História Stalker - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Mistério, Romance, Suspense
Exibições 212
Palavras 1.354
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - Armadilha


Fanfic / Fanfiction Stalker - Capítulo 15 - Armadilha

O garoto falou mais algumas coisas para a delegada, que ressaltou que queria ser notificada caso houvesse outro registro de desaparecimento, então terminaram a conversa. Lauren se sentou e colocou as mãos no rosto, jogando a cabeça para trás, lembrando da imagem que vira mais cedo. Sentiu o sofá se afundar ao seu lado, mas não tirou suas mãos do rosto para ver quem era.

– Ei – a médica tocou no braço da delegada – me conta o que houve.

– Segui aquele endereço – suspirou e tirou suas mãos do rosto – encontrei a Lívia morta no meio do nada. Camila levou sua mão na boca e seus olhos marejaram.

– Mas... – faltou palavras – como? – Lauren pegou sua câmera e colocou as fotos para que Camila visse o corpo da menina – Ai meu Deus! – afastou o aparelho de si – Viu ele?

– Não – colocou a câmera de lado

– Desculpa, mas assim – Julia se aproximou, sentando no sofá ao lado –o que ta acontecendo?

– Tem um louco perseguindo a gente – a médica explicou – e quase matou uma menina, agora matou essa.

– Então agora a princesa fala comigo?

– Ai, desculpa – Camila fala com vergonha – eu estava brava com a Lauren

A delegada suspira e olha para o relógio, tinha que estar no escritório de seu chefe em 20 minutos.

– Quer uma carona até em casa? – pergunta para sua amiga, que confirma – Camila, tenho que ir na delegacia, precisa ir no Hospital trabalhar hoje?

– Pedi afastamento – deu de ombros – mas se puder me levar com você...

– Posso – sorriu de lado

As três entraram no carro da delegada e foram até a casa da ruiva e logo estavam na delegacia, 9:55. Lauren falou para Camila esperar na sala de fora, mas o chefe quis que Camila também entrasse em seu escritório.

– Bom dia, moças – se sentou na cadeira de couro

– Bom dia – responderam juntas

– Acho que não precisamos de rodeios, né – colocou suas mãos em cima da mesa – vocês sabem o que está acontecendo.

– Onde quer chegar? – a delegada o olhava tentando entender o rumo daquela conversa

– Você suspeita de alguém, Lauren?

– Não, ainda não

– Eu sim – a delegada olhou-o sem entender

– Quem?

– Você – Camila direciona seu olhar para o senhor, incrédula

– Como é que é?

– Camila, certo? – a médica assentiu – no dia que “ele” apareceu a primeira vez em sua casa, onde estava Lauren?

– Havia ido embora havia alguns minutos – deu de ombros

– E quando ela chegou, encontrou alguém? – fez um olhar cínico

– Não, já tinha ido embora

– Coincidência, né?

– Isso é um absurdo! – se levantou, batendo na mesa

– É uma hipótese – disse firme, quase no mesmo tom de voz – seja profissional, se não aceita essa hipótese, me apresente outra!

– Eu o segui e achei a casa dele

– E por que não chamou a polícia?

– Fui ver por conta própria antes que ele voltasse

– E o que achou?

– Um mural com fotos minhas, da Camila, Fernanda e mais duas meninas

– Quem?

– Uma delas era Lívia – suspirou, se sentando novamente

– Tirou fotos para mostrar-nos, pelo menos? – negou – imaginei

– Olha, não sou eu, tá legal?

– Tudo aponta contra você – suspirou, massageando suas pálpebras – você é a melhor delegada que já trabalhei, espero realmente que não seja.

– Tudo o que? – franziu o cenho

– Só você recebe os tais endereços, você acha os corpos, seja vivo ou morto e vocês dois nunca estão no mesmo lugar com testemunhas – levantou as mãos

– Fernanda

– Já cogitamos a ideia de você ter comparsa

– Isso é ridículo – a médica riu, fazendo ambos olharem-na – Lauren não teria um porquê para isso.

– Amanhã vou trazer tudo que tenho sobre esse caso – bufou –as gravações e tudo mais, vai perceber como é ridículo me acusar

– Estamos pensando em te afastar do caso, na verdade.

– Vai ser a maior burrada que você pode fazer

– Traz o que você tem sobre o caso, quero repensar sobre te afastar – suspirou

Lauren assentiu e saiu do escritório, seguida por Camila. Parou em um restaurante e sentaram-se em uma mesa na parte de cima, fizeram o pedido e permaneceram em silêncio.

