História Amor Encarcerado - Capítulo 32


Escrita por: ~

Exibições 119
Palavras 3.038
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Drama (Tragédia), Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGUEI
Espero que gostem <3

Capítulo 32 - Holy Help.


Fanfic / Fanfiction Amor Encarcerado - Capítulo 32 - Holy Help.

Voltaram a cela de Jeongguk, o moreno entrou silencioso e o dito oficial Ravi trancou a grade que os separava do mundo exterior, Jeongguk sentou-se em sua cama sem expressão, estava tudo perdido, seria agora que Taehyung descobriria tudo, quem poderia dormir com uma situação dessas? Ele não era capaz de ao menos pregar seus olhos, a possibilidade, ou melhor, a certeza de que Taehyung descobriria tudo, viria na manhã seguinte, mas ele foi tirado de seus devaneios rápidos pela voz melodiosa de Chim.

-O que aconteceu lá? Tá com aquela cara de “olhando pro nada, pensando em tudo”- ele perguntou curioso e novamente foi para a cama do menor.

-Eles acharam o laudo de perícia que o líder, quer dizer, G-Dragon tinha dizendo que eu era o culpado pela morte de Mark, amanhã eles vão passar todas as informações pro superior, ou seja, Taehyung, e eu vou receber a minha punição, em todos os sentidos- Jeongguk falou com o tom de voz seco e o olhar perdido.

-Isso não pode acontecer... Depois de tudo... Não, eu vou dar um jeito!- Chim falou boquiaberto e depois levantou determinado.

-Não há nada que você possa fazer a essa altura Chim... Já era... – Jeongguk sentiu seus olhos marejarem.

-Já era nada! Só vou desistir no momento em que você chegar pra mim e disser “ele descobriu”, até lá eu vou tentar de todas as formas!- Chim abraçou o mais novo com força.

-Por que você faz isso? Acabou Chim, acabou!- ao sentir o calor do corpo do mais velho, Jeongguk desabou em lágrimas.

-Não acabou nada meu anjo... Você vai ver, eu vou conseguir, você merece ser feliz não tem culpa de estar aqui, eu vou te ajudar em tudo o que eu puder- Chim acariciou os cabelos do moreno e o aconchegou melhor em seus braços.

-Mas, como você pretende me ajudar? Não vejo um modo de você fazer isso- Jeongguk levantou a cabeça e olhou desolado para Chim.

-Vou usar minha melhor arma- Chim piscou com o olho direito para o amigo e levantou sorridente- OFICIAL RAVI? PRECISO DE AJUDA- ele gritava para o lado de fora da cela, com uma voz melodiosa e sexy.

-O que quer? Alguém morreu aqui também?- o homem veio andando devagar até a cela e falou sarcástico.

-Preciso ir ao banheiro- Chim fez um biquinho fofo.

-Teve a tarde toda pra ir, agora não tem mais permissão- Ravi falou indiferente.

-Eu fui, mas agora quero ir de novo, você não pode me levar lá?- ele continuou com a voz sexy e fofa.

-Não posso, é exatamente por isso que vocês tem a hora de lazer, agora vai dormir e esquece- ele continuou com a mesma expressão vazia, saindo de lá em seguida.

-Esquece Chim, já era, vai dormir que não tem mais jeito- Jeongguk deitou em sua cama, virando-se para o lado da parede e deixando que as lágrimas molhassem o fino lençol branco de sua cama.

-Não vai terminar assim coelhinho, eu prometo- Chim sentou mais uma vez à beira da cama do mais novo e acariciou os cabelos do mesmo até perceber que ele tinha apagado, talvez o cansaço tenha o dominado.

Então ele seguiu até a sua e deitou-se, ficou algumas horas maquinando em sua mente o que ia fazer, ele tinha um plano, mas envolvia algo que ele só fazia quando estava solteiro, ele amava Killer, com toda a certeza do mundo, mas estava disposto a usar de todas as suas armas para salvar Jeongguk, ele merecia ter um final feliz.

