História Amor Assassino - Capítulo 22


Escrita por: ~

Visualizações 115
Palavras 1.233
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Survival, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Agora posso shippa-los sem medo 👇.

DESCULPA pela demorada, estava tão animada com outras coisas que acabei ficando sem inspiração/motivação/ideias para fic, vou tentar não demorar mais.

Capítulo 22 - Apimentando as coisas


Fanfic / Fanfiction Amor Assassino - Capítulo 22 - Apimentando as coisas

3;00 da manhã

_ Aí droga !! _ Esbraveja Karma ao notar o carro em sua direção, vendo que não poderia desviar, acelera, acabando por fazer uma manobra para passear por cima do veículo, isso faz o motorista do carro se assustar e perder a direção, fazendo-o bater no poste a frente.

_ Foi mal amigo !! _ Fala Karma, antes de acelerar sua moto, estava com pressa em chegar naquele maldito motel, sabia que Kin provavelmente já estaria lá, e conhecendo seu irmão, com certeza já fez as pazes com Tyler, e agora estão juntos, essa ideia faz arrepios percorrerem sua coluna, mas não queria pensar nisso, apenas Nagisa importava naquele momento.

Karma on

Finalmente chego, as ruas estavam deserta, então foi muito fácil chegar aqui, entro no motel, olhando em volta, até que não era ruim.

_ Posso ajudá-lo senhor ? _ Fala a atendente, ela me olhou de cima a baixo parecendo me analisar, talvez pensasse que fosse uma comida, pois estava me comendo com os olhos.

_ Sim, gostaria de saber o número do quarto de Nagisa Shiota. _ Digo, e ela se assustou um pouco, mas logo sorriu como se estivesse ganhado um prêmio.

_ Um momento por favor. _ Diz, antes de começar a digitar algo no computador, em certos momentos podia jurar que ela estava sorrindo com malícia, entretanto quadro virou-se para mim, apenas estava como uma atendente normal, profissionalismo ? Talvez _ Suíte 3.E, segundo andar, e está na primeira gaveta, boa sorte.

Jamilly, nome que julgo ser seu por causa do crachá em sua roupa, me entrega uma chave, saio apressado para o local indicado, não antes de murmurar um obrigado por sua ajuda, não se fazem mais atente dentes como essa.

Chego ao quarto, respiro fundo e toco para ver se residia alguém, mais nada, já sem paciência adentro o quarto, as luzes tavam apagadas, exploro mais o local e vejo um corredor com duas portas, abro a primeira vendo ser o banheiro. Abrindo a segunda vejo uma cama de casal, e pela cabeleira azul não tive nenhuma dúvida de quem fosse, cheguei de mansinho, em passos silêncios, quando fico bem próximo dele e não me aguentando aquele rostinho indefeso, beijo sua bochecha delicadamente, vou avançando devagar chegando ao seu pescoço.

_ Hum Kar...m.a.s..rapido._ WTF!!!?, saio de perto dele na mesma hora, achando que ele tinha acordado, mas pelo visto ainda está no mundo dos sonhos, mas seu rosto está corado, e sua respiração ofegante, fora os gemidos que sai de vez em quando.

Não aguento meus instintos e o acordo, afinal não poderia fazer nada com ele dormindo, não sou nenhum animal, seus olhos se abrem ainda meio desorientado, mas logo se alargam quando focam em mim.

_ Karma ? O que faz aqui ? _ Pergunta, e suas bochechas ficam gradativamente vermelhas, acho que se lembrou do seu sonho nada puritano.

_ Ah foda-se, não aguento mais._ Digo por fim, acabando com o espaço que nos separava, nossos lábios se encontraram, não conseguia mais, naquela altura nada me pararia, a menos se Nagisa não quisesse, afinal faço qualquer coisa por ele, nunca faria nada que não aprovasse, mas como ele retribuía o beijo não acho que seja o caso, nós separamos quando a falta de ar se fez presente.

_ Você quer ? _ Pergunto, não queria que ele se sentisse de nenhuma maneira abusado ou algo do tipo, Nagisa então abaixa a cabeça e a balança afirmativamente, sorrio com o geito fofo dele, subo em cima da cama, fazendo-o se deitar delicadamente, logo após subir em cima de si, com delicadeza.

