História And so suddenly, It Happend - Capítulo 49


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags 1hospital, 2muito Hospital, 3mais Hospital Ainda, Beyond The Scenes, Jeon Jungkook, Kim Seolhyun, Kim Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 93
Palavras 10.131
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Slash, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não vou dizer nada, só leiam

Nome do capítulo: Whisky faz você transar com seu colega de quarto, então tome cuidado

Capítulo 49 - Whisky makes you have sex with your roommate, so take care


Fanfic / Fanfiction And so suddenly, It Happend - Capítulo 49 - Whisky makes you have sex with your roommate, so take care

Jungkook's P.o.V

-Surpresa! – Ouvi vozes na porta gritarem após Tae ter atendido

-Quem é, Tae? – Perguntei me levantando indo ver quem era também – Ah meu deus – Falei tão perplexo quanto Taehyung ao meu lado

Eram Namjoon e Seokjin!

Mas não eram simplesmente eles, eram eles dez anos mais velhos, não é como se fossem muito velhos, quero dizer, suas aparências estavam cansadas, claro, mas eles pareciam os mesmos

Ah, espera! Tem mais um detalhe, eles são meus pais! Mas eu não lembro de um segundo sequer onde nós três estivéssemos na mesma sala sendo pais e filho, quer dizer, eles sempre cuidaram de mim dessa maneira, mas eu os enxergava como meus irmãos mais velhos, não como meus pais

E o pior, ninguém contou à eles sobre meu estado mental, o que eles estão fazendo aqui? O quê que eu vou fazer? E se de repente eles falaram “Ei Jungkook, lembra aquela vez que...”

Não! Eu não lembro!

Que merda que eu vou fazer agora?

Okay, calma, respira, aja naturalmente Jungkook, não, naturalmente não, aja... Aja como se você não tivesse esquecido dos últimos 21 anos, você consegue não é? É um cara esperto, okay, até agora o que eu sei sobre eles? Namjoon foi meu professor de inglês, e Seokjin trabalha em um restaurante... Ou ele seria o dono? Ai droga, eu não lembro! Okay, porque eu não perguntei mais sobre os meus pais?

Mas também, eu sou um cara adulto de 22 anos, não ia imaginar que eles fossem me visitar do nada

Se bem que eu passei cinco anos desacordado, é esperado que seus pais queiram visitar você, mas eles podiam ter avisado!

Okay, vai dar tudo certo, tudo certo...

Só aja como se não os visse à muito tempo, isso! Aja como se estivesse morrendo de saudade dos seus pais

Sorria e acene, Jungkook! Todos esperam que faça isso

-Kookie! – Jin foi o primeiro a correr e me abraçar – Que saudade eu estava de você, querido, ai meu deus, eu nem acredito que era verdade, meu bebê tá bem – Falava enquanto eu sentia suas lágrimas molharem minha camisa

-Calma, amor – Namjoon o consolou pondo uma mão em seu ombro enquanto envolvia a outra em minha cintura – Desculpa filho, seu pai e eu ficamos com muito medo de não te ver nunca mais, nós sentimos sua falta garoto! – Me falou dando um sorriso tentando permanecer forte

-O Taehyung tá cuidando direito de você? – Jin disse após me soltar enquanto secava as lágrimas – Ele tá te alimentando direito? Ele não tá te dando aquelas porcarias de salgadinhos né? Olha como você tá magro querido! Por que você não tá comendo direito? – E como sempre, Jin hyung sendo aquele hyung sempre preocupado mais com a minha alimentação do que com qualquer outra coisa

-Jin, eu tô bem, não se preocupe, o Tae tem cuidado muito bem de mim – Falei tranquilizando o mais velho levando um tapa na cabeça em seguida

-Ah, sempre tão mal educado, aonde se viu? Chamar seu pai desse jeito, tá vendo, Namjoon? Foi só ele sair de casa que começou a ficar mal criado

-Ai, desculpa... Pai – Falei massageando minha nuca sutilmente

-Ah, tudo bem, então, você está bem mesmo, filho? Sabe que pode voltar lá pra casa sempre que quiser – Seokjin sugeriu