 

 

Acordaram no dia seguinte com alguma dificuldade, apesar de ter dormido rápido, Jeongguk se sentia tão péssimo e indisposto pelo dia horrível que ele tinha certeza que teria, que mal conseguiu se levantar de sua cama, Chim abriu os olhos e demorou para focar sua vista, ele nunca mais havia sentido vontade de dormir para sempre, mas ela havia retornado, a dor de Jeongguk também doía em seu coração, eles eram como irmãos e para Chim, não se ignora a dor de um irmão. Ele ainda não tinha certeza de como faria para ajudar Jeongguk, mas ele sabia que faria algo, ele esperou Jeongguk se arrumar e foi em seguida, quando estava pronto ele se dirigiu a cama do mais novo, que logo procurou abrigo em seu colo, eles ficaram em silêncio, apenas aproveitando a atmosfera agradável que sua união proporcionava, aquela amizade foi uma das melhores coisas que já os havia acontecido, ambos pensavam.

-Hora do café- oficial Ravi apareceu sério e frio à frente da cela dos dois.

-Oficial Ravi? Onde está o oficial Taehyung?- Chim levantou-se, já com mil ideias em sua mente.

-Essa pergunta de novo? Já disse que não é da sua conta- o homem respondeu ríspido e retirou os dois da cela.

Jeonngguk seguiu para um lado, mas Chim colocaria seu plano em ação, ele seguiu Ravi por alguns corredores, ele esperava que o homem fosse até um corredor deserto, para que as chances de que eles esbarrassem com D Killer se diminuíssem ainda mais, mas ao invés disso, Chim percebeu que Ravi estava fazendo sua rota, trabalho esse que era de Taehyung, então ele resolveu logo agir.

-Você está me tratando muito mal, estou triste- ele se aproximou fingindo uma expressão sexy de desapontamento.

-Estou lhe tratando como eu trato todo mundo- o homem continuou andando sem ao menos encarar o loiro.

-E desde quando eu virei todo mundo?- Chim segurou no pulso do homem, o virando para si e o fazendo encara-lo.

-E desde quando você foi alguém?- Ravi perguntou sarcástico.

-Você não pensava assim enquanto gemia meu nome no banheiro do corredor dez- Chim sorriu sarcástico e encostou o homem na parede.

-Você ainda se lembra disso? Foi só um passatempo!- Ravi falou debochado e esnobe.

-Um passatempo é? Sabe que eu to com uma vontade de brincar... – Chim falou melodiosamente e começou a beijar intensamente o pescoço do oficial.

 -A-aqui não... Chim é a-arrisc-cado... – Ravi tentou evitar, mas já estava anestesiado pelos toques do menor.

-Já tá gaguejando? Mas eu nem comecei... – Chim sorriu malicioso e começou a deslizar suas mãos por dentro do uniforme do oficial.

-Você sabe como provocar- Ravi falou já ofegante e puxou o loiro para um beijo desejoso.

-Você não viu nada baby, não viu nem o começo- Chim sussurrou e novamente atacou os lábios do oficial de forma voraz.

-Por que depois de tanto tempo? Eu pensei que você estivesse namorando... – Ravi perguntou confuso enquanto Chim se ocupava em marcar seu pescoço.

-Digamos que... Senti saudades... – Chim sussurrou enquanto brincava com o lóbulo da orelha do oficial.

-Vamos para um lugar mais reservado- ele pediu malicioso e Chim assentiu, o seguindo até uma cabine de controle.

-Esse é o seu lugar mais reservado?- Chim riu debochado.

-Dá pro gasto, ninguém vai nos incomodar aqui- Ravi falou malicioso e sentou-se em uma cadeira, puxando o loiro para sentar em seu colo em seguida.

