História Amor Proibido ( Cellbit ) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rafael "CellBit" Lange
Visualizações 113
Palavras 2.333
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Festa, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente primeiramente
MUITO OBRIGADA
SÉRIO MUITO OBRIGADA
5 COMENTÁRIOS E SE NÃO ME ENGANO 20 OU 21 FAVORITOS
Muito obrigada mesmo estou muito feliz
Bom..sem delongas
Boa Leitura**
Obs: leia as notas finais
Ft de capa Mari e Ana

=^u^=

Capítulo 5 - Capítulo 5


P.O.V's Mari

Acordo, e direto para a varanda me dirigo. Apoio meus braços sobre a barra, e respiro fundo sentindo o adorável cheiro de terra molhada, por ali fico alguns minutos respirando fundo. O dia estava tão lindo tão belo, que a dor que o eu passara ontem não continha forças para me abalar. Era um dia novo...novo canto de pássaros, novas esperanças, novos sorrisos,novos amores. O dia havia começado bem.

O estranho que apesar de tudo que havia acontecido, eu não havia reservado um momento para conversar comigo mesma, para ver o que eu setia realmente pelo Rafael, eu estava muito confusa. Confusa demais pelo meu gosto, ninguém nunca havia mexido comigo daquela maneira, nunca havia conseguido me puxar para sua cama, me puxar para o seu corpo, me puxar para novas sensações, eu apenas queria saber o que ele tinha que me confrontava, que quando em seus braços eu estava eu já não era a mesma, eu mudava, me derretia por completo, os seus toques que guardavam me protegiam, e foi apenas um ato, um deslise que conseguiu colocar toda a confiança a beira de um precipício.

----O problema seu é esse....você pensa demais na hora errada e pensa pouco na hora certa.--Sussurro para mim mesma, retiro o moletom do varal e entro novamente para o meu quarto.

Tomo um banho, me cuido e faço um coque bagunçado em meu cabelo e vou em direção ao andar debaixo. Desço as escadas num desânimo incontável, e numa velocidade irritável.

----Mari? Está tudo bem com você?--Dani pergunta erguido uma sobrancelha.Desvio o olhar para o chão.

----Tô,tô bem...Estou viva.--Passo por ela e me sento para tomar um café da manhã.

----Mari, sabe a Tia Lauren?--Xand me pergunta. E faço um sim com a cabeça enquanto bebo um gole do café com leite (<3)--Aquela em que seu primeiro filho desapareceu e a segunda quando recém-nascida fora roubada, então, ela me ligou e disse que encontrou o seu filho através de um site e que queria que você a fizesse companhia a ela quando fora para a casa do seu filho.

----Sério que ela encontrou? Fico feliz por ela, ela foi como uma mãe para mim, me amamentou me ajudou a crescer.Irei ajudá-la.--Digo abrindo um pequeno sorriso.

----Ela disse no caso que se a sua resposta fosse sim, que era para encontrá-la no aeroporto as 20h.--Diz Xand finalizando.

----Ok. Obrigada maninho.--Sorrio--Se me derem licença irei subir preciso trabalhar.--Digo enquanto me levanto e empurro a cadeira para dentro da mesa.

Subo rapidamente e ligo o computador e pego outra xícara de café com leite, aquilo me acalmava tanto e me deixava mais pensativa e atenta. Decidi usar um fone que havia comprado ainda em Minas, mexi no meu armário e dali caiu uma caixa que por acaso o papai havia me entregado, e havia escrito por cima 'Quando estiver preparada'. Eu me senti certa daquele momento, e abri a caixa. Dentro dali havia copia de documentos rg minha, dele e da Tia Lauren. Eu não fazia ideia do que significava. Comecei a ler em voz alta, mais nem tão alta assim.

