História Amor eterno? Amor eterno. (Oneshot Baixathentic) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Marco Tulio "AuthenticGames"
Personagens Cauê Bueno, Marco Tulio "AuthenticGames", Personagens Originais
Tags Amor, Authentic, Authenticgames, Authenticmemória, Baixamemoria, Baixathentic, Caûe, Cauê Bueno, Guerra, Malena, Marco, Marco Tulio, Mike, Morte, Ódio, Pac, Raiva, Spok, Tazercraft
Visualizações 110
Palavras 13.152
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, FemmeSlash, Ficção, Ficção Científica, Lemon, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


É UM MILAGRE IRMÃOS! FINALMENTE O ULTIMO CAPITULO DESSA BAGAÇAAAAAA
NUNCA DEMOREI TANTO PRA ACABAR UMA TWOSHOT AAAAAAA
BORA LER
(Esse é o desenho q o Tt tinha feito na primeira parte :3)

Capítulo 2 - (2/2)


Fanfic / Fanfiction Amor eterno? Amor eterno. (Oneshot Baixathentic) - Capítulo 2 - (2/2)

[...] ||Quinta-Feira ||6 de Abril de 2017||

P.O.V Cauê Bueno

- Bom... Eu me chamo... Allysson...

- Ahaha, você não disse isso - Digo rindo me aproximando cada vez mais dela...

- Cauê espere...

- Nossa muito engraçado você estar me falando isso não é? Justo você que não esperou a resposta do povo para lançar o maldito experimento E DEIXAR TODOS COMO ESTÃO AGORA! - Digo apontando o dedo para fora e logo em seguida aponto o dedo no peito dela - JUSTO VOCÊ QUE DESTRUIU A HUMANIDADE! JUSTO VOCÊ QUE MATOU INOCENTES! JUSTO VOCÊ QUE MATOU A MÃE DO MARCO! - Olho pra baixo e rio - Justo você que está fazendo da minha vida um inferno - Lágrimas saem do meu rosto mas continuo rindo - Justo você... Que nos deixou assim... Sem sentimentos... Mas acho que nesse momento aqui... A única que sem experimento nenhum já nasceu sem sentimentos... É você.

Olho bem no fundo dos olhos dela... Vejo que está com medo percebendo tudo o que já fez...

- Cauê...

- Você não se importa com nada não é mesmo? Não se importa... Mas... Acho que eu também não deveria me importar se você verá o Sol amanhã...

Antes de qualquer reação dela, vôo em seu pescoço, a sufocando com as minhas próprias mãos...

A derrubo no chão, eu não tenho mais controle sob meu corpo...

- Amor?

Olho para trás desesperado, solto a vadia e vou abraçar Marco que está sentado no chão sem entender nada...

- Marco você está bem?

- Eu estou mas... Quem é essa?

- Eu sou a... - Interrompo-a

- Isabel...

- Mesmo nome que sua mãe? Mas tipo... Ela tem sentimentos? Tipo eu e você?

- Bom, eu - A Interrompo-a de novo

- Mais ou menos... Ela sabe de tudo o que aconteceu mas... Meio que continua ruim sabe... Faz uns mals por aí, não é A... Isabel?

- Digamos que sim - Ela me olha como se quisesse me matar por essa pequena indiretinha para ela, essa vadiazinha que ainda acabo com a raça...

- Eita, quanto tempo dormi pra vocês já estarem tão próximos assim? Tão até trocando olhares - Ele revira os olhos

- Marco pelo Amor de Deus! Ciúmes não! Não com ela! Para!

- Sei... Com outra podia né?

- Desculpa interromper...

- Marco Túlio para! Eu gosto de tu criatura! Eu conheço você a anos! E eu conheci essa vac.... Mulher a 3 minutos! Sossega!

- Mas vai que você enjôo de mim?

- Ma...

- PARA DE VIADAGEM VOCÊS DOIS! Pode se despreocupar que não estou interessada em seu macho não... Vocês podem se comer a vontade, só me avise antes pra mim sair pelas próximas 3 horas...

- Éh... Pode deixar? Bom, você pode não me conhecer mas meu nome é...

- Marco Túlio, seu mozão acabou de falar...

Marco fica envergonhado... Quem essa galinha pensa que é?

Allysson se retira e vai para uma porta automática...

- Mulher estranha... Cauê cadê o Shake?

- Faço a mínima idéia...

- Pera... Você estava chorando? Por que? - Ele diz pondo as mãos em meu rosto

- Nada... Não é nada... Estava... Com medo de você não acordar...

- Nossa... Desculpa Amor - Ele me abraça por trás

- Você não teve culpa - Me viro de frente pra ele - Amor eterno?

- Amor eterno

Encostamos nossos narizes...

- Tt... Você podia ficar aqui... Eu queria fazer umas perguntas para aquela vadia... Quem ela pensa que é pra fazer uma armadilha para a gente?

- Tá...

To vendo que vai ser difícil aturar o Marco com esse ciuminho... Mas minha vida só acontece merda mesmo...

Entro pela porta automática... Esse lugar é gigante...

Paredes brancas, frascos de vidro espalhados pelas mesas, tecnologias... É muita coisa...

Logo a frente encontro "Isabel"

- Acho que você está me devendo algumas respostas não é mesmo?

- Não estou devendo nada a ninguém...

- Apenas tirei os sentimentos do mundo... Não devo nada a ninguém... Sou apenas uma mulher normal, de bem com a vida, fazendo inferno na vida de todos, prazer, Allysson... - Digo ironicamente

- Não tenho culpa se o experimento deu errado... Não tenho culpa se os políticos não pensaram antes de jogar ele no mundo inteiro... Não tenho culpa se os políticos não conseguiram fugir antes do experimento ter acertado todos, assim evitando o poder total que aqueles gananciosos queriam...

- "Não tenho culpa" Se você não tivesse ficado a favor deles talvez nada disso teria acontecido não é inteligência?

- AH ME DESCULPA SE EU NÃO TIVE ESCOLHA E FUI AFASTADA DA MINHA MÃE PRA SER OBRIGADA A TRABALHAR PARA POLITICOS!!! - Ela se agaixa, encostando na mesa, desabando em seus braços...

Fico sem reação... Será que... Ela é apenas uma garota manipulada e condenada pela destruição humanidade?

P.O.V Marco Túlio

Tenho certa vontade de estrangular o Cauê as vezes... Só aparecer uma mina que ele já vai atrás do rabo dela... Vou dar na cara dessa rapariga!

20:12

Cauê está muito quieto... Pensativo... Eu sei que ele está escondendo alguma coisa de mim... Conheço ele...

Estamos sentados um do lado do outro, encostados na parede do buraco onde caímos mais cedo...

Estou olhando as estrelas com quem mais amo... Quem me fez esquecer tudo...

Isabel sai daquela porta automática e olha para nós

- Bom... Tenho um quarto para vocês... Se quiserem dormir lá, fiquem a vontade... Mas se não quiserem... A minha parte eu fiz...

O quarto fica naquela porta branca ali - Ela diz apontando para uma parede um pouco longe na direita...

- Ah... Okay, obrigado!

- Hm... Obrigado pela caridade... - Cauê diz emburrado continuando a olhar as estrelas...

- Cauê, vamos para o quarto?

- Tanto faz... - Ele se levanta e vai na frente. Vou logo atrás.

O quarto era branco também. Tem uma cama de casal no centro, uma mesinha e um banco no canto e um quadro cheio de rabiscos coloridos...

Fecho a porta e falo:

- Baixinho você vai me falar o que está acontecendo ou vou ter que te provocar?

Jogo o mesmo na cama e subo em cima dele.

Cauê me olha e vira o rosto... Ele está... Triste?

- Caca... Você não está nem um pouquinho animado?

- Marco já disse que não é nada... Só não queria ficar aqui, nesse buraco... É isso okay?

- Mas se fomos embora agora poderemos ser mortos... Pelo menos aqui estamos seguros... E a Isabel parece ser confiável não é?

- Não sei... Talvez seja

- Cauê não fica assim tristinho, não gosto de você assim...

Deposito um caminho de beijos no seu pescoço, ele abre um sorriso e logo começa a rir... Ele morre de cosquinha... Tão fofinho.

- Marco, só tu mesmo em...

Ele me olha. Aproximo nossos rostos e começamos a nos beijar.

Um beijo carinhoso... Amor sendo trocado... Afeto...

Do nada a porta se abre

- Ah... Éh desculpa atrapalhar, não sabia mas... Ah vim trazer a janta só isso, podem voltar ai, não vou mais atrapalhar...

Isabel deixa a bandeja com dois pratos de sopa de frango em cima da mesa e sai fechando a porta.

Dou um selinho no Cauê e saio de cima dele...

20:21

Comemos toda a sopa e estamos nesse exato momento, deitados na cama, olhando um para o outro por que não tem nada pra fazer...

- Cauê, o que você mais gosta em mim?

- Seu sorriso... É contagiante demais...

- Também amo o seu... Digamos que é seduzente...

- Hehe, sei esse seduzente seu aí...

Ele me puxa para um beijo... Ficamos por um tempinho mas logo nos separamos...

- Eu to com sono... Vamos dormir já?

- Pode ser Tt

Ele levanta, apaga a luz e vem pra cama.

O abraço por trás e apagamos.

P.O.V Allysson

Ah se eles soubessem o que aconteceu...

Seria tão mais fácil explicar...

Cauê... Entenda... As vezes as coisas podem não ser aquilo que você imagina... Você não sabe do que aconteceu antes do experimento ser criado... E não sabe por qual motivo tive que criá-lo... Eu não queria ter matado a mamãe... Isso me machuca... Mesmo não sendo diretamente eu ter matado mamãe... Foi por minha culpa... Eu que criei o experimento... Eu que fiz de tudo porque era ameaçada pelos meus superiores... Eu fui obrigada a me tornar um monstro... E matei a minha mãe... Sendo que fiz tudo isso para protege-la...

||Sexta-Feira ||7 de Abril de 2017||

10:13

P.O.V Cauê Bueno

Acordo e fico observando a pessoa que mais amo dormir... Dormir é uma forma tão boa de conseguir fugir de tudo... Você simplesmente descansa da vida...

Me levanto devagar, coloco meus sapatos e vou para fora do quarto...

O Sol invadia o local de entrada...

Não era um Sol muito quente... Era agradável... Junto com a brisa que vinha do buraco... Era tudo muito perfeito.

- Bela adormecida já acordou?

- Ah... Você de novo...

- Você vai querer voltar pra superfície agora?

- Era o que pretendia...

- Você não sabe porque fiz esse buraco para vocês caírem não é?

- Você sabe a resposta Allysson...

