História Amor Proibido - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Chouchou Akimichi, Himawari Uzumaki, Inojin Yamanaka, Mitsuki, Sarada Uchiha, Shikadai Nara
Tags Amor, Boruto, Drama, Ecchi, Hot, Naruhina, Naruto, Nova Geração, Romance, Sarada, Sasusaku
Visualizações 23
Palavras 4.213
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ecchi, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


HEY Xerosos!
Tudo bom? Tudo certin? Fechô então! *-*
Tô soltando mais um capítulo e a história tá ficando show hein! >,<
Espero que você goste!
Tenha uma ótima leitura! <3

Capítulo 5 - Vacilando


Fanfic / Fanfiction Amor Proibido - Capítulo 5 - Vacilando

Evitar o perigo não é, a longo prazo, tão seguro quanto se expor ao perigo. A vida é uma aventura ousada ou, então, não é nada.- Helen Keller.

A garota atacou um jutsu muito forte novamente e observei Sakura ser lançada e Sasuke pular para segurá-la a fim de diminuir o impacto da queda. Hinata também pulou para pegar Himawari e observei a rachadura no chão correndo até o menininho que estava paralisado. Droga. Sai daí garoto. Saltei rapidamente da árvore e puxei o garotinho comigo rolando no chão.

Ele estava por baixo de mim, observei seus olhos muito parecido com os meus, quase a chorar o menino de repente se acalmou e abraçou o meu pescoço. Ouvi a garota rindo. Levantei com ele no colo e o joguei para Sasuke. Me posicionei e fixei o olhar. Agora estávamos na linha da frente, meus ex-colegas estavam atrás de mim e Itaki apareceu ao meu lado com uma certa distância.

Sasuke arregalou os olhos ao ver o símbolo na camiseta do rapaz. Peguei minha katana e ele pegou seu bastão com duas pontas afiadas.

—Ora ora! Ganhei um de brinde é? – ela riu observando meu colega de batalha.

—VOU ACABAR COM VOCÊ! – ouvi Boruto gritar e correr até ser barrado por minha espada. Neguei com a cabeça e ele paralisou no lugar.

—Fica fora dessa idiota. – disse revirando os olhos. Conseguia ouvir o barulho do ranger de seus dentes.

—Quem você pensa que é para me parar hein? – ele pegou na espada e o vi apertar, cortando um pouco a palma da mão. Observei seu sangue pingar e balancei a cabeça. Itaki pegou a mão de Boruto e o empurrou firmemente para trás.

—Fica fora disso garoto. – ele tornou a dizer e se posicionou. – Sarada te dou cobertura. Detona com essa garota. – ouvi ele dizer baixinho passando por mim. Afirmei com a cabeça. Era a hora mesmo.

O problema é que nunca a vi, nunca lutei com ela diretamente. Tinha certeza que ela era forte, mas não mais do que eu e Itaki, nós iriamos conseguir, mas a garota já estava de uma forma da qual estava quase em sua forma mais poderosa. A primeira coisa era atingir a barreira.

—Como podemos fazer? – perguntei observando ele me encarar friamente.

—Posso mandar a barreira para outra dimensão. Me dá cobertura. – ele disse e desapareceu da li. Revirei os olhos. Encarei-a.

—Tu tá fazendo o que aqui hein? Já não deu sua hora não? – perguntei para afrontá-la, para ela vir me atacar primeiro. Ela fez uma careta da qual soltei um riso irônico no qual funcionou.

Lançou seu primeiro ataque, uma forte corrente de ar. Não dá para desviar pois o ataque era extenso atingindo até meus colegas, consegui me tele transportar para mais à frente passando o ataque.

—Tenta de novo fraca. – disse segurando minha katana firmemente. Ela urrou e fez seu segundo ataque, duas mãos de ar vieram em minha direção e cortei uma ao meio. A outra consegui desviar e em seguida decapitar todos os dedos em uma cortada só. Ela riu. Fez novamente um jutsu do qual fiquei paralisada, não conseguia me mover. Vi que era um jutsu para paralisar o oponente, o ar poderia fazer isso, era uma camada de chakra. Vi a mão novamente segurar uma kunai de ar também prontos para vir em minha direção.