-Com todo respeito, sr. Kim – Tae se pronunciou antes que eu pudesse responder, resolvi não interferir, tinha certeza que Tae me conhecia bem o bastante para dizer exatamente o que eu diria – Mas eu acho que posso cuidar muito bem do seu filho, ele não precisa e nem quer voltar a morar com vocês, ele já deixou isso muito claro em todas as vezes que você perguntou, não é, Jungkook? – Perguntou me olhando

-É... Quer dizer, não tem com o que se preocupar, eu tô bem aqui – Garanti

-Tudo bem, tudo bem, desculpa, é só que, eu sinto muito a sua falta, e Seul pode ser uma cidade perigosa, eu fico muito preocupado com você, filho

-Tá, não quero ser rude, mas, que malas são essas? – Tae apontou em direção as mãos dos meus “pais” com uma expressão nada boa

-Ah, eu não falei? – Jin perguntou inocentemente

-Seja lá o que você acha que falou, você não falou

-Bom, nós vamos passar uma semana aqui!

-Ah, não vão não – Tae contrariou

-Tae! – Repreendi o mais velho

-Desculpa, mas, nem tem quarto pra vocês ficarem

-Tá tudo bem, Tae – Namjoon o tranquilizou – Seokjin quis dizer aqui em Seul, nós vamos nos hospedar em um hotel aqui perto, Jin só achou que seria uma ótima ideia passar aqui de surpresa antes

-Ah claro... – Taehyung concordou – Bom, já que já passaram, podem ir agora, né?

-Uou, calma ruivinho, a gente acabou de chegar, vamos ficar mais um pouquinho, né amor? – Jin falou à Namjoon enquanto entrava na casa e eu segurava Tae para que ele não agredisse meu... Pai, ainda é estranho usar essa palavra

-Vocês não se dão muito bem né? – Perguntei me referindo ao relacionamento dele com Jin hyung

-É... É difícil achar uma sogra e um genro que se gostem – Falou baixinho

-Quê que você disse? – Perguntei confuso

-Nada! – Negou rapidamente – Ele, ahn... Ele não gosta muito de mim – Sorriu timidamente

-Você sabe o porquê?

-Ele acha que eu te corrompi, mas mal ele sabe que foi você quem me ensinou tudo o que eu sei – Falou me lançando um olhar malicioso passando por mim indo até a sala me deixando lá parado me perguntando que diabos eu poderia ter ensinado à ele

-Ei, Jungkook – Ouvi Jin me chamar

-Uhm? – Voltei pra sala

-Nossa viajem foi cansativa e eu tô morrendo de fome, eu pediria a mulher da casa, mas o Taehyung não sabe fritar nem um ovo – Falou e eu vejo o ruivo atrás do mais velho revirando os olhos enquanto batia levemente a cabeça contra a parede – Será que você poderia fazer aquela lasanha de Kimchi que só você sabe fazer, meu bem? – Engoli em seco

Lasanha de Kimchi?

Que porra é essa?!

E mais importante

Como eu vou fazer essa merda?!

-La-lasanha de K-Kimchi? – Perguntei tentando disfarçar meu olhar desesperado, Tae notou e suspirando veio até mim

-É – Jin concordou – Lembra quando vocês foram lá pra casa e o Tae estragou o Kimchi, então você improvisou e criou essa receita?

NÃO! EU NÃO LEMBRO DISSO!

Que tipo de idiota inventa uma receita dessa?

Ah, é, eu!

-E-eu que criei – Falei mais pra mim mesmo enquanto pensava em como resolver aquela situação sem precisar contar para aquelas três pessoas sobre o meu probleminha

-Vem – Tae me chamou – Eu te ajudo – Disse puxando a minha mão me levando pra cozinha

-Obrigado por me tirar de lá – Agradeci

-Tá louco? Eu ME tirei de lá, nem consigo imaginar como seria ficar duas horas numa sala sozinho com os seus pais, eu iria enlouquecer, mas eu não posso te ajudar a cozinhar, eu não sei fritar nem um ovo – Disse revirando os olhos repetindo a voz do Jin, só que num tom muito irritante, não pude evitar de rir

