História Amor (não mágico) dos Elfos - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~jaebums

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Chinchila, Chinic, Filho De Chinic, Jin!fem, Kooktae, Kookv, Minjoon, Namjoon!fem, Nammin, Propriedade De Chinic, Rapmin, Sobi, Sope, Sugakook, Taejin, Taekook, Vjin, Vkook, Whyseokgirl, Wone, Yoongi!fem, Yoonkook, Yoonseok
Visualizações 333
Palavras 1.692
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Fantasia, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chin; ieieieie
Estou feliz pelo carinho que vcs estão dando pra A(NM)DE
chinic é lindi
Lindo*
Taekook tbm
E é isto ❤

boa leitura galero

Capítulo 5 - Como os Elfos ficam molhados


Taehyung e Jungkook saíram de fininho antes que mais alguém notasse a merda que haviam feito – além da metade dos convidados. Seguiram o resto do pessoal para o quintal da casa, onde o mero jantar havia se tornado em uma festa da piscina; com direito a música alta e muitas bebidas.

Os rapazes ficaram em um canto mais sossegado provando algumas frutas exóticas e conversando sobre assuntos aleatórios. Até que Jungkook viu de relance, Hoseok e uma sereia se engolindo no meio de todos os presentes; trocando beijos sedentos e ardentes, em seguida viu Yoonji se afastando do local da festa e adentrando bosque à fora.

– Hyung, vou atrás de algo para beber.

– Mas aqui tem água, Gukkie. – estendeu uma garrafinha de água mineral ao mais novo.

– Eu sei, mas quero um pouco de água do lago.

– Ah, tudo bem então. – o castanho deu de ombros – Só não demore muito.

– Certo.

O jovem elfo se embrenhou em meio os galhos do bosque, tão logo avistando o lago. De fato estava com sede e, no fundo, tinha a esperança de encontrar Yoonji ali.

Jungkook se aproximou do lago e curvou-se para beber um pouco da água doce.

– Argh! Está salgada! – cuspiu o líquido e estranhou tal sabor. – Como isso é possível? A água desse lago sempre foi tão doce.

Após alguns segundos de silêncio ouviu um choro baixo. Olhou atrás de uma pedra e viu Yoonji ali, chorando.

Agora tudo fazia sentido.

– Você está bem, Yoonji noona?

A fadinha tomou um susto e tratou de secar as bochechas molhadas. – Você ia beber água? Me perdoe Gukkie, eu sempre esqueço que as lágrimas de uma fada salgam a água dos lagos.

– Tudo bem. – sentou-se ao lado dela e segurou a sua mão – Mas a água de um lago só fica salgada se a fada chorar lágrimas de amor... Yoonji, quem quebrou o seu coração?

– Hoseok.

O moreno ficou pensativo por alguns segundos, mas sem hesitar, inclinou-se até a fada e deixou um beijo estalado em sua bochecha, sorrindo.

– Dizem que beijos de elfos curam corações partidos.

– Obrigada Gukkie, mas acho que nem um milhão de beijos vão fechar essa ferida. – Fungou e saiu voando no céu.

Jungkook suspirou. A probabilidades de Yoonji sentir por Hoseok o que ele sentia pela fada era grande, mas nunca fora muito em matemática, então não se martirizaria no momento sobre isso.

Em passos curtos, voltou até a festa. Via gente correndo com copos na mão e pulando na piscina, fadas se beijando como se não houvesse amanhã, duendes e gnomos conversando perto demais.

O Jeon não entendia como esses seres conseguiam deixar as regras de lado e simplesmente viverem a juventude. Talvez ele fosse fraco demais? Nunca passara por sua cabeça que, na verdade, se relacionar com alguém da mesma espécie não era um pecado – sempre ouvira falar que um elfo deveria se relacionar com uma fada, ou em outros casos, os raros, sereias.

