História And if it's love, LOVE? - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Bickslow, Cana Alberona, Evergreen, Freed Justine, Laxus Dreyar, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel
Tags Fraxus, Freed Justine, Laxus Dreyar, Laxus X Freed
Exibições 104
Palavras 2.107
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Lemon, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um *_*

Capítulo 2 - Complicado


Fanfic / Fanfiction And if it's love, LOVE? - Capítulo 2 - Complicado

- Você esta bem?... Não me parece bem... Alguma coisa...

Isso era a Ever falando. Hoje parecia ser o dia de todos se preocuparem comigo. Primeiro foi a McGarden me interditando no corredor perguntando se eu estava passando mal, depois foi Cana querendo me levar para beber para eu tirar a cara feia do rosto (por mais que ela só deveria esta querendo o meu dinheiro para se alcoolizar). E agora isso, eu devo estar mesmo horrível, mas não sinto vontade de pentear o cabelo. Eu só quero ficar sentado um pouco e descansar. Eu sabia que deveria ter ficado no meu quarto, mas eu não sou de permanecer abatido por muito tempo e iriam desconfiar. Não acredito que estou assim somente por ter a certeza que meu amor por certo loiro não vai dar um passo sequer para frente...

Eu poderia tentar né?

Não... O que eu faria? Eu já dei praticamente em cima dele algumas vezes, talvez ele não tenha sacado direito as indiretas ou isso realmente nunca passou por sua cabeça. Resmunguei abatido com o rosto na mesa.

- O que aconteceu com o Freed? 

Virei meu rosto para a albina do lado que levava bebidas em uma bandeja e falava com a de óculos.

- Eu sei lá. Comunicação não é com ele hoje também.

- Ooh eu sei o que é isso, vejo os sinais... – Essa voz estava bem do meu lado e me fez estremecer de medo. Virei-me vendo o demônio de cabelos vermelhos.

- Que sinais Erza?

- Oras, ele esta apaixonado!

Arregalei meus olhos, incrédulo que ela tenha acertado perfeitamente de primeira. Por todas as magias, estava tão na cara assim? Sentei ereto com as mãos na mesa e de repente parecia que todos na guilda pararam para me olhar.

- N-não é na-ada disso... – Tentei, mas eu ainda estava muito surpreso e talvez até vermelho.

De repente todos ali começam a rir, eu digo rir muito. Isso foi como se me jogassem um peso grande demais para eu sustentar e já estava para me esmagar. O que era tão engraçado? Ouvir os burburinhos, coisas como ‘por quem ele esta apaixonado?’, ‘coitado do Laxus’, ‘deve ser ele mesmo!’ Laxus que se cuide se não troca de fruta’. Isso tudo em meio às risadas. Não tinha nada de engraçado... Ou tinha. O que eu sentia era uma piada?

Levantei-me adotando minha capa de impassibilidade, mas eu me importava com ele então não podia mesmo confessar ali para todos ouvirem.

- Me deixem em paz. O que o Laxus tem a ver com isso?

 Ever me olhava minuciosamente, ela não ria pelo menos, nem o demônio vermelho atrás de mim.

- Por que vocês tão rindo? Estão loucos? – Natsu disse confuso aparecendo pela porta da guilda e com Happy ao lado.

Aproveitei esse momento e me afastei de fininho até o quadro de missões desejando uma para eu fazer sozinho. Distrair-me seria bom e Bickslow tinha pedido para sair em uma missão com a albina menor, Lisanna talvez não voltasse tão virgem. Sorrir internamente escolhendo uma. De qualquer forma o raijinshuu estava temporariamente separado. Mostrei a missão para Mira depois me afastei dali querendo sair da guilda, mas era inevitável não sentir aquilo, era magia, calor, magnetismo irradiando como carta de apresentação por todo meu corpo, por todo meu ser. Hesitei antes de abrir aquelas portas certo de que ele estava do outro lado. Apertei minha mão uma, duas vezes antes de sorrir – mesmo que abatido- e puxar as duas portas saindo. Parei o vendo igualmente parado ali com as mãos no bolso e o grande casaco jogado nas costas, estava bonito como sempre e me olhou como dizendo voltei sorrindo de canto.

- Bem vindo de volta Laxus. – Digo voltando a andar não conseguindo -é obvio- parar de sorrir que nem demente para sua expressão mais amigável. Meu peito parecia palpitar de tanto que meu coração pulava.

Fica quieto coração, ele não precisa confirmar que eu estou tão feliz só em vê-lo.

