História Amor inesperado - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ashley Benson, Demi Lovato, Ian Harding, Keegan Allen, Lucy Hale, Pretty Little Liars, Shay Mitchell, Troian Bellisario, Tyler Blackburn
Personagens Ashley Benson, Demi Lovato, Lucy Hale, Shay Mitchell, Troian Bellisario
Tags Troian Bellisario; Keegan Allen; Adam Sandler; Romance; Spoby;
Exibições 60
Palavras 2.220
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AEEEEEEEEEEEEEEE minhas gatinhas!

Tudo bem com vocês? Desculpem a demora a minha vida anda um mar de confusão. Além do meu trabalho (agente de turismo) estar me escravizando eu ainda fui convidada para ser madrinha do casamento da minha prima-irmã que está chegando já e ao mesmo tempo tentando manter um relacionamento com meu namorado. hahahahahhahaha Essa vida de namoro trás muitos compromissos jantares de família, aniversários, datas comemorativas em duas casas. Enfim, estou me virando em mil partes. Sem falar na redecoração do meu quarto que está ocupando bastante meu tempo. Me perdoem MESMO pela demora. Mas como ninguém quer saber da sua vida Angelique, rs melhor ir ao que interessa! Um capítulo novo e cheio de emoção para vocês.

Te falar, fiquei emocionada com a cena da lembrança da infância deles.

<3

Capítulo 26 - Ele se foi...


Fanfic / Fanfiction Amor inesperado - Capítulo 26 - Ele se foi...

***

 

Anoiteceu rápido naquele dia, quando Troian chegou em casa estava tão silencioso que mal podia acreditar. Estacionou o carro na garagem e logo viu que faltava algo ali. Quando vinha do estúdio com Keegan ele sempre chegava antes dela em casa para evitar falatório. Seu carro cinza claro lembrava o tom azulado brilhante de seus olhos e eles combinavam perfeitamente com tudo dentro daquela casa. Como num flash veio a sua mente a noite em que descobriu a traição de Patrick. Tinha ficado tão chateada naquele tempo que não parou para pensar que terminar um relacionamento não significava que teria que terminar com sua amizade. Ele era um bom amigo antes de se tornar seu noivo. Seria alguém com quem distrair-se caso Keegan faltasse, só que essa opção pareceu nunca ser realizável. Era triste que apesar de ter milhões de pessoas amigas que se importavam com ela ao seu redor se sentisse tão sozinha. Era Keegan que trazia a diversão para sua vida e perceber isso nesse momento era ainda mais deprimente do que saber que ele a odiava. Troian atravessou o caminho entre a porta do seu quarto e o banheiro sem ânimo e afundou na banheira de hidromassagem.

 

— Ao menos algo para tirar minha cabeça dessa confusão — suspirou.

 

Não havia nenhum de seus irmãos em casa, Michael não dava sinal desde quando brigou com Chad na frente de todos e desde aquele dia sua vida virou de cabeça para baixo. Ou será que era tudo praga do Patrick para que ela não fosse feliz nunca mais!? Nicholas estava com David na casa de umas amigas e levaram as gêmeas com eles, disso ela sabia. Deborah ligou para avisar que levaria os quatro nesse final de semana, só que estava faltando gente. Onde estavam Chad, Julie e Sean? Ela se esticou sobre a banheira para pegar a alça de sua bolsa que estava jogada no chão de qualquer jeito. O choque de temperatura fez com que ela se encolhesse e escorregasse a barriga sobre a cerâmica da banheira. Pegou o celular no bolso e se refugiou novamente no calor da água. Não havia nenhuma mensagem de Chad tentou ligar três vezes, mas só dava ocupado, então desistiu.

 

— Ele deve estar ocupado com alguma mulherzinha… Acalme-se Troian, seu irmão não vai desaparecer da face da Terra. Lucy tem toda razão eu estou ficando paranóica e qualquer um estranharia esse comportamento.

 

Bufou.

 

— Até ela perguntou se eu tinha algo a mais com meu irmão. — A raiva chegava a ser exaustiva, Troian socou a superfície da água molhando toda a parede a sua frente e afundou a cabeça na tentativa de esquecer todo aquele pesadelo. O banho durou muito mais do que ela esperava, à noite já estava linda ao lado de fora de sua janela quando se preparou para dormir e nada de seus irmãos. Ela secou os cabelos, penteou e desceu para a sala com o celular nas mãos. Outras cinco chamadas para Chad e nada dele. Dessa vez chamou até cair na caixa postal e ele não atendeu. Suas mãos gélidas apertavam o aparelho apreensiva, e se ele tivesse mesmo saído da casa dela para não causar mais problemas? Andava de um lado para o outro sem saber o que fazer. Ele não seria capaz de simplesmente fugir como se nada tivesse acontecido seria? Quantas vezes teria que dizer que ele não era o culpado pelo que aconteceu? Aquela briga com Michael era inevitável e ele estava drogado… Mais uma vez drogado. Troian sentou-se no sofá da sala segurando o celular, discou o número de Sean e parou antes de realizar a chamada. Ela estava tão preocupada consigo mesma que esqueceu dos problemas de Michael, ele precisava dela e se preocupava o bastante para começar uma briga por sua causa. Nenhum deles deveria estar brigando dessa forma fizeram o que fizeram porque se preocupavam com ela. Afinal, esse não era o espírito de uma família de verdade? Por mais única que fosse a formação familiar dela eram aqueles garotos que a viram crescer. Troian ligou mais uma vez para Chad, porém, teve o mesmo resultado. A caixa postal do aparelho. Ele estava com problemas ou tinha excluido ela da vida dele mais uma vez. Sem encontrar uma saída se pôs a chorar sozinha sobre o sofá daquela sala. Aquela casa vazia onde as paredes cor gelo faziam ela se sentir ainda mais sozinha do que realmente estava. Era uma loucura ter os irmãos Bellisario por perto, mas cinco mil vezes pior não tê-los. As lágrimas se espalharam por seu rosto rápido com uma urgência incapaz de se conter. Problemas pessoais nunca foram seu forte, Troian podia ter o poder de lidar com qualquer personagem e criar performances inesquecíveis a frente das câmeras, mas nunca teria a mesma desenvoltura quando se tratasse de sua própria vida.