- Fiz isso porque quero consertar meu erro... Vocês são a única saída... Uma guerra vai começar

- E você quer que morramos para salvar o mundo?

- Vocês são os únicos que sabem como um sentimento volta para o corpo humano...

- Somos os únicos com sentimentos...

- Por isso preciso que me ajudem falando de como ocorreu... Por mais que eu saiba da vida inteira de vocês... Eu quero saber como você se sentiu...

- Você tem câmeras nos observando? Sério isso?

- Mais ou menos... Não se preocupe, não vi nada tão íntimo, tipo...

- Nananana precisa falar não, já entendi

- Antes de tudo vou esperar o Marco acordar...

- Falaram de mim? - Ele aparece coçando os olhos para se acostumar com a claridade.

Vou até ele, dou um selinho e venho com o braço em volta de seu pescoço até perto da Allysson.

- Vocês são fofinhos juntos... Escolheu um ótimo partido Cauê.

- O melhor! - Digo e ele me dá um selinho enquanto rimos

- Bom... Voltando ao assunto... Conta-me como foi quando seus sentimentos voltaram Marco...

- Eu tinha voltado da escola, fui fuçar nas coisas da minha mãe, achei o caderno e o dicionário e comecei a ler... Ai do nada eu levei um choque e tcharam, to aqui, apaixonado por essa pessoa linda aqui!

- Entendi... Então vocês levam um choque... Faz sentido. E você Cauê, sentiu um choque também?

- Quando o Marco me puxou para um abraço nesse morro, sim...

- Acho que sei como salvaremos o mundo...

- Sério?! - Tt grita indo abraçá-la

Allysson com o choque de do nada levar um abraço começa a chorar nos ombros de Marco... Eles são tão parecidos... Por que ela tá chorando?

Ela se separa e sai correndo para seu laboratório... Tt fica ali parado, perdido em seus pensamentos.

P.O.V Allysson

Eu não podia ter chorado na frente deles, merda!

Minhas lágrimas caem uma atrás da outra...

Mãe eu nunca vou me perdoar pelo que fiz... Mas eu prometo, vou cuidar do Marco, eu prometo...

No mundo antigamente, todos nós acabávamos amando uma pessoa sem ela nunca ter feito nada, nós fazíamos caridades, amávamos nosso próximo... Sempre!

Isso é a humanidade... O carinho das pessoas umas com as outras... Mas mesmo a maioria sendo assim... Tinha as pessoas horríveis... Sem coração querendo tudo por interesse... Com o tempo isso foi aumentando...

Queria ter sido como qualquer outra criança normal... Mas tive que ser obrigada a viver longe dos meus pais, para proteger eles das ameaças daqueles idiotas horríveis monstros políticos...

A cura da humanidade, seria mostrar amor para elas, abrir seus olhos para a realidade... O problema é que fazer isso com todas vai ser difícil... Oh meu Deus queria que tudo isso nunca tivesse acontecido...

Depois no chão gelado do meu laboratório e acabo adormecendo.

P.O.V Marco Túlio

- Cauê o que eu fiz pra Isabel sair chorando? Eu não queria fazê-la chorar - Digo culpado

- Mor você não fez nada... Ela deve ter tipo alguma lembrança, lembrado de um abraço de uma pessoa especial para ela antes do mundo estar assim...

- Quer saber eu vou atrás dela... Não quero que ela fique assim por minha causa...

- Marco... É melhor não...

- Cauê deixa eu ir conversar vai...

Deixo Cauê sentado no chão e vou até o laboratório dela.

Vejo a mesma jogada do chão, dormindo...

- Isabel - Cutuco ela - Acorda, aqui não é lugar de dormir, vai acabar ficando gripada...

- Marco? Ah... Oi... - Ela diz se levantando.

Seu rosto estava inchado pelo choro, seu cabelo preto todo bagunçado...

- Marco... Eu acho que já tá na hora de eu explicar tudo... 21 anos já se passaram... Você pode estar preparado ou não, mas uma hora ou outra você vai ter que me ouvir...

- Explicar? Mas tipo... Eu sei o que aconteceu, a Allysson criou o experimento, tacou na Terra, e não sei o que...

- Não... Você não sabe de tudo... Você nem se quer desconfiou que... Eu tenho um laboratório... Eu sou uma cientista... Tenho sentimentos... Sim... eu sou... A vadia que você quer matar.

- Vo-ocê? Não por favor - Lágrimas, olho para o nada, processando a informação - Você matou minha m-mãe... Você fez tudo isso, por favor eu não quero te machucar... Por favor... DIGA QUE NÃO!

- Eu matei a nossa mãe...

- Nossa? O que tá acontecendo? Que? - Cauê entra no laboratório e vê meu estado... Sentado no chão, encolhido, encostado no balcão, desabando e perdido, não sabendo mais de nada

- O QUE VOCÊ FEZ COM ELE? - Cauê grita nervoso me abraçando

- Por fav-vor eu não aguento mais ser culpada... A pior tortura que um ser humano pode receber, é a culpa pelo seus atos...

- Repensa-se antes de agir! - Falo

- EU NÃO PODIA! EU FIZ TUDO ISSO PRA PROTEGER A MAMÃE! ELA TRABALHAVA NA ÁREA DE POLÍTICA ANTES DE EU NASCER!

Quando nasci ou eu ia morar na "base secreta" daqueles demônios, ou meus pais morriam! Eles ameaçaram! Eu fui obrigada a estudar um nível bem mais avançado do que o nível pra minha idade na época!

- M... - Cauê é interrompido

- MAS NADA! ME DEIXA FALAR PORRA! Por que eles não escolheram uma pessoa entre eles? Pelo motivo do QI da mãe ser muito avançado e isso seria geneticamente passado pra mim...

16 anos... Foi quando terminei o que os gananciosos queriam... Logo eu estaria a salvo de viver sob ameaças... Mas... O que eu não imaginava é que nenhuma pessoa viveria sem sentimentos... E eu acabei criando a pior praga do universo... Carregarei esse peso para o resto de minha vida... Eu não aguento mais! Eu vivi 21 anos isolada, sem falar com ninguém, só vendo a vida da mamãe por meio das câmeras... Chorando por eu ter deixado todos vocês nesse estado... Minha vida não tem mais sentido... Nunca teve... Eu só trago desgraça alheia pras pessoas... - Ela põe a mão nos olhos e abaixa a cabeça chorando.

- Então quer dizer que tenho uma irmã 16 anos mais velha que eu?

- Sim... Nasci dia 01/02... O dia que toda merda começou não é mesmo?

- Quantos políticos estavam sabendo desse experimento antes de ser jogado aqui no mundo?

- 5... Todos não conseguiram fugir, eu roubei a cápsula deles... Sim eu estraguei o plano.

- Estão vivos ainda? - Cauê pergunta

- Sim... Provavelmente estão planejando guerra entre cada um deles... Uns devem ter feito dupla ou não sei - Ela diz não ligando para mais nada

- Você sempre soube que teve um irmão e nem tentou se aproximar? - Digo magoado

- Sim... Não me aproximava por que... Você iria me matar... Você já sabia quem era a culpada de tudo.

- Então por que, eu caindo dentro desse buraco, eu não iria te matar?

- Pelo simples motivo, de você estar com o Cauê, tendo um ombro pra desabar e te apoiar... Ele evitaria você de sujar suas mãos com uma pessoa que não vale nada... Apesar dele quase me matar enquanto você estava desmaiado...

- Que? - Digo confuso

- Eu já sabia... Eu não contei que o verdadeiro nome dela era Allysson pois sabia que você iria lembrar da sua mãe... Você já estava tão animado aquela hora, eu não queria estragar tudo.

- Eu te entendo Cauê mas... Eu não queria que vocês tivessem mentindo pra mim... Me magoa...

- Não brigue com o Cauê por minha causa... Vocês são perfeitos, merecem um ao outro... Cauê é um cunhado muito bom, vi como ele te apoiou com a morte da mãe.

- Eu sei - Abaixo a cabeça e Cauê me abraça de lado

- Ei... Olha pra mim - ele levanta meu queixo - Saiba que eu te amo okay? Eu não vou te abandonar... Você foi meu anjo, agora deixa eu ser o seu...

Apenas fecho os olhos e o beijo em meio de lágrimas...

Sabe quando você quer desistir? Nada mais importa... Você só quer a sua cama... Não sabe de mais nada na sua vida? Infelizmente era isso que estava sentindo naquele exato momento... Cauê... Você é tão perfeito... Me conforta nas horas que eu mais quero desistir.

Separo do beijo, me levanto e vou em direção ao quarto de hóspedes... Era muita coisa de uma vez... Cauê tenta me seguir mas Allysson segura sua mão o impedindo...

Eu só quero meu travesseiro e sumir do mundo... Seria pedir demais?

P.O.V Cauê Bueno

- Allysson deixa eu ir falar com ele logo!!!

- Cauê para! Ele quer descansar! É muita informação pra ele...

- Ele precisa de mimmmmmm! - digo fazendo força pra me soltar das mãos delas, mas de nada adianta.

- Cauê, deixa ele... As vezes, chorar te ajuda a amadurecer.

- Mas... - Desisto e sento no chão... Gente que tipo de laboratório é esse que não tem nem banco?

- Enquanto Túlio fica dormindo lá, vou explicar tudo o que tá acontecendo detalhadamente...

- Okay...

- Você sabe o quanto políticos são corruptos e fazem de tudo para conseguirem poder total, fama e dinheiro. Minha mãe sempre trabalhou na área da secretaria dentro do planalto... Ou seja, ela ficava sabendo das coisas mais cedo que todos praticamente.

Os cinco mal feitores que acabaram com minha vida foram: Rafael, Andrei, Malena, Felipe e Juliano... Ah como queria matá-los... Mas eles mesmo entre si vão fazer isso por mim hihi...

- Rafael, Andrei, Malena, Felipe e Juliano... Pode ter certeza, não irei esquecer seus nomes.

- Rafael Lange... O cabeça de tudo... Mente incrivelmente criativa e doente... Conseguia esconder as coisas por meio de enigmas que envolviam todo tipo de desafio... Ele que teve a brilhante ideia de criar o experimento...

- Idiota...

- Felipe Zaguetti... O guarda-costa de todos os 4. Musculoso e tem sede por sangue quando ameaçam quem ele ama... Cof cof Rafael cof cof

- Ele é assumido?

- Não... Por achar que as pessoas iriam desrespeitar sua imagem e blá blá blá... O que adianta não assumir se comia o Lange de madrugada... Já tava virando rotina ouvir os gemidos do Rafael na boa... Aquilo gritava mais do que uma galinha

- Que?

- Esquece, só fiquei sem argumento, mas voltando nesta porra aqui...