- Ola... Vai sair? – Perguntou interessado e eu estaquei no mesmo lugar confirmando com a cabeça, talvez vezes demais enquanto um bico se formava em meus lábios.

- Eu peguei uma missão. – E como para comprovar mostrei a folha. Ele a olhou chegando mais perto com a cara quase no papel depois me olhou.

- Procurar uma criança? Tem certeza? A recompensa não é boa. – Disse ainda com aquele sorriso voltando a se reerguer.

- Eu quero me distrair e eles parecem preocupados.

 Guardei a folha. Laxus não se preocupa facilmente com uma pessoa, isso leva tempo e um pouco de sorte, mas quando ele se afeiçoa é quem mais cuida e protege. Acho que está certo, mas eu não sou assim.

- Ok. Então vamos. – Disse se virando e eu arregalei os olhos.

- V-você vai? – Perguntei sorrindo largo e ao mesmo tempo confuso (eu não disse que eu era demente).

Ele continuou andando não falando nada e eu –ainda sorrindo- corri até ele o acompanhando. Conversamos, quer dizer eu ia explicando o que eu sabia sobre a missão e também o que aconteceu na guilda enquanto ele esteve fora e ele apenas me ouvia ou respondia vez ou outra em monólogos. Com o tempo eu nem me lembrei de perguntar o porquê dele querer vim em uma missão dessas e também por nem ter entrado na guilda para avisar. Bem, ele era o Laxus.

Caminhamos para fora da cidade e depois pegamos um trem até uma vila próxima. Logo que chegamos eu conversei com a família da menina e depois comecei a procurar junto do mago relâmpago. Demorou um pouco mais do que eu esperava, mas quando achamos as pessoas certas só bastou que eles vissem a marca da Fairy tail para entregarem quem estava com a criança.

Um senhor de mais idade que morava na montanha a estava mantendo presa para testar porções mágicas. Eu disse que não precisava de ajuda então Laxus me deixou entrar sozinho. Não foi nada difícil, tirei a menina magricela de dentro da jaula e acertei um pouco de dor no velho que saiu disparando um monte de porções e uma até me acertou e eu fiquei todo coberto de pó arroxeado. Depois ele ficou gemendo de dor pela runa que ele bem mereceu e que vai tornar toda sua noite nada agradável. Agora eu estou todo sujo!

Sair de lá emburrado e Laxus logo que me viu começou a rir perguntando o que diabos me aconteceu e eu expliquei mais ou menos ainda de bico nos lábios. Ele ainda rindo jogou a menina nas costas (a assustando) e começou a andar de volta a vila e eu dei um jeito naquilo com minha magia. Era bem pratico poder me tornar novamente apresentável a qualquer momento. Entregamos a menina, pegamos a recompensa e decidindo dormir por aqui mesmo já que anoitecia. Seguimos de volta a montanha agora em outra parte para acamparmos e enquanto Laxus acendia a fogueira (o que não demorou nada) eu ainda me sentindo sujo me afastei até uma pequena cachoeira que tinha ouvido antes.

Tirei aquelas roupas e mesmo tremendo de repente pelo frio repentino entrei na água fria do lago. Decidido a não molhar o cabelo coloquei tudo para cima e com o tempo me acostumei com a água em contato com minha pele. Vi em um segundo a pequena quantidade de carga elétrica dançando sobre a água e olhei em volta procurando o dono, mas não o vi e não sentia muito a presença então voltei a me virar sorrindo bobamente. Só por ele estar naquela montanha aquilo acontecia? Eu poderia pegar choque ali? Não seria tão ruim, pelo menos eu o sentiria passar pelo meu corpo. Continuei nesses pensamentos até me sentir mais relaxado então sair da água descendo os cabelos e me vestir, mas agora sem o laço em volta do pescoço e o cinto no casaco, mesmo assim eu ainda não estava menos deselegante. Voltei pelo pequeno caminho até onde o neto do mestre estava. Ele olhava os coelhos assando, deveria estar pensando em algo visto como estava distraído. Sentei-me do outro lado em sua frente suspirando.

- Agora me sinto melhor.

Já estava mais escuro então a luz da fogueira deixava tudo de tom meio amarelo queimado. Não preciso nem dizer que Laxus estava muito bonito ali na minha frente. Parei de babar por ele e me distrair comendo. Ele contou algumas coisas da missão classe S que fez enquanto eu ouvia tudo prestando total atenção. Eu queria ter ido com ele, queria fazer todas as missões com ele, sempre estar perto, então podem notar o quanto que eu estava contente de estar sozinho agora aqui com ele mesmo que fosse somente como amigos.

