História Amsterdan - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Bobby Singer, Castiel, Dean Winchester, Gabriel, Meg Masters, Sam Winchester
Exibições 21
Palavras 2.374
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie

Capítulo 5 - Tentando recomeçar


Sam

O tempo estava nublado, o corpo de Bobby estava coberto por um grande pano branco em cima de uma mesa improvisada feita de madeira. Havia muitos caçadores na floresta tentando dar um último adeus a Bobby.

- Hoje é um dia muito triste para todos nós... Bobby Singer era um exemplo de caçador ninguém poderia dizer o contrário - finjo conter uma lágrima - Ele me criou quando meu pai morreu em caçada... Eu devia ter uns nove anos... Ensinou a mim e a meu irmão a sermos grandes caçadores. Quando nos tornamos homens feitos saímos da casa dele... Ele sempre teve grande afeição por nós - então finjo secar as minhas lágrimas - Mas, não podemos nos esquecer do verdadeiro motivo da morte dele... Meu irmão... Se não fosse por Dean, Bobby ainda estaria vivo. Dean se aliou a uma garota provavelmente um ser sobrenatural e fugiu. Então quando forem culpar alguém pela morte dele, culpem meu irmão.

Steve me entrega uma tocha acesa e antes de atiar fogo no corpo eu digo:

- Que Deus o tenha Bobby Singer!

- Que Deus o tenha! - disseram os outros caçadores

Então eu jogo a tocha em cima do corpo, e fico olhando ele ser consumido pelo fogo.

- Espero que arda no fogo do inferno! - sussurro para mim mesmo

Clear

Dean dirigia o impala 67 numa enorme velocidade, eu estava com medo de que ele batesse o carro.

- Dean... Vai devagar!

Ele acelerou, eu estava começando a achar que ele queria nos matar. Castiel parecia calmo como se o que estava acontecendo fosse a coisa mais normal do mundo.

- DEAN CUIDADO!!! - grito

Dean pisa fundo no freio e quase voamos para fora do carro. Ele quase tinha atropelado um alce.

- Mas que porra acabou de acontecer... Dean! O que deu em você pra você sair assim que nem um desesperado? - pergunto

- Nada... - ele diz olha do para a estrada, seus olhos demonstravam ódio e raiva

- Isso tudo não foi por nada...

- Não... Foi nada...

- Dean! - digo obrigando ele a olhar pra mim, e ele olha - Por favor... Me fala...

Ele fica me encarando por alguns segundos, então desliga o carro.

- Um amigo meu de longa data morreu... Meu irmão o matou... E o desgraçado ainda mandou a foto dele morto...

Eu não sabia o que dizer. Isso era péssimo, Dean deve estar arrasado.

- Então foi por isso que você resolveu sair da pousada?

- Sim, ele sabe meu novo número então pode rastrear meu celular...

Então Dean liga novamente o carro e volta a dirigir só que vai mais devagar.

Dean

Assim que chegamos a nova pousada. Cada um foi para seus quartos. Me sentei na ponta da cama e comecei a olhar algumas fotos, numa delas estava eu com 12 anos e Bobby segurando em meus ombros... Ele estava sorridente e eu também... No dia da foto estávamos pescando eu havia pescado um enorme peixe. 
Quando passo para outra estava Bobby, Sam e eu, eu devia ter uns 15 anos. A última foto me causava dores de cabeça e um forte enjoo, nela estava eu no meus 21 anos e Lissa que devia ter uns 19 anos na foto eu estava beijando a bochecha dela... Eu nem me lembrava de como ela era linda com aqueles cabelos negros esvoassantes e seus olhos escuros e pele um pouco bronzeada.

Lissa era uma lobisomem. Sam nunca gostou muito dela pelo simples fato dela ser um ser sobrenatural. Ela morreu quando eu tinha 23 e ela 21. Me lembrava desse dia como se estivesse gravado na minha mente. 
Eu estava numa floresta correndo como louco, Sam havia me dito que Lissa estava morta, quando cheguei até o corpo dela eu havia ficado sem ar... Tinham arrancado os braços e pernas dela e arrancado a cabeça o corpo dela estava na horizontal os braços e pernas em cima, a cabeça na frente do corpo. Nunca tinha chorado tanto como nesse dia. Haviam me dito que tinha sido um caçador.
Depois de Lissa eu nunca tinha amado nenhuma outra garota... até agora. 
Clear era um pouco parecida com ela só que com traços mais leves e finos. Mas em questão de personalidade era igual... até melhor. 
Guardo as fotos dentro da minha mochila e me deito na cama e em questão de segundos adormeço.

Castiel

Flashback on

Eu estava sentado na sala de estar, Meg tinha acabado de chegar e ela senta automaticamente no meu colo e me recebe com um enorme beijo. Encaro ela por alguns segundo depois disso.