-Isso não é verdade, você sabe fazer panquecas – Falei sorrindo

-É, sabe quanto tempo levou pra você conseguir me ensinar a cozinhar isso? Eu não posso te ajudar a cozinhar, mas eu posso te ajudar a preparar – Falou pegando um banco subindo nele logo em seguida começando a procurar algo nos armários – Você... Tinha a mania de inventar receitas, e as que deram certo, você escreveu nesse caderno – Falou tirando o objeto de lá de cima

Era estranho como ele falava como se soubesse que eu não fazia ideia do que fazer

-Aqui! Lasanha de Kimchi, relaxa, não é muito complicado, e felizmente, nós temos todos os ingredientes, okay, pega uma vasilha – Falou sentando no balcão

-Tá, onde tem uma vasilha? – Perguntei ainda levemente desesperado por ter que preparar um jantar sozinho sendo que eu nunca fiz isso

-Nos armários de baixo – Falou normalmente enquanto lia a receita, fui até onde ele estava pondo sutilmente a mão sobre a coxa dele, indicando que suas pernas estavam me impossibilitando de abrir os armários de baixo – Ah, desculpa – Sorriu e abriu lentamente as pernas da maneira mais sensual possível

Pode parecer loucura, mas eu realmente senti que ele estava tentando me provocar

Encarei aquela cena por alguns segundos e balancei o rosto de um lado para o outro tentando espantar qualquer tipo de pensamento que envolvesse Kim Taehyung sentado naquele ou em qualquer outro balcão de pernas abertas enquanto olhava pra mim, me abaixei e abri o armário procurando pela vasilha

-Achei – Falei fechando o armário, voltando a ficar de pé - E agora?

-Agora, você vai abrir a geladeira e pegar tudo o que eu disser

Abri a geladeira e fiquei atento a cada palavra que saia de sua boca

-Duas acelgas, um nabo branco grande, um maço de cebolinha verde, gengibre, sal, pimenta vermelha em pó, azeite, cebola, carne moída, molho de tomate, um pacote de lasanha pré-cozida, presunto, mussarela e queijo parmesão

-Bom, essa receita parece ser bem resumida e simples – Falei sarcástico

-Ah, não reclame agora, essa é a parte simples – Falou descendo do balcão colocando o livro aberto sobre ele na página da receita – Anda aqui – Me chamou – Agora você vai lavar as verduras e os legumes

-Pronto, e agora?

-Agora, pega o sal e passa de cada lado das acelgas e deixa elas separadas

-Feito! Uau, parece ser mais simples do que eu pensava

-Se acalma que esse ainda é o primeiro passo, tá, pega as outras verduras e legumes e bota sobre a tábua de carne, porque agora você vai picar eles, menos o gengibre! O gengibre você vai ralar

-Certo... – Concordei e peguei o facão começando a fazer o que ele mandou

-O que você tá fazendo?

-Cortando... Os legumes (?) – Respondi como se fosse óbvio

-Não, idiota – Revirou os olhos rindo – Isso eu tô vendo, o problema é que você tá cortando em pedaços muito grandes, você tem que deixar eles bem picados, olha esse! Tá do tamanho do mindinho do Jimin

-E daí?

-Daí, que tem que ficar do tamanho da unha dele

-Ah, mas não dá pra cortar desse tamanho! – Contrariei, pois aquela parecia ser uma tarefa realmente difícil

-Claro que dá, vem, eu te mostro – Se voluntariou ficando atrás de mim passando seus braços por cima dos meus guiando meus movimentos – Uma vez, uma pessoa me ensinou como fazer isso, não é difícil, você só tem que fazer fileiras verticais – Falou com sua voz rouca e suave no meu ouvido me trazendo arrepios – E depois cortar em horizontais, segurando com cuidado para não espatifar – Ele estava muito perto de mim, eu sentia que cada vez mais o ambiente ficava mais quente, sua respiração enquanto se concentrava em cortar os legumes batendo contra o meu pescoço, eu nem estava mais prestando atenção no que ele dizia, só me focava no tom de sua voz e no calor que irradiava do seu corpo – E pronto – Terminou de picar aquele negócio branco que eu esqueci o nome se afastando lentamente