Malena Nunes... Acho que é a única que merece um pingo do meu respeito... Ela e o Andrei Soares... Andrei ficou com muita raiva de terem me tirado da minha mãe... Apesar dele estar participando de todo o plano, nunca concordou em me aprisionar naquele laboratório ameaçando matar minha família... Malena ou Marilene como eu costumava chamá-la era um amor de pessoa... Ela foi praticamente minha mãe... Apesar dela querer que eu fizesse todo aquele experimento ela me tratou bem, ela que foi minha professora de química e Física... Ela me ensinou tudo o que eu sei... E na hora de eu começar a criar a fórmula ela falou:

- Não precisa ter medo Ally, eu confio em você... Faça isso, você irá conseguir finalmente ficar com sua mãe - Ela sorri fraco - Finalmente você terá paz garota... Até o dia do lançamento.

- Foi dela que você lembrou quando o Marco te abraçou?

- Sim... Eu sinto falta dela... E vou ser atormentada por toda minha vida por ter matado minha mãe... Perdi minhas duas únicas pessoas que foram mães para mim... Minha mãe biológica e Malena que agora está se matando por dentro.

Ela segue pra fora do laboratório, entrando na sala principal e eu a sigo.

Allysson mexe em alguns botões de seu computador e entra na visão de uma câmera.

Uma mulher loira estava segurando uma lâmina... Ela queria se matar... Seus braços cheio de cortes já, seu rosto molhado pelas lágrimas, cabelo despenteado...

- Não precisa se preocupar, ela não tem coragem de se matar... Andrei causa isso nela... Eu acho que o experimento já não existe mais nela... Não costumo olhar a câmera dela pois não quero chorar...

- Entendo... Enquanto isso ficava olhando as câmeras minhas e do Tt né?

- Por que você chama ele de Tt?

- Marco Túlio... Túlio, Tt... Tendeu?

- Ah... Bom... Posso admitir uma coisa?

- Lá vem...

- Eu sabia desde o princípio QUE VOCÊS IAM FICAR JUNTOS!!! EU QUASE MORRI DE FOFURA QUANDO VOCÊ FEZ CAFUNÉ NO MARCO!!! Desculpa eu precisava falar isso

- Bem... Eh - Eu sinto meu rosto ficar quente.

- No dia em que vocês se conheceram aqui no morro eu vi você deitado no peito do Tt enquanto observavam as estrelas... Eu tava atrás da árvore...

- Você não cansa não?

- Me deixa saco... Só queria ver um pouco de amor depois de tantos anos.

- Ta vai... Continua contando sobre as praga...

- Só falta o Juliano Barros... Ele era o que ajudava Rafael nas idéias... Esses dois são loucos... Depois de um tempo acabaram brigando por que os dois queriam ser líderes... Acabou que Juliano foi para um canto planejando acabar com todo o laboratório... Nesse meio tempo ele havia se apaixonado por uma moça... Ela se chama Sandra. Ela era carinhosa e conseguiu fazer Juliano desistir do plano. Sim, ela era irmã de Malena... Era de mães diferentes, mas era o mesmo pai. Demorou bastante tempo para elas se conhecerem, mas um dia o pai resolveu contar pra mãe de Malena que tinha engravidado outra mulher, no tempo em que a mãe de Malena estava grávida de um mês... Mãe de Marilene ficou incrédula e deixou a filha com o pai e foi embora pro mundo... Acabou que o pai casou com a mãe da Sandra e agora as duas eram irmãs...

- Tadinha da Malena... Quer saber, tá na hora de consertar tudo! To cansado de ver todo mundo parado, com o mundo nessa merda que tá! Malena tem sentimentos? Vamos conversar com ela uai! Vem Allysson, pega o endereço dela que vamos para lá agora! Aproveita e pega do Andrei também. Eu vou acordar o Túlio...

- Ca...

Ignoro ela e entro no quarto do Tt.

Ele estava de barriga pra baixo, com o travesseiro em cima da cabeça... Meu Deus que bunda...

Vou até seus pés e começo a mexer chamando seu nome... Nada

- Ttttttt acorda - Falo manhoso e deito em cima dele de barriga pra cima...

Nada de novo...

Me viro sentando nas suas costas.

Tiro o travesseiro da sua cabeça e começo a mexer nos seus cabelos...

Meu Deus quem trocou Marco Túlio por uma pedra?

- MARCOOOO ACORDA CACETE! - Berro perto do ouvido dele

- Que foi demônio!?

Allysson entra pela porta e vê eu em cima do Tt... Essa mulher só sabe vir em hora errada?

- Você não pretendia comer meu irmão agora né?

- Nossa, só vim acordar ele nessa merda porque temos que ajudar o mundo, depois dessa vou até embora

- Me acordou agora explica essa merda! - Marco diz seco

- Vem logo, no caminho te explico...

- Minha irmã vai? - Ele diz olhando com desprezo para Allysson

- Ela é a única que sabe das coisas

Saio de cima dele e vou andando em direção a sala principal.

Logo os dois aparecem, Allysson ainda está com receio do que Marco vai fazer com ela, então preferiu ficar quieta, apenas dando sorrisos...

- Você vai me explicar ou vou ter que descobrir sozinho? - Ele diz

- Credo, que arrogância Tt

- Cauê olha, não enche tá? Só me explica...

- Larga de ser chato! - Vou até ele e dou um tapa na sua bunda, assustando o mesmo

- Você tá assanhado hoje em!

- Sempre fui querido - pisco para o mesmo

Allysson começa a dar risadas abafadas e logo começa a falar

- Bom... Eu tava explicando pro seu macho safrado...

- Respeita meu bebê - Ele faz um bico fofo e me abraça por trás e beija minha bochecha

- Tá bom... Eu tava falando com o seu bebê com quem teremos que lutar pra "tentar salvar o mundo"

- Lutar? É sério isso?

- Bom... São 5 pessoas... 5 pessoas envolvidas no experimento mas acho que podemos descartar duas pois são do bem...

- Progresso em... - Marco fala revirando os olhos

- As cinco pessoas são: Rafael Lange, Felipe Zaguetti, Andrei Soares, Malena Nunes e Juliano Barros.

- Porra...

- Não vou entrar em detalhes agora porque não temos muito tempo, Juliano provavelmente vai atacar Rafael logo logo...

- Mas tipo, ele tinha 21 anos pra atacar...

- 21 anos para preparar um enigma... 21 anos para preparar um gás mortífero... 21 anos para formar aliados... 21 anos se preparando para a destruição total...

- E meu apoio moral onde fica? Nós vamos morrer caralho - Eu digo

- Xiu! Malena deve ter solução... Enfim, Felipe vai estar do lado de Rafael, Sandra de Juliano... Malena e Andrei do nosso, pelo menos eles tem sentimentos, amém

- Okay... Vamos logo vai, antes que eu arregue

- Me sigam - Ally vai até uma parede, empurra um ladrilho e logo uma posta dupla se arrasta para os lados

- Pra quem não sabe isso se chama elevador, vai nos levar para a superfície...

- Ah ta - Eu e Tt dizemos uníssono

Entramos nessa caixa de metal e fomos até nosso destino.

Agora era só sermos guiados por Allysson até a casa da Malena

15:20

Uma casa amarela, detalhada por tijolos, plantas enfeitando, nem tão grande, mas também não é minúscula... É bem agradável!

Tocamos a campainha... Quem nos atende é Andrei provavelmente... Um homem de cabelos negros, olhos castanhos, moletom verde, pele clara... Ele é fofo, digamos

Andrei fica parado na porta encarando Allysson... Imagina que choque encontrar uma garota que ele não vê a 21 anos...

- Oi Andrei, lembra de mim - Allysson diz na maior calma do mundo, sorrindo para o de cabelos negros.

- Allysson, garota como você cresceu!

Ele vem e a abraça forte...

Abraço Tt de lado e encosto a cabeça na dele. Viro e dou um beijinho em sua bochecha, o que faz o mesmo enrubecer um pouco.

- A Malena está ai? - Ela diz, mesmo sabendo a resposta

- Apesar dela não tirar da cabeça a ideia de se matar,ela está aí... Quem são esses dois?

- Esses são meu irmão e seu namorado, Cauê Bueno... - Ela diz apontando a cada um de nós

- Sua mãe deu um irmão pra ti! A quanto tempo estou assim gente...

Prazer, Andrei - Ele aperta nossas mãos e retribuímos...

- Querem entrar?

- Claro - Dizemos juntos

Andrei entra e fomos atrás...

Uma mulher loira está sentada encostada no braço do sofá com os braços enfaixados por ataduras. Quando a moça vê Allysson sua expressão muda totalmente, ela dá um dos mais belos sorrisos sinceros... Isso deve ser muito importante para ela... Viver no vazio é horrível...

Malena sai de sua posição confortável e corre até Allysson, lhe dando um abraço bem apertado...

P.O.V Allysson

Ah quanto tempo não recebo um abraço da minha "mãe"

- Ally!! Meu Deus, você está viva garota! Por que não me visitou antes?

- Medo por ter estragado tudo...

- Tu fez uma baita duma cagada, mas não fica assim, vamos concertar tudo, você vai ver! Você cresceu, não mudou muita coisa, mas cresceu pelo menos em estatura

- Porra Malena!

- Que foi uai... EU TO FELIZ POR VOCÊ ESTAR DE VOLTA!!! - Ela me abraça novamente

- Então... Tenho que fazer umas atualizações para vocês...

- Estou vendo a merda - Andrei diz e fecha a porta

Malena senta no sofá marrom com três lugares, Andrei logo ao seu lado e eu ao lado do de olhos castanhos.

Marco e Cauê se sentam no sofá com dois lugares.

P.O.V Marco Túlio

Pego na mão de Cauê e espero Allysson contar as coisas, que nem eu estou sabendo...

Cauê deita a cabeça em meu ombro e fica olhando pra cima, enquanto brinca com minha franja... Ele parece um gatinho com seu novelo de lã, a cada dia consigo me apaixonar mais por esse garoto... Como isso é possível?

Começo a mexer nos cabelos de Cauê, o mesmo ajeita a cabeça e parece que está com seus olhos pesando.

Olho pra ele, o mesmo devolve o olhar, dou-lhe um selinho, um pouco demorado e decido prestar atenção na Allysson que provavelmente estava se segurando para não apertar a gente pela fofura...

- Os namorados já acabaram de assassinar com purpurina minha fiotinha? - Malena diz rindo da reação da Allysson tentando parecer normal.

- Eu não estou bem... Serião... É fofura demais pra mim, eu não aguento não...

- Nada a me pronunciar, só aviso que eu e a Malena somos mais fofos, lide com isso - Andrei vira para Malena e a beija, a mesma retribui... Acho que a Allysson vai infartar

- Eu sou a vela mais feliz desse mundo!!! - Ela diz abraçando Andrei de lado

Abraço mais ainda Cauê e Allysson começa a falar

- Bom... Já aviso, temos muito pouco tempo... Vocês sabem que o Rafael e o Felipe estão juntos, tentando tramar uma guerra contra o Juliano e a Sandra...

- Sandra, pelo amor de Deus criatura - Malena põe a mão na testa e balança a cabeça negativamente

- Lembre-se que ela está sem sentimentos, então né...

- Então são rivais a um tempo? - Digo

- Sandra é irmã por parte de pai da Malena, ela e o Juliano acho que chegaram a namorar, não sei... Ela que fez Juh mudar de ideia sobre atacar o Rafael... Rafael virou tipo que líder do experimento e Juliano queria ser também, por isso cresceu essa rivalidade... - Andrei diz

- Alguém me explica porque a gente vai ter que se intrometer nessa treta sendo que não temos NADA haver? - Mah diz

- Temos que impedir o caos - Ally fala

- Mas eles não tem sentimentos, não vai adiantar de nada! Vão estar pouco se fudendo para o que vamos fazer ou deixar de fazer!

- Para dete-los teremos que fazer seus sentimentos voltarem!

- Como vamos fazer isso Allysson??! É o mundo inteiro destruído, onde pessoas trabalham, apenas pra continuar o funcionamento de tudo. Um lugar onde nada importa, pessoas assassinam qualquer uma na sua frente por nada, estrupam, atropelam, destroem... Nada mais tem jeito Allysson - Malena diz segurando choro

- Eu sei que nada disso tem jeito... Tudo perdido... Eu só queria evitar a guerra entre duas pessoas que já foram melhores amigas um dia... Evitar qualquer possível bomba... Um lugar melhor para nossos filhos... Mas acho que realmente não tem mais jeito... Me desculpa por ser tola - Allysson diz olhando para seus próprios pés

- Podemos fazer o possível... Pelo menos evitar a guerra, e quem sabe, salvar algumas pessoas boas - Caca diz

- Eu acho que alguns adultos são difíceis de curar, muitos não possuem vínculos, sua mentalidade já está formada... - A loira fala

- Vamos abraçar alguém na rua, pronto, se funcionar, bem, se não funcionar, amém - Andrei diz já irritado querendo acabar com a treta

- Quem vai abraçar o estranho? - Digo

- Quem teve a idéia, quem mais seria? - Malena diz com um sorriso vencedor no rosto

- Posso saber por que eu, Marilene? Eu já te abracei pra fazer seus sentimentos voltarem!

- Primeiro: Você me beijou. Segundo: Foi bem na cagada porque você queria transar comigo e acabou que nossos sentimentos voltaram.

Terceiro: Transamos mesmo assim, só que agora não era só prazer, e sim, amor.

- Expõe nosso íntimo mesmo, parabéns!

- Não é novidade pra ninguém, você acha que esses dois aí já não treparam? Sossega okay? - Ela aponta para nós, olho Cauê com uma cara safada e rimos.

- Tu tá envergonhando os convidados! - Andrei diz

- ATA, tô vendo a vergonha deles se encarando lembrando das altas madrugadas... - ela revira os olhos

- Chega! Todo mundo transou, já percebi isso, agora vamos falar do que interessa, quem vai abraçar a pessoa aleatória? - Allysson diz acabando com o fusuê

- Só uma coisinha... Todo mundo menos você transou...

- Vai pro inferno Malena! - Allysson mostra o dedo do meio pra ela, enquanto a mesma passa mal de tanto rir

- Cauê vai você abraçar o estranho - digo

- POR QUE EU?

- Eu te abracei, então é sua vez!

- Não estou afim de levar um soco

- Larga de ser fresco - Bagunço os cabelos dele

- Vai você ué, um abraço ou mais não faz diferença!

- Não! Quer saber, vai você Allysson, tu não tá comprometida, nunca abraçou ninguém, só vai!

- Eu sou a irmã mais velha aqui! Sossega o facho aí!

- Vai logo porra, larga de viadagem todo mundo! - Malena diz nervosa

- Tá vai, vou abraçar uma pessoa aí - Ally levanta, abre a porta e sai pisando forte para fora.

P.O.V Allysson

Eu poderia ter ficado quietinha na minha? Poderia, mas não, vim arranjar pra minha cabeça... Tomar no cu, só isso que sei fazer...

Isso não vai dar certo, tô vendo...

Uma garota de pele morena, cabelo marrom claro e olhos verdes passa na frente da casa da loira do tchan... Crio coragem e só vou abraçar a jovem...

Seguro a mão dela com receio, fazendo-a parar seu trajeto. A puxo para um abraço, logo a solto... A menina fica com um ponto de interrogação na testa.

Mano o que eu tenho que fazer, socorro alguém me ajuda...

O Tt salvou a vida do Cauê

O Andrei amou a Malena

Eu vou ter que amar essa garota? Que?

- Talvez eu me arrependa muito por isso, mas... Sei lá, desculpa moça que não sei quem é...

Puxo a mesma para um beijo, era uma sensação... Nova, digamos... A jovem retribuiu... Meu rosto deve estar muito vermelho...

Separo dela e... Nada

É sério isso, que merda! Com todo mundo dá certo, só comigo que não...

Solto a moça e entro pra casa.

- Satisfeitos? Não deu certo, valeu Andrei, muito obrigada mesmo - Sento no sofá e cruzo os braços nervosa, que ódio!

- Nossa, era só um abraço, o que tem demais nisso?

- Aconteceu que um abraço não resolveu, eu beijei a garota e nada

- I kissed a girl and I liked it... - Malena começa a cantar

- Malena... Quantas vezes vou ter que mandar você ir pra puta que pariu?

- Vai me dizer que você não gostou? Beijou a garota por mais nem menos

- E-eu só tentei raciocinar, Marco salvou a vida do Cauê e o Andrei te beijou, então pensei que tinha que fazer o mesmo... - Digo com vergonha

- Iiiih alá, quer sair de Nárnia - Marco diz

Levanto e fico cara a cara com esse ser...

- Marco Túlio acho melhor tu não me irritar hoje... Eu tô quase botando fogo nessa casa com todo mundo dentro, cala a boquinha vai - Dou um sorriso sínico

- Bota fogo, só eu pular a janela miga... Sai do armário, eu taco purpurina em você - Ele faz um coraçãozinho com a mão

- Vai beijar o Cauê e me deixa em paz POR FAVOR?

- Com muito prazer! - Ele pisca pra mim

Marco deita no sofá e puxa o Cauê pra cima dele. Os dois se encaram sorrindo e logo Cauê se entrega e beija seu amor... Eu estou com raiva e ao mesmo tempo querendo esmagar esses dois, socorro eu não estou bem...

P.O.V Cauê Bueno

Marco me enlouquece cada vez mais... Entre o beijo, passo a mão em seus cabelos, enquanto o mesmo segura minha cintura. Nos separamos um pouco ofegantes, mas logo Marco me puxa, parece que cada vez mais vou necessitando mais dele. Nos separamos novamente.

Arrumo meu cabelo, ele o dele e nos sentamos adequadamente.

- Satisfeita Allysson? - Túlio diz

- Tanto faz - Ela esconde o sorriso muito mal escondido

Marco deita com a cabeça no meu colo

- Ei! Não sou apoio pra você não folgado!

- Nossa, grosso! Me deixa aqui, estou com preguiça.

- Vou deixar só porque eu te amo, okay? - Digo lhe dando um selinho

Logo ele abraça me cintura.

- Você tá goido - Marco aperta mais ainda minha cintura

- Goido aonde? Sou mais magro que tu

- Tô nem aí, tá goido de qualquer jeito

- Esse tá doido mesmo, Cauê o que você deu pra ele? - Malena fala

- Dei nada não... É assim desde nascença

- Nousa - Ele solta minha cintura e da um tapa na minha coxa - Larga de ser mal!

- Piranho!! - Recebo outro tapa - PARA DE ME BATEEEER!

- Naum, é legal te bater - Sou presenteado com vários tapas consecutivos

- Eu vou prender suas mãos! - Seguro as mãos dele - E te encher de beijo

Dou vários selinhos nele. Por fim mordo um de seus lábios e começamos um beijo, ficamos fazendo uma guerra sem um possível vencedor.

- É normal eles agirem assim? - Malena sussurra pra Allysson

Andrei olha com uma cara de tentando compreender o que aconteceu e Alysson está imaginando gatos voadores no espaço...

- Pararam com a putaria já? - Andrei diz rindo

- Até agora não sabemos o que vamos fazer pra salvar esse maldito mundo! Allysson? Allysson você está aí? ALLYSSON?

- Oi? Que foi?

- Tá pensando no que em safrada? - Malena olha a garota com um sorrisinho malicioso no rosto

- Em nada não... Tá, sabemos que não adianta tentarmos salvar os adultos...

- E... E as crianças? Elas não podem ser salvas? - digo

- Eu andei observando os comportamentos de vocês quando crianças... Parece que o experimento age em vocês como tristeza, pois são puras, não maldosas... Vocês ficam desnorteadas, sem ter um adulto-exemplo pra ensinar tudo direitinho, apoiar teus sonhos, alimentar sua imaginação... Então digamos​ que os adultos foram os culpados de fazerem as crianças crescerem e se tornarem iguais eles... É ISSO! O único jeito de mudarmos tudo é fazer a geração futura mudar... MEU DEUS CAUÊ!

- Eu acho que adolescentes também podem ser salvos sabe, vai ser meio difícil pois suas mentes já estão sendo formadas para a idéia levada ao mal, mas acho que conseguiremos - Andrei diz

- O que vamos fazer com os adultos que querem matar a todos? - Marco diz

- Lutaremos com eles, ué - Mah diz seca

- E o Juliano e o Rafael? Não vai ter jeito mesmo?

- Acho que ninguém vai conseguir mudar o pensamento deles... O jeito é vencê-los... Lutar contra cada um, evitando a guerra entre eles... Vamos aceitar os desafios deles... - Malena responde de novo

- O Juliano vai fazer enigmas igual o Rafa? - Falo

- Juliano sempre gostou muito de ajudar Rafael nos enigmas, mas sempre gostou muito de usar a química ao seu favor... Ácido sulfúrico, bombas nucleares, gases mortíferos, substâncias que te fazem apagar, para depois ele te sequestrar e conseguir tudo o que quiser por meio de você... - Andrei diz

- Se a resposta era para me tranquilizar, só piorou a situação - Digo

- No caso do Rafael ele faz desafios doentes para você... Escolhas que devem ser repensadas várias vezes, um erro e alguém pode morrer... Digamos que ele é tipo uma "esfinge"... Seus desafios quando errados, você morre... Simples, não são muitos que conseguirão passá-lo

- Alguém tem chocolate? Preciso disso para tentar me acalmar pelo amor de Deus

- Eu busco pra ti - Malena vai em direção a cozinha

Logo a mesma vem e trás uma barra pra cada um.

