História Amor? Nunca Foi Tão Doce! - Capítulo 167


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Professor Faraize, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Castiel, Docete, Lysandre, Nathaniel
Exibições 202
Palavras 1.352
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Escolar, Fantasia, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá gente <3

Postando o capítulo que eu estava devendo a vocês <3

Boa noite a todos <3
Boa leitura!

Capítulo 167 - "E Vamos Descobrir A Verdade De Tudo"


Fanfic / Fanfiction Amor? Nunca Foi Tão Doce! - Capítulo 167 - "E Vamos Descobrir A Verdade De Tudo"

-Você está muito perto Mellanie – Castiel afastou-se um pouco da menina.

-Desculpa, eu... Desculpa. Tive uma recaída – Mel o encarou envergonhada.

-Castiel? – Lizzy apareceu do lado do carro – Mellanie?

-Lizzy! – Mel se assustou por um momento – Oi... Oi...

-O que está acontecendo aqui? – Lizzy cruzou os braços, esperando uma resposta plausível.

-Nada não, eu só estava conversando com o Castiel – A loira tentou se explicar – Na verdade, eu o vi bastante mal ai fiquei preocupada...

-Hum... Eu acho que todos sabem que o Castiel não gosta muito de ouvir conselhos, principalmente nessas horas...

-Mas a Mellanie quis arriscar – O menino tentou evitar mais perguntas – Enfim, ela já estava indo embora mesmo não é?

-Claro. Claro que eu estava indo embora – Mel ficou sem graça – Espero que fique bem Castiel, e qualquer coisa... Podemos conversar.

-Claro, eu acho.

Mellanie cumprimentou Elizabeth, e foi em direção à casinha.

-O que vocês estavam fazendo?! Já pensou se a Jane visse vocês dois dentro do mesmo carro, e tão perto desse jeito como estavam?! O que acha que ela ia pensar?!

-Agora não Lizzy... Não vai dá uma de “Mãe” para cima de mim não, né?

-Se for necessário, claro que vou.

-Pois não precisa, eu sei muito bem me cuidar sozinho.

-Bem adulto o senhor. Deixou sua namorada chorando lá na sala.

-É claro que liga. Mas fala desse jeito para não mostrar que é fraco, como qualquer outro, e que não se importa com as pessoas, quando na verdade se importa.

-Blá...Blá...Blá... Acabou senhorita Lizzy?

-Não precisa me olhar com desdém, tá? Eu já vou indo, tentar dormir o resto da noite que eu ainda tenho direito.

-Pense que isso tudo não estaria acontecendo se você não tivesse a ideia de sair sozinha de casa, para vim atrás do seu namorado.

-Eu tenho certeza que a Anne faria a mesma coisa em relação a você, se estivesse no meu lugar. Se o senhor... Tivesse visto como ela estava chorando por sua má educação...

-Que ela peça consolo para o melhor amiguinho dela: O Eric.

-Não adianta mesmo conversar com você. Tenha uma boa noite Castiel – Lizzy caminhou para dentro da casa, sem ao menos virar-se – Idiota.

No dia seguinte, o grupo resolveu acordar o mais cedo possível, para que Helena e Frank chegassem em um horário bom, para o evento na empresa do senhor Hans.

-Eu liguei para o meu pai – Caroline estava com um pedaço de pão nas mãos – Quer? Estou morta de fome.

-Não. Estou bem – Kentin se limitou a pegar um copo de café – Não consegui dormir direito, e olhe que eu estava com sono, mas enfim... O que o seu pai falou?

-Ele disse que conseguiria o convite. Na verdade, eu pedi dois – Caroline sorriu – Eu sei muito bem que quer está na hora e receber todo o mérito de descobrir o caso. Seria um bom detetive Kentin.

-Quem sabe um dia – O rapaz sorriu discretamente – Se a Mellanie e a Elizabeth forem irmãs, eu ficarei bastante feliz. Se bem que a Mel precisa de alguém para lembrar a ela, que ela tem juízo...

-Todos nós precisamos – Cora suspirou – É bom você falar com a Lizzy sobre isso, qualquer coisa, eu entrego os convites a você na sua casa, antes da festa, é claro...

-Sim. Pode ser.

-Ótimo – Caroline comeu o resto do pão – Nos falamos depois.

-O que acha Ariel? Acha que ele vai gostar? – Jane fazia uma bandejinha com algumas comidas – Espera, aqui: Café, pão com ovo, e maçã...

-Por que não coloca leite no café? Ou está virando a Helena? – Ariel pegou a caixa de leite- A mãe do Lysandre disse que poderíamos usar...

-Não, não. Castiel odeia café com leite – Anne cortava a maçã – E odeia maçã com casa. Sim, isso é frescura.

-Quer que eu pegue alguns biscoitos? – Ariel pegou o potinho.

-Três, só três, eu não acho que ele vá querer tanto – Jane sorriu.

-Acho melhor você se apressar, se não ele pode sair do carro.