—Usa sua força Sarada-chan! – ouvi Mitsuki gritar.

Concentrar meu crakra interior me fez soltar do jutsu de paralisação, mas acabei recebendo um corte fundo em minha perna e recebi o soco certeiro assim que saltei. Fui atingida perfeitamente e lançada para trás batendo as costas em uma árvore. Puxei o ar assim que senti o impacto. Senti Nya rir e observei o jutsu de Itaki dar certo, ele mandou a barreira forte para outra dimensão. Tentei me levantar do chão, mas sentia a dor do corte, ela acertou justo a coxa do selamento que ficou visível já que meu short levou um grande rasgo.

Fiz força para levantar e me escorar na parede. Continuei inspirando e expirando o ar rapidamente. Olhei minha coxa que estava com um rasgo sob o desenho do selamento.

—MEU DEUS! – Sakura apertou a criança em seus braços e senti o Hokage aparecer no local arregalando os olhos ao me ver naquela situação.

Pedi para que Nya me ajudasse e ela sumiu com o selamento e me curou. Vi meu tecido sendo concertado pelo crakra da minha parceira e ri da cara da garota.

—Errou idiota. – disse e de repente vi minha visão mudar. Nya estava me ajudando. Corri rapidamente até a garota e a acertei com um chute que a lançou metros de distância de mim. Não esperei ela levantar e corri novamente. A peguei pela cola da blusa e a lancei novamente para a direção de Shikadai que desviou do corpo. Corri novamente e soquei seu rosto de porcelana e fiz um corte médio em uma de suas mãos que tentaram me atacar mesmo sabendo que ela poderia se curar ou cicatrizar. Observei ela levantar e correr para pegar uma coisa que havia caído no chão. Lancei duas kunais e acertei em suas duas pernas.

Itaki pegou o objeto e sumiu novamente. Ela se rastejava para longe de mim. Guardei minha espada e andei em sua direção calmamente.

“Sufocar” – ouvi Nya dizer.

—Suforcar. – tornei a dizer e a garota me olhou logo colocando a mão na cabeça. Aquilo era um jutsu proibido em uma batalha das pessoas que poderiam controlar a mente, no caso Inojin. Nya conseguia facilmente sufocar o cérebro, o ar e sangue que circulava na cabeça fazendo tudo parar e causar uma pressão ali fazendo o órgão explodir. Era completamente fatal. Mantive os olhos fixos, bastava apenas ver os olhos e ela se ajoelhou tentando com a outra mão parar.

Sorri. Nada poderia parar. Que tentativa idiota. A garota soltou um grito e apertou a cabeça agora com as duas mãos. Era triste ver aquilo, mas era necessário. Ela queria me ferir. Aumentei a força mentalmente e vi o sangue sair de uma narina involuntariamente.

—Sarada, você vai matá-la. – ouvi a garota do cabelo roxo dizer. Passei meus olhos pela garota a minha frente, era a namoradinha do Boruto. Ela ajoelhou no chão gritando também. Itaki pegou a garota e sumiu, o jutsu tinha passado a menininha do filho do Hokage.

Senti Sakura apertar atrás de mim meus ombros.

—Se eu fosse você tirava a mão de mim mamãe. – disse friamente. Sakura deu uns passos para trás e acabou me soltando.

A garota continuava gritando “para, isso dói! Para com isso por favor!”. Estava tão concentrada que acabei baixando minha guarda e fui lançada para uma árvore. Boruto me prensou na mesma e me encurralou. Senti meus olhos voltarem ao normal e observei ele me encarando.

—Você ficou louca Sarada? – ele disse baixinho.

—Você que perdeu completamente o pouco juízo que tinha Boruto. – disse revirando os olhos e apertando um braço dele me soltando facilmente daquela encurralada.

