História Amor proibido - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Família, Família Gay, Gravidez Masculina, Híbrido, Lobisomem, Mestiço, Mpreg, Novela Gay, Romance Gay, Sobrenatural, Vampiro, Yaoi
Visualizações 1.100
Palavras 1.138
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 26 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction Amor proibido - Capítulo 26 - Capítulo 26


Pov. Miguel

-Minha bolsa estourou - falei desesperado e com medo.

- Se acalme-se. Respirei devagar e fundo - Luisa, a mãe do Johnny disse vindo ate mim - Vou tentar ligar para seus pais.

- Não vá, por favor - implorei, estava com muito medo, a cada minuto a dor ficava mais forte e o Johnny não estava aqui, e nem sabia se estava no tempo certo.

- Respire devagar e fundo - pediu mais uma vez e desta vez eu fiz e me senti acalmar um pouco - Tente se levantar, vou te levar para um dos quartos.

Me levantei com dificuldade pela dor latejante e acompanhei ela em passos lentos até um quarto no primeiro andar.

- Agora se deite - concordei e foi me deitar na cama - Vou ligar para os seus pais.

- O Johnny... Por favor - pedi quando senti uma contração mais forte.

- Espera um pouco vou ligar para ele também.

- Háaaa - gritei empurrando meu corpo para frente e o celular que a Luisa estava ligando quebrou - S-Sinto m-muito.

- Parece que eu vou ter que fazer isto sozinha.

[...]

- E um menino... Miguel - a mãe do Johnny falou depois que senti meu corpo amolecer e um choro alto invadi o quarto. Ela veio até mim me entregando meu filho, meu menino.

- Ele é lindo - falei analisando cada traço do seu rosto, mesmo ele ainda estando coberto de sangue, seus cabelos, mesmo sendo ainda poucos, pareciam que seriam castanhos como o meu e os olhos também verdes, ele tinha muito pouco do Johnny, mas o cheiro dos dois era igualzinho.

- Preciso ligar para seus pais e limpar ele - disse limpando o suar da testa.

- Posso segurar ele mais um pouco? 

- Tudo bem. Vou ligar para os seus pais primeiro, qual o numero? - falei o número dos meus pais e dois minutos depois que ela saiu, o Johnny entrou correndo pela porta com os olhos arregalados.

- E um menino Johnny -  falei emocionando sorrindo tanto que minhas bochechas estavam doendo.

- N-Nasceu? Meu deus! Eu sou pai - disse a cada palavra se aproximando da cama e se sentando do meu lado vendo melhor o nosso filho - Ele ainda esta coberto de sangue.

- Ele acabou de nascer, sua mãe ainda não teve tempo de limpar ele, ela foi ligar para os meus pais.

- Eu posso fazer isto - o tio dele, Lion,  falou aparecendo na porta.

- Obrigado! - disse entregando o meu pequeno filhote para ele que começou a chorae assim que saiu dos meus braços, isto me deu um aperto no meu peito.

- Temos que pensar em um nome para ele - o Johnny falou me abraçando carinhosamente por trás.

- Sim - disse aproveitando o carinho que ele fazia em mim sem tirar os olhos do meu filho que tomava seu primeiro banho.

- Filho, chegamos - ouvi a voz da minha mãe e logo ela estava entrando no quarto com duas malas - Trouxe as roupas para o meu netinho e bastante sangue para você.

- Obrigado mãe - agradeci pegando um copa já bebendo, estava morrendo de fome e estava muito cansado.

- Deixa eu ver meu netinho - meu pai falou entrando e atrás dele vieram os tios e os primos do Johnny, e meu irmão.

- Calma, deixa eu da-lo para os papais primeiro - o Lion disse já com o meu filho banhando e com um macacão verde e enrolado em um lençol que cobria ele todo.

- Oi meu amor, voltou para o papai - falei com uma voz fininha.

- Vamos conhecer meu neto - meu pai disse se aproximando da cama e todos vieram juntos.

- Ele é tão pequininho - a prima mais nova do Johnny, Mirella, falou admirada.

Todos ficaram por um bom tempo admirando o nosso filho até que decidiram deixar eu e o Johnny sozinhos no quarto aproveitando ele.

- Precisamos escolher um nome para ele - falou depois de um tempo ficando com seus dedinhos.

- Que tal Julio? - sugeri primeiro, achei lindo este nome que foi o primeiro que veio na minha cabeça.

- E Hugo? E um nome bonito.

- Julio... Hugo - falei os dois nomes tentando comparar - Julio Hugo - gostei do som que teve.

- Julio Hugo Adams Garcia.

- Gostei - disse sorrindo para o meu pequeno tesouro que tentava pegar meu dedo e levar até sua boca - Acho que ele está com fome.

Mordi meu dedo fazendo sair um filete de sangue que ele logo começou a sugar com rapidez mostrando como estava com fome.

- Você acha que ele está bem? Ele nasceu de 6 meses - falei meio preocupado, mas ele estava grande para quantos meses ele tinha.

- Ele parece bem forte, e crias de lobisomens nascem com cinco meses então acho que ele está bem - disse tanto de ombos.

- Pega ele um pouco, meus braços estavam ficando dormentes - falei um tempo depois, o Julio já tinha mamado e estava dormindo, mas quando ia passar para os braços dele, o Johnny se afastou - O que foi?

- Estou com medo. Ele é tão pequeno, se eu machucar ou não segurar ele direito... 

- Não precisa ter medo amor, vamos tente segurar ele - insisti mais não teve jeito, ele não segurava, então deitei ele no colchão.

[....]

- O que foi? - perguntei depois que percebi como o Johnny estava pensativo.

- O que?

- Parece que você está me escondendo alguma coisa.

- Acho que não iremos ser mais atacados.

- Porque você acha isto? - ele começou a me explicar o que tinha acontecido depois que eles saíram da pizzaria - Isto foi muito perigoso.

- Mas agora esta tudo bem, e poderemos viver sem temer que nosso filhote seja atacado - mesmo preocupado com o que poderia ter acontecido, ele agora estava bem e comigo, ele também tinha razão, era bom não que nosso filho não seria mais alvo de vampiros nem lobisomens.

Quatro dias depois finalmente pode sair da cama e o Johnny tinha acabado de arrumar todo na nossa casa. E eu finalmente a conheceria.

- Está pronto amor? - o Johnny perguntou enquanto tranpava meus olhos para eu não poder ver nada, estávamos indo para a nossa nova casa para eu conhecer enquanto eu tinha o Júlio nos meus braços.

Concordei e finalmente ele tirou as mãos dos meus olhos e fiquei sem reação, a casa era linda, todo feita de madeira, as janelas de vidro e era bem aberta.

- É lindo amor!

- Aqui começa nossa nova historia! - sussurrei no meu ouvido e sorri feliz pensando no nosso futuro.

Fim da primeira parte.



Notas Finais


A segunda parte será postada aqui mesmo ;-)

Vou postar dois extras antes da segunda parte

O que acharam da primeira parte?

💔- 0

❤- 3

💚- 5

💜- 6

💙- 7

💛- 8

💗- 10.  


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...