Me virei também na mesma velocidade ficando de frente pra ele, com nossos rostos à centímetros de distância, ele olhava intensamente no fundo dos meus olhos, sua respiração batendo contra meu rosto, ele desceu seu olhar e eu mordi meus lábios ansioso pela situação, seu rosto se aproximava cada vez mais do meu, ele estava à dois centímetros e à dois segundos de me beijar quando ouvimos à voz de Jin vinda lá da sala

“Jungkook, ainda vai demorar muito para a lasanha ficar pronta? Toma cuidado pro Taehyung não chegar perto do fogão, sabemos o que aconteceu da última vez, né?”

Tae parou de se mover e encarou meus olhos uma última vez antes de se virar de volta para o livro de receitas e fingir que aquilo não havia acontecido

-Acho melhor você começar a cozinhar a carne se quiser que esse jantar fique pronto hoje

-É, eu... – Pigarreei – Eu vou fazer isso

Nós dois ficamos quase uma hora naquela cozinha, falando estritamente o necessário, eu sei que foi estranho o que aconteceu

Só em pensar que se Jin hyung não tivesse gritado, Taehyung teria me beijado, já me dá arrepios, ele realmente iria e queria me beijar, eu não entendo ele, uma hora ele é o meu colega de quarto hétero e comprometido, e em outra, ele é o garoto que eu amo prestes a me beijar

Ah, basta eu fechar os olhos para lembrar como era sentir aqueles doces e macios lábios carnudos fazendo pressão sobre os meus, nem consigo explicar como eu sentia falta de ouvir sua voz rouca sussurrar em meu ouvido, eu não deveria pensar nessas coisas agora, essa cozinha parece estar pegando fogo, eu deveria me concentrar em não queimar aquele troço

Mas não consigo parar de imaginar como teria sido se ele tivesse me beijado, o que teria acontecido, bom, pelo jeito como ele se afastou, o resultado disso não teria sido muito bom, mas eu nem me importo, e não me importo com esse clima constrangedor, eu não quero que ele fique me ignorando como sempre fazia quando ficava muito assustado

Dane-se! Eu vou falar com ele

-Hyung – Chamei

-Uhm?

-Você... Você pode me ajudar, a montar a lasanha? – Pedi nervoso pela situação

-Você não consegue fazer sozinho?

-Não... É mais complicado do que aparenta ser, sinto como se nunca tivesse feito uma lasanha na vida – Ri pelo fundo de verdade em minhas palavras

-Tudo bem, eu te ajudo – Concordou se aproximando - Primeiro você passa o molho e coloca a primeira camada de lasanha, então você coloca presunto, depois molho, depois a segunda camada, depois queijo e molho – Explicou enquanto fazia os dois primeiros volumes – E assim até chegar no topo, quando chegar, você coloca o Kimchi por último, vai, você consegue – Empurrou o recipiente para a minha parte do balcão e me encorajou a fazer o que ele disse

-Consegui! – Falei surpreso após ter terminado de montar os últimos três volumes de lasanha sozinho

Depois disso nós colocamos a lasanha no forno e esperamos ela ficar pronta enquanto falávamos sobre coisas bobas, o clima parecia já estar mais leve e nenhum dos dois falou sobre o incidente, eu acho que precisamos falar logo sobre isso, se não eu vou continuar pirando por dentro imaginando o que aquilo significava, eu preciso, falar com ele sobre

-Viu? Não foi tão difícil assim – Tae disse sorrindo pondo as mãos sobre meus ombros enquanto apoiava o rosto em um deles observando nosso grande feito – Agora infelizmente, vamos levar pra lá – Apontou na direção da sala fazendo uma careta engraçada – Deixa que eu levo, deixa só eu achar as luvas, ah, estão aqui, vou levar pra mesa – Falou entrando na minha frente pegando o recipiente onde se encontrava a lasanha cuidadosamente

-Ahm... Tae? – Chamei

-Que foi?

-Sobre antes...

-Por favor, Jungkook, não vamos falar sobre isso

-Mas você ia me--

-Não! