História Amsterdan - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Bobby Singer, Castiel, Dean Winchester, Gabriel, Meg Masters, Sam Winchester
Exibições 26
Palavras 1.916
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


oie gente!

Capítulo 4 - Morte a minha amiga


Fanfic / Fanfiction Amsterdan - Capítulo 4 - Morte a minha amiga

Clear

Já haviam se passado mais de 24 horas que eu e Castiel estávamos andando. Ele só resolveu se hospedar em um hotel por um pedido meu.

- Desculpe, eu esqueci de que você precisa dormir e se alimentar

- Não tudo bem Cass

Quando entramos no Hotel logo avistamos a recepcionista atrás do balcão lendo uma revista, ela era ruiva e tinha olhos azuis. Então quando ela nos viu esboçou um sorriso.

- Bom dia! Como posso ajudá-los?

- Um quarto, por favor – disse Castiel

- Cama de casal?

Olhei para Castiel, ele havia ficado vermelho de tanta vergonha e muito provavelmente eu também.

- Não ela... Ela é apenas minha...

- irmã – completei a frase dele antes que ele pudesse dizer alguma besteira

- Ah bem... Então duas camas – dizia a recepcionista digitando alguma coisa no computador

Então ela nos entregou uma chave.

- Aqui está. E se precisarem de mais alguma coisa é só avisar – dizia ela lançando um olhar safado para Castiel, que a olhou com frieza

Dentro do quarto eu corri e me joguei em uma das camas, meu corpo estava todo dolorido pela longa caminhada. Quando me levantei percebi que Cass estava olhando a paisagem pela janela. Ele estava sorrindo, mas mesmo assim ele parecia triste de alguma forma.

- Você acha que ela esta bem? Sabe a Meg

- Cass... – tentei pronunciar as palavras com calma – Olha a essa altura do campeonato, eu não acho que ela esteja viva. Sabe você tem que...

- ELA ESTÁ VIVA!

Então em um movimento rápido Castiel pegou o abajur em cima de um criado mudo perto da cama e lançou contra mim, mas eu não me movi continuei parada. Castiel não me acertou, o abajur se quebrou em mil pedaços quando foi de encontro com a parede.

- Desculpe... Clear – disse Cass percebendo o tinha acabado de fazer

- Não tudo bem é que... - "Você não aguenta a verdade", eu queria dizer, mas me segurei

- Acho que devemos dormir... Bom pelo menos eu

Castiel sorriu e se sentou na cama e continuou olhando para a Janela.

Dean

Sonho on

Eu estava em um quarto as paredes eram azuis e haviam duas camas, em uma delas estava um garota de cabelos castanhos quando me aproximei mais dela percebi que era Clear.Ela estava dormindo, parecia estar em paz como se nada de ruim estivesse acontecendo.

-As vezes invejo vocês humanos... – quando me virei era o tal Castiel

Eu estava tão hipnotizado olhando para Clear que nem percebi a presença do Castiel.Continuei olhando pra ele sem entender o que estava acontecendo.

- Onde estamos?

- Em um sonho por assim dizer

- Eu estou dormindo?

Castiel assentiu

- Bem... Como eu dizia... Tem coisas em vocês humanos que invejo, como a capacidade de dormir e parecerem tranquilos em momentos tensos.

- É uma de nossas qualidades... –digo dando um leve sorriso sarcástico

- Dean como você esta sonhado é melhor eu ser breve e direto. Eu e Clear estamos nessa pousada. – ele disse enquanto me dava uma folha com o endereço do lugar – Pousada Paraíso

Comecei a olhar fixamente para a folha e Lê-la diversas vezes.

- Mas Castiel se isso é um sonho como eu vou...

Sonho off

Então eu havia acordado.

Depois de uns vinte minutos deitado eu resolvi levantar, eu já havia arrumado uma mochila só com coisas que eu realmente precisasse. Fui direto para a casa de Bobby e como sempre ele me recebeu de bom grado.

- Dean! – disse Bobby me dando um abraço apertado

- Bobby... Eu tenho que te falar uma coisa. Eu vou para Amsterdam.

Bobby me olhou como se eu fosse louco.

- Garoto esse lugar não existe.

- Bem não custa nada procurar

- Seu irmão sabe dessa sua viajem a loucura

- Pode se dizer que sim – digo rindo e lembrando da minha futura liberdade

Então Bobby me olhou incrédulo.

- Dean de onde tirou essa ideia maluca? – disse Bobby tomando um gole do wiski dele

- Pode se dizer que foi por causa de uma garota e um anjo

- Deus... Você bateu com a cabeça?

Rio alto. Eu iria sentir saudades desse velho.

- Bobby eu só vim aqui me despedir. E eu quero que saiba que sempre será como um segundo pai pra mim

- E você como um filho que eu nunca tive... Seu pai de verdade teria orgulho de você se ele ainda estivesse vivo

Esboço um leve sorriso ao lembrar de meu pai. Eu sei que ele nunca iria ganhar o premio de pai do ano, mas, ele tentava.

- Bobby o Sam não pode saber que vou para Amsterdam. Caso ele venha me procurar diga que não disse aonde ia... Que só iria fugir pra bem longe

- Espere seu irmão não sabe? Dean por que vai fugir?

- Não aguento mais tanta matança Bobby... Você poderia vir comigo e fugir

Bobby soltou um suspiro longo e triste

- Não tenho mais 35 anos Dean, estou velho é melhor eu ficar por aqui e fingir que isso tudo não é da minha conta

Continuo encarando Bobby.

- Então adeus Bobby...

- Adeus...

Ando até a porta, abro-a e vou embora sem olhar para trás.

Sam

Não sei quanto tempo estava amarrado naquela cadeira, mas eu já conseguia sentir o sangue das feridas dos meus pulsos escorrer pela minha mão. Eu continuava gritando por ajuda. Depois de uns 29 minutos Steve e Lance apareceram.

- Sam, mas que porra aconteceu aqui?

- Apenas um nome... Dean

- Dean? – disseram os dois em um ao mesmo tempo

- Apenas me soltem...

Então como dois cachorrinhos de estimação eles me soltaram. Minha mente estava a mil, um turbilhão de pensamentos. Então Steve me encarou, como se esperasse alguma ordem.

- Bem... Vamos buscar meu irmão.

- Mas por onde vamos começar a procurar Sam?

- Eu já sei por onde começar. – digo lançando um sorriso para os dois

Castiel

Quando Clear acordou, ela parecia ansiosa para a chegada de Dean. Eu continuava sentado na beira da cama, eu tinha arranjado uma camiseta branca com a recepcionista.

- Você acha que ele já esta vindo? – perguntou Clear sorridente

Apenas olho para ela e afirmo com a cabeça, e ela sorri de orelha a orelha. Depois de uns 20 minutos ouço barulhos, Dean havia chegado.

Assim que Dean abriu a porta Clear correu para abraçar ele, Dean pareceu ficar surpreso, mas, abraçou-a de volta.

- Nossa... Realmente não estava esperando por isso – disse Dean sorrindo levemente

- É que... Fiquei com medo de que alguma coisa te acontecesse...

- Estou aqui... Não estou?!... Não tem mais que se preocupar

Clear deu um sorriso e soltou Dean.

- Dean... Quanto tempo pretende ficar nessa pousada se escondendo de seu irmão? – pergunto

- Bem... Não muito tempo, no mínimo uns 5 dias

Dean largou a mochila no chão e se deitou na cama de Clear e ela se deitou ao lado dele e os dois começaram a conversar sobre suas vidas. Eu continuei sentado numa cadeira um pouco desconfortável olhando para a janela me perguntando por que Deus havia levado Meg de mim.

Sam

Chegando na casa de Bobby ele não parecia surpreso e nem feliz em me ver, como se eu me importasse com esse detalhe de aceitação.

- Sam! – ele dizia meu nome com desgosto – O que esta fazendo aqui?

- Olha... Eu vou ser simples e direto. Onde esta Dean?

- Não sei... Se veio aqui pra me perguntar onde esta seu irmão, venho em vão...

- Posso entrar?

Bobby abriu passagem para que eu entrasse na casa dele. Assim que entro ele me leva ate o "escritório" dele. Ele se senta numa poltrona.

- Vamos lá Bobby! Eu sei que você sabe onde meu irmão esta... Ele com certeza veio aqui e falou pra você onde ia, mas pediu para que não me contasse...

- Sam... Sim seu irmão veio aqui... Mas ele não me disse aonde ia ele só falou que iria embora para bem longe... De você

Longe de mim? Isso era ridículo nunca fiz nenhum mal a Dean, talvez, um terror psicológico aqui e ali. Mas nada muito ruim. Bobby provavelmente queria me ferir com suas "sabias" palavras, mas isso não iria acontecer.

- Mesmo?! E por quê? – mantenho minha voz neutra e sarcástica

- Porque você é um psicopata Sam... Olha o que você fez esse tempo todo, torturou seres que só queriam um pouco de paz

- Mas não fui eu quem matou centenas de seres sobrenaturais, foi Dean

- Porque você o obrigava...

- Ele podia muito bem negar e ir embora, mas ele não fez isso

- E para que? Para você depois ir atrás dele e fazer-lo se ajoelhar na sua frente e pedir perdão.

- Eu amo meu irmão, nunca faria isso com ele... Mas vamos combinar que seria divertido – rio

- Seu irmão não te ama Sam... Ele só ficou ao seu lado te "apoiando" esse tempo todo por que ele tinha pena de você... E não amor.

O sentimento de ódio tomou conta de mim na mesma hora.

- Tudo bem Bobby... Já que você não vai me dizer onde ele esta, vou ter que procurá-lo eu mesmo... Ah mais antes de eu ir tenho um presentinho

Então em um movimento rápido saco minha arma e miro e atiro na cabeça de Bobby. Com o impacto a cabeça dele vai para atrás e fica recostada na parte superior da poltrona, as paredes agora estavam manchadas com o seu sangue. Por um momento aquilo foi excitante e me deu vontade de matar novamente.

Coloco a mesma arma na mão de Bobby, e me forço a chorar. Em menos de cinco minutos Steve e Lance apareceram e ficaram horrorizados com que viram.

- Sam! O que aconteceu aqui? – me perguntou Steve arregalando seus olhos azuis

- Ele se suicidou... disse que não aguentava mais e depois que descobriu que Dean havia fugido... Se matou, eu tentei faze-lo desistir da ideia, mas quando vi ele já tinha atirado na própria cabeça – continuo forçando meu choro para parecer que realmente me importava com aquele velho bêbado – Me dem um tempo por favor... Quero me despedir

Os dois então me obedeceram e foram para fora da casa. Limpo minhas lágrimas e procuro pelo celular de Bobby no corpo dele. Quando eu acho procuro pelo numero do Dean e por sorte eu acho o numero novo dele, o desgraçado havia trocado de celular para que eu não o achasse. Tiro uma foto do corpo do Bobby e envio para o numero de Dean.

Quando saio da casa digo a Steve e Lance que agora seria mais fácil achar meu irmão.

Dean

Estávamos todos conversando e rindo de historias divertidas que aconteceram com a gente. Eu quase não tinha nenhuma. Sinto meu celular vibrar e vejo que era uma mensagem de Bobby, mas, quando abro uma mensagem vejo uma foto de Bobby morto e havia um texto antes da foto.

"É isso que acontece quando você ama muito uma pessoa... Ela morre. - Sam"

Agora ele já havia ultrapassado todos os limites. Eu iria matar aquele desgraçado.

- Dean... O que houve? Parece que viu um fantasma – disse Clear, ela parecia preocupada

- Temos que ir embora – é a única coisa que digo

Havia uma verdade naquela pequena frase, todos que eu amo morrem... A morte sempre andou ao meu lado como uma amiga.


Notas Finais


se gostaram comentem isso me dara mais determinação pra continuar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...