Observei Inojin ajudar a garota, ele observava sua mente, via que não tinha nada machucado e tocou em sua testa apagando-a. Aquilo era um jutsu para curar a mente, garoto esperto. Quando a mocinha acordasse estaria perfeitamente bem.

—Você quase a matou Sarada. – ouvi Boruto me dizer apertando meu pulso. Trocávamos olhares intensos, ele tentava me decifrar. Sorri com isso.

—Hum. Foi mal. Quase matei sua namoradinha. Perdoe-me. Da próxima vez a proteja corretamente super herói. – disse me soltando e rindo da cara dele. Ele vinha em minha direção para me socar ou algo assim, consegui desviar perfeitamente. Depois de vários desvios consegui passar uma rasteira e o ver cair, só não esperava que ele me puxasse junto. Caí sob ele.

—Você está louca Sarada. – ele disse sentindo o impacto da sua rasteira.

—Gosto de ser vilã, é divertido Boruto ver a cara das pessoas. Você não me conhece garoto. Não interfira em uma ação minha ou te tiro do caminho. – sussurrei em seu ouvido calmamente e senti ser puxada pelos braços. Mitsuki me prendia, impulsei os joelhos para cima e consegui me soltar sentando nos ombros do garoto. Em um movimento Mitsuki estava ao chão e eu em pé.

—Sarada, precisamos conversar. – Sasuke dizia se aproximando. Dei alguns passos para trás.

—Não temos nada a ser falado. – disse observando sua face.

—Temos sim. O que era aquilo em sua perna? O que significa os seus olhos filha? – ele vinha para me abraçar, mas desviei e olhei as pessoas que me observavam minhas atitudes.

—Não significa nada pai. – disse e o vi parar no lugar. – Você não deveria conversar com uma pessoa meio amaldiçoada pelo destino. – disse e vi seus olhos se arregalarem. Tele transportei aonde Itaki estava, um pouco longe dali com a garota nos braços.

—Vamos sair daqui. – ele disse me olhando e confirmei. Sumimos daquele lugar indo para uma cachoeira longe da cidade e do local.

—SASUKE! SASUKE! O que ela estava tentando falar com aquilo? – Sakura gritava com o marido e observava a árvore que Sarada tinha sido lançada.

—Não é nada Sakura. – Sasuke disse observando o rosto preocupado da esposa.

—É sim! Você parou! Eu te conheço! O que ela quis dizer com aquilo? – Sakura tornou a perguntar muito preocupada.

—Já disse amor, não é nada. Venha aqui! – ele a chamou e abraçou a esposa e o filho. Olhou para Naruto e trocaram alguns olhares.

—Tudo bem pessoal. Os adultos podem ir. Hinata, ajude as crianças com a Sumire por favor. – Naruto disse e dispensou o pessoal dali. Sua esposa confirmou e foi andando com as crianças(“adolescentes”) até a cidade.

—Você acha que ela pode possuir um dragão em si? – Naruto perguntou ao amigo que estava quieto refletindo.

—Talvez sim. Ela deixou isso bem claro em sua fala. Precisamos observar Sarada e seus passos. Não sabemos o que há nela. – Sasuke disse com um fino som de tristeza que passaria despercebido se tivesse conversando outra pessoa.

—Sei que é difícil você aceitar, mas nós não podemos fazer nada quanto a isso Sasuke. Sarada com certeza não teve escolha se aconteceu com ela. Sei que doí você dizer isso, mas é necessário. – Naruto disse e Sasuke assentiu.

—Vamos! Precisamos pensar em algo! – Sasuke disse e os dois sumiram dali.

Já na cachoeira, Sarada observava a mente da garota e via se ela estava bem, parece que sim. A menina abriu os olhos aos poucos e sentou na grama, observou o garoto ao seu lado e quis fugir ao ver Sarada, mas foi puxada por Itaki que a jogou no gramado.

—Diga seu nome por favor. – disse observando a jovem.

—É Leomi. – a garota cruzou as pernas e se encolheu.

—Você está bem Leomi? – Itaki perguntou observando a menina.

