História Amores Obsessivos - Capítulo 24


Escrita por: ~

Exibições 37
Palavras 1.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Bishounen, Ecchi, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus divos.
Bom, mais um capítulo para vcs... e lhes digo que o negócio vai ficar bem... Ahm... Tenso.
Esse capítulo foi ideia de minha amiga... Mas não quer dizer que eu ñ gostei da ideia.
Enfim... Bora para o capítulo.
Música 1: Angel - Massiv Attack. (vou colocar ** para que vocês toquem)
Música 2: Zoião - Emicida. (cou colocar */* para que vocês toquem)
Boa leitura.
Desculpem os errinhos.
Kisses <3

Capítulo 24 - 24 de agosto de 2016 - 4 parte.


POV Adam.

 

**

Eu estava com Dean e Charlie  no shopping procurando alguma coisa de que Jô gostasse, mas tudo o que estava nas lojas deixava Charlie incomodada. Passamos em varia lojas, até que Dean viu uma loja de rock antigo, e sabia que Jo gostava desse tipo de musica.

Entramos na loja, mas eu já estava entediado, então resolvi ir embora. Fui até a entrada do shopping e pedi um taxi. Alguns minutos depois eu já estava em casa, e avisei a Dean que eu já havia chego. Entrei dentro de casa, e senti um cheiro diferente. Fui seguindo o cheiro até parar no quarto de meus pais, achei estranho, já que minha mãe não gosta de perfumes doces e sim discretos e delicados.

Entrei no quarto e vi meu pai afrouxando a gravata na frente do espelho.

-Ah, olá filho. -Disse Meu pai.

-Oi pai... De quem é este perfume? -Pergunto sendo o mais direto possível.

-Ahm... Que perfume? -Diz meu pai de fingindo de desentendido.

-Este que está no seu terno... E que marca de batom é essa em seu pescoço? -Perguntei me aproximando dele, ficando a milímetros de seu rosto.

-O que você quer com isso? -Perguntou ele já sabendo aonde eu queria chegar.

-Bem... Eu quero umas coisas em troca do meu silêncio. -Digo sorrindo friamente.

-O que? -Pergunta meu pai confuso.

-Ah... Não se faça de desentendido... Eu sei muito bem que você trai a mamãe a muito tempo... Sem contar que você sabe que o Sam trafica drogas na escola... E tem um caso com a secretária... Serio... Você arruma umas mulheres que me deixam pasmo... -Digo colocando meus braços envolta de seu pescoço.

-E eu sei que você transa com o Dean... Eu não consigo acreditar que você e seu irmão fazem sexo escondido... Você sabe que isso é errado, e é mais errado você me chantagear... Mas... O que você quer em "troca do seu silêncio". -Diz meu pai me olhando intensamente nos olhos.

-Você sabe o que eu quero. -Digo e mordo o lóbulo de sua orelha.

-Como você é... Não me faça perder o controle... E isto não é certo. -Diz ele.

-Eu não ligo para o que é certo. -Digo e o empurro na cama, e me sento sobre o seu membro

-Quem manda aqui sou eu. -Diz ele invertendo as posições, me deixando por baixo.

 Ele me beijou, com força e necessidade, descendo suas mãos pelo meu corpo, me fazendo suspirar de tesão.

-Você me deixa louco. -Diz ele beijando o meu pescoço.

-Você me deixa louco com esse corpo. -Digo em seu ouvi, o fazendo sorrir.

-Você está sendo um menino muito mal... E merece uma punição. -Diz ele tirando minha camiseta, e amarrando meus pulsos com a gravata.

Foi fazendo uma trilha de beijos, do meu pescoço, para mim clavícula, meu peito, chupando meus mamilos, indo para o meu abdômen. Ele abaixou minhas calças, me deixando apenas com uma boxe branca, mostrando o volume que se encontrava na mesma.

Ele retirou sua camisa social, exibindo o seu peito e abdômen definido, mostrando cada gominho. Desabotôo suas calças, ficando apenas com uma boxe preta, deixando o seu volume bem marcado pela mesma, me excitando ainda mais.

