História Amor incontrolável - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Visualizações 24
Palavras 1.318
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bem-vindos para mais um capítulo.
Espero que gostem, boa leitura.

Capítulo 15 - Esperança


Fanfic / Fanfiction Amor incontrolável - Capítulo 15 - Esperança

Caminhei para fora da nave, tentei imaginar o que é que um ex-escravo queria de mim agora, eu não era um escravo mas sim um fugitivo, tal como qualquer um que estava dentro daquela nave. Parei à frente dele à espera do que ele tinha para dizer.

            _ O que é que andas aqui a fazer? Se já não trabalhas para o Freeza, o que te traz por cá? – Ele parecia curioso e desconfiado.

            _ São assuntos meus. – Eu não queria arrastá-lo para aquilo. – Mas não te preocupes já estamos de partida. Amanhã já não nos vês cá. – Virei as costas e ele agarrou-me no braço. – O que é que foi agora? – Fiz força para ele me soltar.

            _ Eu lembro-me daquela terrestre. Ela era uma cientista na Terra, o que é que ela faz aqui? – Virei-me de volta para ele.

            _ Já te disse que são os meus assuntos. O que é que isso te interessa, já estás no teu planeta. – Virei-lhe costas novamente e comecei a caminhar.

            _ Se precisares de mim avisa.

            Entrei na nave, a Bulma estava na rampa de acesso e entrou juntamente comigo, ela tinha a Iara nas costas dela a dormir. “Tão bonitinha.” Peguei na Iara com cuidado, e levei-a até a cama. A Bulma ficou à minha espera. Fomos os dois para a sala do piloto, comecei a levantar voou com a nave, depois de uns minutos quando já estávamos no espaço a Bulma levantou-se aparecendo momentos depois com dois cafés. Eu ainda ia estar ali mais uma hora, pois queria garantir que não estávamos a ser seguidos. Tomamos os dois o café, enquanto conversávamos um pouco. Como durante o dia eu treinava, ela aproveitava a minha falta de sono para conversar. Depois de quase uma hora de conversa.

            _ Vegeta... Depois de digitares as coordenadas queres... acabar... o que... – Ela estava a ficar corada. – não fizemos... da outra vez. – Eu corei na hora que ela acabou de falar. Na ultima noite a Iara apareceu no quarto novamente e nós deixamos o que estávamos a fazer a meio.

            _ Bem... se tu queres... – Também corei.

Digitei as coordenadas. E fomos para o quarto. Ela mandou-me para a cama e sentou-se em cima de mim. Começou a beijar-me. Foi mais uma noite de prazer. Comecei a acordar a Bulma ainda estava a dormir ao meu lado. Abracei-a e beijei-lhe a face. Ela começou a acordar, ela sorriu e beijou-me, levantou-se primeiro que eu, foi a casa de banho como normalmente fazia, mas desta vez ela começou a fazer um barulho estranho.

_ Bulma, estás bem? – Antes que ela responde-se, entrei. – Bulma o que se passa?

_ Não sei, estou enjoada. – Ela vomitou mais uma vez. Passado um pouco saiu da casa de banho.

_ Senta-te. – Ela sentou-se e começou a chorar. Eu fiquei de joelhos à frente dela. – Bulma está tudo bem.

_ Vegeta... – Ela só dizia o meu nome.

_ Bulma, podes-me explicar essa choradeira toda?

_ O que é que vamos fazer se eu estiver grávida?

_ Como assim? O que vamos fazer? Tu não querias um bebé? – Ela já me tinha dito inúmeras vezes que queria ter um bebé.

_ Sim, eu quero. Mas tu nunca disseste nada a respeito disso... – Abracei-a e dei um beijo na barriga dela.

_ Eu quero ter um bebé contigo. – Sorri-lhe. – Mas para já não contes a ninguém. Ainda não temos a certeza de nada. – Ela acenou com a cabeça a confirmar.

_ Não te preocupes com isso. Não vamos dizer nada por agora. – Ela deu-me um beijo no rosto.