 

O silêncio absoluto que ocupou a mansão durante aquele dia tinha sido perturbador o bastante para que Chad entendesse o que deveria fazer. Já causou problemas o suficiente para uma vida inteira, ele não era bem-vindo naquela família e talvez nunca fosse. Ele se levantou da mesa do café-da-manhã e saiu de casa sem que a senhora Pratt emitisse uma só palavra. Talvez ainda estivesse em choque com o que ocorrera, talvez apenas odiasse demais para colocar para fora. Aquilo lhe pareceu um convite aberto para o que já pensava fazer. As despedidas machucavam demais sobretudo quando eram com pessoas que ele se importava tanto. Troian sempre foi muito mais que uma irmã para ele, ela era sua melhor amiga. E diga, qual pessoa nesse mundo nunca se apaixonou por seu (a) melhor amigo(a)? Ninguém podia lhe atirar uma pedra por isso e agora sabia melhor do que ninguém. Há pouco tempo Ashley Benson estava apaixonada por Keegan o ex-namoradinho da Troian. As duas brigaram durante semanas por causa dele e ainda sim o cara de pau tinha tido a coragem de julgar Troian quando soube do ocorrido. Ela foi boba, generosa demais por não jogar isso na cara dele. Chad tampouco sabia dessa situação antes, senão teria jogado a informação com um balde na cara de Keegan. Porém, precisou ler o diário da irmã para entender o que estava acontecendo. Ele caminhou três quadras refletindo sobre sua vida. Tinha recebido uma boa proposta de seu pai para atuar em um novo projeto na Califórnia com os mesmos produtores de “The O.C” e “One Tree Hill”. Seria uma ótima chance de aceitar não? Donald sempre esteve ao lado dele nos piores e melhores momentos, quem sabe por ele ser um pai tão bom que ele nunca deixou que as atitudes dos meio-irmãos o perturbasse tanto. Caminhar sempre lhe pareceu a melhor opção quando estava com muitas coisas na cabeça, usar o carro chamaria muita atenção e isso era o que menos desejava naquele momento. Sua cabeça estava uma bagunça total. Lembranças invadiam sem que pudesse separar qual era qual.

 

— CHAD! CHAD!

 

Ele olhou para os lados buscando o dono daquela voz. Era Sean. Parou em meio ao corredor do colégio. Seu irmão uniformizado com o costumeiro blazer azul marinho com o emblema do colégio e cabelos ondulados devidamente arrumados parou a sua frente parecendo sem fôlego pela corrida.

 

— É melhor você dar um pulo na quadra… — Sean estava sem graça, tão sem graça que suas bochechas coraram ao dar a informação.

 

— O que houve? — Perguntou desconfiado. Sean olhou dentro dos olhos dele e apoiou a mão pesada em seu ombro tomando ar antes de responder.

 

— Ela é sua amiga não é? — Naquele momento a ficha caiu… Ele falava de Troian. Seu corpo gelou naquele instante. Ela era tão atrapalhada e vivia se metendo em confusões, mas a culpa não era dela. As pessoas deveriam parar de culpar os mais frágeis por seus erros. As mãos de Chad suaram de nervosismo.

 

— O que houve com ela? — A voz soou meio trêmula e ao mesmo tempo temerosa. Ele temia por Troian como se fosse sua irmã de verdade. Ela o acolheu quando ninguém mais fez.

 

Sean soltou o braço e apoiou na cintura recuperando a pose de auto-controle que sempre usava. Uma tentativa de passar para as pessoas a sua volta um poder que não tinha sequer sobre a escolha de um filme no cinema.

 

— Estão divulgando na rádio da escola, parece que o Christopher Reed se machucou sério tentando segurar uma bola que ia na direção de Troian. Ele vai ficar fora do campeonato, o treinador ficou tão puto que proibiu ela de assistir aos jogos para ficar longe dele.

 

— O que ela tem haver com a falta de capacidade daquele merda de segurar uma bola? Ele não deveria ser o melhor do time? — Riu — A Troian não é culpada.

