História Amor assassino - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jeff The Killer
Personagens Jeff, Personagens Originais
Exibições 52
Palavras 1.558
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Na imagem temos Elizabeth e Toby escondendo waffle...

Capítulo 24 - Conhecendo o terreno: Liz


Isabel pov'on

Depois dos meninos me arrumarem, segui para a sala encontrando os meus conhecidos irmãos e umas garotas fofinhas. ninguém escaparia do meu interrogatório, pelo que notei quase todas eram creepys novas, exceto uma, era a única humana no covil dos creepys. ela parecia um tanto calma de mais para quem está rodeada de assassinos. mal fixei meus olhos nela e vejo um objeto voador não identificado se chocar contra ela fazendo ela sair do meu campo de visão. malditos aliens, mal posso ver seus movimentos!

Toby: minha, só minha, unicamente minha - ele segurava, vulgo agarrava, a garota e um waffle como se sua vida dependesse disso.

- Toby, sou mulher esqueceu? - todos começaram a rir dele e ele se recolheu para o cantinho da depressão.

Toby: vou morrer de chorar! vocês só querem me fazer bullying comigo!! - a garota correu e abraçou ele falando algo sobre fazer waffles, mas nem assim ele se levantou.

-Toby,  deixo você decidir o nome do meu filho - ele pulou de alegria e fogo uma a waffle para cima, resultado: o mel grudou no teto com a waffle 

Toby: minha comida! - e se sentou no cantinho da depressão de novo.

???: toma -  a garota estendeu outro waffle para ele e logo vimos ele feliz esquecendo a que estava grudada no teto.

- VOCÊ! - apontei para a garota que parou de se mover, ela tinha olhos cor de avelã por detrás de um par de óculos que demonstravam o hábito de leitura, cabelos negros que caiam delicadamente em seu ombro e em meio a sua pele pálida,  as sarnas no nariz e na maçã do rosto se destacavam 

???: o que eu fiz?? - coitada tremia um pouco e parecia ser muito quieta pro meu gosto.

- quero saber tudo sobre você agora!

???: OK - ela se escondeu atrás de Toby - me chamo Elizabeth Thompson, 16 anos.

- Liz, fala mais sobre você!! -incentivei - como encontrou esse malucos? como se apaixonou pelo tristonho ae? o que gosta de fazer??

Liz: meu pai quem mandou eu vir com eles. pelo que entendi, ele conhecia bastante sobre a vida deles e acabou salvando um maluco mascarado de ser pegue pela polícia, acho que o nome dele era Hoodie. desde então ele escondia os creepys que ele encontrava em meio a folgas da polícia. ele é um cirurgião conhecido e acabou ensinando bastante coisa para a enfermeira do Slender.

"Pelo que eu entendi, o motivo da minha vinda é ajudar a socorrer os feridos que virão a surgir. digamos que sei tudo de medicina graças aos livros que meu pai tem em casa. minha mãe morreu cedo por causa de um câncer que passou despercebido pelos médicos e sempre me disse que eu deveria ajudar a todos sem me importar o motivo."

Ela foi interrompida por um bisturi voador que acertou seu braço e logo vimos EJ correndo com um rin na mão e uma Ana pura de raiva indo atrás dele arremessando diversos bisturis para todo lado. logo ela notou ter machucado a garota, que simplesmente arrancou o instrumento e lhe entregou na mão enquanto decidia se estancava ou costurava, optou pelo segundo e logo começou a se costurar como se nada estivesse acontecendo.

Elizabeth pov'on

Ainda bem que não saia sem meu material médico, não acredito que todo esse rebuliço foi pelo roubo de um órgão humano, mas o que ele iria fazer com aquilo? se passasse muito tempo fora de conserva iria apodrecer. deixei de lado quando percebi que todos me encaravam como se algo sobrenatural estivesse acontecendo. continuei meu relato sobre o que a protegida havia perguntado.

Flash back on

European estava em casa relendo um livro sobre cirurgia cerebral, um dos que me chamava bastante atenção. não sei o motivo, mas sempre tive o costume de ler os livros de meu pai perto da janela do meu quarto. não era à primeira vez que me sentia sendo observada e também não era à última. ouvi a porta da frente bater e meu pai anunciar sua chegada, logo depois alguém chegou e conversou com ele e e ele me chamou.

- diga pai - olhei de cima a baixo o garoto de cabelos castanhos a minha frente.

Senhor T: filha, lembra que sempre te falei que algumas coisas que as pessoas acreditam é real? - assenti com a cabeça - este rapaz veio a procura da sua ajuda. sei que anda lendo meus livros e sei que possui o conhecimento para cuidar da família que ele quer proteger, então quero que vá com ele e prometa ficar viva. eles vão te proteger e aconteça o que acontecer, você não deve voltar a me procurar.