-Eu acho que terminei – Jane olhou com satisfação para a bandeja que acabará de montar – Eu acho que depois dessa, ele vai me desculpar.

-Eu vou fazer uma para o Nathaniel – Ariel sorriu – Eu acho que ele vai querer.

-Claro que sim! Quem não iria querer comida?!

-Olá meninas – Alexy entrava na cozinha – Oh! Jane fez uma bandeja com comida para mim?! Que fofa, obrigado!

-Ei! Larga! – Anne o empurrou – Quando você merecer, eu faço uma para você. Essa é a do meu namorado!

-Ah sim! Aquele que NÃO ME DEIXOU DORMIR ONTEM DIREITO!

-Não grita com a Jane! – Ariel pegou uma faca.

-Opa... Vai ter sangue? Eu quero – Helena entrou na pequena cozinha – Jane? Já está comendo tudo? Lembre-se dos seus amiguinhos e de mim.

-Larga essa faca Ariel – Frank seguiu a namorada – Vai acabar se cortando.

-Depois eu lhe ensino Ariel, a como cortar perfeitamente alguém – Helena sorriu.

-Isso é assustador – Jane pegou a bandeja – A conversa está estranha... Eu acho que vou indo pessoal, até mais.

-A saída de Jane, é a segurança que nós vamos ter comida – Alexy sorriu.

Anne caminhou, cuidadosamente até o carro que estava estacionado.

-Castiel? – A menina bateu no vidro do automóvel – Castiel!

-Não estou – Castiel nem ao menos abriu os olhos.

-CASTIEL! – Jane bateu com mais força.

-Jane?! O que... – O rapaz abriu a porta do carro – O que é isso?

-Eu fiz para você.

-Eu percebi isso. Mas por quê?

-Queria me desculpar por ontem, e pela confusão toda e... Por que não usar a comida como um meio de reconciliação?

-Você pensa em comida até nisso?

-Comida salvam vidas e relacionamentos, tá? O que me diz?

-Não vou mentir, estou com fome – Castiel pegou a bandejinha – Entre baleia.

-Você vai dividir comigo?

-Vou. Além do mais, não sou tão ruim assim.

A menina entrou no carro, as portas ficaram abertas.

-Você exagerou na quantidade de açúcar no café...

-Desculpa, na verdade, eu arrisquei – Jane sorriu – Pensei que fosse dá certo.

-Dessa vez eu deixo passar – Castiel piscou o olho – Jane...

-Sim?

-Desculpe por ontem. Eu passei dos limites com o seu... O seu... Amiguinho.

-Tudo bem, eu também tenho que me desculpar – A menina pegou um biscoito – Acho que eu estava sendo legal demais com ele, e você acabou me interpretando mal...

-Entendo.

-Eu lhe amo Castiel – Anne mordeu o biscoito.

-Eu também Jane. Desculpe. Desculpe mesmo, eu acho que estou me sentindo arrependido, é estranho...

-Nunca tinha se sentido desse jeito?

-Sim. É estranho.

Anne desceu do carro e foi para o lado do namorado. Abraçou-o.

-Jane... – Ele ajeitou o gorrinho que estava na cabeça da garota.

-Não me larga, por favor – Ela fechou os olhinhos para sentir o rapaz.

-Não vou largar – Ele a apertou mais – Não vou mais lhe largar minha baleia.

-Meu poste – Ela sentiu um beijo na testa.

Enquanto isso, Katherine e Alexy estavam competindo para ver quem faria a melhor bandeja para o Kentin.

-Eu estou achando que a Katherine e o Alexy foram afetados pela falta de sono, na noite passada – Elizabeth olhava para os amigos.

-Acho que não só ele. Nunca vi alguém dormir tanto como a Gabi – Rosa sorriu.

-Esse café está horrível – Helena fez uma cara de nojo – Está com açúcar!

-Lizzy... – Kentin aproximou-se da moça – Posso falar com você em particular?

-Claro. Vamos para a área de fora... – Elizabeth consentiu.

-Quero lhe dizer que, consegui... Um modo de você conversar com o senhor Black, sobre aquele assunto – Kentin pôs as mãos no bolso – Mas vai ter que ser hoje, a Caroline conseguiu dois convites para a festa do senhor Hans.

-O senhor Black estará lá?

-Sim. E segundo a Caroline, estará disponível para falar com você sobre... Você ser filha dele. E vamos descobrir a verdade de tudo.

-Juro que fiquei um pouco nervosa, depois de ouvi isso.

-Não fique – Kentin segurou a mão da moça, gentilmente – Pense que finalmente vamos descobrir se você é sim ou não irmã da Mellanie, e assim... Eu poderei ser, oficialmente, um detetive.

-Um belo detetive, por assim dizer.

-KENTINNNNNNNNNNNNNN – Alexy gritava da cozinha.

-Essa não – Kentin olhou para Elizabeth.


Notas Finais


CORRREEE KENTIIINNNNNNNN!
\o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...