 

Sean deu de ombros.

 

— Diga isso a ele, o cara terminou com ela na frente do estádio inteiro falando que ela lhe dava azar. Tudo de ruim acontecia quando estavam juntos. Foi humilhante…

 

Aquele infeliz, ela estava sentada na arquibancada sozinha quando ele chegou correndo. Aquele lugar vazio fazia toda a coisa tomar uma proporção ainda maior. Chad se aproximou devagar esperando que ela notasse sua presença e funcionou. Ela endireitou a postura e fungou o nariz fazendo o barulho de quem estava prestes a desabar em lágrimas, mas se segurando. Ela estava com os cabelos amarrados em um rabo de cavalo mal feito e a calça larga do colégio com aquele blazer faziam ela parecer um menino. Porém, ela nunca gostou de saias e vestidos, se usasse ele estranharia ainda mais. Ela era mais bonita assim, com sua própria personalidade. Christopher babaria se visse a Troian nas premiações e pré-estreias de PLL. Com vestidos de rainha, maquiagem impecável e saltos altíssimos ela parecia uma boneca. Hoje graças à Deus inalcançável a um idiota como aquele.

 

— O que você está fazendo por aqui? — Troian virou o rosto avermelhado para o irmão.

 

Chad se conteve em observá-la com atenção quieto.

 

— Se não me engano você tem aula agora… Vá. Não quero te causar problemas também. — E então virou de costas para ele como se aquela atitude fosse o suficiente para expulsá-lo.

 

Ele passou a mão leve pelas costas dela.

 

— Eu não sou o babaca do Reed, não vou embora por meia dúzia de palavras frias suas Bells.

 

Sua mão afagou as costas dela e ele pode sentir o corpo da menina tremendo por dentro. Troian afastou-se dele descendo dois lances da arquibancada como se pudesse perceber que ele sentia sua tristeza e não quisesse que a visse assim. Chad esperou que ela parasse e foi atrás dela, mas dessa vez, parando a sua frente mantendo uma boa distância de segurança. Talvez assim ela não fugisse de novo.

 

A reação dele não pareceu incomodá-la. Chad passou a mão na nuca e deu um sorriso entristecido.

— Você não está chorando… — Afirmou.

 

Ela o olhou nos olhos pela primeira vez parecendo confusa com aquela conversa. Seus olhos aos poucos pousaram nos dele e então foram se enchendo de lágrimas até que por fim viesse o choro. Ela desabou ali naquele momento. Sua voz embaçada saia distorcida, os lábios trêmulos. Ele esperou ali mesmo, longe o suficiente para que sua presença não a assustasse, com medo de tocá-la para um abraço e de repente estar invadindo sua privacidade. Chad sentia o peito apertado por vê-la daquela forma, queria socar aquele infeliz.

 

— Eu não queria que ele se machucasse, não queria. Não foi culpa minha, porque ele não entende? — Desabafou aos prantos.

 

Chad apertou as mãos sobre os joelhos amassando a calça social. Ele queria tanto poder fazer algo para ajudar. De repente, ela se aproximou e jogou o peso do corpo em seus braços. Um alívio tomou parte dele e então finalmente pode abraçá-la dando o conforto que precisava. Ela colocou tudo para fora sem medo de que pudessem ver seu estado apenas se permitindo ser sincera o bastante com seus sentimentos. Ele ficou daquela forma até que a voz retomasse o tom normal e os soluços do choro se desvanecessem. Passou as mãos com carinho nas costas da menina por vários minutos e quando ela se sentiu pronta apenas se afastou agora mostrando uma carinha bem mais aliviada.

 

Ele sorriu para ela de imediato.

 

— Se sente melhor depois de chorar não é?

 

Ela não respondeu com palavras, mas aquele singelo aceno de cabeça já dizia para ele muito mais do que podia desejar.

 

A noite estava plena sobre sua cabeça, ele parou ao lado de um dos bancos da praça com o mesmo sorriso nos lábios daquela noite no colégio. Aquela lembrança o tinha dado uma ideia ótima de como provar sua lealdade a irmã e fazer o correto antes de viajar. Ele puxou o pedaço de papel do bolso da calça e olhou com determinação para o endereço escrito sobre o mesmo. Keegan… Dizia abaixo do endereço. Um taxi vinha ao longe, ele levantou o braço e fez sinal.

 

— Avenida Mollae Viegas, 539. Depois o aeroporto mais próximo por favor.— Disse ao se sentar no banco de trás.

 

— Entendido.

 

Seu celular tocou ele pegou para ver e mais uma vez era sua irmã. Quinta chamada de Troian. Ele ignorou a ligação sabendo o que isso representaria para ela, mas era por um bom motivo. Outra chamada, e ele pressionou o botão “bloquear chamada”.

 

Keegan teria que escutá-lo.


Notas Finais


SIM, o Chad tem razão eu já fui apaixonada pelo meu melhor amigo. Só que não deu em NADA infelizmente e nós acabamos nos afastando apesar dele dizer mais para frente que também me amava. Ai ai... E vocês? Já passaram por isso?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...