Ao ponto que ficava mais longe de sua inocência, Jungkook percebeu que deveria andar na linha, arrumar sentimentos por alguma fada e, se fosse conveniente, se atrelar a ela logo. Se aproveitava em excesso do que sentia por Yoonji. Talvez tais sentimentos não fossem tão extensos, mas existia ali uma necessidade de se encaixar nos padrões – ele não seria tolo o bastante para deixar uma oportunidade como essa passar, além de que, o que sentia pela fada era verdadeiro, tinha certeza disso.

– O que aconteceu? – Taehyung lhe perguntou logo que chegara. – Está com cara de elfo perdido.

– Eu encontrei a Yoonji no lago, estava chorando e disse que o Hoseok quebrou seu coração.

– Aquele duende…

Falando no diabo, Hoseok surgiu de repente; seria uma imensa sorte conseguir evitar o Jung durante todo o 'jantar', o que não iria acontecer.

– Hey, elfo, o que faz aqui?

– No momento estou segurando a vertigem que me apareceu quando olhei pra essa sua cara. – Grunhiu, assustando a todos presentes, o que incluia Jungkook.

– Hyung...

– Tsc, tsc, você acha mesmo que consegue me ofender, não é? – Se aproximou dos dois elfos. Taehyung não esboçava reação alguma, as mãos nos bolsos da calça social e os olhos cansados. Jungkook se comparava a um filhotinho encolhido. – Quem você pensa que é?

– Alguém muito melhor do que você, pode ter certeza.

– Por favor, mais um show hoje não, Tae.

– É, Tae, seu namoradinho tá pedindo, por que vocês não arrumam um quarto e-

– Wow, vamos com calma, cara – Jungkook odiava brigar, odiava a ideia de trocar machucados para resolver qualquer que fosse o problema. Discutir, entretanto, poderia ser uma maneira mais pacífica de saírem daquela situação – embora não fosse a melhor.

– Quer se envolver também, Jeon? – Hoseok riu, todos os olhos estavam em cima deles. – Tudo bem, posso dar conta dos dois. São apenas elfos, de qualquer jeito.

– Você não disse isso, não disse mesmo.

Jungkook carregava uma política severa de evitar agressão física até onde fosse possível, mas, cacete, já estava farto da voz, das ofensas, da existência de Jung Hoseok. Portanto, antes que a carga de coragem e adrenalina escapulisse de suas veias, tratou de lançar o punho fechado na direção do rosto debochado do duende.

Infelizmente, Hoseok fora mais rápido – surpreendendo a todos – imobilizando o braço de Jungkook. O silêncio no lugar apenas foi cortado quando o Jung, segurando na gola da camisa social do elfo, o jogou dentro da piscina.

– Seu idiota!

Sem pestanejar, Taehyung pulou na água gelada, salvando seu dongsaeng que se debatia sem fôlego. O Kim sabia muito bem como Jungkook odiava nadar, não era nenhuma surpresa o encontrar fungando e com os olhos vermelhos por tentar segurar o choro.

– Fica calmo, eu vou tirar a gente daqui, Gukkie.

Após saírem da piscina, Taehyung abraçou os ombros do Jeon e empurrou a todos até conseguirem chegar a saída. Os amigos se surpreenderam ao verem Yoonji oferecendo duas toalhas antes que fossem embora, a fada ainda xingou Hoseok, dizendo que faria o duende se afogar no próprio ego.

– Ele ainda vai ter o que merece, noona, não se chateie por causa dele – Jungkook disse. Os elfos tremiam por conta do vento gelado que batia em seus corpos molhados. – Nós já vamos, até mais.

– Tchau, rapazes.

Entretanto, à caminho da casa de Taehyung, os amigos sentiram suas peles ficando grudentas e com um cheiro esquisito.

Pudera, havia uma mistura com cola nas toalhas que Yoonji havia os oferecido.

– Maldita fada negra! – Taehyung praguejou, sentindo uma coceira desconfortável nas costas – Precisamos dar um jeito de chegar logo em minha casa, Gukkie, antes que essa cola seque!

 – Sinto muito, hyung, mas você sabe que ainda não sei usar minhas forças elementais muito bem.