Eles iniciaram outra sequencia de beijos desejosos e violentos e toques depravados e vorazes, Chim fazia seus movimentos com cuidado, ele queria provoca-lo, queria deixa-lo excitado a ponto de não negar nada do que ele pedisse, não demoraria muito. Ele desceu sua boca para o pescoço do oficial e continuou com os beijos intensos, começou a desabotoar a parte de cima do uniforme do mesmo enquanto ia depositando chupões pelas partes já expostas, voltando para sua boca vez ou outra e dando mais alguns beijos, após retirar a blusa que o oficial usava ele iniciou um lento e torturante rebolado sobre o membro já ereto do mesmo, enquanto usava sua língua para brincar com o lóbulo da orelha dele. Ele via o suor começar a minar nos cantos de sua testa, via seus olhos clamarem por mais toques, por mais intensidade, via o desejo até mesmo pela forma com que ele apalpava suas nádegas ou sua cintura, ele já sentia o membro do oficial pulsar, mesmo que por cima da roupa, mas ele faria tudo sem ao menos tirar uma peça de roupa sequer, era a hora.

-Eu soube que você quer entregar Jeongguk... – Chim sussurrou ao ouvido do homem, sem parar com o rebolado ou de deslizar suas unhas afiadas pelo abdômen definido do mesmo.

-Ele... Ele matou um detento... É um... Uma infração grave precisão de punição- Ravi falava ofegante e com dificuldade.

-Hmm... Acho uma péssima ideia você fazer isso... – Chim continuou sussurrando enquanto distribuía beijos cuidadosos pelo pescoço do oficial.

-Por que se importa? Não vai influenciar em nada na sua vida, esquece esse assunto... – Ravi perguntou confuso e impaciente e puxou o loiro para outro beijo.

-Digamos que vai sim, você quer mesmo entregar ele? Tem certeza?- Chim perguntou sugestivo ao passo que aumentou a velocidade do movimento no colo do oficial.

-E-eu preciso fazer... – ele respondeu novamente com dificuldade, anestesiado pela sensação que estava sentindo.

-Você já está quebrando várias regras aqui... Não vejo problema em quebrar mais uma- Chim falou convicentemente e voltou a brincar com a orelha do oficial.

-Espera... É por isso que você tá tentando transar comigo? Tá tentando me seduzir pra salvar seu amigo?- Ravi parou o loiro e perguntou irritado.

-O que te faz pensar assim?- Chim perguntou fingindo-se de inocente.

-Eu não sou burro Chim! Olha, se acha que me seduzindo vai conseguir alguma coisa você está muito enganado! Eu vou entregar o seu amigo e pronto! É o meu trabalho!- Ravi tirou o loiro de seu colo e começou a vestir sua roupa.

-Você quis ir pelo lado difícil, posso te garantir que escolheu errado, isso ia render uma ótima transa- Chim sorriu sarcástico, fingindo uma expressão decepcionada.

-Lado difícil? Você acha que tem essa moral? Não passa de uma putinha!-Ravi gargalhou esnobe e indiferente.

-É você escolheu o lado difícil- Chim falou e depositou em sequencia um forte soco no queixo do oficial, fazendo o mesmo novamente cair sentado sobre a cadeira- o negócio é o seguinte Ravi, você tem duas opções, ou você não conta pro Taehyung e eu salvo a tua pele e o teu emprego, ou você conta e eu falo pra ele que você estava tendo relações com um detento, tenho certeza que seu emprego não seria salvo dessa!- ele falou desafiador.

-E por que ele iria acreditar nas suas palavras seu imbecil?- Ravi perguntou ainda desacreditado.

-Você não faz ideia do crédito que eu tenho com ele, eu não costumo mentir sobre coisas desse tipo, ah, esqueci da terceira opção, você conhece meu namorado, não conhece? Já imaginou se eu chegar pra ele e disser que o oficial Ravi malvado tentou abusar de mim? Você sabe que ele vai matar você, não sabe? Ele jamais ia duvidar da minha palavra e o seu corpo estaria em breve dentro de um belo caixão, você quer que isso aconteça? Quer Ravi?- Chim agora tinha uma expressão maligna e feroz.

-Você não faria isso, eu não tenho medo dessas suas ameaças!- Ravi poderia confessar que tremeu na base, mas não cederia fácil.

-Ameaça que será realizada ainda hoje se eu souber que você entregou Jeongguk! Pensa bem Ravi, acho que você gosta de viver- Chim sorriu maligno e fez menção em sair da sala- ah, só pra constar, caso você não faça o que eu disse, Killer vai te pegar, mas vai ser a putinha aqui que vai cortar seu pescoço, seu infeliz- ele falou uma última vez com uma expressão assustadora, deixando a sala em seguida.