- certo pai, mas por que não posso voltar a viver com o senhor? - eu jamais desobedeceria uma ordem dele, mas essa era muito estranha 

Senhor T: depois você vai descobrir.

Segui o rapaz que se apresentou como Liu até uma minivan preta, entrei e vi uma garota de longos cabelos negros no banco do carona. assim que ela se virou, se apresentou como Jane, ri por dentro pensando na Jane the killer. o carro seguiu até uma floresta e logo adentrou uma caverna muito ampla e bem iluminada, fui apresentada a todos que estavam lá e logo me falaram que os creepypastas existiam. acho que eles esperavam que eu surtasse, mas meu pai já havia me avisado mesmo.

Com um mês fomos movidos para uma mansão enorme e apresentado aos outros creepys, mas logo nos moveram de novo para outra mansão próxima a anterior. recebemos a ordem de tomar cuidado para não ser visto pelos creepys que não conhecíamos e nos disseram para treinar no porão,  que por sinal era gigante.

Peguei um dos livros que havia trazido e fui para o lado de fora da mansão para ler. o tempo estava agradável e para minha surpresa acabei dormindo sentada, o que representava riscos para uma pessoa com analgesia congênita. eu podia cair e bater a cabeça e não sentiria nada. acordei quando senti algo em cima de mim, quase morri de susto achando que a árvore havia caído,  mas assim que abri os olhos e me virei, vi um jovem dormindo ternamente em cima de mim e eu estava com a cabeça em seu colo. quando me virei dei de cara com um maluco com uma câmera e outro maluco pendurado de cabeça para baixo. como nunca havia visto essas máscaras,  me levantei e sai correndo.

Bonitinho: espera morena magrinha!!! - o garoto que eu estava dormindo no colo me puxou - é perigoso. depois te levo para casa.

- sinto muito, mas não devo confiar em creepys que nunca vi - soltei e logo botei a mão na boca.

Maluco da câmera: mas eu já te vi e você me viu também! - quem era esse maluco? ele tirou a máscara e logo reconheci como Hoodie - o único que você não conheceu foi o tapado aí.

Bonitinho: não sou tapado!

Maluco trepador: quem é que vai para uma reunião com todos da casa na enfermaria? - vi o bonitinho baixar a cabeça e se sentar em frente a uma árvore.

Bonitinho: cantinho da depressão novo - fiquei com pena e fui até ele o abraçando. -não tem medo de creepy estranho não? 

- calado - ele me olhou e sorriu.

Bonitinho: sou Toby, você é bonita, gostei de você! - corei na hora - tá com febre?

Ele encostou nossas testas e ficamos muito próximos um do outro, eu podia sentir sua respiração. ele sorriu e quando ia se afastar alguém,  o maluco trepador, empurrou nossas cabeças e acabamos por nos beijar. na hora em me assustei um pouco, mas como a mão não me deixava fugir,  senti ele pedindo passagem e cedi de vez a ele. meu primeiro beijo foi meio que roubado por um cara lindo e fofo que acabei de conhecer e tudo por culpa de um maluco trepador. claro que gostei do beijo, mas acho que não deveria ter sido em frente a uma câmera...

Toby: se ela me odiar eu te mato - assim que fomos libertos ele disse, mas o garoto saiu correndo gargalhando alto - princesinha, vou matar aquele desgraçado que lhe forçou a isso e depois volto para me desculpar adequadamente.

Sorri e assenti, mas o cuidado virou rápido de mais para o lado errado e deu de cara na árvore,  desmaiou na mesma hora. cuidei dele enquanto ele ainda estava desmaiado com toda minha delicadeza e botei sua cabeça em meu colo como ele havia feito comigo. Hoodie gravava tudo como se fosse um momento precioso, o que me fez corar um pouco. ele fez um mar de perguntas que ignorei até ele se calar e se sentar ao meu lado, ele dormiu pouco depois com a cabeça no meu ombro. pouco depois eles acordaram e se despediram jurando me trazer a cabeça de Masky, o maluca trepador.

Flash back off

Toby sorria lembrando de tudo junto comigo, mas logo pegou seus machados e correu atrás de Masky lembrando de sua promessa. todos riam de Masky depois de saber o que ele havia apontado. Hoodie gravava tudo como sempre, a garota ria bastante, percebi que para ela, nós éramos sua única família. eu já sabia o que havia acontecido a ela e lamentava muito, enquanto eu ficava triste por não ter uma mãe,  ela devia sofrer muito por ter uma mãe que queria mata-la só para ter poder.


Notas Finais


Boa noite e até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...