—Estou sim. – ela disse e se assustou ao ver a mão de Sarada estendida. Aceitou de bom grado e se levantou.

—Tá. Você não sai daqui até explicar da onde é, como veio parar aqui e quais eram suas intenções. – Sarada disse calma, mas com firmeza na voz.

—Sou do país do Vento, vim de Sunagakure ou Vila Oculta da Areia. Estava sendo perseguida por uns ninjas da polícia. Eles sabem que sou perigosa e queriam me prender, como esta vila é a mais próxima vim para cá. Fiquei sabendo que haveria pessoas como eu aqui, estou desesperada, quero ajuda, não posso voltar, não tenho onde ficar e não quero morrer. – Leomi disse derramando lágrimas em seu rosto. Era realmente triste que aquilo estava acontecendo com uma garota de mais ou menos 14 anos.

Tentei não me comover, mas era impossível, ela era como eu, havia passado pelo o que eu passei. Suspirei.

—Olha garota, você vai ficar comigo a partir de agora. Vai morar comigo, andar comigo e me obedecer até porque sou mais velha que você. Este é Itaki, ele é igual a você, ele vai explicar tudo. – disse olhando no fundo dos olhos.

—Me diga Leomi, você tem o dragão do ar então? – Itaki perguntou e ela assentiu. – Eu tenho o do fogo e a moça que você lutou é a das trevas. – ele tornou a dizer e ela arregalou os olhos ao me encarar.

—Não faz essa cara porque já estou acostumada com esse olhar aí. – disse revirando os olhos. Hoje eu bati o meu recorde de tanto olhar as pessoas com descaso, já estava sendo toque revirar os olhos.

—Certo, eu acho que eu tenho um plano que pode ajudar a gente. Vamos reunir todos os dragões, vamos em busca deles. Lembrando que existem á do fogo, água, terra, relâmpago e ar, essas possuem um nível de chakra parecido com as Bijus de caudas. Em ordem:  fogo está para a de sete caudas; água está para a de seis; terra está para a de três; relâmpago está para a de quatro e ar está para a de cinco. A Sarada é diferente. Nós já temos a escuridão, fogo e ar. Falta água, terra e relâmpago. – ele disse e nós duas continuamos escutar ele dizer.

—Nós vamos viajar? – ela perguntou animada e começou a pular.

—Sossega aí garota. Eu tenho um plano melhor. – disse olhando a cara dela de desânimo. – Acredito que o Hokage deve ter essas informações, pensem bem, nós não podemos sair viajando aí, precisamos pensar e ter, no mínimo, o nome das pessoas. – disse observando Itaki concordar com meu raciocínio.

—Como vamos ter acesso a essas informações? – Leomi perguntou confusa.

—Eu e Itaki já somos Jonin, podemos pegar a missão dos dragões. – disse.

—Como vamos pegar a missão Sarada? – Itaki perguntou agora confuso.

—Pedindo ao Hokage. – disse simplesmente.

—Há e como vamos fazer isso? – ele perguntou irônico.

—Você fala muito “como vamos”, deixa comigo, a missão é nossa caramba. – disse começando a ficando irritada. – Estou com fome. Vamos comer. – disse e eles assentiram.

Nós fomos andando mesmo até a praça. Durante o percurso eu pude conhecer ainda melhor os dois, que agora já estavam muito próximos a mim. Entramos em um restaurante. Sentamos em uma mesa e observei os meus ex-colegas na outra mesa um pouco a frente da gente. Que droga hein!

Cada um pediu um lanche e um suco. Começamos a conversar sobre coisas aleatórias e Leomi começou a contar umas piadas. Eu não aguentava. Ria mesmo. Era engraçado as piadas dela.

—Que piada mais bosta cara. – disse tentando recuperar o folego.

—Eu sei. – ela rindo rindo junto comigo.

Nosso lanche ficou pronto e o garçom serviu a gente. Comemos conversando sobre algumas coisas ainda, alguns jutsus, algumas coisas legais de ninja. Eles eram boas pessoas.

—Leomi, você veio para cá sem avisar seus pais? – perguntei me lembrando.