Abro a minha e a devoro.

- Goido! - Marco retruca

- Não sou goido, já falei!

- É sim! Amei te chamar de goido, goido.

Rio baixo - Tu não tem jeito né?

- Não! - Ele morde minha bochecha fraquinho

- Você não vai comer seu chocolate não?

- Sei lá, não sou muito fã sabe...

Passo o chocolate que já estava um pouco derretido na minha boca

- E agora?

Ele vem e lambe minha boca e logo sela nossos lábios, ele está bem carente hoje... Quem sou eu pra negar carinho pra ele? Ele estando bem, eu fico melhor ainda!

- Mah, hoje nós podemos ficar por aqui, já está tarde e tals... - Marco diz

- Tudo bem, eu tenho uns quartos de hóspedes! Andrei você me ajuda a arrumá-los?

- Fica aqui Mah, deixa que eu arrumo tudo - o mesmo sorri

- Tudo bem, qualquer coisa se precisar de ajuda, eu estou aqui!

- Okay - Andrei dá um selinho na Mah e vai arrumar os quartos

Allysson fica olhando pro nada, pensando em nada... Ela está muito estranha, eu em...

19:29

Depois de uns 10 minutos se passarem, Andrei volta pra sala falando que já poderíamos ir cada um para o seu respectivo quarto.

Tt me pega no colo e me leva até o quarto, no meio do caminho ele começa a dar alguns beijinhos no meu pescoço.

Eu tranco a porta e ele me leva até a cama, subindo na mesma logo em seguida.

O quarto era amarelo claro, com alguns vasos com plantas de plástico, até pareciam bem reais, desenhos de linhas curvas que pareciam trepadeiras, só que em vez de serem verdes, eram brancas, nas paredes. Uma cama de casal box no centro, uma escrivaninha do lado com um abajur. A roupa de cama era bege, nada muito detalhado, simples, moderno e aconchegante.

Havia uma prateleira em um dos cantos da parede, nela havia livros e mais livros empoeirados.

Viro de lado e Tt também, um de frente para o outro. Fico cada vez mais perto dele e esfrego minha cabeça em baixo do seu queixo, igual um gatinho quando se esfrega nas coisas.

Abraço Tt e coloco minha cabeça apoiada no seu ombro.

- Eu nunca vou te abandonar okay?

- Okay - Ele coloca uma das pernas em cima de mim, me trazendo pra mais perto ainda - Te amo

- Tbm te amo, pode se despreocupar, juntos - Tiro a cabeça do ombro dele e olho o mesmo diretamente nos olhos - vamos conseguir salvar todo mundo

- Tomara... Eu sei que ainda tá meio cedo e tals mas... Quando tudo isso acabar podemos adotar uma criança?

- Pode ser! Até sete podemos adotar - Rimos

- E o Shake, onde tá nosso anel?

- Deve estar no laboratório da Allysson... Melhor ele ficar seguro lá... Você não tá bravo comigo por ter mentido pra ti?

- Ah... Sei lá... Talvez eu esteja um pouco chateado - Ele sorri malicioso pra mim - Mas talvez, você podia me pedir desculpas de um jeito assim... - Ele tira a perna de cima de mim e me vira de barriga pra cima, logo sobe em mim - Eu aceitaria essas desculpas

Puxo ele pra mim e o beijo. Um beijo quente, fervoroso... Melhor jeito de se destrair, rio entre o beijo com meus pensamentos.

Ele se separa do beijo e começa a se despir. Tira sua camisa, logo após suas meias.

Levo minha mão na barra de minha camisa vermelha e a tiro. Marco que já havia tirado sua calça, aproveita e tira a minha.

P.O.V Marco Túlio

Dou um selinho no Cauê, logo dou outro em seu pescoço, peito... Assim traço uma trilha de beijos pelo corpo de Cauê.

Paro a trilha em sua box branca. Tiro ela devagar, só para provocar mesmo.

- Provocações? - Ele pergunta

- Talvez - Sorrio

Termino de arrancar sua box. O menor me vira e sobe em cima de mim.

Cauê leva sua mão dentro da única peça de roupa que resta em meu corpo, e começa a fazer movimentos pra cima e pra baixo.

Depois de um tempo ele leva sua boca, ainda por cima do tecido, ele estava me enlouquecendo.

Arranco minha box azul escuro e deito Cauê no meio da cama.

Levo minha boca em seu membro. Ele no mesmo ritmo que o meu, me masturba com sua mão...

- Aah aah ah Mais rápido! - ele fala

Tiro minha boca de seu membro e substituo por minha mão. O calo beijando-o, não poderíamos gemer infelizmente... Estávamos na casa de outra pessoa.

- Cauê tá vi-indo aah ah

Fico de joelhos em pé, enquanto o outro se ajoelha e faz movimentos com a boca. Ponho uma mão em seus cabelos ajudando nos movimentos e a outra o masturbo.

Meu ápice chega e o menor lambe tudo.

Deito Cauê de novo e coloco minhas pernas uma a cada lado de seu corpo. Pego três dedos meu e dou para ele lamber.

Caca lambe de uma forma sexy enquanto me encara.

- Tá pronto?

- Me fode logo! - ele fala envergonhado

Enfio dois dedos de uma vez, ele rebola em cima deles. Puxo o mesmo para um beijo, entre ele, enfio o terceiro, o que faz o menor morder meu lábio de prazer.

Começo a estocá-lo com os dedos, ele se segura para não gemer, mesmo entre o beijo era possível escutar seus quase gritos.

Separo-nos do beijo e tiro meus dedos.

Ele me dá um chupão.

Preparo para penetrá-lo, puxo o mesmo para um beijo e enfio com tudo. Ele geme entre o beijo e bate na minha bunda.

Seguro-o na sua cintura e começo a estocá-lo.

- Aah ah ah ah Mais forte - ele me acerta outro tapa na bunda mas dessa vez do outro lado.

- Quer mais forte? - Sorrio malicioso e acerto bem no seu ponto de prazer, ele morde meu ombro o que faz nós dois gemermos ao mesmo tempo.

- Va-ai AH AH AAH - Gritando cada vez mais alto

Ele começa a rebolar junto as estocadas tentando entrar cada vez mais em contato com meu corpo.

Acerto seu ponto de prazer cada vez mais vezes. Ele crava as unhas na minha cintura. Cauê joga toda vez a cabeça para trás. Cravo minhas unhas na sua cintura, estava quase chegando em meu ápice.

Tiro as mãos de sua cintura e começo a masturba-lo ao ritmo das estocadas.

Ele solta minha cintura e agarra a colcha da cama, cada vez mais forte, se contorcendo de prazer na cama.

Acerto de novo teu ponto. Ele geme alto e se desfaz em cima de nós. Ao mesmo tempo me desfaço dentro dele. Saio de dentro do meu goido e meu líquido todo escorre pela sua entrada.

Cauê solta finalmente a colcha e fica ofegante olhando pra cima.

Caio ao seu lado, sujo e suado.

- Gostou?

- Melhor foda! - Ele ofega

Viro ele pra mim, coloco seu rosto encostado em meu peito, Cauê me abraça e eu coloco um braço em volta de suas costas. Pego a colcha, que estava um pouco suja, e nos cubro. A luz estava acesa mas mesmo assim adormecemos...

||Sábado ||8 de Abril de 2017||

12:56

P.O.V Cauê Bueno

Acordo com Marco em pé colocando sua camisa. Fico ali admirando a visão...

- Tenho bastante sorte em - Sorrio e rio

- Eu tenho mais... Você é perfeito, eu sou apenas... Um idiota carente

- O meu idiota carente que tanto amo - Abro os braços e ele vem abaixando do lado da cama pra me abraçar - Eu não sou nada sem você!

- Você é tudo pra mim! Tudo o que eu preciso... Você sempre esteve do meu lado - Ele me dá um beijo na minha bochecha

- Juntos até depois do fim! Amor eterno?

- Amor eterno - Ele vem e encosta seu nariz no meu, puxo-o para um beijo apaixonado, como amo esse garoto

- Meu goido!

- Ei! Só eu posso te chamar de goido! - Ele aperta minhas bochechas

- Me ajuda a me trocar?

- Okay...

Ele me levanta e me coloca sentado na cama.

Pego minha cueca e a visto. Logo ele vem com a calça e consegue colocar com um pouco de dificuldade.

- Tô falando, tá goido!

Reviro os olhos e rio

Ele me dá a blusa e eu visto. Passo a mão no meu cabelo e está tudo pronto.

- Vamos ter que ficar sujos mesmo? - digo

- É a vida né, não era pra gente ter transado...

- O quarto tá todo sujo, que horror

- Foda-se, só vem goido, vou ter que te carregar, já que não tem remédio...

- Yeeeeh

Abro os braços e Tt me pega estilo noiva. Dou um chupão no pescoço dele de propósito. Ele aperta minha cintura e fomos pra fora.

Malena estava no sofá e tinha ligado um aparelho que tocava música...

- Bun dinhaaa! - Mah diz

- Bom diaaa! - Dizemos uníssono

- Que o Cauê deu ontem... Opa que? - Andrei diz e Malena cai no riso

Olho pro Tt envergonhado, ele também estava bem vermelho.

- E-eu não se-ei do que estão falando - Bosta, gaguejei

- Sabe disfarçar tão bem que nem tá conseguindo andar e pediu pro Mozão carregar... - Mah diz

Reviro os olhos e Tt ri... Digo nada

- Tá de TPM, nem liga - Marco diz

- OOOH MARCO! Que ousadia é essa? Escolhe de que lado você tá!

- Tô zuando com meu bebê, larga de ser chato!

- Aff - Ele aperta minha barriga - Paraaaa!

Ele vai para o sofá e me deixa sentado em seu colo.

- All of me é uma música bonita, gosto dela - Andrei diz, era a música tocando no aparelho

- ‘Cause all of me

Loves all of you

Love your curves and all your edges - Malena canta junto com o aparelho

- All your perfect imperfections

Give your all to me - Andrei completa

- I’ll give my all to you

You’re my end and my beginning

Even when I lose I’m winning... - Mah canta

- ‘Cause I give you all of me

And you give me all of you - Andrei espera um pouco - How many times do I have to tell you

Even when you’re crying you’re beautiful too

The world is beating you down, I’m around through every mood...