----Carlos Álvares Campos.--Lia a do meu pai.---Lauren Álvares Campbell--Li a da minha Tia por parte de mãe.---Mari Álvares Campbell.--Li o meu. Mais nada fazia sentido, até cair dentre os papéis a copia do rg da minha mãe.---Liandra Álvares Campos.--Não havia nada para entender ali, mais novamente outro papel cai.---Alexandre Álvares Campos.--Era o rg do Xand...Retiro daquela caixa marcadores florescentes. Fotos comigo e com minha mãe, que sempre não fazia uma cara muito boa quanto estava comigo. Sempre achei que era mal humor ou algo do tipo, mais depois que cresci vi que o problema era eu, e esse também era um dos motivos de ter me mudado para São Paulo.

#Quebra de Tempo#

Havia terminado de fazer o meu trabalho, estava encarando a tela do computador com as pernas sobre a cômoda e tomando café com leite. A Ana entra, no meu quarto. Ela se senta na ponta da minha cama, apoiando seu corpo na cama.

----Poderia me dar atenção um pouco?--Ela diz, e me giro através da cadeira me livrando para ela.

----Toda.--Digo e tomo um gole de café.

----Queria tirar você desse lugar um pouco. Vamos no cinema.--Ela diz me puxando

----Ok, Ok só irei me arrumar.--Digo a ela e  a mesma da pulinhos de felicidade.

----Irei me arrumar também.Te espero lá embaixo.--Diz ela saindo.eu suspiro, e desligo o computador. Pego a minha toalha e uma peça de roupa e entro no banheiro. Tomo um banho e lavo o meu cabelo, saio de lá vestida e depois seco o meu cabelo. Passo uma maquiagem de leve, e pego minha bolsa. Desço as escadas e ela já estava lá de braços cruzados me esperando. Eu abri um sorrisinho pra ela e fomos.

P.O.V's Flávia 

Acordo tarde e ainda em meio aos braços do meu loiro, que me entrelaçava por inteira.Ele possuía um sorriso em seu rosto. Nunca pensei que a nossa primeira vez seria tão incrível, tão quente, tão especial. Ele se mexe um pouco e acariciou os meus cabelos ainda dormindo.

----Ma-Mari ...eu te amo tanto.--Ele me aperta, numa braço super carinhoso. Logo em mente veio a imagem da Mari Campbell, mais não iria logo de cara julgando.

----Que Mari amor?--ele se assusta e acorda.

----Flávia...Mari o que?--Ele ainda estava meio zonzo.

----Que Mari Rafael?--Digo me sentando na cama cruzando os braços.

----Maravilhosa ! --Ele disfarça--Isso que eu tava falando.--Ele coça a nuca. Eu não consigo mesmo ficar com raiva dele. Me visto faço o café e me despeço dele.

P.O.V's Rafael

Assim que  a Flávia saiu, eu dou um enorme suspiro e vou até o meu quarto abrindo o armário e vendo que ela não estava ali.

----Fudeu...--coloco a mão na testa.--A Mari não vai me perdoar...Não vai....--Suspiro e caio de joelhos no chão.--Droga !--Felps entra e se senta na cama.

----Bora num cinema? Tô cansado de ficar aqui dentro.--Ele diz. E Eu sinalizo um sim com a cabeça e vou ao armário caçando o moletom do Docto Who.

----Que estranho....Não encontro meu moletom do Docto Who.--Digo.

----Eu vi você guardando-o, só se alguém tiver entrado ai e pegado.--Ele brinca. E se realmente alguém tivesse pegado? Somente a Mari entrou no meu armário. Mais porque ela pegaria? Tava chovendo muito ontem...Talvez ela tenha pego para se proteger da chuva...

----Ei cara ! --Fala Felps estalando os dedos na minha frente.--Vai com outro..Não precisa ser aquele..precisa?--Ele pergunta se levantando.

----Não.-Digo rápido.

----Então...Tô te esperando lá embaixo.--Ele diz saindo do quarto

Vou para o banheiro e tomo um banho, saio de lá com a toalha amarrada na cintura, e pego um moletom vermelho, calça jeans e um all star vermelho. Faço um topete bagunçado em meu cabelo, e amarro o cadarço do tênis. Pego o celular, carteira e chaves e adentro tudo em meu bolso frontal. Desço as escadas e saio, entro no carro do Felps me sentando no banco traseiro já que os da frente estavam sendo ocupados pela Gabs e pelo Felps.

