História Amount Of Tears - Jikook - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjo, Bangtan Boys, Depressão, Jikook, Jimin, Jungkook, Yoongi
Visualizações 18
Palavras 1.601
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lírica, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Capítulo Oito - A Dor Interna


ㅡ A Dor Interna

Minha dor

É interna, silenciosa

Grandiosa


A dor passa

Tudo passa

A dor pode passar por um momento

Mas a dor não é um simples evento

Uma hora ela vai voltar


Lágrimas escondidas por um sorriso falso

Mostram que poucos realmente vêem a verdade

Acreditam em poucos sorrisos

É sempre um "Você tá bem?" Que acaba comigo

Sei que quanto a isso

Nunca agi com honestidade 

Mas queria que uma vez na vida

As pessoas vissem a realidade


Há possibilidade de eu ser feliz?

Se há, me diga como achar

Pois quero ver

Uma linda flor de felicidade

Em mim desabrochar


Não sei por que quando eu te vejo

Meu coração pulsa em desejo

Desejo que não sinto a anos


Você foi como fogo

Que me queimou até eu não aguentar mais

Não digo que não gostei

Pois no final

Eu amei


Você me deu a sensação de estar vivo

Por mais que eu já estivesse morto por dentro


Ao ver você fui ao seu encontro

Você foi invasivo

Invadiu meu espaço

Cutucou a ferida profunda

E me fez perceber

Que ela só vai sarar

Se dela eu cuidar


Escrevi esse poema em uma das aulas que tive hoje. Infelizmente o professor me interrompeu umas 3 vezes basicamente, assim interrompendo-me de pensar. Por isso não ficou tão bom.

Não costumo falar meus sentimentos a muitas pessoas ㅡ na verdade eu não falo pra ninguém ㅡ Tento então as vezes expressar o que eu sinto com palavras escritas, como se o papel fosse meu único amigo presente, que pudesse me ouvir sem questionar.

Talvez isso possa parecer estúpido, mas é uma das formas que eu encontrei para não me sentir tão sozinho.

Não sei de onde eu tirei tantas palavras assim, considero meu vocabulário bem baixo. Me surpreendi comigo mesmo hoje, que é realmente algo que nunca acontece.

Aliás também não sei de onde tirei tantos sentimentos, nunca soube expressá-los, nem mesmo numa folha de papel.

Nunca me decepcionei amorosamente, eu me poupava disso. Se eu gostasse de alguém, eu já sabia que essa pessoa provavelmente me achava apenas mais um garoto gordo, nerd, feio, e completamente inútil para toda sociedade em geral. 

Como alguns diziam antes: Eu era resto de esperma gasto em vão.

Então eu mantinha todo esse amor em segredo, ninguém jamais saberia do "amor" que eu sentia por alguém.

Amor em aspas, pois não se pode amar o desconhecido.

As vezes, alguém pode ser muito lindo, várias qualidades, corpo exatamente perfeito. Mas o caráter, ah o caráter. O caráter é uma merda.

Eu não perdia meu tempo com o amor, o amor desde aquela época e até hoje, continua sendo para mim um sentimento estúpido.

Acho que de tudo o que eu já escrevi, esse foi o texto mais poético. Talvez até romântico.

Minha professora costumava dizer que ao escrever um poema, você põe os seus própios sentimentos nele.

Bom, talvez o pequeno Park está voltando a amar. Ou talvez seja algo passageiro, o que eu espero que seja.

Não tenho apreço por amor, nem acho fofo todos os icons de casais que vejo todos os dias na minha timeline do tumblr. Muito menos fotos tumblr em casal. É um amor muito falso pra mim.

Eu tenho em mente de que quando você realmente ama a pessoa e só quer passar um tempo com ela, você aproveita todo o momento possível, nem olhar as horas no celular você olha. Pois você gastas segundos, poucos, mas são segundos que você poderia estar gastando com a pessoa do seu lado.

ㅡPark! ㅡ O professor me chama pela 4 vez só hoje, tirando-me mais uma vez dos meus devaneios estúpidos, isso já estava me irritando.

Não movo minha cabeça, muito menos meu corpo, apenas direciono um olhar incrédulo naquele chato professor, que por sinal, já é o terceiro período, e eu ainda não decorei seu nome.

ㅡJá é a quarta vez que te chamo hoje. Park Jimin, você está totalmente disperso! Tente se concentrar na aula.

Não falo nada, apenas reviro meus olhos e volto meu olhar ao meu caderno e as palavras escritas nele.

O professor volta a sua aula naturalmente. Porém a conversa dos alunos do fundo o atrapalha ㅡ Por sinal, muito mais que minha dispersão, mas com eles ele reclama menos ㅡ Ele tenta continuar sua aula naturalmente, porém a conversa toma diversos assuntos, mas nenhum deles é voltado a aula, por sinal, ouvi meu nome nessa conversa bem umas 4 vezes. Mas tudo bem, eu não me importo. Já ouvi meu nome ser citado muito mais vezes e não apenas em uma única conversa.

O professor tenta dar um sermão nos alunos, mas é interrompido novamente, a aula acaba.

Todos são liberados, menos eu e algumas pessoas do fundão. O professor me da um sermão de uns 7 minutos de quanto minha dispersão pode influenciar nas minhas notas.

Uma pena que eu não dou a mínima.

Saio da sala, e deixo ali umas 5 pessoas tomando mais sermão ainda do professor e sigo meu caminho até a lanchonete, que ficava bem no centro da faculdade.

Jungkook já deveria estar ali do lado de fora, mas ele não estava. Tentei ligá-lo, mas ele não atendia. Mas tudo bem, sua presença não é tão requisitada no momento. Apesar do fato dele ser o único amigo que eu tenho na faculdade inteira, e ainda ser minha carona. Já estou acostumado, a ir para casa sozinho. E a ficar sozinho também. 