—Eu tenho pais, mas depois que eles descobriram o que sou, literalmente me renegaram e me expulsaram de casa. Eu só tive o Lycan comigo. – ela disse dando de ombros.

—Faço das suas palavras as minhas Leomi, Myashi é o único que ficou comigo e não me abandonou. – ele disse rindo fracamente.

—Que bom pessoal! Pelo menos os pais de vocês sabem disso, os meus eu nunca toquei no assunto, já que acabei de chegar de um treinamento. – disse mastigando meu x-salada. Era muito bom.

Conversamos mais um pouco sobre nossas vidas, nossos objetivos e sonhos. Bebemos os sucos e fiz questão de pagar a conta. Levantamos e saímos do estabelecimento rindo. Estava uma noite muito agradável.

Começamos a andar até meu apartamento. Cumprimentei a senhorinha dona do prédio e subimos as escadas até o terceiro e último andar. Destranquei e abri a porta, pedindo para que eles entrassem.

—Olha pessoal. Tenho uma cama de casal e alguns colchões livres em outro cômodo vazio com outras quatro camas. Vocês escolhem aonde vão dormir. Durmo sozinha. E organização com seus guardas roupas e casa. – disse e eles assentiram correndo pelo apê para escolher suas novas camas.

“Espero que isso esteja sendo uma boa ideia” – disse para Nya e ouvi-a dizer: “Está sendo sim”.

Entrei no meu quarto e parti para o banheiro, eles estavam organizando suas coisas. Depois que sai do banheiro, corri até o meu quarto, agora tinha um rapaz da minha idade, precisava tomar cuidado com ele. Me troquei com um pijama longo, de frio, mesmo não nevando e parti para a cozinha. Eles se organizaram para tomar banho e assim que os dois terminaram, sentamos no chão da sala e eu senti o jantar na mesa baixa. Eles agradeceram e assistimos um pouco de televisão.

Leomi se retirou e foi dormir, depois de um bom tempo Itaki foi também deixando-me sozinha. Eu pensava em uma ótima forma de conseguir a missão. Tinha que convencer o Hokage a nos dar a missão. Fui dormir porque amanhã será um ótimo dia.

Acordei com os raios em minha sala e bufei, não gostava muito de sol, tomei um banho aproveitando que o pessoal ainda estava dormindo, me arrumei e comecei a arrumar o café da manhã.

—Pessoal. – disse e eles se sentaram na cama lentamente com caras de sono. – Eu vou até o Hokage, ainda está muito cedo, vocês podem continuar dormindo. Tenham juízo e não atendam a porta até eu voltar. – disse e eles assentiram voltando a dormir. Revirei os olhos. Fechei a porta e desci a escada.

—Bom dia senhora! – disse sorrindo para a senhorinha que me devolveu um ótimo bom dia.

Me espreguicei e comecei a andar observando algumas coisas até chegar ao centro da vila. Estava bem movimentada. Vi Chou Chou andando com Inojin e sorri para aquilo. Os dois formariam um ótimo casal em minha mente.

“Esqueça Sarada”. – Nya disse e eu bufei com aquilo.

Continuei a andar obervando a feirinha que ocorria ali e parti até o prédio do Hokage, cumprimentei a recepcionista e disse que era urgente. Pela minha atuação ela deixou eu entrar. Subi no elevador e apertei o andar que estava em uma pequena legenda, saí andando e abri a porta entrando sem bater.

As pessoas pararam seus olhares e voltaram-se a mim.

—Você deveria bater mocinha. – Hokage disse calmamente.

—Dever não é algo que eu goste muito de cumprir. Quero te pedir uma coisa. – disse parando perto da mesa. Observei e vi que tinha um time ali, o meu antigo. Boruto, Mituski e a roxinha.

—Diga Sarada. – ouvi Shikamaru dizer olhando para alguns papeis na mesa.

—Ouvi boatos de que você possui uma missão para encontrar algumas Bijus proibidas. – disse calmamente. – Acredito que como Jonin, possa me oferecer para realizar esta missão. – tornei a dizer observando seus traços. Ele parou de escrever e me encarou.