Depois desta conversa passou-se quase um mês, aquilo tinha sido apenas um enjoou, não estava grávida. Fiquei um pouco desiludido, mas também um pouco aliviado, íamos para o meu de uma guerra, não queria a Bulma grávida lá. A Iara tinha despertado parte do poder dela adormecido, ela era extremamente forte e determinada. Estávamos a um dia do planeta Terra, eu queria ver como é que estava a evolução de todos mas tinha especial interesse na do Table e do Goku, pois da Iara acompanhei de bem perto. O Goku estava animado para me mostrar a sua força, colocamos-nos em posição de combate, o Goku avançou sem hesitar, dando-me um chuto no ombro, defendi a tempo ele estava mais rápido do que antes e mais forte, dei-lhe um soco no peito, ele agarrou-me o punho, trocamos alguns golpes sempre conseguindo defender um do outro, subi o meu Ki e transformei-me em super saiyan, avancei para cima dele dando-lhe um soco na face, ele recompôs-se rapidamente e também se transformou. Fiquei impressionado, “Será que temos uma esperança?”. Continuamos o combate, agora ainda mais empolgados. Eu ainda tinha cartas fortes guardadas. Apareci atrás do Goku dando-lhe um chuto nas costas, fazendo-o ir ao chão.

_ Table é a tua vez. – Ele avançou e o Goku retirou-se orgulhoso, tinha visto a minha expressão de espanto ao vê-lo em Super Saiyan.

Mais uma vez estávamos em posição de combate, eu esperava não me desiludir desta vez. Ele parecia estar nervoso e a respirar fundo, desta vez eu avancei para cima dele, dando-lhe um soco no peito, ele não defendeu, mas rapidamente contra atacou, dando um soco no meu rosto eu desviei, mas não com muita facilidade, ele também estava mais rápido, sem hesitar deu-me um golpe na perna, e desta vez acertou, contra ataquei rapidamente, dando-lhe um soco no estômago, ele não conseguiu desviar. Ele afastou-se um pouco e elevou o Ki dele, quando o vi com o cabelo loiro e olhos verdes azulados, não escondi o sorriso, também me transformei, ele avançou para mim, trocamos alguns golpes, uns acertando outros não. Dei-lhe o golpe final mandando-o ao chão. Tanto a Ako como o Bardock lutaram contra mim também, todos tínhamos evoluído bastante, eles também se conseguiam transformar em super saiyan.

Senti uma presença familiar, muito familiar. Não sabia se era bom ou não, mas fiquei satisfeito, virei-me na direção daquele Ki, sorri, um punho passou ao lado do meu rosto. Começamos um combate como já era costume, aquilo era como se fosse o nosso cumprimento. Fiquei em super saiyan e ele também, começamos a trocar golpes, olhei para o Bardock e para o Goku eles estavam felizes por ele estar aqui, mas pareciam surpresos, talvez pela força que ele tinha e não aparentava ter. Terminei mais um combate a ganhar.

_ Merda, parabéns Vegeta-sama, duas mil vitórias. – Disse ele aborrecido. Fazendo uma vénia em sinal de gozo.

_ Nunca vais estar ao meu nível, Raditz. – Falei num tom arrogante. – Já agora o que estás aqui a fazer?

_ Soube que tinhas desaparecido, e soube também que a cientista e três aprendizes teus tinha desaparecido na mesma altura. Eu já sabia que gostavas da Bulma, mas tanto para fugirem e viverem o vosso romance não. – Eu corei na hora e olhei para a Bulma que também estava muito vermelha. – Mas não sabia que o meu pai e o meu maninho, também estavam aqui.

_ O teu maninho é um dos meus aprendizes.

_ A sério? Não sabia. – Ele olhou para a Ako e arregalou os olhos. – Ako-sama. – Ele fez uma vénia imediatamente.

_ Não precisas disso, Raditz. – Ele endireitou-se.

_ Vegeta, qual é que é a tua ideia? O que é que fazem aqui?

_ Destrói todo o teu equipamento eletronico. – Ele fez sem hesitar e sem perguntar nada. – Vamos conquistar a Terra.

_ Enlouqueces-te? – Ele estava realmente surpreendido.

_ Talvez. – Olhei para a Bulma, e para o pai dela. – Eles merecem ter o planeta deles de volta.

_ Vegeta, o teu pai está lá. Se ele te descobre estás feito.

_ O quê? O que é que aquele velho está lá a fazer? – Isto não podia estar a acontecer. – Vamos na mesma. Bulma tens um laboratório subterranio certo?

_ Sim, Vegeta. Ele é seguro.

_ Vamos para lá agora. – Espero que tudo corra como planeado.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, digam o que acharam nos comentários.
Beijinhos até ao próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...