História Amor Perigoso - Capítulo 6


Escrita por: ~

Exibições 222
Palavras 1.206
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E aí, pessoal? Tudo bom? Comigo tudo bem! Enfim, estou aqui para mais um capítulo, espero que gostem!

Capítulo 6 - A Conversa Anônima


Marinette

Marinette saiu da sala de interrogatórios, e foi para seu quarto. Quando abriu a porta, encontrou Vinicius. Vinicius era o namorado de Marinette, ele era espião também, ele havia viajado, portanto ficou um tempo fora.

- Vinicius! Você voltou! – Disse ela, correndo até ele e o abraçando. Os dois deram um beijo, um beijo profundo, e apaixonado. Vinicius jogou Marinette na cama, sorrindo malicioso, e segurou os braços de Marinette acima de sua cabeça, e continuou beijando-a. Ele começou a dar beijos em seu pescoço, já que Marinette sentia cócegas quando ele fazia isso. Ela soltava algumas risadas, e gemidos. Vinicius tirou a blusa de Marinette, deixando-a somente de sutiã. E então ele continuou com os beijos. Marinette agora, somente soltava gemidos abafados. De repente, a porta do quarto de Marinette se abriu.

- Marinette, eu... – A pessoa que abriu a porta começou a falar. Essa pessoa era Jack.

- Pai! – Marinette gritou, envergonhada. Vinicius olhou para Jack, também envergonhado.

- O que está acontecendo aqui?! – Perguntou Jack, pasmo.

- Nós... – Marinette começou.

- Saia daqui agora, garoto! – Disse Jack, pegando-o pela gola da roupa e o colocando para fora do quarto, e fechando a porta.

- Pai! – Disse ela, sem paciência, colocando a blusa novamente.

- Vocês estavam...? – Perguntou Jack. – Amar é para os fracos! – Disse Jack, quase gritando.

- Isso não é verdade! – Disse Marinette, se levantando da cama. – Por que nunca me fala sobre a mamãe?! Não a amava por acaso?! Por que nunca me diz nada sobre ela? – Marinette sentiu seus olhos se encherem de lágrimas.

- Por que ela merece ser esquecida, mas você não. Você não precisa de um homem ao seu lado, portanto não precisa amar, não precisa ser fraca.

- Como assim ela merece ser esquecida?! De onde tirou isso? – Perguntou Marinette. – Não estou falando dos meus pais biológicos, estou falando da minha mãe adotiva. Que sempre me disse que eu tinha, mas nunca me contou nada sobre ela. – Lágrimas caíram sobre as bochechas de Marinette.

- Ela fez uma coisa inaceitável, que eu não podia deixá-la impune. – Disse Jack, se lembrando do momento.

- Você... você a matou? – Perguntou Marinette, com horror.

- Não, claro que não. Eu amava ela, mas ela não amava você. – Disse ele, se sentando na cama.

- O que quer dizer com isso? – Disse Marinette, se sentando na cama, ao lado de seu pai.

- Quando te achei na rua, já éramos casados, eu te levei para casa, e custei fazê-la aceitar você. Ela não queria você, Marinette. Ela queria ter sua própria filha, não você. Um dia, enquanto você dormia, você tinha quatro, não deve se lembrar... Enfim, enquanto você dormia, ela te sequestrou, e te vendeu para uma gangue de bandidos. Eu consegui te achar no mesmo dia, quase na mesma hora. Matei todos os bandidos que encostaram em você, nem que fosse só segurar, matei todos. E depois, descobri que ela era uma espiã do governo inglês. Eu me separei, e desde então não escutei notícias dela. – Disse Jack, olhando para Marinette em algumas partes de sua fala.

- Eu fui... Vendida? – Perguntou Marinette, se sentindo horrível, ela estava com uma sensação estranha.

- Sim, foi o pior dia da minha vida.

- Qual era o nome dela? – Perguntou Marinette.

- Meghan. – Disse Jack, se lembrando dela. – Tenha uma boa noite, Marinette. – Disse ele, se levantando e saindo do quarto, deixando Marinette com a companhia de somente seu inconsciente.

Adrian

Adrian deixou seus parceiros em suas casas, e logo depois ele foi visitar Brynn no hospital. Ele entrou no saguão e foi até a secretária.