Quando ficou mais tarde me deitei por cima do meu casaco que eu já tinha tirado há tempos ficando com uma blusa fina branca de mangas largas. A fogueira era consideravelmente grande e afastava o frio e os animais, e com Laxus ali eu sabia que ela duraria a noite inteira.

- Oe, você vai dormir? – O ouvir perguntar e me ergui o olhando.

- Por quê? Não ta com sono?

- Não... Vou dormir também. – Disse e sorriu se deitando para o outro lado. Fiquei um pouco confuso com o seu não enquanto olhava suas costas, mas resolvi deitar.

- É. Esta tarde. Boa noite Laxus.

- Você já esta com olheiras enormes... – Comentou me assustando. Ergui-me sentando.

- Não estou nada! Nem chegou a amanhecer! – Digo exasperado tocando em baixo dos olhos. Ouvir sua risada e mordi o lábio inferior, engatinhei até seu corpo empurrando de leve seu ombro. – Bobo...

Minhas palavras foram subitamente interrompidas quando ele rápido como um raio se virou segurando minha mão que antes tocava seu ombro e me puxou para o que eu notei depois ser em baixo de seu corpo. Meu pulso era preso em cima do seu casaco que estava no chão servindo de ‘’coxão’’ e uma perna sua no meio das minhas. Quando eu percebi tudo isso, pude encarar seus olhos em cima dos meus. Ele estava confuso, suas sobrancelhas franzidas e os lábios comprimidos olhando todo meu rosto. Mas eu duvidava que ele estivesse mais confuso que eu. De repente ele sorriu de canto relaxando um pouco a expressão, eu digo um pouco.

- Te peguei. – Disse e eu mesmo surpreso conseguir colocar meu cérebro para pensar. Só precisei aproximar um pouco minha outra mão a colocando em seu peito coberto pela blusa roxa.

- Eu não diria isso. Uma escritura de dor não é agradável Laxus. – Disse irônico e ele sorriu mais ainda estando muito perto sem me soltar nem nada.

- Você não faria isso. Me adora demais para pensar em tentar me machucar.

Infelizmente o desgraçado estava coberto de razão, mas não precisava ficar ostentando aquela expressão esnobe! Mesmo assim não tirei minha mão do seu peito, o calor que eu sentia emanando de seu corpo me cobrindo fazia o meu esquentar muito rapidamente e eu acho que nunca cheguei a desejar tanto sentir cada músculo e cada canto de seu corpo como desejava agora, mas ele se afastou soltando meu pulso e assim afastando minha mão de seu corpo.

- Agora eu quero dormir. – Disse voltando a se jogar na sua jaqueta do meu lado e eu me ergui rindo nervoso voltando às pressas para meu lugar. Aquilo foi incomum, foi muito estranho! Eu sou um estranho, por que eu tenho que ser assim? Por que fiquei esperando loucamente um beijo?

Ele é neto do dono da guilda, troca de mulher toda semana e volta e meia esta com a língua na boca de uma, está mais carinhoso com os amigos depois daquilo tudo, mas somente por que se importa de forma igual com todos. Eu sou um desses amigos e por mais que eu esteja completamente apaixonado por esse ser convencido e complicado, ainda sim ele nunca ficaria com um homem.

Era o que eu pensava e repensava ali deitado de costas para ele durante toda a noite. Idiota. Eu realmente estaria com olheiras enormes amanhã.

 

...

"Olha, você me faz

Rir quando faz sua pose.

Tire essas roupas de mauricinho.

Você sabe

Você não esta enganando ninguém.

Quando você se tornou

Outra pessoa perto dos outros

Você fica tenso como se não conseguisse relaxar.

Você esta tentando ser legal,

Você parece um idiota para mim.

Me diga

Por que você tem que ir e tornar as coisas tão complicadas?

Eu vejo o jeito que você é

Agindo como se fosse outra pessoa,

Isso me deixa frustrada."

                        - Complicated -


Notas Finais


Nossa eu rir escrevendo esse capitulo, fiquei pensando em que Laxus estaria pensando vendo os coelhinhos... Perdão, pobres animais...
Entt ao assunto serio (ou n). Eu n sei quantos capítulos vão ter e nem se eu vou escrever lemon (to pensando), tbm n quero decepcionar mas eu n sei ser muito boazinha gehe Só n acredito q tudo dar certo. E é só isso. Vou ver onde minha imaginação vai. Ah e o trexo de musica do final é da Avril Lavigne, Complicated.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...