O trânsito estava horrível e com isso nos atrasamos muito até chegarmos ao cinema.

P.O.V's Mari

Eu estava certa ! Como eu adivinhava que o trânsito de São Paulo estaria um caus eu sugeri ao taxista que pegasse um atalho, e assim foi feito e chegamos rapidamente ao cinema. Sem delongas eu fui comprar a pipoca e o refrigerante enquanto a Ana comprava os ingressos, como chegamos um pouco adiantada entramos e já escolhemos os melhores lugares. Só restava esperar, com isso iria acertando o óculos 3d em meu rosto e alguns pedidos que chegavam através de contatos no celular. Com isso eu me distrai muito nem reparando nas pessoas que estavam se sentando ao meu lado.

Uns 15 minutos depois que já começou com filme, entram 2 garotos e uma garota atrasados e um dele quase cai, e um se senta ao meu lado, mais eu estava concentrada no filme, pelo motivo do tropeço de um dos garotos, o outro ria como uma hiena morrendo, com isso minha atenção era atraída pelo mesmo. Olho e para ele e não acredito no que vejo.

----Rafael?--Sussurro.

----Mari...Você sumiu.--Ele diz para mim enquanto abaixo o rosto.

----Tive meus motivos, já não aguentava ouvir aquilo tudo.--Digo. E ele com a pontinha dos dedos levanta o rosto.

----Me desculpa.--Ele diz.

----Você não tem culpa...Você escutou o seu coração naquela hora.--Engulo seco.

----Na verdade eu me perdi, achei que a Flávia era você.--Ele diz

----Sou tão fácil de se confundir assim?--Pergunto

----Não. Não. Eu só imaginei....Por favor não fique brava, te peço isso.--Ele diz.

----Tá, não tô brava, estou confusa, eu não sei mais.--Suspiro-- Nunca fiquei tão confusa.

----Olha, eu irei me mudar depois de amanhã, para casa de 2 amigos meus, mais não perderemos contato.--Ele diz.

----Não. Vamos perder contato sim. Você ainda ama a Flávia, eu pude ver isso ontem. E melhor que cada um siga o seu caminho.--Digo.

#Quebra de tempo#

Assim que acabou o filme eu saio um pouco acelerada com a Ana, e saímos de lá o mais rápido e entro numa loja com ela para disfarçar. Mais acabamos fazendo compras. O que me acalmou um pouco, foi um sorvete que eu comprei. Tiramos várias fotos. Depois disso fomos para casa. Eu fui direto arrumar algumas malas minhas por conta do favor que eu iria fazer para a minha Tia, eu estava tão confusa até aquele momento não sabia onde estava, estava voando, sem rumo, sem chão. E achava que conhecer um primo, seria uma boa.

Eram por volta das 19;32 estava pronta. Desci com algumas malas, que havia o que eu precisava. Despedi dos meu amigos, e entrei num táxi em rumo ao aeroporto. Enquanto isso escutava ' We Don't Talk Anymore do Charlie Puth com a Selena' Enquanto isso olhando para o céu através da janela do carro, e a brisa sob os meus cabelos, veio em mente os toques a sensação, seu beijo, seu abraço seu calor...O jeito que me fazia feliz, nossas mãos entrelaçadas, nossos corpos colados, nossas almas unidas. Aquilo me deixara com os olhos marejados, pela primeira vez eu soube o que era ser feliz, ser protegida e ser amada por alguém fora da família. Me abraço e bate aquela saudade dos seus olhos e seu sorriso, e a sensação de estar sozinha era maior que a falta que sentira por ele.

Chego ao aeroporto e espero a minha Tia chegar e ir logo abraça-la, ela sim eu considerava uma mãe. A abraço tão forte que ele percebe que algo me constrangia.

----Que saudades tua Mari...O que houve contigo?--Ela pergunta segurando minhas mãos.

----Apenas saudades da senhora.--Digo a abraçando novamente.

Ajudo a colocar as malas dentro do táxi e entro junto dela. Ela mexe em sua bolsa caçando o endereço que informava o endereço da moradia onde encontrava seu filho perdido. Ela fala para o taxista.

----Esse momento é tão importante para mim ! E você está ao meu lado--Ela sorri.

----Não entenda isso como um favor, entenda isso como um livre-arbítrio.--Sorrio de volta.

----Me orgulho tanto de você ! Cresceu tão forte e segura de si. Se eu tivesse minha filha o meu lado queria que ela fosse espelhado ao seu caratér.--Ela diz, e meus olhos ficam marejado.

Descemos, e paramos de frente a um grande prédio e entramos no elevador, cheia de malas. Subimos vários andares até paramos no 26 andar. A Tia estava ansiosa então assim que o elevador se abriu, ela deu um passo largou as malas e acelerou o braço em direção a porta com um certo número. Eu, parei para levar comigo além de minha mala as da minha Tia. Eu não estava pronta para conhecer outro membro da família..Eu na verdade precisava de um hospício, eu estava louca com tantas coisas acontecendo comigo de uma vez. Andei devagar até chegar ao fim do corredor. A porta já tinha sido aberta e minha Tia já havia entrado, e ouvia risos, era praticamente certeza que ela havia o encontrado. Chego até a porta e vejo ela abraçada com um garoto alto de olhos e cabelos escuros usando moletom e jeans.

----E-eu não acredito ! --Diz a Tia o apertando, e eu fico ali sorrindo 

----Eu também não ! --Ele diz. Os dois percebem minha presença.

----Ah..--Ela limpa as lágrimas-- Essa é a Mari..

----Eu a conheço ! É amiga da Flávia não?--Ele pergunta e eu faço um sim com a cabeça--Ela é a minha irmã?--Ele pergunta

----Já se conhecem? Que legal ! Infelizmente ela não é a sua irmã, seria incrível a tê-la como filha. Sua irmã foi sequestrada e...nunca mais a vi--Ela abaixa o rosto

----Lamento muito. Se bem acho a Mari tão parecida com a senhora....olhos claros..cabelos ondulados...sorriso inexplicável.--Ele sorri

----Verdade! --Digo.

Entramos e ficamos na sala conversando até o Mike entrar na sala.

----Olá ! Você deve ser a mãe do Tarik--Ele diz estendendo a mão e logo minha Tia a aperta.

-----Sou sim.--Ela sorri

----E você..--Mike olha par mim--Mari? O que faz aqui?--Ele pergunta

----Ela é minha prima Mike--Tarik diz sorrindo para mim e eu retribuo.--Ela veio fazer companhia para minha mãe

----Ata entendi.--Ele diz

----Se eu não estiver incomodando claro...--Digo

----Não não nenhum pouco--Tarik e Mike dizem em coro.

----Como vai fazer para dormir?--Mike pergunta

----Eu durmo no sofá !--Eu e o Tarik dizemos em coro

----Cada um em um então--Dizemos em coro novamente.

----Tá resolvido então.--Mike diz sorrindo

Ficamos conversando e nos conhecendo mais. Até a madrugada chegar e irmos dormir. Eu estava muito feliz de ter um primo, mais ainda o Tarik que parecia ser tão gente boa, já o considerava um irmão para mim. Me deitei em um sofá menor e ele no outro. Nos despedimos e dormimos.

Pela primeira vez não havia dormido pensando no Rafael, não sabia se era bom ou ruim. Não queria pensar naquilo agora, até porque não tenho motivos para isso, ele escolheu o seu caminho e espero que ele seja feliz, mesmo estraçalhando o meu coração.

 

 

 


Notas Finais


Meus amorecos
Sim....Tá muito diferente eu sei fiz bem diferente
Mais prometo ter hot no próximo
Espero pelo carinho e apoio de vocês
Comentem por favor <3
Se conseguirem ligar algo...Me diga lindos

Qual shippo vocês preferem?
[ ]Cellyu
[ ]Mariel

Abraços
=^u^=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...