—Interessante. Shikamaru dê a carteirinha para ela. – Hokage disse e Shikamaru entregou em minhas mãos, guardei em minha bolsinha. – Por que você quer a missão Sarada? – perguntou para mim.

—Por que como Shinobi da aldeia da folha é meu dever Hokage. Além disso, quero algo para fazer mesmo. – disse dando de ombros. Ele soltou uma leve risada que me assustou um pouco.

—Pai, você não ia dar pra gente essa missão? – Boruto interviu na conversa e revirei os olhos.

—Posso dar a missão a vocês, mas no lugar da Sumire vai a Sarada. – ele disse observando nós.

—Não Hokage, Sumire vai conosco. – Boruto disse. Naruto observou melhor e suspirou passando a mão no rosto. Adolescentes eram tão difíceis de lidar.

—Vamos fazer assim. Sumire vai ajudar Sakura no hospital. Sarada vai com vocês. – ele disse e eu tossi para dizer.

—Eu meio que gostaria de ir com uns amigos meus Hokage. São só dois Shinobis. Um do país do relâmpago e o outro da vila da Areia. – disse com postura.

—Tudo bem Sarada. Sinto-me tranquilo em saber que você e seus amigos se prontificaram para tal missão perigosa, eu diria. – Hokage disse sendo muito educado comigo. — Konohamaru vai com vocês de líder. – ele tornou a dizer e concordei calmamente.

—Antes de realizarmos qualquer atitude, gostaria muito de saber quais informações a aldeia já possui. – disse com postura de ninja, séria. O Hokage assentiu e me entregou uma pasta.

—Depois entregue a Konohamaru. – ele disse, assenti e agradeci sinceramente por ter dado a missão a mim e aos meus amigos. Sai dali e vi Konohamaru em nossa frente.

—Estejam na biblioteca municipal hoje às quatro da tarde, precisamos conversar. – assenti e continuei a andar observando algumas coisas da pasta.

—Então Sarada, não é ótimo estar com a gente novamente? – Mitsuki começou a andar do meu lado conversando comigo.

—Super legal. – disse ironicamente. – É uma pena Boruto que a sua namoradinha não possa ir com a gente, pelo jeito ela ocupou completamente o meu lugar na equipe, mas não faz mal, afinal eu nem ligo mesmo. – disse vendo a reação do Boruto e continuei a andar lendo um papel. Resolvi guardar a pasta em meus braços e passei a andar, iria pelo caminho mais longe, eles não poderiam saber onde eu morava.

—Vou indo pessoal. Minha casa é aqui perto. – Mitsuki se despediu e assim ficou eu e Boruto andando um do lado do outro nem falar nada. Minutos depois ele quebrou o silêncio.

—Você está muito diferente Sarada. – ele disse olhando para o chão.

—Você também. Até cresceu. Parou de ser o garoto idiota? – perguntei continuando olhando para a frente.

—O que aconteceu com você Sarada? – ele parou e puxou meu pulso olhando nos meus olhos.

—Eu cresci Boruto e deixei de se importar com quem não dá a mínima para mim. – disse dando de ombros e puxei meu braço, continuei a andar e ele me puxou novamente dessa vez me encarando.

—Que frescura! Nossos amigos sempre se preocuparam contigo Sarada. Quando ficamos sabendo que você iria em treinamento sozinha e tão nova, todos nós fizemos o possível para mudar a decisão do Hokage. Ele disse que você precisava fazer isso sozinha. Não poderíamos fazer nada. Todos sofreram com a sua saída da vila Sarada, principalmente sua família. – observei ele me dizer muito próximo, ri literalmente de sua cara.

—Como você é inocente Boruto, eles tiveram um filho depois da minha saída. – disse indiferente.

—Essas coisas a gente não planeja Sarada, elas simplesmente acontecem. – ele disse incrédulo com minha atitude.

—Então você não planejou namorar Boruto? Simplesmente aconteceu? – perguntei baixinho. Aquilo era mais uma pergunta para mim mesmo.

—Claro. Simplesmente aconteceu. – ele disse e aquilo de certa forma doeu um pouco em minha mente.

—Ótimo! – disse e me soltei. – Essa conversa não vai me mudar Boruto. – disse rindo da sua cara. Respirei fundo. Ele revirou os olhos.

—Quem era aquele cara que estava na luta? – ele perguntou andando do meu lado ainda.

—Hum? Era o meu amigo. Um Uchiha também. – disse dando de ombros.

—Só amigo? – ele perguntou. Segurei um riso interno.

—Apenas amigos. – disse maliciosamente e ele parou seus passos e continuei andando rindo de sua atitude.

Itaki iria me matar se ele soubesse que disse isso. Ri mais ainda. Eu estava me enrolando a cada vez mais.

—Você está muito forte. Vi sua batalha lá no estádio. – ele correu até me alcançar, ainda estava tentando puxar assunto.

—Hum. Estou sim. É parte do treinamento. – disse dando de ombros. Ele suspirou e parou de repente. Parei também. – O que aconteceu? – perguntei um pouco curiosa.

—Me diz que a antiga Sarada está aí. – ele disse olhando para o chão. Seu cabelo era tão brilhoso e bonito.

—Não. Sinto muito. Cresci. – disse simplesmente e continuei andando. De repente ele puxou meu pulso e começou a apressar seus passos. – Me solta idiota. – disse. Ele estava quase correndo.

Me puxou para o meio de alguns arbustos e me empurrou em uma árvore com uma certa força. Gemi de dor.

—Olha para minha cara Sarada. Diz isso olhando no fundo dos meus olhos. – ele disse muito perto sussurrando baixinho roucamente. Aquilo estava muito estranho.

—Tu tá ficando louco é? Deixa sua namorada saber disso. – disse indignada com sua atitude tentando sair dali. Nada adiantava, parecia que ele havia retirado à força do além e passou para seus braços.

—Você só saí daqui quando dizer isso na minha cara. – ele tornou a dizer. Abaixei o rosto e ri.

—Eu, Sarada Uchiha, não sou mais a mesma idiota que ficava correndo atrás de você e Mitsuki. Cresci. E não vou voltar nunca a ser aquela garota. – disse sussurrando também e o olhava fixamente. Ele me encarava, analisava o meu rosto.

—Eu ainda não acredito. – ele disse. – A Sarada que eu conheço ainda está aí. – ele disse, mais para si mesmo, e eu ri de sua cara.

—A Sarada antiga não faria isso. – disse e logo o puxei para perto, encarando seus lábios. Mordi o inferior e pedi passagem com a língua, ele logo aceitou rapidamente e o beijei. Foi um beijo calmo e intenso ao mesmo tempo. Tinha muita coisa ali. Raiva. Ódio. Rancor. Saudade dos velhos tempos e indignação das pessoas ao meu redor. Ele jogou a pasta no chão e me puxou para mais perto envolvendo seus braços em minha cintura. Puxava os fios de seu cabelo. Nossas línguas se movimentavam com tanta perfeição e rapidez. Nos separamos devido à falta necessária de ar. 

Eu precisava daquilo. Eu precisava dele. Sabe-se lá quais consequências virão. E quando conclui, talvez pudesse ser tarde demais, talvez pudesse ser perigoso demais, ir contra as regras era algo a se arriscar por uma pessoa? Arriscar, talvez, a própria vida? E, em minha mente, eu já sabia o que era o certo a se fazer. 


Notas Finais


TCHARANNNNN!
Berrei na parte final. Me tremi toda! HUAHUA Meu word precisa suportar quase 30 mil palavras. Sério.
Gente, serio mesmo, tem coisa pra rolar ainda, muita coisa, tô pensando até em temporadas! *o*
Espero muito mesmo que você tenha gostado!
Próximo capítulo sai daqui uns dias, no máximo, uma semaninha.
Valeu! Tmj! S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...