– Lauren? – a delegada levantou seu olhar para encarar Camila – não esquenta com isso, é o caso é mais importante

– Eu vou voltar naquele lugar

– O quê?

– Onde eu achei a Lívia, vou voltar lá – ajeitou-se na cadeira

– Hoje? Que horas?

– Cinco, por ai – deu de ombros – se importa de ficar com a Julia de novo ou quer que te deixe com alguma amiga sua?

– Quero que você não vá

– Sem chance

– Pelo menos leve alguma viatura te seguindo – fez um sinal de “por favor” com as mãos

– Parece que a polícia está do meu lado? – inclinou-se na mesa – eu vou sozinha.

O celular de Lauren começa a tocar com o número da delegacia piscando, logo a delegada atende.

– Alô?

– Mais um – a delegada reconhece a voz de David – Paula Vieira

– 24 horas?

– 48, na verdade

– Ok, obrigada.

Lauren contou para a médica o que havia acabado de saber por David e Camila não respondeu, pois o garçom havia chegado para deixar o pedido de ambas. Depois de um tempo comendo em silêncio, a médica sussurra “me deixa com a Julia” pois ainda estava brava com a decisão da delegada. Começaram a conversar sobre qualquer outra coisa e logo voltaram para a casa de Lauren.

– Você vai levar armas? – Camila estava seguido a delegada enquanto a mesma arrumava algumas coisas em seu carro

– Vou

– Lá tem área? – fez um barulho respondendo que não – isso é loucura!

– Isso é necessário! – a olhou – você percebeu que todos os avisos dá a entender que é você quem ele quer? – aproximou-se, vendo os olhos da médica marejados

– Mas não quero você se arriscando por mim – soluçou quando um lágrima caiu

– Eu volto – limpou a lágrima da médica e beijou-a na testa, sendo abraçada em seguida

Se despediu da médica e sua amiga ruiva, olhando para trás e vendo ambas observarem-na sair com o carro. Ajeitou-se no banco e rumou novamente no caminho que seguiu mais cedo. Quando chegou na parte que deveria virar para a estrada de terra, acelerou para chegar o mais rápido possível, pois já estava escurecendo. Logo estava na última curva que faltava para chegar onde achou o corpo de Lívia, mas não podia passar com o carro pois estava com uma faixa da polícia avisando que ali era cena de um crime. Desceu e acabou de chegar andando mesmo. Ao ficar de pé ao lado do local, iluminou em volta com sua lanterna, vazio. Resolveu andar para ver se encontrava alguma casa, depósito ou até outro celeiro, e então começou a ouvir passos além dos seus. Olhou para trás, os lados e nada, quando voltou a olhar para frente, viu a conhecida máscara branca apontando uma besta em sua direção, levantou suas mãos, querendo algo a mais do que apenas matá-lo ou morrer.

– Calma, vamos conversar

– Você está armada, não quer conversar – sua voz soou conhecida, grossa e rouca, mas não se lembrava de onde – o que quer?

– Paula, Paula Vieira – engoliu em seco, qualquer movimento que ela tentasse, a flecha ia direto em sua cabeça

– Ela é toda sua – girou a cabeça continuando a encarar Lauren – se me entregar Camila

– Você nunca terá ela!

Em um movimento rápido Lauren pegou a arma e sentiu algo espetar seu pescoço. Suas pernas bambearam e a arma caiu de sua mão. Ele havia atirado um dardo com alta dose de calmante na delegada, que foi perdendo seus sentidos e caindo para trás. Sua visão estava embaçada, enquanto lutava contra o desmaio, o homem se ajoelhou ao seu lado ainda de máscara e cobriu o rosto da delegada com um saco preto, antes de desmaiar ainda sentiu sendo pegada no colo e ouviu-o dizer:

– Você já me disse isso, sabia? – e então apagou

– Ela ta demorando – a médica estava aflita andando de um lado para o outro na sala enquanto Julia tentava acalmá-la

– Ela sabe se cuidar, Camila

– São 23 horas – bufou batendo seu pé no chão

Camila e Julia se calaram ao ouvirem alguém tocar o interfone, entreolharam-se assustadas e antes de irem abrir, resolveram olhar na câmera para verem quem era. E então viram o corpo de Lauren no chão. 


Notas Finais


Já que aceitaram um esquenta, lá vamos haha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...