- You’re my downfall, you’re my muse

My worst distraction, my rhythm and blues

I can’t stop singing, it’s ringing, in my head for you - Mah completa

- Que lindos! - Marco diz

- Qual a tradução? - Pergunto

- Porque tudo de mim

Ama tudo de você

Ama as suas curvas e seus contornos - Mah começa

- Todas as suas imperfeições perfeitas

Me dê tudo de você

- Eu darei tudo de mim para você

Você é o meu fim e o meu começo

Mesmo quando eu perco estou ganhando...

- Porque eu te dou tudo de mim

E você me dá tudo de você - Andrei pausa um pouco - Quantas vezes eu tenho que te dizer

Mesmo chorando você é linda também

O mundo está te castigando, eu estou por perto acompanhando tudo

- Você é minha ruína, você é minha musa

Minha pior distração, meu ritmo e minha melodia

Eu não posso parar de cantar, está tocando, em minha mente para você... - Mah finaliza a tradução do trecho que tinham acabado de cantar.

- Nossa... - Digo surpreso... - Essa letra é linda!

- Demais... Tocante... - Marco fala

- Uma das coisas mais incríveis que faziam antigamente eram as músicas... Sempre tinha alguma que representava você... Pena que tudo acabou - Malena diz encostando no ombro de Andrei

- Poisé... Pena que tudo acabou... - Marco diz

- Tudo vai voltar a ser como antes... - Digo

- Mas temos que agir, antes que seja tarde - Allysson diz aparecendo na porta da sala

- Você não tava dormindo não fia? - Marco fala

- Onde você estava mocinha? Posso saber? - Mah diz se levantando e colocando as duas mãos na cintura

- Eu já sou bem grandinha mas respondendo sua pergunta, eu fui no laboratório pegar algumas coisas importantes como, roupas especiais, mochilas, armas, o Shake...

Um pug pula de uma das caixas que ela estava carregando e vai até o meu colo

- SHAKINHOOOO!!! - aperto o cachorro

Saio de cima do colo do Tt e com um pouco de dor vou pro lugar do lado.

- AI MEU DEUS quem deu esse nome pro cachorro? - Malena diz

- Ué, o que tem o nome dele? - Marco diz

- Shake? Sério que você deu a abreviação de Shakespeare pro cachorro?

- Quem? Era de Milk Shake louca - Tt fala

- Ah tá, ainda bem - Ela ri e pega o doguinho do meu colo - Aí que coisinha mais linda da mãe

- EPA EPA EPA EPA! Ele é meu filho! - falo, Marco me dá um cutucão - Ai! Nosso filho!

- Aff chatos! Andrei tu trate de me dar um doguinho também!!

- Depois nós adotamos, agora temos que pensar na guerra...

Malena deixa o Shake no colo do Tt.

- Vamos atacar quem primeiro? - Allysson diz

- Qual é menos pior? - Pergunto

- Assim... Não tem um pior que o outro, de um jeito ou de outro podemos morrer... Acho melhor atacarmos o Juliano primeiro... - Andrei fala

- Okay! Vocês vão precisar de roupas químicas

Allysson entrega um macacão branco, uma máscara especial branca também, luvas de borracha e sapatos fechados.

- Vamos vamos vamos, se vestem!

- Então assim... Eu acordei com dor no quadril... - Digo parecendo uma pimenta

- Cauê você transou? Tu transou em pleno plano de ataque!? O QUE VOCÊS TEM NA CABEÇA?

- Ah Allysson, sossega, só transamos, nada demais ué - Tt diz

- Toma um chá e um comprimido de dor ali na cozinha - Mah diz

- Tt...

- Tá bom, eu pego - Tt vai na cozinha e logo trás tudo

Bebo o chá que não estava tão quente e tomo o comprimido logo em seguida.

Eu e Tt vamos para o quarto nos trocar, enquanto Allysson vai para o dela e Malena e Andrei vão para o deles.

Vesti a roupa com um pouco de dificuldade, mas consegui.

Só não vestimos as máscaras. E fomos logo pra sala

- A Sandra provavelmente viu as câmeras e as retirou do esconderijo dos dois. Eu não sei o que teremos que enfrentar - Allysson diz - Mas estaremos preparados para o possível...

- Jesus... - Digo

- Cada um vai ter sua mochila. Andrei a sua vai ser essa verde clara, Malena a sua é essa amarela, Marco a sua é a azul e Cauê a sua é a verde escura. A minha vai ser essa roxa aqui. Dentro de cada mochila tem 20 barrinhas de cereais, economizem ao máximo! 3 garrafas de água, uma roupa extra, uma barra de chocolate, caso vocês não saibam, o ácido sulfúrico pode ser neutralizado com chocolate...

- Eita é mesmo... - Mah diz

- Dentro daí tem um canivete, ao lado, no bolso tem uma arma simples, foi o que eu consegui arrumar, dentro tem balas caso precisem recarregá-la, tem ataduras, gesso, caso alguém quebre alguma coisa, é só pegar esse pano - ela mostra na mão - colocar no lugar quebrado e jogar água, depois enfaixe com as ataduras e pronto. Tem um isqueiro, remédios para dor e só!

- Vai tá pesado pra porra, mas é útil - digo

- Ah, eu ia esquecendo! Temos Walkie -Toucks, são rádios que nos permitem conversar á distância. Quando acabarmos com todos desafios do Juh, voltamos para aqui, caso estejamos separados...

Boa sorte a todos, juntos até o fim! - Allysson sai abraçando a todos.

- Juntos até o fim! - Dizemos todos juntos

É... Está na hora de enfrentarmos um de nossos obstáculos.

- O "Refúgio" do Juh fica na fronteira da cidade, umas meia hora caminhando

- Tudo isso? - Marco diz

- Sim...

Prendemos Shake na casa, deixamos água e comida, o bastante para duas semanas fora. Malena tranca a casa e que comecem os desafios...

14:27

Estamos em um lugar cheio de terra e árvores...

- Chegamos!

- Mas onde que fica a entrada? - Andrei pergunta

Malena sai passando a mão nas árvores, ela abaixa um dos galhos

- Aqui...

As árvores atrás de nós desaparecem, dando espaço a quatro portas de ferro, com tipo uma roda para girar e abrí-la

- É... Como o esperado, teremos que nos separar

- Como você sabia disso? - Allysson pergunta

- A Sandra já me trouxe aqui quando o laboratório estava sendo formado, ela não deve se lembrar...

- Eu acho melhor nós três - Allysson aponta pra ela, Andrei e Malena - nos separarmos pois sabemos nos cuidar sozinhos, os dois ficam juntos, precisam um do outro...

- Pode ser - Andrei fala

- Fiquem vivos, por favor - Mah diz abraçando cada um e depois beijando o Andrei

- Faremos o possível - Tt diz

- Até lá no final - Malena fala

- Até - Digo abraçando Tt de lado e entrando na terceira porta da esquerda para a direita.

Malena entra na segunda, Andrei na primeira e Allysson na última... Seremos nós contra o mundo...

P.O.V Malena Nunes

Entrei em uma sala branca, assim que entrei a porta da frente automaticamente se trancou... Ou eu resolvo todos os desafios, ou viverei trancada aqui pra sempre.

- Ora ora, olha quem temos aqui, se não é Malena Nunes - Juliano...

- A quanto tempo piranha!

- Engraçadinha como sempre, Hahaha, pena que logo logo esse senso de humor vai morrer junto com a dona...

- Desculpa te dizer mas... Você está falando com uma professora de química, tudo o que eu sei é o mesmo conhecimento que você...

- Mas acho que as pessoas que você ama não tem esse conhecimento... Vai ser legal te atingir por meio dos outros... Que os desafios comecem flor!

P.O.V Marco Túlio

Nós acabamos de ouvir a conversa do Juliano com a Malena... Isso vai dar tudo errado, meu Deus.

Abrimos a porta de ferro, menor do que a que estava na entrada...

- Serão cinco desafios, talvez... Um de vocês cinco fiquem para trás... - Uma voz feminina fala dessa vez

Cauê olha pra mim assustado...

A sala estava limpa, um quadrado branco sem nenhuma ameaça aparente...

- Cauê... É melhor não confiarmos, tem alguma coisa escondida...

- Taca alguma coisa, quem sabe não vemos o que tem

Pego uma barrinha de cereal, pego o pacote e ataco na minha frente. Do nada um negócio vermelho surge e desintegra o pacote.

- Puta que pariu - Cauê deixa escapar

- Bom... O que podemos fazer é o seguinte, primeiro achar da onde sai o laser...

Olhamos em volta nas paredes e do outro lado da parede estava lá, a fonte...

- Fumaça... É isso Tt! Fumaça revela os lasers!

- MacGyver serviu pra alguma coisa - rio

Pego o isqueiro que a Ally deixou na bolsa, com o canivete corto um pedaço de pano do reforço dentro da mochila e coloco fogo.

Depois de um tempo a fumaça começa subir, revelando todos os lasers da sala. A máscara especial não deixava a gente inalar a fumaça.

Corto um enfeite de metal da mochila e seguro na mão protegida pela luva.

Coloco na frente de um laser, mudando seu rumo, fazendo-o acertar a fonte, assim a explodindo e como consequência, desligando os lasers.

- AEEE CARALHO! - Digo comemorando e abraço Cauê

- Parece que os dois conseguiram passaram até que rápido, desculpe desanimar mas... Essa é a primeira fase HAHAHA - Juliano diz

- Próxima porta...

- Vamos fazer vocês dois pensarem um pouco... - Juliano diz

Logo uma corrente cai e nos prende, um de costas para o outro. Uma caixa de soda cáustica substitui o chão, puta que pariu, pressão não

- Respondam corretamente e estarão em terra firme de novo, caso contrário, seus corpos irão ser destruídos e derretidos dentro dessa caixa Hahaha pra mim a última opção é a melhor!

- Começa! - Cauê diz

- Okay, você que pediu! Vocês tem uma chance, respondam corretamente dentro de 5 minutos e sairão ilesos para o próximo nível, caso contrário, já sabem o que vai acontecer - Sandra fala dessa vez

- O pai do padre é filho único do meu pai, o que eu sou do padre? Valendo! - Juliano diz

A corrente começa a descer

- Marcoooo eu não quero morrer!!! - Cauê diz chorando já

- Calma Caca, vamos pensar, ninguém vai morrer, estamos juntos nessa

- Ownn o casal está unido... Pena que odeio coisas românticas, seu tempo foi diminuído para 3 minutos! Não só o seu mas o de seus amigos também... AHHAHAHA

A corrente cai com tudo e para repentinamente, logo depois começa a ir devagar novamente

- Filho da mãe...

- O padre tem um pai...

