História Amor Proibido (Incesto) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Luiz, Got7, Lucas Piazón, Lucy Hale, Oscar Emboaba, Paul Wesley, Thiago Silva
Personagens David Luiz, Lucy Hale, Paul Wesley
Tags Amor Entre Irmãos, Incesto, Romance
Exibições 173
Palavras 1.751
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Incesto, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, obrigada por estarem comentando, vocês me ajudam muito. ♡

Capítulo 5 - Irei Protegê-la


Fanfic / Fanfiction Amor Proibido (Incesto) - Capítulo 5 - Irei Protegê-la

Pensamento David:

Eu não acredito que Bianca disse todas aquelas coisas horríveis pra mim a respeito de jogadores. Eu não sou assim. Prefiro ficar em casa a sair para beber. Não sou mulherengo, muito pelo contrário, quero uma mulher pra dividir o almoço comigo pra casar e ter seis filhos. Quero uma mulher, apenas. Mas, hoje eu vou beber.

- Oscar bora sair irmão? 

- Vamos Luiz, pra onde quer ir? - disse meu amigo.

- Não sei cara, já que amanhã não temos treino pela manhã, bora ir pra um bar, balada sei lá. 

- É você mesmo Luiz? Abduziram meu melhor amigo e deixaram um ET. - disse oscar rindo.

- Tô afim de beber algo bem forte.

- Vou ligar pro pessoal, vamos em uma balada nova que inaugurou. Abraço! - disse ele finalizando a ligação. 

Já que íamos sair, fui tomar um banho pra relaxar os músculos que estavam tensos por causa da minha discussão com minha irmã. Tirei toda minha roupa e entrei na banheira com sais que eu mesmo tinha preparado. Ensaboei os cabelos, enconstei a cabeça na borda da banheira e fiquei paralisado, não conseguia deixar de pensar em Bianca. De como ela me beijou, de todos os seus toques, seu cheiro, seu corpo. Saí do banho, me enrolei em um roupão, e fui procurar uma roupa para sair. Optei por uma calça jeans escura, uma camisa social branca e um tênis marrom. Vesti tudo, coloquei minhas pulseiras como de costume, passei perfume e desci as escadas. Marcava dez horas em ponto no relógio da cozinha e combinei com Oscar de nos encontrarmos lá na porta da balada mesmo. Estava tudo muito quieto aqui. Bianca deve estar dormindo,  é melhor eu nem ir lá ver como ela está. Desliguei todas às luzes e saí. Disquei o número do Thiago já que Oscar não me atendia. 

- Thiago irmão, e aí onde vocês estão? 

- Cara, estamos aqui na balada já, irei te mandar a localização. - Thiago disse gritando por conta do barulho que fazia.

Recebi uma mensagem do mesmo com a localização.  E segui firme aquelas ruas de Londres que estavam tão movimentadas. Cheguei ao local, dei alguns autógrafos e entrei. O barulho estava enorme quase estourando meus tímpanos,  mas era disso que eu estava precisando. E estou decidido a pegar a primeira mulher que vir falar comigo. Avistei Oscar, Lucas e Thiago sentados conversando no barzinho. Caminhei até eles.

- E aí. 

- E aí Davizão. - eles disseram em coro.

- Ei amigo, quero um copo de Vodka por favor. 

- Vai com calma irmão. - Lucas disse com os olhos semicerrados.

Peguei o copo com todo aquele líquido, cherei e depois bebi. Bebi tudo. Desceu rasgando a garganta. Eu não estava satisfeito e pedi mais dois copos e virei-os de uma vez novamente. Os meninos conversam alguma coisa mas, eu não quis prestar atenção. De longe avistei uma mulher de costas pra mim agarrado em um homem quase de minha altura. Espera eu a conheço.  Não pode ser. Caminhei em direção daquele suposto casal que não paravam de se beijar. Eu tinha que tirar minhas dúvidas. 

- Eu sabia.

- Olá David Luiz tudo bem cara? - O cara disse sem graça limpando o batom que estava sob sua boca.

- Bianca o que você pensa que está fazendo? - gritei tão alto que senti uma pontada em minha cabeça. 

- Beijando. Dãrrr! O que mais seria? - disse com voz de deboche.

Saí em passos largos dali. Me sentei no mesmo banco que estava minutos atrás e pedi uma dose de Whisky. Tomei até a última gota daquele líquido que desceu queimando. Oscar segurou em meu braço.

- David pra que tudo isso? - ele disse me analisando.

- Estou à fim de beber mano, me deixa por favor.

- Tudo bem, qualquer coisa estou aqui do lado. 

Começou a tocar Firestone uma das minhas músicas favoritas. A balada estava lotada cheia de mulheres bonitas piscando pra mim o tempo todo. Comecei a me mover no ritmo da batida, e olhando pra frente foi aí que meu coração quase parou. Bem ali, na minha frente estava o homem que não conheço e Bianca em sua frente rebolando junto aquele vestido minúsculo que ela estava usando. Descendo até o chão fazendo com que mais olhares curiosos a olhassem. Eu estava ficando louco só de vê-la dançando assim. Virou-se ficando frente a frente comigo e de costas para o seu acompanhante que pôde olha-lá melhor se é que me entendem. Pois uma mão em seu cabelo e a outra em sua cintura rebolando sem parar, eu tinha certeza que aquilo era pra mim, ela estava querendo me provocar. É isso mesmo?  E estava conseguindo.  Tava sendo uma tortura, eu desejei com todas as minhas forças que a música acabasse. E assim ela acabou, ufa! Bianca sorriu satisfeita ao me ver naquele estado, e se jogou encima de do homem à sua frente.  Sentou em seu colo com uma perna de cada lado do corpo dele. Começaram a se beijar sem parar, o sangue já estava subindo à minha cabeça juntamente com as bebidas que tomei. Ele agarrou tão forte a cintura de minha irmã e começou a fazer movimentos de sobe e desce. Bianca estava gostando tanto, que até jogou a cabeça para trás. Imediatamente minha mão fechou no formato de um soco e fui aonde eles estavam.