Ele voltou a me beijar e eu entrelacei minhas per nas envolta de sua cintura, o puxando de uma vez e selando nossos lábios em um beijo lascivo e voraz. Mordi seu lábio inferior levemente, o fazendo suspirar. Ele retirou minha boxe, deixando meu membro a mostra, ele distribuiu beijos por toda minha extensão,  me fazendo arfar de prazer.

Ele começou a chupar meu membro lentamente, me fazendo arquear as costas. Ele foi aumentando a velocidade, me deixando ébrio de luxúria, senti ele fazer uma leve sucção, me fazendo gemer.

-Ahhh... Ahm... Uhm... -Eu gemia cada vez que ele subia e descia.

-Esta gostando Adam? -Perguntou ele.

-Ahh... Estou... -Digo suspirando.

-Vem Cá. -Disse ele me puxando.

Ele colocou o seu membro em minha boca, eu fui chupando lentamente, indo para fentre e para trás. Arranquei gemido do mesmo, o fazendo estremecer. Eu comecei a aumentar o ritmo, e ele começou a fuder a minha boca, indo mais rápido, me fazendo sentir seu membro ir até a minha garganta.

-Isso... Assim... Ahh... -Ele gemia prazerosamente.

Ele parou as estocadas em minha boca, e me virou de costas, fazendo minha bunda ficar empinada. Ele me penetrou seco e de uma vez, me fazendo sentir como se eu estivesse sendo rasgado ao meio. Uma lágrima caiu, e ele a secou.

-Logo vocês só sentirá prazer, e não dor... Não chore Adam. -Disse ele calmamente.

Esperamos alguns minutos ate que eu rebolei dando confirmação. Ele começou a me estocar bem devagar, me fazendo gemer mais e mais... Deixando-me embriagado de luxúria.

Eu empinei  mais a bunda para receber melhor as estocadas, que iam aumentando de acordo com os meus gemidos. Senti-o encostar na minha próstata, me fazendo arquear as costas.

-ISSO AI... Ahh... Mais... Rápido... Aahh... -Eu gemia descontroladamente, a cada estocada.

-Você gosta de ser fudido ahm? Gosta quando eu faço assim? -Disse ele eatocando com mais força.

-Sim... Eu... Go... Gosto... -Gemi abafado pelo travesseiro.

-É eu sei que gosta. -Disse ele em meu ouvido.

-Ahh... Isso me fode mais rápido... Aahhh... Ahmm... -Eu pedia para que ele fosse mais rápido.

Ele me virou de frente e me estocou com mais força e mais rápido, me fazendo revirar os olhos de tesão e prazer. Ele começou a me masturbar, e em poucos segundo eu cheguei em mei ápice, sujando nossos corpos com meu sêmen. Ele me estocou mais algumas vezes, e eu senti seus jatos atingirem a minha próstata, me deixando louco, me fazendo gozar um segunda vez sem ser tocado, estremeci ao sentir seu sêmen escorrer pelas minhas pernas.

Caímos ofegantes e com a respiração totalmente descompassada.

-Gostou do seu castigo? -Perguntou meu pai.

-Muito... Mas eu ainda não estou satisfeito. -Digo subindo em seu colo.

-Você quer um segundo round? -Perguntou ele me dando uma palmada forte na bunda.

-Na verdade não... Eu quero 500 dólares. -Digo simplista.

-Como? -Perguntou ele desnorteado.

-Isso mesmo, eu quero 500 dólares. -Digo sorrindo com superioridade.

-Você é muito chantagista. -Disse ele.

-Eu vou tomar um banho, e deixe o dinheiro em cima da minha cama... E lembre-se... É o nosso segredinho. -Digo e saio do quarto.

_____________ */*

            Depois de um bom e demorado banho, eu saio do banheiro e me troco. Eu fui descer as escadas quando ouço uma voz, me fazendo parar.

-Adam. –Diz Sam.

-O que? –Pergunto ríspido me virando para ele.

-Eu vi e ouvi tudo o que você fez com o papai... E também quero parte da grana. –Diz ele ficando um degrau acima de mim.

-O que? Cansou de ser a putinha da família que todos fodem quando querem. –Disse ele sorrindo.