Restava esperar para ver se sua ameaça funcionaria.

.

.

.

Enquanto os ânimos ferviam na prisão, Taehyung tinha um ótimo motivo para ter faltado o trabalho aquela manhã, ele sabia que Jeongguk precisava dele, mas também sabia que quando o moreno soubesse de tudo o que estava acontecendo, seu coração se alegraria. Ele levantou empolgado, ainda mais empolgado porque certos dois amigos estavam dormindo juntos no único quarto da casa, apesar de não ter ouvido barulho nenhum, ele contava que BamBam teria ficado pelo menos balançado pelo tal Yugyeom, que ele não podia negar, era muito bonito.

-Bom dia oficial Taehyu... Opa, desculpa!- Yugyeom apareceu na sala e falou animado, mas assustou-se ao ver que Taehyung estava sem camisa.

-Não precisa pedir desculpas, nós meio que moramos juntos agora, aposto como viu BamBam sem camisa também- Taehyung sorriu docemente e procurou uma camisa para vestir.

-Ele dormiu todo vestido- Yugyeom riu fraco.

-Questão de tempo, ele deve estar acanhado porque você acabou de chegar, mas deixa eu me apressar, hoje eu vou arrumar minha casa nova- Taehyung falou empolgado e levantou.

-Vai sozinho? Não é trabalho demais?- Yugyeom perguntou preocupado.

-Eu ia pagar umas pessoas pra me ajudar, por que? Quer ir?- Taehyung perguntou enquanto se preparava para ir tomar banho.

-Nós vamos! Achou que eu não fosse te ajudar?- BamBam apareceu na sala já arrumado.

-Então vamos! Pelo menos eu vou gastar menos, agora eu vou me aprontar, façam o café, por favor- Taehyung sorriu ainda mais eufórico e foi até o banheiro.

Após se arrumar, os três pegaram seus casacos e saíram, a casa de Taehyung ficava na mesma rua da de sua ex-mulher e sua filha, assim ele podia receber visitas dela quando quisesse, ele sorriu animado e BamBam se admirou com o tamanho da casa, ao passo que Yugyeom ficou boquiaberto com a beleza e a grandiosidade dos detalhes, era uma casa extravagante, mas elegante e chique, com uma mistura perfeita de tons vibrantes e discretos, impossível não se surpreender e se encantar com o delicado jardim à frente e com o balanço que com certeza era dedicado à Jieun.

-Você arrebentou- BamBam falou ainda pasmo.

-Quero dar o melhor à minha filha e ao meu futuro marido- Taehyung falou orgulhoso.

-Já noivaram?- Yugyeom perguntou confuso.

-Na minha cabeça já- Taehyung sorriu fraco.

-Vamos entrar né, tem muita coisa pra fazer- BamBam saiu do carro.

-Os empregado s já estão lá, vamos separar duplas e cada um arruma um cômodo- Taehyung falou determinado.

-Bom dia senhor Kim! O que o senhor quer que nós façamos?- uma senhora falou e mais outras quatro moças assentiram.

-Bom, como eu estava falando, separaremos em duplas e cada dupla arruma um cômodo, eu vou com a senhora, as outras quatro se separam em duas e BamBam vai com Yugyeom- Taehyung ditou sério.

-Mas senhor, não seria melhor se os rapazes se juntassem com as moças? Por causa dos móveis pesados e... – a senhora falou preocupada, mas Taehyung a interrompeu, ela não podia estragar seu plano.

-Exatamente por isso eles dois ficarão responsáveis por carregar os móveis! Deixe que as moças cuidem da limpeza e decoração, entendidos?- ele falou empolgado.

-Então nós vamos só trazer os móveis pra dentro?- Yugyeom falou confuso.

-Sim, vocês aguardam elas terminarem de limpar e trazem os móveis que ficarão no determinado cômodo, aí na hora de arrumar e decorar nós nos separamos cada dupla em um cômodo, ok? As fotos de como tem que ficar cada lugar estão em cima do balcão da cozinha, eu e a dona...?- ele parou e deu espaço para que ela dissesse seu nome.

