História Amor de Pai - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Sasusaku
Exibições 64
Palavras 2.715
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Então pessoinhas espero que gostem da fanfic fiz com muito carinho!
Comentem e deixem suas opiniões ou duvidas que eu responderei com prazer.
Então é isso! boa leitura :3

Capítulo 1 - Capitulo 1


Capitulo 1

Quando eu acordei naquela manha eu jamais imaginaria que minha vida mudaria com uma noticia que pra muitos seria maravilhosa, para outros nem tanto. Eu confesso que fiquei entre esses dois sentimentos por não esperar ouvir uma noticia daquelas, pelo menos não com apenas 19 anos sem nem ter me formado ainda, nem estar casado ou ter uma casa própria, enfim uma vida estável.

Quando estava no corredor da faculdade indo em direção a minha sala fui parado por uma Amy afobada e nervosa, ela era a garota com quem eu tinha namorico de adolescentes.

-Sasuke precisamos conversar – Disse parando em minha frente.

-Não pode esperar ate o final das aulas?- disse já contornando o corpo dela para continuar meu caminho, mas sua mão no meu pulso me parou novamente. Com um suspiro me virei para ouvir o que quer a Amy queira me falar. Ela sempre conseguia ser inconveniente.

-Ta, fala logo. – olhei para ela que apertava nervosamente as mãos me olhando meio hesitante, isso não era uma reação comum em Amy. Ela sempre foi ousada e decidida isso foi uma das coisas que fizeram eu me interessar por ela, foram poucas vezes a tinha visto assim.

-Eu to grávida!

-O que? – minha voz saiu mais alta do que eu planejava a fazendo se encolher com os olhos arregalados.

Dei um suspiro e tentei me controlar. ‘Como isso foi acontecer?’, Ta eu sabia como. Okay um filho com apenas 19 anos. Eu estava mesmo fudido, minha mãe vai me matar. Minha mente já estava á milhão, ‘mas como isso’ eu pensei que Amy estava se cuidando ela me garantia isso. Mais que droga.

-Você tem certeza? – a olhei serio e ela apenas assentiu com a cabeça – Mas você sempre me garantiu que estava se cuidando, como isso foi acontecer?

-Eu me cuido ta legal? – ela disse chorosa – Acha mesmo que eu engravidaria de propósito? Foi um acidente.

-Ta legal, nós vamos dar um jeito – com suspiro cansado eu comecei a pensar o que eu vou fazer da minha vida agora com uma criança a caminho. Só quero ver quando a dona Mikoto ficar sabendo.

-Você não vai me pedir pra tirar não é mesmo? – ela me olhou com preocupação nos olhos castanhos.

- É claro que não! – disse a olhando com fúria. Eu nunca seria capaz de fazer uma coisa dessas. – Nós fizemos a cagada e agora temos que limpar.

 

************

Dona Mikoto realmente quis arrancar minhas bolas e surtou gritando aos quatro cantos do mundo o quão irresponsável nós éramos. Amy quis sair correndo porque sabia que minha mãe nunca gostou muito dela, mas a tratava civilizadamente (do modo dela é claro) por minha causa.

Depois de se acalmar minha mãe perguntou qual eram nossos planos e eu contei a ela que Amy iria se mudar para meu apartamento e eu iria procurar outro emprego que pagasse melhor, pois o meu só era suficiente para minhas despesas e a herança que meu pai deixou era para minha faculdade de direito que eu estava no segundo ano. E mais que antes, agora era importante que eu me formasse para dar um bom futuro para meu filho ou filha que esta a caminho.

Minha mãe sabia o quão difícil era criar uma criança sozinha, meu pai morreu quando eu ainda era criança, eu lembro pouca coisa dele. Minha mãe sempre se desdobrou em duas para me dar tudo o que eu precisava e eu sempre vou a amar e respeitar profundamente por isso.

 

*************

 

Quando contei para Naruto meu melhor amigo ele primeiro ficou surpreso e disse que achava que Amy fez de propósito com medo de eu terminasse o namoro quando eu enjoasse dela, mas eu descordei. Uma criança era algo serio, e hoje em dia não segura homem nenhum. Mas ele me apoiou dizendo que estaria ali pra me ajudar no que fosse preciso e depois dessas palavras começou a tirar saro da minha cara. ‘Era um Dobe mesmo.’