            Eu não me contive e dei um tapa em seu rosto, deixando o local avermelhado.

-Eu não sou nenhuma putinha. –Digo friamente. –Eu transo com o Dean por que eu amo ele, e transei com nosso pai por que chantagear ele...E diferente de você, eu não sou um drogado.

-Vai se arrepender disso seu merda... É bom você me recompensar por ter dito isso, ou você vai querer que o Dean saiba dos seus trabalhinhos noturnos?... Ou que você é a putinha da escola que qualquer cara paga e você da o cú gemendo que nem uma cadela no cio? Não se esqueça que ele é bem ciumento. –Diz ele passando a mão em meu rosto.

-Tira a mão de mim. –Bato na mão dele, tirando-a de meu rosto. –Eu faço o que bem entender da minha vida, por que o corpo é meu, e você... Eu tenho nojo de você, seu drogado de merda, filho da puta... Você não passa de um cachorrinho assustado que se esconde na asa do papai. –Digo e cuspo na cara dele.

            Nesse momento, a porta se abriu revelando um Dean com uma sacola de compras, eu me desequilibrei de propósito, rolando cada degrau até cair nos pés de Dean.

-Adam. –Diz ele correndo para me ajudar.

-Ahh... Ai... Dean. –Digo com os olhos marejados.

-O que aconteceu? –perguntou ele me ajudando a levantar.

-Oh... O Sam... M-me... Empurrou. –Disse com a voz falha.

-O que? –Sussurrou ele pasmo.

-Isso é mentira. –Disse Sam pálido.

-COMO É MENTIRA SAM, EU VI VOCÊ EMPURRANDO ELE... SEU FILHO DA PUTA. –Gritou Dean.

-Eu... Eu vou p-para a cozinha. –Disse choroso.

            Antes de ir, eu mandei um beijo e um tchauzinho para Sam, dizendo mudo um “Se fudeu”. Saio sorrindo para a cozinha ouvindo Dean gritar e bater em Sam.

_____________

            Depois de toda aquela confusão, Dean estava limpando uma corte que eu fiz na testa.

-Dam. –Disse ele.

-O que? –Perguntei olhando para o chão.

-Por que o Sam fez aquilo?... De te jogar da escada? –Perguntou Dean, sentando ao meu lado.

-É ele queria o dinheiro que o pai me deu para comprar o presente da mãe. –Digo cabisbaixo.

-E quanto ele te deu? –perguntou.

-Quinhentos dólares. –Disse.

-Wow... Mas você não tem dinheiro. –Dean perguntou levantando meu rosto.

-É que... Bem... Eu... –Eu me interrompi.

-Fala Adam. –Disse ele me olhando.

-É que o Sam queria para comprar mais... E ele tava estranho aquele dia... Então eu só entreguei o dinheiro. –Disse com os olhos marejados.

-Quanto você deu a ele? –Perguntou Dean.

-Novecentos e setenta e quatro dólares. –Disse, e uma lágrima escorreu pelo meu rosto.

-Olha... Eu não quero mais que de dinheiro a ele... O Sam precisa se tratar... Não chora ta? Eu não vou deixar ele te machucar de novo.

-Ta. –Disse em um sussurro.

-Vem... Vamos para o quarto. –Disse ele.

            Subimos, e entramos no quarto de Dean, eu me deitei na cama, e ele se deitou ao meu lado, me abraçando. Eu pousei minha cabeça em seu peito, e ele me deu um beijo na cabeça.

-Eu te amo Dam... –Disse Dean.

-Eu te amo Dean. –Sussurrei.

            Pobre Dean... Mal sabe o que acontece na própria casa, só espero que ele não demore a perceber, caso contrário... As coisas não saíram bem para o seu lado.

            Mas acima de tudo... Eu te amo Dean Winchester.

 


Notas Finais


Bom gente espero que tenham gostado do capítulo.
Como eu disse "O bagulho vai ficar tenso"...
Link da musica 1: https://www.youtube.com/watch?v=hbe3CQamF8k
Link da musica 2: https://www.youtube.com/watch?v=z4qRD3GJCog
Comentem.
Kisses <3 amo voces


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...