- Bianca vamos pra casa, agora!

- Calma aí David ela só está se divertindo, não é meu bem? - a olhava com desejo. -  ele foi com as duas mãos até a bunda de Bianca e apertou. - Eu levo ela David, a noite é uma criança. - disse satisfeito após a mais nova dar um gemido.

Não pensei duas vezes e a puxei de uma vez do colo daquele aproveitador barato fazendo com que ela me olhasse.

- Ddavid eu nnão quuero ir embbora aggora! - disse fazendo beicinho, tive vontade de beijá-la. Calma David! - Notei que ela estava muito alcoolizada. Saí sem dar mais informações ao "ficante" da minha pequena. A guiei até a porta da balada, quase que não saímos de lá vivos, por Deus, estava muito cheio. Carreguei ela até o carro, e fui dirigindo de volta pra nossa casa. Em meia hora chegamos, peguei Bianca no colo que estava  acordada ainda, e a levei até o seu quarto. Tirei seu salto e seu vestido, revelando à meus olhos um conjunto de langerie branca que ela vestia. Meu corpo ardeu. E um fogo tomou conta de mim.

- Bianca, você ja tá em seu quarto,  vai para o banheiro e tome uma ducha fria pra passar esse efeito do álcool. 

Ela levantou me olhando com uma carinha tão linda que tive vontade de correr até ela e abraçá-la forte. 

- Daviddd eu não connsigo. - disse tentando desabutuar o sutiã. 

Senti aquela sensação novamente, quis me jogar encima dela e amá-la até o amanhecer. Caminhei até a beirada da cama onde a mais nova se encontrava e a peguei no colo novamente. Eu não aguentaria vê-la nua. Não mesmo! Ainda mais que também estou sob o efeito do álcool, não sei o que poderia acontecer, e eu jamais me perdoaria se fizesse algo de errado com ela. Coloquei-a sentada em baixo ao chuveiro com água fria caindo em seu corpo. Ela me fitava querendo dizer algo.

- Vem Luiz, toma banho comigo por favor. - disse manhosa. 

- Eu não posso Bianca. - disse soltando todo o ar que estava dentro de mim.

- Por favor, me recompensa por todos esses anos que ficamos longe um do outro. - ela disse com o semblante triste.

Pensei, pensei e pensei novamente. O que tem de mal nisso? Será só um banho. Tirei toda minha roupa e sapatos, ficando apenas com uma cueca branca boxer. Bianca levantou seu olhar lentamente percorrendo todo o meu corpo. Senti um frio na espinha. Me aconcheguei juntinho à ela em baixo daquele chuveiro. Peguei o sabonete e passei em suas costas e ela estremeceu com o meu toque. A pequena levantou daquele banco de madeira e sentou-se ao chão junto à mim.

- O que têm de errado comigo Luiz? 

- Por que diz isso?

- Estou receosa em te contar isso mas, você é meu irmão e preciso desabafar. Depois que te disse todas aquelas coisas horríveis liguei pro Paulo vir me buscar pra gente dar um passeio eu realmente precisava da companhia dele. Ele me levou até o seu quarto pois queria me mostrar algo. Chegando lá, disse que queria me rasgar inteira. Eu não sabia o que fazer. Eu gritei por você David, queria que você estivesse lá comigo. 

- Como é que é? - Levantei de uma vez do chão e desliguei o chuveiro ajudando Bianca a se levantar também. - Eu não acredito que ele falou isso, aquele... Bianca me diz, o que ele fez com você? - eu disse socando a parede do banheiro.

- Nada Luiz, eu saí correndo e voltei para casa. Fui até o seu quarto eu precisava de você, mas, estava no banho e não queria te pertubar com os meus problemas. - disse com voz de choro.

- Bianca pelo amor de Deus!!!! Você tinha que ter me dito isto! Eu vou quebrar a cara daquele otário!!!! Ele vai ver.

- Me arrumei toda e fui pra balada tentando esquecer o ocorrido. E acabei exagerando na bebida. Desculpa David. Desculpa. 

- Ei mana, isso não vai ficar assim. Ele vai ter o que merece!

Saímos do banheiro e fui para o meu quarto eu precisava de descanso. Deitei e fiquei olhando para o teto. Não conseguia dormir. Fui silenciosamente ao quarto da Bi ver se ela já estava dormindo e me deparei com ela chorando. Foi de partir o coração. Entrei de uma vez e fechei a porta. Pareceu não notar minha presença, e lá estava, agarrada em seu travesseiro com os joelhos dobrados. Chorava tanto, que começou a soluçar e foi aí que percebeu que eu estava ali diante dela.

- David me abraça por favor.  -dizia em meio aos soluços. 

Não pensei em nada eu a abracei. Abraço de uso sabe? Daqueles bem apertados. Meu coração doía a cada lágrima dela que caía naquele lençol. Eu quis beijá-la pela milésima vez hoje. A proteger de tudo e de todos, e assim eu farei. Vou protegê-la com minha vida se for preciso. 

- David eu sou virgem... - disse com o olhar paralisado ao meu. 

Meu mundo caiu. As palavras faltaram juntamente ao oxigênio. Veio  a cabeça: "Ele queria me rasgar."  








Notas Finais


E esse Paulo em? Mau caráter! O que será que vai acontecer?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...