Hinata também disse que sabia que seria difícil mais sempre estaria do meu lado pro que der e vier. Hinata é minha prima filha da irmã da minha mãe, depois que seus pais morreram minha mãe ficou com sua guarda e fomos criados como irmãos. Ela e Naruto namoravam há três anos.

Quando os convidei para serem os padrinhos eles ficam muito felizes e prometeram que seriam os melhores padrinhos do mundo. Amy não gostou muito da idéia, ela não ia com a cara de Naruto e sentia um ciúme doentio por Hinata, dizia que eu a tratava melhor do que a ela. Como resposta a suas crises eu apenas revirava os olhos. Eu sabia que realmente tratava Hinata melhor, mas ela é minha irmãzinha é lógico que sempre vou cuidar e paparicar ela, e não tem quem mude isso, nem mesmo a mãe do meu filho.

E assim os meses foram passando. Amy já estava morando comigo e parecia bem satisfeita com a gravidez, vou confessar que já estou me acostumando com a idéia de ser pai.

Arrumei um bom emprego numa empresa de Advocacia e me dava muito bem com meu patrão Kakashi que estava me ajudando bastante e eu estava aprendendo muito na área que eu iria exercer na minha careira.

Amy sempre estava ao meu lado e eu realmente pensava que com o tempo poderíamos ser uma família de verdade, ela estava se dedicando a casa e me mostrou uma maturidade que eu achava que seria quase impossível dela ter, ela sempre foi fútil, era importe para ela ser a mais bonita e ter o namorado mais desejado de faculdade. Mas vou confessar que essa mudança me agradou e eu estava cada vez mais acostumado com sua presença e ansioso para que o nosso filho nascer. Eu já o amava de uma forma que eu não poderia descrever.

Eu pensava que iríamos dar certo, que enfrentaríamos isso junto.

Mas não foi assim.

O dia mais feliz da minha vida foi quando eu segurei meu filho, meu bebe pela primeira vez nos meus braços, vi que minha vida finalmente teve algum sentido, que proteger e amar meu menino era minha missão daquele dia em diante. E não tenho vergonha de dizer que eu chorei igual a um bebe quando senti meu filho em meus braços.

As coisas começaram a mudar quando Saito estava com dois meses, eu vi que ter um filho era uma responsabilidade gigantesca e me vi focado em dar tudo o que ele precisava. Pela manha eu levantava e a primeira coisa que fazia era entrar no seu quarto e ir em direção ao berço onde Saito ressonava tranquilamente, ficava alguns minutos o observando dormir como um anjinho, o meu lindo anjinho. Depois lhe dava um beijinho de leve para não o acordar e depois disso ia me arrumar pra faculdade depois ia direto para a empresa e quando chagava em casa já ia direto roubar o bebe choroso dos braços de Amy que estava como uma expressão cansada.

- Oi bebe do papai, porque ta chorado, heih? – Fui conversando com ele e num segundo ele parou de chorar e abriu um sorriso banguela mais lindo do mundo. ‘Sim eu era um pai babão, não me julguem’. – O papai sentiu muita falta de você garotão.

 E eu logo tratei de cuidar e brincar com ele o resto da tarde e noite até cairmos exausto na cama e assim eram nossos dias.

Amy sentia muito ciúmes e por vezes jogava na minha cara que eu só dava atenção para Saito e esquecia que ela também existia. E por vezes me falava que Saito não gostava dela porque só parava de chorar quando estava dormindo ou quando eu chegava em casa. E por muitas vezes discutíamos por causa disso, numa dessas discussões tudo mudou.

-Ele me odeia Sasuke – disse com lagrimas nos olhos – Ele só fica feliz quando você chega! Ele me odeia eu sei disso.

-Amy é claro que ele te ama – Eu falei pela milésima vez, já estava cansado dos seus ataques – Ele só sente a minha falta por eu passar o dia fora.

- Não! Eu sou uma péssima mãe – ela disse andando de um lado para o outro – Você acredita que eu o levei para dar um passeio no parque e esqueci o ursinho preferido dele?

-Isso é normal de acontecer Amy – disse tentando ser o mais paciente possível – Por favor, tire essas coisas absurdas da sua cabeça.

-Normal? – ela me olhou parando de andar pra lá e pra cá – Ele começou a chorar no meio do parque, por que estava sem o urso! As pessoas me olhavam como se eu tivesse batendo nele ou que não sabia cuidar do me próprio filho! Eu morri de vergonha.

- Então tudo isso é porque se sentiu envergonhada por Saito chorar no parque? perguntei já perdendo a paciência – isso é uma coisa normal de acontecer poxa! Ele é apenas em bebe!

- Não, ele me odeia- Ela voltou a afirmar andando que nem uma louca pela sala – Eu achei que com um bebe você começaria a me amar, mas não! – ela parou e me olhou – EU ENGRAVIDEI DE PROPOSITO!

-O que? – disse arregalando os olhos, vendo o rumo que a conversa estava tomando – Você só pode esta de brincadeira.

-Não estou! – ela disse com um olhar magoado – Eu percebi que você perdia cada vez mais o interesse em mim, mas você é meu e essa foi a única saída que eu achei – ela disse me olhando como uma louca que ela estava se mostrando ser – Eu sabia que você assumiria e não me abandonaria nunca mais.

Eu não sabia o que pensar. Jamais imaginei que Naruto estivesse certo. Não imaginei que Amy fosse tão longe a esse ponto, mais Saito era a coisa mais importante para mim e agora não importa o modo que ele tinha sido gerado.

- Não importa agora- Ela me olhou surpresa – Saito é a pessoa mais importante para mim e isso não vai mudar por saber disso.

-MAS E EU?- ela me olhou furiosa – Mesmo eu te dando um filho você não foi capaz de me amar, nem o meu próprio filho me ama!

-Amy você precisa de ajuda. – ela só podia estar ficando louca.

- Eu não aguento mais, eu não nasci para ser mãe Amy secou as lagrimas- desculpa Sasuke, más eu percebi que não importa o que eu faça você nunca vai me amar.

- O que você esta dizendo?

- Eu vou voltar pra casa dos meus pais e retomar minha antiga vida. – disse decidida e eu fiquei sem acreditar no que eu estava ouvindo, e meu filho? Ela não pode ti ralo de mim. Um medo terrível começou tomar meu corpo.

- Mas e Saito?

- Não se preocupe, não vou te tirar o seu querido filho – falou com sarcasmo – Saito foi apenas um pretexto para eu ter você, e durante minha gravidez eu acreditei que você estava começando a me amar – deu um sorriso amargo – mas ai ele nasceu e toda sua atenção foi dedicada a ele - deu de ombros e eu senti a fúria me consumir, como um ser pode ser tão egoísta. – E olha só – disse com ironia – Nem pra isso ele serviu.

-CALA SUA BOCA E SAIA AGORA DA MINHA CASA – Perdi o resto de paciência que me restou – VOCE NÃO MERECE SER CHAMADA DE MÃE! – Ela me olhou com os olhos arregalados, surpresa com minha explosão, pois ela nunca tinha me visto assim – EU NUNCA VOU AMAR VOCÊ, O ÚNICO SENTIMENTO QUE TEREI POR VOCÊ APARTIR DE HOJE É O ÓDIO E DESPRESSO. PEGUE SUAS COISAS E SUMA DA MINHA VIDA E DA VIDA DO SAITO.

Depois de juntar suas coisas aos prantos Amy colocou tudo no carro e foi em borra sem nem se dar o trabalho de se despedir de Saito, o que eu agradeci Saito não merecia uma mãe daquelas. Como ela foi capaz de falar aquelas barbaridades do próprio filho o usar desse jeito. Mas Saito não precisa se preocupar que se depender de mim ele não precisara mais ter que ver essa mulher nunca mais na vida.

Quando me vi sozinho no meu apartamento com meu filho foi que minha fixa caiu o que eu ira fazer agora? Peguei o celular e fiz a primeira coisa que me veio na mente.

- Mãe – minha voz saiu fraca quando ela me atendeu.

-Filho, o aconteceu? – Perguntou aflita.

- Amy foi em borra de casa, eu não sei o que fazer mãe – disse perdido, Amy tinha trancado a faculdade para ficar com Saito ate ele ter idade para entrar numa creche.

-AQUELA PUTA FEZ O QUE? – Afastei o celular do ouvido com os berros da minha mãe – COMO ELA TEVE CORAGEM DE ABANDONAR O FILHO?

- O que eu vou fazer mamãe, ele não tem idade ainda pra entrar numa creche e eu não posso o levar pra faculdade ou serviço – Eu já estava entrando em desespero.

-Não se preocupe querido, nos vamos dar um jeito nisso – ela tentou me tranqüilizar – A mamãe já chega ai daqui a pouco querido.

- Obrigado mamãe

 

**********

 

Confesso que demorou muito para eu conseguir estabilizar minha vida, eu quase tive que repetir o ano na faculdade por que minhas notas caíram muito. Minha mãe me ajudava como podia e se mudou temporariamente para meu apartamento junto com Hinata ate Saito ter idade para entrar na escolinha. Na empresa Kakashi muitas vezes fez vista grosa por meus atrasos ou falta de atenção no trabalho e dizia que sabia pelo que eu estava passando, também teve que criar sua filha sozinho. Eu era muito agradecido pelo apoio que ele estava me dando, hoje em dia me esforço o máximo para o agradecer de alguma forma.

Lembro de certa vez em que tive uma prova importante, Saito já ia pra escolinha e quando fui o arrumar naquela manha Saito estava queimando de febre. Naquele momento bateu um desespero e não me lembrei de prova ou trabalho. Fiquei sem saber o que fazer e o levei ao pronto socorro, só respirei aliviado quando o médico me garantiu que era apenas um resfriado e que era comum pela época gelada que nos estávamos, me recomendou medicamentos e me falou como evitar que Saito voltasse a ficar doente novamente. Minha mãe que estava sempre do meu lado quando soube que eu estava indo ao hospital logo foi de atrás para me dar o apoio que eu precisava.

Conversei com a diretora da faculdade e lhe expliquei a situação e com sorte ela permitiu que eu fizesse a prova e foi o que me salvou de não ter que repetir o ano.

Muitas vezes chorei sozinho por não me achar um pai bom o suficiente para Saito, minha vida estava uma bagunça e parecia que nunca iria melhorar, mas bastava olhar para o meu pequeno bebe que minhas forças se renovavam e eu seguia lutando porque eu sabia que não estava sozinho. Eu tinha o apoio da minha mãe, Hinata, Naruto e Kakashi e tinha um filho que eu amava mais que tudo e estava sempre me esperando com um grande sorriso banguela que eu era apaixonado e isso era o bastante para mim seguir em frente.

E com o tempo minha vida e de Saito finalmente foi entrando nos eixos, Amy não voltou mais a nos procurar e foi como se ela nunca tivesse existido nas nossas vidas e assim quase dois anos já estava se passando, daqui a um mês já iria ser o aniversario de dois anos de Saito, Mikoto e Hinata já estavam planejando fazer uma pequena festa para comemorar, minha única exigência era que convidassem apenas os amigos mais chegados, nada de um monte de pessoas que nem amenos o nome do meu filho lembram.

Só espero que o destino não me venha com mais surpresas, não que eu me arrependa de ter tido Saito porque por ele eu passaria por tudo isso de novo só para ter o meu filho comigo do meu lado. Mas a vida com só nós dois esta ótima e não precisamos de mais ninguém para bagunçar nossas vidas.

Por que a vida está boa assim.

Sasuke e Saito

Saito e Sasuke

E isso me basta.

 

 

Continua...


Notas Finais


Espero que tenham gostado! o segundo cap ja esta quase pronto, logo vou postar
*Se ja leu ate aqui deixe um comentario* hahaha
beijoos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...