-Soyul- ela respondeu.

-Eu e a dona Soyul vamos arrumar os quartos lá em cima e vocês arrumam aqui em baixo- ele concluiu sério.

Todos começaram a fazer o que foram mandados e BamBam e Yugyeom ficaram sozinhos do lado de fora esperando que o caminhão com os móveis chegasse, Yugyeom já tinha algum interesse em BamBam, era óbvio, mas ele sabia da opção sexual do recente amigo e não o forçaria a nada, apenas deixaria tudo como estava.

-Será que vai demorar muito?- BamBam perguntou entediado.

-É sábado, geralmente não tem transito, relaxa que já eles estão aí- Yugyeom falou sério e sentou à beira da calçada.

-É acostumado a carregar peso? Não quero que se machuque- BamBam perguntou preocupado.

-Eu sou dançarino, já fiz coisas bem piores do que carregar alguns móveis- Yugyeom respondeu determinado.

-Ah finalmente!- BamBam falou alegre quando o enorme caminhão parou à frente da casa.

-Bom dia senhor... Kim?- um homem desceu do veículo portando uma prancheta em mãos.

-Eu sou o doutor Kumpimook, o senhor Kim está lá dentro e pediu que eu recebesse a entrega- BamBam falou sério.

-Pois bem, vai precisar de ajuda no descarregamento?- o homem perguntou.

-Podem retirar tudo e ir espalhando aqui pelo quintal, deixe o resto conosco- ele pediu agradecido e o homem assentiu.

Não demorou muito para que o caminhão fosse descarregado e os homens fossem embora, também não demorou muito para que uma das moças saísse e anunciasse que o primeiro cômodo já estava limpo, então os dois começaram a carregar as coisas.

-O sofá primeiro?- BamBam perguntou se dirigindo ao enorme móvel vermelho.

-Pode ser, pega daquele lado- Yugyeom falou já posicionando-se e apontando para seu lado oposto.

-Espero que seja leve- BamBam levantou seu lado com cuidado e começou a carrega-lo.

-Cuidado aí, anda devagar- Yugyeom pediu preocupado com o amigo que havia ficado de costas para a passagem.

-Tá tudo be... Ahh! Droga!- BamBam escorregou e acabou soltando o sofá e caindo no chão.

-Você tá bem? Eu disse pra tomar cuidado!- Yugyeom correu até ele.

-Eu to, só me ajuda a levantar- BamBam estendeu a mão que logo foi segurada, mas ao invés de conseguir levantar o amigo, Yugyeom também se desequilibrou e acabou caindo por cima dele.

-Wow, desculpa- Yugyeom falou assustado, mas sem sair de perto do rosto do loiro.

-T-tá tudo bem- BamBam falou nervoso.

-Agora eu preciso de ajuda pra levantar- Yugyeom sorriu sem graça- ou eu posso... – ele falou se aproximando um pouco mais e conseguindo sentir a respiração pesada do mais velho.

-Não acho uma boa ideia Yugyeom- BamBam estava cada vez mais nervoso e corado.

-Tem certeza?- Yugyeom sorriu convidativo.

-Na verdade não- BamBam sussurrou e fechou os olhos, pronto para encontrar os lábios de Yugyeom.

-Gente, as meninas estão... Opa, desculpa, desculpa mesmo!- Taehyung apareceu na porta e imediatamente praguejou a si mesmo por ter atrapalhado aquele momento.

-Não se preocupa, não ia acontecer nada!- BamBam falou nervoso praticamente empurrando Yugyeom para longe.

-É Taehyung, não ia acontecer nada- Yugyeom falou frustrado e revirou os olhos.

Talvez não fosse acontecer nada, não agora. 


Notas Finais


Porra Taehyung! Atrapalhou o momento do casal -.-
GENTE QUERIA A OPINIÃO DE VCS
Vcs querem que eu desenvolva Bamyeom num capítulo especial só pra eles ou continue assim, dividindo com o resto das tretas?
POR FAVOR OPINEM É VERY VERY IMPORTANT!!!!!!
Até o próximo
Saranghae <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...