não gosto dessa demora para solucionar casos, começo a ficar confuso...

POV Akise OFF

Droga, a faca que usei ainda pode ser encontrada! Apesar de eu tê-la jogado em plantas ali do lado, não é impossível que mesmo Rea encontre. Inclusive, policiais já devem estar lá, procurando por pistas. Ah, merda! Tenho que sair daqui o mais rápido possível! 

- Yuno..? - A voz rouca de Yukkii soava em meus ouvidos. Me virei, vendo seus olhos se abrindo. Minha agitação toda o acordou, isso pode não ser bom...

- Oi, Yukkii - Tentei fingir um sorriso, enquanto ele coçava os olhos. Apesar disso, ainda estava com a cabeça em meu ombro, com minha mão em seus cabelos...

- Hum? Dormi por quanto tempo? - Questionou, levantando, de leve, a cabeça do meu ombro. 

- Uns... - Olhei para o relógio, procurando saber a resposta. Estava tão perdida nos pensamentos que também não prestei atenção no tempo. 

- Uns 10 minutos, acho. - Respondi, olhando para o fino lençol que cobria meu corpo. Ele me olhava, com a cabeça levemente tombada para o lado. 

- Hum... Acho que tenho que ir. Fiquei aqui com você até o amanhecer, preciso ir para casa. Bem, até mais Yuno, amanhã volto para ver como está! - Se despediu, me dando um beijo na bochecha se levantando com um certo cuidado, mas também parecia apressado. Estava com a mão pousada no local do beijo, um pouco corada e surpresa. Não devia estar surpresa, afinal, somos namorados, porém... Não fazemos tantas coisas como tais, então me surpreendo um pouco, ainda. 

- E-espera! - Falei, com o tom de voz elevado. Ele já estava na porta, pronto para sair. Ele ouviu meu chamado e me olhou, meio confuso do por que o chamei. Não posso deixá-lo ir para casa... Se ele encontrar a faca, estarei em maus lençóis. 

- Hã, bem, por que não fica um pouco mais?.. - Minha voz saía agora baixa, estava envergonhada. Embora eu só não queira que ele vá para a casa para não achar a faca, sua companhia me deixa feliz e tranquila, quero sempre estar ao seu lado. 

- T-tudo bem, mas... Por quê? - Ele desviava o olhar, mostrando sua desconfiança Será que começou a acreditar em Akise-kun? 

- Eu... Eu só não queria ficar sozinha... - Abaixei a cabeça, claramente vermelha. 

- Certo, eu fico mais. - Disse ele. Levantei a cabeça, sorrindo. Ele sorriu sem mostrar os dentes, mas não me pareceu um sorriso, digamos... Feliz.

Ele se aproximou e se sentou na poltrona novamente, colocando os cotovelos apoiados nos joelhos, segurando o rosto com as mãos. Parecia ansioso com algo, olhando através da janela. Estava um pouco sem graça, pois o convidei para ficar e nem sabia o que dizer... Mas, confesso que não me importo em ficar apenas no silêncio, desde que seja ao seu lado. Justamente por gostar tanto dele perto de mim, não posso deixá-lo ver a faca. Sei que ele pode não encontrar, mas prefiro não correr esse risco. 

- E então? O que podemos fazer? - Perguntou ele, me olhando seriamente. 

- Hã... - Falei baixinho, olhando para as nuvens, tentando encontrar uma ideia. 

- Olha, se não temos nada para fazer, então vou embora... - Sua voz não era mais suave e melódica. Ele estava parecendo com Akise-kun, parecia que estava tentando me evitar... Olhava para ele, que se dirigia a porta. Sinceramente? Não vou mais me calar!

- Yukkii, por que não pode simplesmente ficar aqui, comigo? - Ele virou, imediatamente. Com os olhos tristes, mas a expressão séria, aguardei sua resposta. Ele deu um longo suspiro, enquanto fitava a porta. 

- Eu... Quero ver Uryuu. Sei que ela já está morta, mas--

- Ela está morta Yukkii, não vai voltar para te abraçar. - O interrompi, enquanto ele ainda olhava a porta. Tentei segurar, mas não consegui. Minha raiva estava a ponto de transbordar pelas minhas sobrancelhas, enquanto agora ele me encara, surpreendido pela minha frieza. Seus olhos arregalados me fixavam, e eu apenas o olhava normalmente.

- Eu sei, Yuno. Mas... - Estava com medo do que viria depois do "mas". Ele desviou seu olhar, olhando determinado para a porta, novamente. 

- ... Apenas vou ao enterro de seu corpo. Seu espírito continua vivo, e sempre me protegerá do que tenho medo. Ela foi minha babá por muito tempo, e eu a amo. Não do mesmo jeito que te amo, ou amo meus pais. É outro tipo de amor. Um amor que acho que você não compreende. 

Ele saiu do quarto, me deixando sozinha. Suas palavras acertaram meu coração, me deixando totalmente surpresa, enquanto olhava para o lençol. Logo, uma mancha apareceu no branco do tecido: era uma lágrima. Não acredito no que ele disse... O que essa... Essa... Essa maldita fez com ele? Ela mudou sua cabeça? Mas, eu já a matei, não tem mais nada que posso fazer... Passei a mão em minhas bochechas, limpando as lágrimas que corriam rapidamente, e levantei meu rosto com o semblante sério. Terei que me desculpar com Yukkii. Mesmo que eu não queira, será pelo nosso bem. Não cheguei até esse ponto para que eu mesma estragasse o relacionamento que demorei tanto para construir, sendo que ele ainda nem está completo. Num suspiro, fechei os olhos e, com uma certa dificuldade, me levantei da cama, me apoiando nas coisas ao redor. 

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, qualquer erro me avisem e até a próxima >3<


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...