- EU SEI DISSO MARCO, AAAAAAAA

- Cala boca! O pai do padre é filho único do meu pai... Então meu pai é o mesmo pai do pai do padre...

- Como se é filho único? Se o pai do padre é filho único, ele não pode ter irmão

- O que eu sou do padre?... Eu sou o pai do padre!

- Que?

- Se o pai do padre é filho ÚNICO do meu pai ele não pode ter irmão... Como eu também sou filho do meu pai, eu só posso ser o pai do padre!

- Ah tá...

- É essa a resposta? Tem certeza? - Juliano pergunta

- Sim! Eu sou o pai do padre.

A corrente para de descer

- Aí meu cu... - Cauê diz aliviado

- Boa sorte para saírem daí, achou que eu iria deixar mais fácil? AHAHAH - Juliano diz

A corrente se solta de nosso corpo, me agarro na corrente e Cauê que quase cai na soda, se segura no meu pé.

Levanto com calma minha perna e ajudo Cauê a se pendurar também.

- ESSA MERDA TA ESCORREGANDO!

- Usa as ataduras e tira as luvas, vai deixar firme para gente segurar! - Cauê diz

Tiramos as luvas e jogamos na soda, temos reservas aqui.

- Como que eu vou pegar isso?

- Deixa que eu pego na sua mochila!

Cauê sobe até a altura da minha bolsa e com uma mão consegue pegar as ataduras. Com a boca ele abre o pacote e enrola com ajuda de uma mão minha em uma das mãos. Fazemos as mesmas coisas até que estejamos firmes.

Ele guarda na bolsa de volta as ataduras.

- Nossa situação é o seguinte. Estamos pendurados no meio da sala por essa corrente, em baixo tem uma caixa de vidro que é feito de um material que a soda não derrete.

Temos chocolate na nossa bolsa mas ele não vai ser útil agora...

O jeito seria balançar essa corrente até o outro lado e pular, mas não sabe que conseguiríamos pular até lá... - Cauê fala

- E se nos balançarmos bastante até ver que podemos chegar do outro lado e atirar bem no começo da corrente, arrebentando-a? A base não é tão forte... Ou podemos derreter, não sei... Vamos cair do outro lado.

- Ou podemos pular... Melhor arriscar!

- Okay...

Nos balançamos bastante e soltamos... Conseguimos cair do outro lado!

- Aí meu Deus, conseguimos, mas acho que torci meu pé... Da pra aguentar - Digo ofegante

Pego o Walkie - Toukie, estava sem área, que bosta!

O jeito é continuar, que eles estejam bem...

- Terceiro desafio... Vamos ver se conseguem sobreviver a queda livre!

O chão some e começamos a cair...

- Cauê, pega o canivete e fura a parede!

Meu canivete estava no bolso na mochila, o do Cauê também.

Finco o canivete na parede, vai aguentar por pouco tempo. Caca está um pouco mais abaixo mas conseguiu.

- Olha parece que conseguiram sobreviver... Que pena, agora vão morrer congelados...

Um gás é solto lá de cima... Nitrogênio líquido, puta merda!!

- CAVA A PAREDE CAUÊ!

Tiro o canivete e no buraco enfio uma mão minha. Pego o canivete, abro ele e vejo que tem um mini martelinho lá. Com toda a força vou abrindo o caminho. Logo a parede desse quarto acaba e aparece um vão, estreito mas cabe uma pessoa. Era o vão que tem envolta de cada quarto que é como uma caixa.

O nitrogênio estava cada vez descendo mais rápido e se espalhando, ele ia congelar tudo.

Entro no buraco que fiz, Cauê consegue também.

Na parede do quarto ao lado parecia estar vazando, a soda estava derretendo tudo...

O jeito vai ser tampar o quanto antes os buracos que fizemos com gesso, usar o chocolate e tampar o vazamento se não a soda iria cair na gente e usar as duas paredes como apoio... E rodear essa parte, virar, ir reto, subir e entrar no quarto seguinte.

- Cauê pega seu gesso e a água, vamos tampar o buraco.

- Tá!

Sentamos nos buracos feitos e pegamos tudo o que precisamos. Vamos ter que ser rápidos.

Cauê se apoia na parede do quarto anterior e as pernas na parede do quarto com nitrogênio.

Ele pega o gesso, molha e prensa contra a parede assim a tampando.

Faço a mesma coisa, quase derrubo a mochila, mas ela não caiu.

Tampado, um problema a menos.

Hora da soda agora.

Pego o chocolate, abro ele e com cuidado consigo segurar contra a rachadura. Começa a sair uma fumaça e o chocolate derrete um pouco,mas logo ele fixa lá.

Agora é só irmos nos apoiando nas paredes até o próximo quarto.

E assim fomos por mais ou menos, o que pareciam ser uma hora e meia.

Chegamos na abertura entre o quarto do nitrogênio e o próximo quarto.

Com o canivete de novo finco na parede.

- Goido, nós precisamos dos dois canivetes pra escalar.

- Eu vou ter que subir nas suas costas então.

Ele vem até meu lado, pisa na mochila e joga uma das pernas pra lá. Logo ele segura com as pernas minha cintura e com os braços meu pescoço. Seria uma cena fofa se não estivéssemos nessa situação.

Ele me dá o canivete dele e com cuidado consigo escalar nós dois.

Entro no quarto do desafio em que estamos, quebro a parede bem rente á porta.

Cauê sai de cima de mim, o nitrogênio já havia decido, estávamos a salvo finalmente.

Guardo os canivetes, um em cada mochila e giro a porta, exausto.

- Vai dá tudo certo Tt, mais dois quartos só...

- Eu preciso de uma pausa depois dessa...

Fecho a porta e sentamos no chão.

Quando eu vou mudar de posição um negócio quase explode minha perna... Mina terrestre não...

- Eu vou chorar é sério! - Cauê diz com a mão na cara, encostando no meu peito.

- Podemos ser cuidadosos e ir tocando uma por uma até ver onde que podemos pisar... Ou podemos ser vida loka e sair correndo. Essas minas tem tipo de um temporizador de três segundos, então talvez dá tempo.

- Eu quero minha caaaama

- Vamos vai, o jeito é sair correndo.

Me levanto no quadrado em que estou. A sala estava completamente branca, nada de minas pois estavam camufladas com o piso.

- Três, dois - Pego a mochila, coloco nas costas e levanto Cauê que já estava com tudo nas costas. - Um! RUNNN

Saímos correndo, tudo explodindo atrás de nós. Eu não via mais nada, só a porta, tínhamos que fugir logo, tudo isso pode cair...

Cauê quase tropeça em uma mas eu seguro sua mão e ajudo ele a continuar a correr. Entro em um corredor e lá estava finalmente a porta. Com a adrenalina no corpo só abro a porta, entro, espero Cauê entrar e a fecho batendo.

O menor estava tremendo e ofegando, abraço ele de lado e fico passando a mão no seu braço para que se acalma-se.

A sala era a menor de todas, em vez de branca, era prateada de metal.

Pego a garrafa de água e a tomo inteira. Cauê pega as barrinhas de cereal dele e come umas três.

- Esse trem não enche a barriga não?

- Bebe água que enche...

Ele vira uma garrafinha também. Estávamos suados, cabelo molhado, cansados...

Do nada a caixa de metal começa a encher de água, meu Deus, quando tudo isso vai parar???

- Só segura a respiração...

Após um minuto a água já estava no teto, Cauê e eu estávamos abraçados esperando a água descer... É mas isso provavelmente não vai acontecer.

Nosso ar já estava acabando

Em baixo da caixa, bem no chão tem quatro parafusos... É canivete, vou ter que usar você de novo.

Nado até o fim da caixa, abro o canivete, Cauê entendeu o plano.

Começamos a desparafusar, o desespero pelo ar já começa a atacar. Um parafuso solto, dois, três e quatro. Um tipo de mangueira se solta e a água começa a ir embora.

Nadamos até em cima e respiramos, alívio.

Pelo menos nossa bolsa e roupa não ficaram molhadas, a Allysson deveria ter passado vela em tudo, assim, fazendo a água não molhar.

Caixa vazia. É... Mais uma coisa aconteceu.

Do teto começou a sair tipo de uma fumaça. As máscaras protegiam a gente para não inalar, mas estava tudo branco, não tinha como enxergar.

Sinto uma picada no meu braço, um líquido queima pela minha veia, tudo fica girando, logo desmaio.

P.O.V Sandra Távora

Juliano havia pegado Andrei, grande bosta... Só vai torturar ele um pouquinho, jogar na cara umas verdades e depois matar...

- Por que você não faz os amigos dele sofrer também? - digo observando o corpo amarrado na cadeira

- Eles vão sofrer, você ainda vai ver a melhor parte...

Andrei acorda desnorteado...

- Há, oi Andrei, parece que nos encontramos de novo...

- Se for acabar comigo, só me mata okay? Cansei de tudo, me poupe de seus comentários

Juh dá um tapa na cara dele

- Vou te torturar ainda, hahaha. Você me fez sofrer internamente... Você acha que não me machucou quando deixou todo nosso amor pra trás? Quando me deixou? Eu posso até morrer depois, mas eu fiz o que deveria ter feito a muito tempo!

Andrei suspira

- Vamos relembrar toda a história...

Amiguinhos da adolescência, fizeram faculdade juntos. Até que um dia, Andrei nos levou para uma balada, onde nos embebedamos e rolou... Algumas pegações no escuro, beijos, nada demais.

Por dois meses ficou só isso, nada assumido, apenas nos pegávamos.

Conhecemos Rafael, Felipe e Malena. Não me lembro do que fazíamos, por um acaso só lembro de coisas relacionadas a você - ele ri - Que bosta não? Você me abandonou... E justo de você eu me lembro... O que me deixou por uma loira qualquer...

- Juh... As vezes os sentimentos acabam, eu era novo na época, não sabia o que queria na vida... E acabei namorando meu melhor amigo.

- Pois é... Melhor amigo... De desconhecidos fomos para colegas, amigos, melhores amigos, namorados... E agora não passamos de desconhecidos... Dói saber que já nos amamos algum dia... Mas, acho que algumas coisas merecem castigo - Juliano começa a rir

Ele olha pra mim. Vou até o gaveteiro de metal e tiro de lá algumas ferramentas, um tanto quanto "especiais" podemos por assim dizer.

- Sandra me passa a faca e o maçarico!

Faço o que ele manda. Logo Juliano acende o maçarico. Andrei olha desesperado com uma mistura de desistência de tudo, ele sabe que seu fim está próximo. Talvez seja divertido assistir isso... Talvez...

Andrei amarrado na cadeira tenta se soltar, mas falha.