_ Você é a coisa mais fofa que existe._ Murmuro em seu ouvido, mordendo seu lóbulo em seguida, ele geme com a atitude, acho que tudo bem pular as "torturas" afinal depois de seu sonho, deve estar bem sensível e não quero que a diversão termine rápido. Pensando nisso tiro sua camisa e a minha com uma estranha rapidez.

Distribuo beijos pelo seu pescoço, descendo até sua barriga lisinha onde foco meus olhos em seu rosto, estava corado, ofegante, com os olhos lacrimejando devido a excitação, "como poderia viver sem você ?" Penso desacreditado, não gosto nem de cojitar a ideia de viver sem ele, volto a sua boca o beijando como louco, minhas mãos vão  explorando seu corpo, tentando gravar cada centímetro.

O afastado, e olho no fundo daquelas íris azuis, que pareciam me envolver, vou até sua calça, descendo-a devagar, apressando o momento, ele me olhava com espectativa, nota então o volume que havia em sua cueca, "não era como se eu estivesse diferente meu caro" Penso quando olho Nagisa abaixar sua cabeça corado. Chego mais perto e minhas mãos começam a massagear sua ereção por cima do maldito pano que ainda residiam em seu corpo, pelo menos por enquanto.

Os gemidos de Nagisa eram manhosos, e algumas vezes clamavam meu nome, o que fazia minha excitação aumentar, mais quando estava prestes a gozar parei meus movimentos, o que o fez me chamar de nomes nada agradáveis.

Sorrindo, subo novamente na cama, retomando a trilha de saliva que fazia a pouco, agora parando em seu membro, onde coloquei todo na boca, confesso nunca ter feito isso, mais tudo tem uma primeira vez, é sempre quis saber como seria devorar Nagisa, e como imaginei, ele tem um gosto saboroso.

Chupo a base inteira, sugando tudo com avidez, de cima para baixo e assim por diante, me divertindo com os gemidos do azulado, sua glande começa a espelia pré-gozo o que me faz parar.

_ QUE PORRA DE NOVO !!? _ Grita Nagisa ao perceber que não o deixaria gozar tão cedo, o que me diverte mais, talvez seja meu lado sádico que está agindo agora.

Sem falar nada, abro a primeira gaveta de uma escrivaninha o que estava do lado da cama, que continha a camisinha e o lubrificante, afinal dês de quando motéis tem lubrificante ? Não que me importe me poupa trabalho, abro o pote despejando grande quantidade em meus dedos, me aproximando novamente do meu pequeno.

_ Posso começar ? _ Pergunto, mesmo que no meu interior estivesse de joelhos implorando para que ele não desistisse naquele momento.

_ Sério ? Você vem me perguntar agora ? _ Fala com humor, sem esperar começo a inserir o primeiro dígito, depois o segundo, iniciando os movimentos de vai e vem para que ele se acostumasse.

_ Não aguento mais, Karma..eu..preciso de você dentro..._ Geme, é como um bom garoto que sou, estoco mais algumas vezes meus dedos antes de retira-los.

_ Seu desejo é uma ordem. _ Começo a adentra-lo, quando já estou completamente dentro, faço movimentos lentos para não machuca-lo, nós dois gemiamos, nossos corpos se chocando reproduziam sons melodiosos de se ouvir, não queria parar.

_ Mais, rápido.._ Repetia Nagisa afobado, mudamos de posição agora ele por cima de mim, assim podia ver seu rosto enquanto quicava cada vez mais rápido, já estávamos perdidos no nosso prazer, quando pego seu membro e começo a masturba-lo, seus gemidos aumentaram se tornam gritos, seus olhos reviravam, nossos corpos cobertos de suor só contribuía para deixar tudo mais excitante, Nagisa foi o primeiro a chegar em seu ápice quando em uma esticada lhe acertei a próstata, logo após não aguentando a pressão que seu canal fazia me desmanchei dentro de si.

O corpo do meu pequeno caio em cima de mim, não aguentando mais de cansaço, logo dormindo, me retirei de dentro dele, e nos cobrir com o coberto, antes de me juntar a ele.


Notas Finais


Próximo capítulo mês que vem 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...