História Amor, meu grande amor! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Bar, Casal, Casamento, Drama, Espiritismo, Moto, Moto Clube, Poesias, Ramones, Rock, Romance, Tatuagem
Visualizações 12
Palavras 1.106
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olarrrr, meus nenéns lindos!
Como vocês estão? <3

Boa leitura <3

Capítulo 2 - Uma bela cigana chamada Juliana


Fanfic / Fanfiction Amor, meu grande amor! - Capítulo 2 - Uma bela cigana chamada Juliana

29/09/2010

- Você e seu irmão não têm juízo mesmo! – gritava minha mãe enquanto eu ajudava a levar a guitarra do meu irmão ao carro – Rafael, por favor, fica de olho no seu irmão. Eu imploro!

- Mãe, ele só vai tocar no bar com a banda dele. Não há nada de novo nisso! Por que tanto desespero?

- Rafael, é um moto clube! Você sabe muito bem como Gabriel fica quando começa a beber. E se ele arrumar briga com aqueles motoqueiros?

Tive que rir!

- Mãe, o Gabriel é quatro anos mais velho que eu! Ele que deveria cuidar de mim, não acha?

- Era o correto, mas esse garoto é um desmiolado! – me abraçou forte – Filho, se cuida e cuida do seu irmão, por favor!

Bilhardona Moto Clube

Chegamos ao Moto Clube e curiosamente apenas mulheres eram membros do mesmo. Tinham homens motociclistas também, mas eram membros de outros MC.

Sentei no balcão enquanto Gabriel e o resto dos meninos afinavam os instrumentos e se ajeitavam. Fiquei olhando aquelas pessoas tão gentis recebendo a banda e fazendo pedidos musicais. Viajei olhando aquela cena. Porque infelizmente nossa geração é a grande geração das pessoas indelicadas, escrotas e grosseiras. Sorria feito um bobo!

- Posso ajudar?

Uma garota tatuada e com o cabelo vermelho me tirou dos meus pensamentos. Ela era tão linda! Não sei como, mas a presença dela me intimidava de uma forma! Aquele visual todo, aquele cabelo longo e sorriso largo. Parecia que ela tinha acabado de sair de uma capa de revista.

- Desculpe, estava distraído! – sorri sem graça – Vou querer um latão, por favor.

- Percebi que estava distraído – ela riu e que risada gostosa!

...

Meia hora depois e essa mesma garota linda que havia me atendido, subiu ao palco para apresentar a banda do Gabriel.

- Boa noite, galera!

Todos gritaram.

- Vamos receber com muito carinho e muitas palmas a banda de um grande irmão nosso Gabriel!

Todos bateram palmas e gritaram.

- Isso aí, meus amiguinhos, muitas palmas e muita energia positiva para a “Banda que paga à vista”.

Ela desceu do palco e parou ao meu lado. Já sabia que ela é amiga do meu irmão, já tinha um pretexto pra puxar assunto!

- Boa noite, galera! – meu irmão gritou no microfone – Cara, que delicia de lugar e de energia isso aqui, hein? Então, “vamo” começar com um cover do Ramones dedicado a dona desse bar, desse Moto Clube e do resto do Rio de Janeiro também – ele riu – Essa se chama “Do you wanna dance?”. Pra você minha amiga, a famosa Cigana Juliana!

Quando a banda começou a tocar, virei pro lado e vi que ela olhava pra mim. Sorri sem graça, estendi a mão a perguntei:

- Do you wanna dance?

Ela riu, segurou minha mão e dançamos! Eu olhava aquele rosto, aquele sorriso e aquele corpo que dançava alegremente. Eu olhava e meu coração disparava. Curtimos o show inteiro dançando com todos que se aproximavam de nós dois e ríamos. Eu me sentia acolhido e feliz.

...

- Tá bebendo sozinho, cara? Depois de dançar com a gostosa da dona desse bar, tu tá bebendo sozinho?! – Gabriel sentou ao meu lado – Tu vai voltar comigo? A gente vai se ajeitar e pegar os instrumentos agora.

- Tô sozinho porque o meu irmão é um grande astro do rock e ficou conversando com todo o bar – sorri bem debochado – Vou sim, vou voltar com você. E sobre a garota: Cara, nós apenas dançamos juntos. Não vejo motivos de ficar importunando.

Gabriel revirou os olhos, levantou e fui arrumar os instrumentos. Assim que ele saiu, aquela linda Cigana puxou uma cadeira e sentou na minha frente.

- Atrapalho? – ela sorriu.

- Não, de forma alguma! – sorri admirando aquele doce sorriso.

- Gostei da camisa. Sou realmente muito fã do Ramones.

Caralho! Eu já amava aquela camisa do Ramones, agora então!

- Eu curto muito, muito mesmo! Adoro quando meu irmão faz cover deles – respondi e dei outro gole na cerveja.

- Você é irmão de um dos meninos da banda? – perguntou enquanto acendia um cigarro.

- Sim, do Gabriel.

- O que tem eu? – ele puxou uma cadeira e sentou – O que os bonitinhos estavam falando de mim?

- Que você é inconveniente e muito convencido – ela respondeu jogando fumaça na cara dele.

Começamos a rir.

- Que isso, Cigana! Eu te coloco em um pedestal e assim que você fala de mim? – fez bico e falou com voz manhosa, com o famoso charme que sempre fazia.

- Ela tá brincando. Estava contando a ela que somos irmãos – respondi.

- Porra, Rafael! Para de ficar falando que tu é meu irmão, cara. Vai manchar minha reputação – ele me deu um tapa no braço.

- Depois de colocar fogo em um apartamento, quebrar o baixo do cara da tua banda porque estava com raiva e de ficar bêbado e querer arranjar briga com todo mundo. O Rafael dizer que é seu irmão é mais que um elogio. Ah, sem falar que você quase apanhou quando chamou os motociclistas de motoqueiros. – ela respondeu seriamente.

- Depois dessa, eu vou até me retirar. Tu vem comigo, Rafael? – ele me perguntou.

- Vai? – ela me olhou fixamente enquanto perguntava.

- Vou? – respondi sem tirar os olhos dela.

- Não, Gabizinho do meu coração. Seu irmão vai ficar conversando comigo e vai ganhar dois latões por conta da casa! – ela respondeu e mordeu o lábio inferior.

- Tudo bem, tudo bem... – ele levantou – Usem camisinha. Não quero ser tio de um filho de vocês!

Cigana e eu ficamos rindo.

- Então, você trouxe camisinha? – ela perguntou seriamente.

- Oi? Como assim? – dei uma golada cheia na cerveja.

- Eu tô brincando!

Rimos novamente, mas eu ria de nervoso mesmo.

- Então, vamos começar o assunto falando do quanto gostamos de Ramones ou vamos falar sobre o quão escroto meu irmão consegue ser? – perguntei e não conseguia parar de sorrir olhando pra ela.

- Eu tenho uma ideia melhor. Um assunto melhor e uma pergunta melhor.

- Pode mandar!

- Qual é o seu maior sonho?

- Meu maior sonho? – comecei a pensar – Eu acho que não tenho nenhum sonho a curto prazo. Mas sonho em me casar e montar uma família.

- Não tem nenhum desejo a curto prazo pelo menos? – ela me perguntou séria.

- Ah, eu tenho vontade de me apaixonar novamente. Tenho muita vontade de viver uma paixão.

- Você quer se apaixonar?

- Sim – sorri.

Ela sorriu pra mim e foi naquele momento percebi que meu desejo tinha se realizado. Eu estava apaixonado por ela! 


Notas Finais


Que lindos! hahahaha <3
O que acharam, nenéns? <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...