- Olá, eu queria ver a Brynn Stelff, por favor. – Disse Adrian, a secretária abaixou lentamente os óculos e o olhou.

- Olha... A Stelff não está aqui. – Disse a mulher.

- Como assim? Ela não está de plantão? – Perguntou Adrian, sem entender mais nada.

- Olha, desde as seis da tarde ela não apareceu mais, só que a moto dela está ali ainda. – Disse a secretária, com o óculos na ponta do nariz.

- Ela desapareceu? – Perguntou Adrian, um pouco aflito.

- Desapareceu eu não sei... Mas ela sumiu.

- É a mesma coisa! – Disse Adrian, um pouco mais alto que pretendia, chamando atenção de todos em volta. – Obrigado! – Disse Adrian, saindo com raiva. Ele foi até onde a moto de Brynn, e olhou em volta. Adrian pegou o celular, e ligou para ela.

Marinette

Marinette ficou sentada na cama, ela olhou para o lado e viu o celular de Brynn, ela havia esquecido de levar para a sala de evidências, ou para a sala de destruição. O celular começou a tocar, Marinette se desesperou. Ela não sabia se atendia ou não. Mas ela pensou melhor, e não atendeu. Adrian resolveu mandar uma mensagem.

Brynn, cadê você? Estou preocupado. – Adrian mandou a mensagem. Marinette rapidamente subiu a conversa, para ver como Brynn respondia ao Adrian. Ela o chamava de amor, Marinette riu para si mesma. Aquilo seria engraçado.

Brynn – Oi, amor.

Adrian – Onde você tá?

Brynn – Eu tive que sair urgente lá do hospital. Minha amiga teve uma emergência. E precisou de mim.

Adrian – Ah, tá. Me deu um susto, sua moto ainda estava aqui no hospital, então achei que... sei lá, havia acontecido algo de ruim.

Brynn – Ah, não precisa se preocupar, eu estou bem.

Adrian – Quer que eu te busque? Pera, como você foi ajudar sua amiga sem a sua moto?

Brynn – Eu fui a pé.

Marinette inventou mais uma vez.

Adrian – Eu estou te esperando em casa, ok?

Brynn – Não, espera, a minha mãe quer que eu durma na casa dela hoje. Ela está com saudades de mim.

Através do telefone, Marinette ria.

Brynn – Ok, tchau, amor. Tenho coisas para fazer

Adrian – Tudo bem, então... Tome cuidado quando for voltar, qualquer coisa me ligue. Beijos.

Brynn – Ok, beijos.

- Nossa, cara, ele caiu!Disse Marinette, para si mesma. Ela deixou o celular ao lado, e foi se arrumar para dormir. Ela colocou seu pijama, e se sentou na cama, pensando sobre sua mãe adotiva. Marinette foi até sua escrivaninha e pegou seu laptop, e ela começou a pesquisar.

Meghan, Meghan do quê? Smith? Não...

Marinette pesquisava tentando achar sua mãe adotiva, e saber algumas coisas sobre ela. Mas não encontrava nada. Marinette bufou e decidiu pesquisar sobre a vida da Brynn, já que Adrian está falando com ela, e já que Marinette está falando por ela, também.

Adrian

Ele colocou o celular no bolso, e foi para casa. Ele entrou dentro de casa, deixou as chaves no balcão, e foi para seu quarto. Adrian pegou o controle da televisão, e começou a rodar os canais. Até que ele ouve a sua campainha tocando. Adrian se levantou, e foi até a porta, quando a abriu, viu Lila.

- Oi, Adrian. – Disse ela, acenando, sorrindo como uma louca.

- Oi, Lilia. Quer entrar? – Perguntou ele, sorrindo forçado.

- Ah, obrigada. – Disse ela, Adrian abriu um espaço para ela entrar, e depois fechou a porta.

- De nada. – Disse ele, andando atrás de Lila.

- Essa é a casa da sua namorada? – Perguntou Lila, olhando para todos os lados.

- Minha também. Decidimos morar juntos. – Disse Adrian.

- Isso é uma aliança?! 


Notas Finais


E aí, gostaram? Espero que tenham gostado. Muitos beijos e agradecimentos, para todos que leem, apoiam, comentam, favoritam, enfim...

Espero que tenham gostado do capítulo de hoje!

Beijos e queijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...