Pego meu celular e fones de ouvido, coloco uma playlist qualquer no aleatório. Cabeça baixa sempre, não me importo muito com quem está a minha frente, acho que ninguém nunca se importa.

Enfio fundo minhas mãos no bolso da minha jaqueta, fazia frio aquela hora, apesar de não ser tão tarde.

Olho meu relógio, sao 17:22. Logo o próximo trem que passa justamente próximo a minha casa estaria na estação.

Pensei em correr até a estação, mas logo que realmente estava pronto para agir me deu uma sensação de cansaço e exaustão. E eu sei, que eu posso até correr muito rápido, mas eu não chegarei eu meu destino logo.

Continuo a andar sem prestar muito atenção nas ruas, o brilho da rua começava a ofuscar em conjunto com as milhares de luzes de carros, que passavam numa velocidade um tanto quanto lenta pelos semáforos.

Fico olhando algumas das propagandas, vejo uma propaganda de um clube da dança, penso em anotar o número, mas lembro que mesmo que eu me matricule nisso, será apenas mais uma atividade extra curricular, que eu com certeza não terei a mínima vontade de continuar a fazer.

Continuo a seguir meu caminho. Sentia a brisa gelada, tocar meu rosto e fazer meus fios pretos ficarem levemente bagunçados.

Chegando próximo ao final da rua, vi um beco mal iluminado, que provavelmente se eu fosse por ele, eu evitaria pelo menos umas 4 ruas, e evitar o barulho das buzinas, e os fortes holofotes de luz.

Porém já aprendi minha lição com becos, então não vou tomar tal decisão estúpida.

Meus pés doíam, estava usando minhas timberlands desde de manhã. Não é muito comum elas me machucarem, elas são sempre confortáveis.

As pessoas andavam apressadas, a passos rápidos. Era algo normal nessa hora do dia, adultos saíam de seus trabalhos, adolescentes saindo de seus colégios. Indo as suas casas, ou a algum outro lugar.

Continuava andando nos meus passos curtos e lentos, sem prestar muita atenção nas coisas que aconteciam ao meu redor, as vezes esbarrava em algumas pessoas, me desculpava e seguia meu caminho. Porém, algumas pessoas estavam realmente muito apressadas, tanto que nem ligaram para minhas desculpas.

Ultimamente as pessoas não são tão educadas, eu tento, não consigo a maioria das vezes, mas ao menos eu tento. Outras nem fazem questão.

Mas tudo bem, eu já venho vivenciando a um bom tempo. Já me acostumei com bastante coisa que vejo.

Faltam só mais umas 2 ruas para eu afinal chegar em casa, e dar início a mais uma bela e monótona rotina sem graça. Passar a noite no celular, jantar, dormir, acordar ir para a faculdade, voltar para casa, pasdar o resto da noite no celular, enfim. A rotina. A maldita rotina.


                          ㅡ•ㅡ


Entro em casa, Yoongi preparava alguma coisa na cozinha, não havia me escutado abrir as portas de casa, apesar de que o ranger das portas foi consideravelmente alto.

Entro no meu quarto, jogo minha bolsa em algum lugar, jogo-me na cama e fico mexendo no celular.

Vou olhar a caixa de mensagens. As últimas foram de Jungkook, mas essas mensagens foram trocadas no domingo. Faziam 2 dias que ele não falava comigo, e hoje ele também não foi para a faculdade.

Mas por que eu estou preocupado com isso?

Ele apenas não foi, Park Jimin.

Talvez não tenha sido nada, pessoas faltam a faculdade todos os dias. Não importa a faculdade que seja.

Continuo a olhar o perfil de Jungkook, ele não ficava online desde domingo também, o que era realmente estranho.

Pensei em mandar uma mensagem, desisti da idéia. Mas repensei ㅡ Bipolaridade o nome disso ㅡ e acabei mandando.

Jungkook?

You 06:03 PM

Eu não esperava receber uma mensagem no mesmo momento, afinal se desde domingo o garoto não fica online, então é pouco provável que ele me responda rápido. 

Me levanto e vou até a cozinha. Yoongi estava colocando um grande prato de algo que parecia muito bom no centro da mesa, a mesa parecia extremamente arrumada, Yoongi parecia até feliz em fazer um jantar diferente, em vez de apenas dizer "Come ramén". Não vou dizer que não gostei, achei a idéia interessante. Mas por um momento até pensei que não fosse para mim.

ㅡOi Jiminnie ㅡ Ele sorri ㅡ Eu fiz *bulgogi. Vai querer?

Apenas sorri e fui em direção da mesa, logo me sentei, apesar de não parecer, Yoongi cozinha bem. E ele havia feito algo que eu gostava bastante, bulgogi, e não via a hora de comer.

É, apesar de ser um dia bem chato, o final, foi realmente um final de dia muito bom.


Notas Finais


Oiis :3
Voltei com um capítulo bem lecal (eu acho né)
Caso queiram saber (ou provavelmente não pq talvez ngm ligue pra oq vc faz ou deixa de fazer né Maria Clara meu amo hahaha voltando) o poeminha fui eu que fiz :3, ficou uma boxta eu sei, ngm liga, tanto faz bjs.

Bulgogi = é um prato típico da cozinha coreana, feito de carne marinada grelhada em molho de soja, alho picado e semente de gergelim, e servido com verduras.

É acho q é só isso mesmo
Espero q tenham gostado do capítulo :3
Adiós Amigos.

ㅤㅤ ㅤ ㅤ ㅤ ㅤ ㅤ 👽


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...