- Eu te amo... - digo

- E quem não ama? - ela diz com um enorme sorriso brincalhão no rosto

Então eu jogo ela no sofá e enchi ela de beijos em todos os lugares...

Flashback of

- Castiel... Quanto tempo!

Abro meus olhos e vejo Anna e Anjelinie. Anna permanecia a mesma, com os cabelos ruivos ainda lisos, ela ainda me fitava com os olhos verdes. Anjelinie com os cabelos loiros soltos seus olhos azuis demonstravam raiva ou me ver.

- O que estão fazendo aqui? - pergunto

- Viemos te levar para casa... - disse Anjelinie, seu tom de voz comigo era seco

- Não vou voltar... Vocês me expulsaram de lá

- Porque você tinha se aliado a um demônio... E você sabe como eles são perversos e imundos - disse Anjelinie

- Não fale assim de Meg... Você nunca a conheceu...

Anjelinie continuou me olhando, Anna ficou em silêncio.

- Bem... Cass você sempre será bem vindo... Não importa se você namorou uma garota demônio ou não - disse Anna e olhou diretamente para Anjelinie - Você é da família, sempre foi. 

Então as duas se foram. Anna sempre foi gentil comigo eu a considerava como uma irmã, mas não por ela ser um anjo como eu. Anjelinie também gostava de mim só que com outras intenções, e quando descobriu que eu estava com Meg ela passou a me odiar. Eu não ligava muito afinal eu amava Meg não ela. Anjelinie era percistente e teimosa tentou por muitas vezes me fazer mudar de ideia mas não conseguia.

Onde quer que Meg estiver eu vou acha-la e nunca mais eu a abandonaria.

Meg

Eu estava numa sala escura. Estava caminhando em círculos, havia goteiras por todo teto. Haviam me dado uma outra roupa uma calça jeans e uma blusa regata preta. Ouço um barulho que já sabia que era da porta se abrindo. Um caçador apareceu ele era forte, loiro e tinha olhos azuis. Bem eu espero que Castiel me perdoe pelo que vou fazer. Mas eu precisava fugir dessa merda de lugar.

- Está na hora!

- Hora de que? - pergunto

- De morrer...

Me aproximo do caçador e passo minhas mãos pelos braços fortes dele. Ele me olha com interesse e desconfiança.

- Qual seu nome?

- David...

- Bem... David que tal antes de eu morrer você me conceder um último desejo?

Ele continua me olhando, então passa as mãos pela minha cintura e me puxa para mais perto dele. Em nenhum momento paro de olhar nos olhos dele.

- Você pode até ser um demônio, mas é muito gostosa...

Ele me beija e me coloca em cima de uma enorme mesa de alumínio. Paro de beija-lo, mas os lábios dele vão para meu pescoço descendo até meus seios. 
Avisto uma lâmina angelical que estava em sua cintura junto a uma arma Colt. Passo minhas mãos até sua calça e pego sem que ele perceba a lâmina.

- Sabe... Desde que eu te vi passar por aquele enorme portão na entrada tive uma grande vontade de estar fazendo isso com você... - disse David

Então David abri minha calça, mas antes que ele pudesse tira-la eu cravo a lâmina em suas costas. Ouço só um gemido de dor vindo dele e quando percebo que ele já está morto jogo o corpo no chão e passo por cima. 
Continuo segurando a espada angelical como se fosse o objeto mais precioso do mundo. 
Saio da sala e ando pelo corredor, o lugar parecia uma prisão a cada sela que eu olhava havia um ser sobrenatural dentro.

- Hey... - uma voz de homem gritou

Volto a olhar para a sela anterior e vejo um homem alto e muito musculoso os cabelos eram grandes e negros e ele tinha uma enorme barba. 

- Garota Demônio... Me tire daqui! Por favor

- Meu nome é Meg

- Tudo bem Meg... Me tire daqui eu lhe suplico...

Quem é que falava desse jeito? Mas apenas balanço minha cabeça em afirmação e volto para a sela onde eu estava e procuro pelo corpo de David as chaves. Quando acho corro para a sela onde estava o homem com um vocabulário muito sofisticado para os tempos de hoje.

- Ah Meg tens agora um grande aliado ao teu lado...

- Ok dicionário ambulante...

- Chamo-me Versyres...

- É um nome bem complicado... - digo enquanto destranco a porta

Quando a abro Versyres continua no lado de dentro da sela.

- Vamos logo Versyres! Antes que algum caçador chegue

Ele sai da jaula olha para o teto que estava descascando e enche os pulmões de ar. Eu o olho como se ele fosse maluco.

- Versyres o que você é?

- Sou apenas um homem forte

- Entendi... Mas como assim? E se é tão forte como não conseguiu quebrar a porta e fugir?