Juliano rindo pega a faca quente e começa a passar de vagar perfurando a perna do outro que estava agunizando, gritando e chorando.

Seu sangue estava jorrando para todos os lados.

Malena entra na sala correndo pela porta, ela acabou seus desafios.

Juliano desiste de torturar e passa a faca na veia artéria de Andrei.

Ele tomba sua cabeça, respirando aceleradamente, seus batimentos diminuem, ele vai respirando mais lento. Seu sangue desce de seu pescoço até suas pernas. Juliano observa friamente a pessoa que ele já amou um dia, morrer lentamente.

Malena não consegue fazer nada, ela fica parada, não consegue acreditar no que está vendo.

Juliano me entrega a faca e o maçarico para guardar. Sem eu perceber Malena toma o maçarico da minha mão, acende no máximo, eu tento impedir, mas foi tarde demais... Ela queima Juliano vivo.

Suas lágrimas rolam, ela fica trêmula e cai no chão abraçando suas pernas.

- MERDA MERDA MERDA MERDA! Eu me odeio! - A mesma chora e arranha seus braços com a maior força possível

Eu fico lá, parada... Não faz diferença na minha vida, nada importa.

Apenas mais duas pessoas morreram junto com outras milhares...

Do nada sinto escorrer do meu rosto... Lágrimas? Eu estou chorando? Por que?

Cada vez mais que essas perguntas vem para minha cabeça, mais lágrimas saem, qual o motivo?

O Juliano morreu... Mas era só o Juh...

Meus pensamentos são interrompidos com um abraço da Malena. Eu levo um choque tão grande, lembranças vem passando como flashes na minha cabeça.

Malena e eu juntas, meu pai, minha mãe, Juliano me beijando, momentos carinhosos com o Juh... Eu o amava... Agora tudo está acabado? É isso? Uma pessoa que eu amei com todas minhas forças morreu pelas mãos da minha irmã... Como ele pode ser um monstro? Como eu sou um monstro!

Sento no chão e olho para o nada... Eu estou perdida...

- É... Você vai viver com a culpa agora! - Malena diz irritada

- E você também...

- Irmãs novamente...

- Nunca deixamos de ser... O problema é que não lembrávamos

- Talvez... Irmãs viúvas que maravilha, duas trouxas... - Malena diz

- Duas trouxas...

P.O.V Marco Túlio

Acordo com dor de cabeça, estávamos dentro da caixa de metal ainda, Cauê estava desacordado ainda.

Balanço um pouco ele e nada, pego uma garrafinha e jogo água nele.

- AAA Onde que eu tô?

- Em alagoinha - rio

- Ah oi... Bom dia ou boa noite Tt, não sei...

Olho pro lado e vejo que havia uma passagem. Levanto Cauê e fomos para lá.

A cena é horrível! Sangue por todo lado, Andrei morto e amarrado, um homem todo queimado no chão, Malena e Sandra sem fazer nada.

- O QUE ACONTECEU?!

- Morte, peso na consciência e eu recuperei meus sentimentos...

- É...

- Mas porquê? Quem os matou? - Caca pergunta

- Juliano e Andrei namoravam antes, Andrei abandonou o Juliano para ficar com a Malena, Juliano ficou magoado e resolveu se vingar... Juliano matou o Andrei e a Malena matou o Juliano... E saber que eu ajudei ele a planejar tudo...

- Meu Deus... Mah meus pêsames, eu não o conhecia a tanto tempo... Mas vou sentir saudades. - Cauê diz

- Eu também não o conhecia muito, mas era gente boa, meus pêsames Mah! - Digo

- É... Eu o conhecia a bastante tempo... - Mah segura choro

Nós dois vamos até ela e a abraça, sinto algumas lágrimas no meu ombro, ah Mah...

- Nós estamos com você okay Malenis? Qualquer coisa estamos aqui - Digo

- Obrigada, mas acho que essa dor vocês não podem curar, desculpa.

Cauê dá mais um abraço nela, que é interrompido pela Allysson entrando na sala.

- ANDREI!? - ela vai até o corpo e abraça

- Juliano matou ele - Sandra fala

- Porque??!!!

- Eram namorados antigamente, só que Andrei se apaixonou por mim e fudeu tudo...

- Ele era como meu pai - Ally abaixa a cabeça

- Bom gente, vocês venceram todos os desafios, mataram quem iria fazer uma guerra, está tudo certo... Só falo que é melhor descansarem bastante antes de irem pro forte do Rafael... O dele é pior, você vai usar força mental e física...

- Teremos que matar ele também? - Pergunto

- Se você não matar ele vai fazer uma batalha de qualquer jeito, tendo adversário ou não, o prazer dele é matar, nada mais além disso.

- Eu queria descansar... - Malena diz com lágrimas em seus olhos - Sandra, você poderia ficar na minha casa? Tem um cachorro lá e ele precisa de cuidados e companhia...

- Claro Mah - ela sorri fraco

O clima estava pesado, choro em todos os cantos...

Eu abraço Cauê, ele coloca o nariz no meu pescoço enquanto beijo sua testa.

- Vamos? Eu sinto muito pelas mortes... Mas temos que ir, me desculpa - Eu falo e todos concordam em silêncio.

19:56

Malena não parava de chorar, Allysson estava sem reação...

- AAAH - Do nada uma flecha atinge a perna de Cauê.

Seguro ele para não cair.

- Tt t-tá doendo muito... - suas lágrimas não paravam de cair

- Calma, a gente vai tirar isso de você amor - dou um beijo nele

- Acho que chegou a hora não é Allysson?! - um garoto loiro dos olhos azuis estava em cima de uma pedra com uma arma. Atrás havia milhares de pessoas. De crianças á idosos.

- Rafael por que você envolveu essas crianças? Você chegou até esse ponto? E os enigmas?

- Enigmas? Vocês realmente acharam que eu iria deter vocês com simples enigmas? Amigos, enigmas não passam de um passa tempo para mim. Eu vou destruir teus corpos, dizimar um por um... - Ele é interrompido... Uma bala havia entrado bem no rumo da sua testa. Malena havia atirado enquanto o mesmo estava distraído. Ela dispara outra bala, em direção a Felipe. Ele estava próximo da gente, provavelmente ele que atirou em Cauê.

- Mah?... - Allysson fala com receio

- Allysson NÃO FALA NADA! - Ela aponta a arma para a testa da mesma - EU ESTOU CANSADA DESSE INFERNO! - Ela sobe até o morro onde Rafael havia acabado de morrer e aponta a arma para as pessoas ali. Elas estavam segurando facas em geral. Um deles joga a faca, atingindo o pé da Malena. Como consequência ela olha na multidão, quem havia jogado era um garotinho... Ele tentava não demonstrar medo, mas dava para ver em seus olhos lacrimejantes que ele não queria estar ali. - Oi... - a moça se ajoelha na frente dele, os outros apenas observam, nenhum tinha coragem ou o por quê de atirar na moça armada.

- N-Não me mate por favor. - ele olha para a moça chorando horrores.

- Você sabe que o que fez foi errado né? - ela segura o queixo dele, o fazendo olha para ela. A garota arranca a faca, sua cara tinha uma expressão de dor e sangue começa a jorrar.

- E-Eu não sei. Ele mandou todos nós atacarmos vocês até que estivessem mortos...

- Na sua opinião, e na de vocês também - ela olha ao redor, todos estavam a observando - acha certo atacar alguém, sem mais nem menos, sem ao menos nem nunca ter conversado com ela? Está na hora de vocês pararem de ser idiotas!

- Não... - ele abaixa a cabeça

- Se vocês querem realmente nos destruir... Que destrua, luta com suas forças... Só não envolva as crianças, fazendo as mesmas serem da mesma maneira que vocês... Pessoas horríveis, sem coração... Que não tiveram a oportunidade de escolher ter sentimentos ou não... - Ela levanta, abaixa a cabeça. O garoto vem e abraça a cintura dela. Crianças e adolescentes imitam... Simples palavras fizeram elas abrirem os olhos? Elas estava pela primeira vez, sendo protegidas por alguém que nunca tinham visto antes...

- Crianças vão com o tio Marco, com a tia Allysson e com o tio Cauê tá? - elas concordam e obedecem ela - A vocês adultos, se quiserem acabar comigo, boa sorte, por que... Isso aqui não é uma simples arma meus queridos - Malena aperta um botão, a arma vira uma bazuca, um pouco menor do que as normais.

Um homem corre na direção da mesma. Ela pega uma das balas especiais e coloca dentro da Bazuca. Malena aperta o gatilho, faz um barulhão e o homem é dizimado. As pessoas a olham com espanto e saem correndo. Um sorriso se forma no rosto da mesma... Depois de tantos anos tudo iria voltar a dar certo novamente...

- Vencemos não é? - ela deixa a bazuca no chão e abre os braços olhando para todos nós lá de cima da pedra.

[...]

- Crianças... Esse foi o passado de seus pais - Allysson contava para seus sobrinhos na sala.

Estavam todos reunidos pois Marco e Cauê estavam completando 5 anos de casados.

Daquelas crianças eles haviam adotado duas... Amanda e Ana, ou Aninha, como preferir.

Malena e Sandra não voltaram a namorar. Allysson estava solteira e sem filhos... Bom... Ela adotou cachorros.

- E acabamos de descobrir que nossos pais são uns safados - Amanda diz rindo enquanto Cauê ria junto bagunçando seus cabelos.

- Fala nada não por que você a Soph tão iguaizinhas - Ana retruca a irmã rindo.

- Ai para de besteira, somos amigas só... - Ela cruza os braços e Marco abraça ela

- Eu e o Cauê também éramos só amigos hehe - Marco fala fazendo Malena, Allysson, Sandra que estava com o Shake no colo, Jean e Emily, ambos adotados por Malena, sim, ela havia adotado o garoto que furou seu pé, Anna e Luíza, filhas adotadas por Sandra e Aninha rirem.

Cauê abraça Tt, deixando seu nariz no pescoço do maior.

- Obrigado por sempre ter estado do meu lado...

- Te amo goido

- Também te amo Tt - eles se encaram e Marco puxa ele para um beijo apaixonado, caloroso.

Ana e Amanda abraçam cada uma, um dos pais.

- Amor Eterno? - o maior pergunta para o mais novo.

- Amor Eterno. - eles encostam a ponta de seus narizes...

•|The End|•


Notas Finais


Obrigada por lerem
Espero que tenham gostado
Desculpa qualquer erro
Tenho outras fics/ones
Amo vcs
Bjs da Mary e fui! Tchau

Twitter: ShippersKawaii // CentralBueno
Insta: Tt_e_Caca_my_angels // CentralBueno
Canal: 2 Shippers Lokas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...