História Amor de Infância - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Louis Tomlinson, Niall Horan
Tags Amor, Fanfic, Fanfic Yaoi, Gay, Harry, Harry Styles, Larry, Larry Stylinson, Louis, Louis Tomlinson, One Direction, Oned, Romance, Yaoi
Visualizações 54
Palavras 2.348
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - O fim.


Harry esteve bem durante o resto do dia, por insistência de Louis, comeu todo o almoço e fez um lanche a tarde. 
Na hora do jantar disse que estava se sentindo enjoado outra vez, voltou para o quarto e ficou deitado. Louis apareceu minutos depois, trazendo consigo uma porção de sopa e um copo de suco de laranja bem reforçado. Harry o olhou e fez uma careta como se dissesse "não me peça pra comer, por favor".

- Lou... 

- Ah! Por favor, Hazz... Você não comeu nada durante o jantar.

- Eu não estou com fome, se você ficar me empurrando comida eu vou vomitar outra vez. 

- Mas é a sopa mágica da mamãe. - Louis fez um biquinho infantil. 

Harry riu de sua cara engraçada. - Idiota. - ele disse. 

Louis desfez o bico e suspirou dando-se por vencido. - Tudo bem, eu não vou insistir para você comer, mas se amanhã você não estiver melhor nós vamos ao médico sem discussão. - disse como uma ordem. 

Harry levantou os braços se rendendo. - Tudo bem. 

                                   * * * 

Ainda naquela noite, depois que Louis levou de volta o prato cheio de Harry à cozinha. 

O cacheado estava deitado na cama, meio encolhido, estava dormindo e Louis achou melhor não acordá-lo. Pegou um cobertor mais quente e pôs em cima de Harry com cuidado. 

Depois de cobrí-lo, Louis deitou-se em sua cama ficando de frente para Harry, ele nem sabe por quanto tempo ficou olhando o irmão ressonar baixinho, só sabe que dormiu. 

                                  * * * 

 No dia seguinte.

Harry já estava bem melhor, Louis acordou primeiro e fez questão de verificar se ele não estava com febre. Foi a cozinha e buscou o café da manhã de Harry. 

- Nossa! Se eu soubesse que ia ter toda essa mordomia, eu teria ficado doente antes. - disse Harry.

- Não vai se acostumando não, folgado. Isso é só porque você está doente. - disse Louis. - Então... Conseguiu dormir bem? 

- Sim e eu tive um sonho estranho, não sei, parecia mais uma lembrança. 

- Uma lembrança? 

- É, daquela vez que eu te ensinei a andar de bicicleta, lembra? 

- Oh.. Claro! foi o dia mais feliz e traumatizante da minha vida. - Louis e Harry riram juntos. 

Verão de 2008.

Louis entrou em casa correndo eufórico, passou por Harry que estava espalhado no sofá vendo TV e correu até o pai que estava na cozinha.

- Papai! Papai! Me ensina andar de bicicleta?!. 

- Eu tenho que ir pro trabalho agora, filho, você não pode esperar até o fim de semana? 

 - Mas todos os meus amigos sabem andar de bicicleta, menos eu. Eles estavam rindo de mim. - disse com a voz chorosa. 

- Escute, agora eu realmente não posso te ensinar, mas no fim de semana eu prometo te levar até o parque, lá eu ensino você. 

- Mas eu não tenho uma bicicleta.

- Bem... Nós usamos a do Harry, e quando você aprender eu te compro uma novinha, tudo bem assim? - Louis sorriu e confirmou com a cabeça. Desmond deu um beijo em sua testa, passou por Harry que estava agora parado na porta e afagou seus cabelos cacheados. - Cuide da sua mãe e do seu irmão enquanto eu voltou. - ele disse e saiu. 

- Eu ouvi você conversando com o papai. - Louis ainda estava com a carinha triste. - Eu posso te ensinar a andar de bicicleta se você quiser. 

Louis abriu o mais largo dos sorrisos, mostrando as ruguinhas abaixo de seus olhos. - Mesmo? - Harry fez que sim com a cabeça. - Mas, e se eu cair? 

- Eu vou estar lá com você, não vou te deixar cair. 

                                  * * * 

- Hazz, não me solta, por favor. 

- Eu não vou soltar, continue pedalando. - Harry mandou e Louis fez o que lhe foi ordenado. 

Não conseguia tirar o sorriso do rosto, estava finalmente andando de bicicleta! e sem rodinhas!. 

Talvez estivesse sendo precipitado, mas ele estava indo tão bem, porque não soltá-lo?

- Olha, Hazz, olha, eu to conseguindo! - dizia sorrindo. - Mas não me solta ainda, tá? Quando eu estiver pronto eu te aviso. 

- Aí você me soltou e eu caí de cara no chão. - Louis sorriu.

- A culpa foi sua, ninguém mandou você olhar para trás. 

Louis já abrira aquele berreiro, o joelho nem estava tão machucado assim, mas ele era tão manhoso, puff! Harry bufou. 

- Você disse que não ia me deixar cair. 

- Lou, você estava indo bem, não devia ter virado para olhar para mim. 

- Meu joelho está doendo.

- Eu vou cuidar disso, vem, vamos voltar para casa. 

                                * * * 

- Prontinho, agora não vai mais sangrar, mas não conte para a mamãe, ela me mata se souber que eu deixei você se machucar. 

- Eu não vou contar. - disse Jared. - Hazz? 

- Hm?

- Amanhã podemos ter outra aula? 

- Você ainda quer que eu te ensine? 

- Sim, mas só se você prometer que não vai me deixar cair dessa vez. 

- Eu prometo. - Louis sorriu. 

- Aquele dia foi muito louco, a mamãe viu o machucado na sua perna e você acabou contando a verdade, o papai me livrou do castigo. - Harry riu com a lembrança. - Você nunca foi bom com nada que tivesse duas rodas. Eu te ensinei a pilotar motos no ano passado e você me fez o favor de cair, quase morri por isso, a mamãe queria pregar minhas orelhas na parede por causa disso. 

Louis riu sem graça, com a cabeça baixa. - Você tá sempre consertando as minhas burradas. 

- Irmãos mais velhos servem pra isso. 

                                   * * * 

Segunda-feira.

Harry voltou para casa assim que as aulas terminaram, estava sentindo calafrios outra vez, pensou que sua febre poderia estar voltando, talvez um banho frio resolvesse. 

Minutos depois de tomar banho e se vestir, Louis chegou largando a mochila em cima da cama. 

- Você está bem? 

- Sim, por quê? 

- Não sei, está pálido, tem certeza que está totalmente recuperado?

- Eu estou bem, não se preocupe comigo. - Harry sorriu e Louis se convenceu de que ele estava realmente bem. 

Depois do almoço, Louis deitou-se na cama de Harry e acabou dormindo ali mesmo. 
Folgado. - disse baixinho e riu de si mesmo. 

Ele estava todo espalhado na cama, como se fosse o dono dela, a face serena e os cabelos caindo sobre os olhos o faziam parecer uma criança.

Harry se sentou na beirada da cama e afastou os cabelos do rosto de Louis, não sabe o que aconteceu, mas sentiu uma vontade insana de beijá-lo, queria sentir a maciez de seus lábios, queria saber como era estar na pele de Liam só pra poder beijá-lo e tocá-lo por baixo daquela roupa.
Estava tão concentrado com a visão de Louis ali deitado que nem ouvira o celular do mesmo tocando. 
Louis se mexeu e Harry finalmente acordou e se deu conta da besteira que estava fazendo, como podia pensar no irmão daquela forma? Droga! Era seu irmão! 

Pegou o celular de Louis do criado mudo que estava ao lado da cama e atendeu, era Liam.

- Louis?

- O Louis saiu agora pouco e esqueceu o celular em casa. - mentiu descaradamente. 

- Ah, tudo bem então... Quando ele voltar pede pra ele me ligar, por favor. 

- Claro. - claro que não faria aquilo. 

- Hazz... - Louis murmurou. - O que aconteceu?

- Nada, não aconteceu nada, volte a dormir. - Harry acariciou seu rosto e Louis acabou pegando no sono outra vez. 

                                  * * * 

No dia seguinte, Liam apareceu na casa dos Styles a noite, logo após o jantar. 

- Será que a gente pode conversar um minuto? - ele disse. 

Na frente da casa, do lado esquerdo havia uma árvore, Louis e Harry gostavam de subir nela quando crianças, uma vez Harry caiu de lá de cima e quebrou o braço, Louis chorou mais que o próprio Harry. 

Quando precisavam pensar, aquela árvore era o lugar certo, porque ela trazia boas lembranças, pelo menos até aquele dia. 

Estavam agora sentados em baixo dela. Não Louis e Harry e sim Louis e Liam. 
Sem entender tudo aquilo, manteve-se calado. Liam tinha o olhar baixo, ainda não dissera nada, não teve coragem, pensou em inventar uma desculpa qualquer e voltar para casa, mas se fizesse isso estaria sendo covarde outra vez. 

- Você vai ficar calado? - Louis foi o primeiro a falar. 

- E-eu... Hã... E-eu... - as palavras não saiam, não queria fazer aquilo, mas precisava. - Eu vim até aqui porque...

- Por quê?...

- Porque eu quero terminar, é isso, eu quero terminar o nosso namoro. - dizer aquilo foi um soco no estômago, fora quase forçado.

- Como é? - perguntou incrédulo. - Por quê? 

- É isso que você ouviu.

- Por que está fazendo isso comigo? V-você não gosta mais de mim, é isso? Você tem outra pessoa? Ou foi por causa da viagem? Eu já te pedi desculpas, a gente pode marcar a viagem pra esse fim de semana e... - Louis falava sem parar, os olhos cheios de lágrimas faziam o coração de Liam virar farelo. 

- Lou... Não é nada disso, você não fez nada errado e eu também não tenho ninguém. Eu gosto de você, gosto muito, droga Louis! Eu te amo, mas você não sente o mesmo. 

- Como você pode dizer isso? Eu contei a todo mundo sobre o nosso namoro porque você disse que não queria mais se esconder, contei a minha família, sabe como foi difícil fazer isso?!

- Louis, você só contou a sua família porque o seu irmão nos viu aos amassos dentro do seu quarto. Eu pedi tantas vezes para você fazer isso, mas você nunca teve coragem, e eu preferia que você nunca tivesse tido.

- Eu não entendo você. 

- Eu sei que não e eu não peço que me entenda, só quero que saiba que eu ainda gosto de você e que eu ainda vou ser o seu melhor amigo se você quiser, eu ainda vou estar aqui se você precisar chorar, mesmo que seja por causa dele, mas eu não posso continuar sendo seu namorado, não posso nem quero ficar competindo com o seu irmão. 

- O que o Harry tem a ver com isso?! Por favor, não me venha com aquela história maluca que ele é apaixonado por mim e...

- Louis, eu preciso ir. - Liam se levantou e uma chuva fria começou a cair sobre os dois. Louis segurou em seu braço sem se importar com a maldita chuva que estava fazendo seus pêlos se arrepiarem.
Por favor. - foi só o que ele disse, aquilo foi torturante, ele estava todo molhado no meio da chuva, chorando com aquela carinha de cachorrinho abandonado.

Foi um momento de fraqueza, Liam deu um passo a frente e o abraçou forte. 

- Eu vou viajar na semana que vem, eu preciso de um tempo, você também precisa. - disse ainda abraçado a Louis que desfez o abraço. 

- Quando você volta? 

- Eu não sei, posso voltar em uma semana, ou em um mês, não tenho uma previsão. 

- Você está sendo precipitado 

- E você ainda vai me agradecer por isso. Agora eu tenho que ir. - deu as costas e um passo a frente.

- Está quebrando a sua promessa, prometeu me fazer feliz, se lembra? 

- É claro que eu me lembro, mas a sua felicidade tem olhos verdes e está nos observando pela janela do quarto agora. 

Louis olhou para cima em direção ao quarto, e lá estava Harry, depois desviou os olhos da janela e os concentrou em Liam. Ele estava indo embora. Estava caminhando na chuva em direção ao nada com o coração em mil pedaços. 

                                 * * * 

- Lou, está tudo bem? Porque você ficou tanto tempo lá fora na chuva? - Louis não respondeu. 
Pegou uma toalha e um pijama confortável, entrou no banheiro e ficou lá dentro por longos minutos apenas sentindo a água quente bater contra suas costas.
quando saiu do banho, Harry estava lá, com aquela cara de preocupação, olhando para seu rosto vermelho e inchado. 

Louis sentiu raiva, quis socar a cara de Harry e dizer que a culpa era dele, quis dizer que por culpa do ciúme absurdo dele o amor de sua vida fora embora, ele quis... mas ele não fez porque Harry não tinha culpa de nada e porque Liam não era o amor de sua vida, ele sabia disso. 

Louis não fez nada e nem disse nada, não queria conversar. 

Harry estava deitado em sua cama, ainda estava olhando para Louis parado ali com o pensamento em outro mundo. 
então Louis fez algo que o deixou sem palavras e sem reações. 
Caminhou até sua cama e se deitou, com a cabeça apoiada em seu peito, passou um braço em volta de sua cintura o abraçando completamente. 

- Ele foi embora, ele disse que me amava e foi embora. - disse chorando. 

- Lou...

- Por que todo mundo sempre vai embora? Primeiro os meus pais, eles prometeram nunca me deixar e eles se foram antes que eu pudesse dizer adeus, agora o Liam que prometeu me fazer feliz, sabia que ele me fez prometer que nunca iria embora e no entanto quem fez isso foi ele.

- Você tem a mim e eu não vou embora, eu prom...

- Não prometa nada. - Louis o cortou. 

Aquela noite foi terrível, para os dois. Louis de coração partido por causa de Liam e Harry de coração partido por ver Louis sofrendo por amor a outra pessoa, mas ele era seu irmão, seu irmãozinho e ele tinha o dever de ajudá-lo mesmo quando isso o machucasse. 

Louis ficou a noite inteira chorando e falando de Liam enquanto Harry ouvia tudo atentamente e tentava não fracassar chorando. 

Continua...


Notas Finais


Hélio PeopleSoft, tudo bem com vcs? Espero que sim. Gostaram do capítulo? Querem mais? Então favorite a história e deixe aqui o seu comentário. XD.

Xoxo!!! 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...