– Sem problemas. – Taehyung sorriu, segurando Jungkook pela mão – Apenas confie em mim.

E em um passo de mágica estavam parados na porta da casa do elfo Kim, e o mais importante: Conseguiram fazer um teletransporte bem sucedido e ainda estavam com todas as partes do corpo.

– Você conseguiu, Tae! – elogiou o mais novo, enquanto passava a mão discretamente nos braços para ter certeza de que estava inteiro – Ufa, da última vez que fizemos um teletransporte, você deixou um dos meus braços na biblioteca.

– Foi sem querer, Gukkie!

– Eu sei, eu sei. – riu, seguindo o castanho para dentro da casa.

– Agora entra logo, precisamos tomar banho e vestir roupas quentes.

 

Taehyung sorriu ao ver quão adorável Jungkook ficava ao trajar suas roupas. Aquela não era a primeira vez que o Jeon vestia algo seu – estava longe de ser – mas nunca mudava o fato de ele se assemelhar ao Jungkook de anos atrás; a criança arteira e que não assumia as traquinagens que fazia – sempre sobrava para o Kim.

Antes de começarem a bocejar, resolveu que faria um chá para acalmar todos aqueles ânimos e pensamentos borbulhantes sobre o jantar. Precisava exageradamente de sua cama, horas e mais horas de sono, porém tinha sua única prioridade ali: Cuidar de Jungkook.

– Quer açúcar? – gritou da cozinha.

– Um pouco, hyung. Você sabe que muito açúcar me deixa acordado até tarde.

Riu, isso era uma grande mentira. Talvez café pudesse deixar Jungkook acordado, mas eram raros os momentos que o Jeon optava por uma xícara do líquido escuro.

– Isso não é verdade – disse, entregando o copo fumegante de chá de eucalipto ao amigo. – Você que gosta de dormir quando o sol está nascendo.

– É, não posso discordar de você, Tae.

Ficaram ali, alguns minutos em um silêncio confortável e aconchegante, onde eram embalados por grilos e corujas que inundavam o bosque.

– Acho que está na hora de dormirmos, Gukkie.

– Está tão cedo.

– Que nada, vamos logo. – insistiu o mais velho.

– Tá, mas aonde eu vou dormir, hyung?

– Na minha cama, ué.

Seguiram até o quarto do mais velho, Jungkook não polpou esforços ao se jogar na cama de casal, se enfiando na coberta quentinha e que tinha o cheiro doce de seu hyung.

Antes que pudesse – finalmente – se deitar e tirar algumas boas horas de sono, Taehyung notou seu celular vibrando em cima de sua penteadeira. Bocejou, desbloqueando o aparelho, vendo cinco chamadas perdidas de Seokjin e mais de quinze mensagens. Olhou o aplicativo por instantes, voltando sua atenção ao Jeon, espalhado em sua cama, os olhos mal conseguiam se manter abertos. Engoliu em seco, suspirou e largou o celular de volta em seu lugar.

Jungkook não perguntou nada depois de se deitar, agradeceu por isso; não estava com um pingo de vontade de falar sobre seu relacionamento com Seokjin, nem mesmo com seu melhor amigo.

Se ajeitaram na espaçosa cama, um de frente para o outro. Taehyung arrumou os fios que teimavam em cair em frente aos olhos de Jungkook. – Você tem que cortar esse cabelo, está enorme.

– Não, eu gosto assim.

– Eu também, você fica muito mais atraente com ele. – Resmungou. – As fadas vão cair matando em cima do meu dongsaeng, não posso permitir isso, hum?

Riram, a verdade na frase do Kim quase passando despercebida. Mas Jungkook havia notado, e não era a primeira vez.

Talvez Taehyung só fosse protetor demais.

Eram melhores amigos, afinal.

– Descansa bastante, Gukkie, amanhã teremos um longo dia.

– Mas amanhã é sábado, hyung.

– E amanhã começa o seu treinamento para conquistar Min Yoonji.


Notas Finais


se tiver erro culpem a whyseokgirl, ela que betou
até o próximo #war #chinic


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...