História Amor próximo - Capítulo 39


Escrita por: ~

Exibições 2
Palavras 1.234
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Violência
Avisos: Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 39 - Capítulo 39 - Demibissexual


Fanfic / Fanfiction Amor próximo - Capítulo 39 - Capítulo 39 - Demibissexual

O meu nervosismo ficou tão evidente na conversa que eu nem sei mais como reagir perto dela amanhã, porque não é a mesma forma de puxar o papo, agora estamos no pessoal de vez e não tem mais volta.

É difícil olhar nos lindos olhos dela, nos seus cabelos lisos que terminam com ondas, ela é tão atraente que eu não consigo olhar direito! Quando a gente conversava no virtual, eu só imaginava mesmo depois da foto que ela havia me mandado.

— Olha, é o Takeshi, melhor nem tentar, vai que ele te ignora.

— Mas eu quero tentar! E se eu arranjo um namorado?

— Vai nessa, mas se você se ferrar não vai ser culpa minha.

De um jeito eu estava feliz, mas e se fosse armação para me usar como um mero objeto? Não sei se consigo confiar em pessoas que tentam conversar comigo, me dá medo, como se fossem me machucar.

Nisso a tal garota se aproximou de mim, olhou para baixo e perguntou se eu poderia sair com ela, mas tem um detalhe que eu quase não conto eu só consigo me apaixonar e me atrair por pessoas que crio um vinculo.

— Me desculpe, mas é muito cedo, pois eu não consigo me apaixonar por aqueles que eu não tenho uma ligação ou uma conexão, contudo se ainda quiser tentar posso criar um vinculo com você.

Não acredito que eu consegui olhar nos seus olhos enquanto falava, porém vi a reação dela e me senti mal, só que eu não tenho culpa se sou assim, apenas sei que se ela quiser tentar vai ter que criar algo comigo primeiro.

— Eu não queria ter chorado, mas aconteceu e eu vou pensar sobre.

Já sei que tenho grandes chances de me ferrar, porque quando a pessoa fala que vai pensar, tem várias possibilidades de algo de ruim acontecer, seja a pessoa desistir, seja ela achar que não quer mais e assim vai.

Então a vi conversar com a amiga de novo e notei que a forma com que ela tratava a menina era repugnante, com isso não resisti e intervi no que estava acontecendo entre elas.

— Você não deve tratá-la assim.

— Assim como? — O olhar de pessoa falsa que tenta justificar os seus atos me enojava de um jeito que eu nem sei descrever de tão podre que era.

— Com esse tom de voz, com essa expressão, com essas palavras e não adianta falar que é normal, pois amigas de verdade se xingam de maneira que ambas gostam e dá para ver bem que ela não está gostando, acho que é melhor arranjar outra pessoa para ser falsa.

Ver o brilho nos olhos da Miki me causou um bem estar enorme, sem contar no olhar irritado da pessoa falsa, já que ela sabia que perderia uma das suas maiores marionetes e isso aconteceu de vez.

Nisso ela se aproximou de mim e meu coração acelerou de vergonha, nenhuma garota havia feito isso comigo antes, por me achar um idiota ou por achar que jamais receberia uma resposta pelo fato de eu ser quieto.

— Obrigada, posso começar a ficar mais perto de você?

— Claro, até porque aquele lugar está sempre vazio.

Nós rimos e fomos até a sala, nisso ela trocou de lugar e o professor suspeitou a nossa aproximação, ainda mais por ser comigo, o garoto mais ignorado da sala, senão da escola, tudo porque eu sofro com a timidez.

Ao final da aula o mesmo professor de antes chegou a nós para saber o que havia acontecido e eu tive que explicar toda a nossa situação, demorou um pouco, mas ele entendeu e disse que se eu conseguisse namorar ela, eu teria um ponto a mais, mas claro, zoando.

Percebi que alguns meninos estavam irritados com o fato de nós começarmos a nos aproximar, porém isso não me importava, porque eu ainda vou aprender técnicas de defesa e nada vai ser tolerado.

— Como consegue suportar esse tanto de gente te encarando? É horrível, mas você trata como se fosse normal.

— Eu me acostumei e eu não ligo mais, se eles querem me encarar que façam desde que isso não interfira diretamente na minha vida. E sei que muitos tentam me deixar com medo, o que não acontece, mas gosto de fingir que sim.

Estou orgulhoso de mim, consegui falar com uma garota sem problema, só preciso conseguir com garotos também, mas isso é para outra hora, outro momento, por enquanto devo comemorar que uma conquista aconteceu.

— Preciso ir a um lugar antes de ir para casa, quer ir junto?

— Eu posso?

— Sim.

Ela é tão fofa que eu nem sei como reagir tudo que eu sabia é que logo eu travaria de vez, pois aguentei muito tempo conversando, espero que a Miki não se importe e ainda tente ser a minha amiga.

Na hora em que saímos da escola comecei a sentir um nervosismo atacando o meu corpo, já que a gente vai andar de mãos dadas se ela quiser então fiquei sem saber o que realizar naquele momento.

Com isso trocamos olhares e eu não conseguia mais falar nem sequer olhar nos seus olhos lindos, isso é mesmo vergonhoso, porque por mais que eu tentasse falar algo, só saia os movimentos e alguns gaguejos.

— Está tudo bem?

— Sim, é só o nervosismo.

Olhei para baixo durante boa parte do caminho, até que recebi um beijo no rosto e fiquei corado, mas consegui olhar no seu rosto e para algum lugar sem ser o chão, até que notei que estávamos na casa da Kasumi.

Toquei a campainha e na hora que uma delas abriu a porta, ficou surpresa e eu tive que contar tudo de novo, com todos os detalhes, para que eles não entendessem tudo errado a ponto de nos causar constrangimento.

— Eu ainda travo às vezes, mas estou melhorando, não é Miki?

— Sim, ele está evoluindo na velocidade dele.

Os olhos cheios de brilho e marejados me deixavam cada vez mais orgulhoso dos meus atos, pois agora eu arranjei uma amizade que pode vir a durar anos, ainda mais que eu não sei quanto tempo eu levo para conseguir me apaixonar e me atrair por alguém.

Agora o próximo passo é cortar meu cabelo, não porque eu quero atrair mais pessoas, porém porque eu já cansei desse corte e ele atrapalha na hora de enxergar, porque tampa a minha visão em alguns momentos.

Não sei qual corte será o escolhido, apenas que quero mudar meu visual, não aguento mais ser dessa forma desde o primeiro ano, já estou para acabar essa época e não mudei em nada nesses três anos.

Quantos nãos em um pensamento só, preciso mesmo mudar o quanto antes ou sofrerei as consequências.

Pelo menos eu tenho alguém para me ajudar a escolher um corte, alias, não só uma pessoa como quatro! É incrível ver que eu consegui tanta ajuda em tão pouco tempo, tudo porque eu encontrei na rua a pessoa que eu conversava por meses no virtual, não sei o que seria de mim se isso não acontecesse.

Tudo o que eu quero fazer é aproveitar e criar um novo Takeshi, uma versão nova com atualizações boas, tal como eu vi meu irmão evoluir de um cara isolado para uma pessoa cheia de amigos e hoje já está com filhos, mas essa parte das crianças eu não pretendo, para mim está ótimo só ter amigos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...