- As portas são feitas de ferro puro e isso me machuca. Sou apenas uma criação de um feiticeiro chamado Magnus... Meu mestre me criou com a pura intenção de protege-lo. Ele morreu a pouco tempo nas mãos de um caçador chamado Sam... Tenho 350 anos

Ah era por isso o vocabulário sofisticado.

Versyres continuou me olhando, só então percebo que ele esperava que contasse algo sobre mim para ele.

- Bem Versyres... Nasci demônio, essa - digo apontando para meu corpo - é minha verdadeira aparência, não é nenhuma pobre coitada que eu possui... Fui tirada de meu namorado a pouco tempo e agora quero encontrá-lo.

- Meg... Como me salvastes da minha prisão e de minha futura morte agora serei seu servo.

Versyres então começa a caminhar para fora da saída. Seria bom ter um cara que parece uma montanha para me proteger.

Clear

Eu ainda estava tentando dormir mas os pesadelos agora constantes não deixavam. Me levanto da cama e vou para o quarto onde Dean estava. Bato na porta. 
Assim que ele abre se surpreende ao me ver.

- O que houve?

- Não consigo dormir...

- Ah... Entra então

Dean abriu passagem para que eu entrasse. Quando entro vejo uma foto na cama e percebo que nela estava Dean e uma garota muito bonita.

- Sua namorada? - pergunto

Dean olha para mim como se não entendesse, então ele percebe que estava me referindo a foto.

- Não... Ex

- Oh... O que houve?

- Ela morreu

- Oh...

Não continuei o assunto, pois Dean parecia um pouco incomodado em lembrar da ex-namorada morta.

- Bem... Por que não consegue dormir?

- Sonhos ruins...

- E como eles são?

- Geralmente eu sou torturada neles por uma mulher... Mas... Eu não consigo ver o rosto dela

Dean apenas me olha não diz nada. O silêncio que se fez entre nós estava começando a me incomodar.

- Você é linda... Sabia? - diz Dean

Um nó se formou em minha garganta e eu na conseguia dizer nada.

- De... Dean....

- Caramba... Você fez com que eu me voltasse contra meu irmão... Desde meus 21 anos eu estava querendo ir embora é deixá-lo só... Mas eu não conseguia... Pois eu o achava que ele só estava passando por um momento difícil... Mas depois eu vi que ele só era um puta psicopata... - ele olha para baixo e da um suspiro triste - Eu não podia deixar que ele te fizesse mal...

- Por que?

- Eu não sei... Só sei que na primeira vez que te vi, queria te proteger...

Não falei nada, continuei encarando ele. Dean se aproxima mais de mim e me pega pela cintura e um calor sobe por todo meu corpo. Dean se aproxima mais fazendo com que nossos rostos fiquem muito perto.

- Agora meu dever é te proteger... - diz Dean

Então ele me beija.

Sam

Steve e Lance estava me ajudando a rastrear o celular de meu irmão. Estávamos em minha sala, a mesa estava cheia de papéis, relatórios, que falavam sobre a localização de ninhos de vampiros e esconderijos de lobisomens. Sendo que nada disso me interessava. Dean iria provar da minha fúria assim que eu o encontrasse.

- Sam... - disse Steve - Achei ele..

- Ótimo... partiremos agora...

Os dois se entre olham.

- Mas Sam... - tentou dizer Lance

- AGORA! - grito com eles e bato na mesa

Olho para eles com ódio e saio da sala.

Meg

Eu e Vesyres estávamos andando pelos corredores do lugar a procura de uma saída. Depois de mais algum tempo andando vejo um caçador que pelo visto estava a nossa procura. Seguro a lâmina com mais força do que o necessário eu estava pronta para ataca-lo, mas Vesyres me contêm e me puxa para trás.

- Fique aí

Ele anda até o caçador. Como pode um cara tão grande ser furtivo? 
Vesyres quando está cara a cara com o caçador pega na cabeça dele e gira, fazendo o cara parecer a menina do exorcista.

- Agora pode vir

Caminho até ele batendo palmas.

- Olha... Isso foi incrível...

Andamos mais um pouco até dar de cara novamente a mais dois caçadores. Eu e Vesyres nos olhamos e sorrimos e atacamos os dois, eu apunhalo um caçador pelas costas e Vesyres gira a cabeça do outro. 
Chegando ao fim do corredor tinha apenas uma janela enorme.

- É fim da linha grandão

- Acho que não...

- Como assim?

- Podemos pular... Veja não há nenhum caçador lá em baixo.

- Não! Não vamos simplesmente pular

- Eu protejo você

Diz Vesyres já me pegando no colo. Quando percebo já estamos em queda livre. 


Notas Finais


se gostaram comentem isso me dara determinação pra continuar


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...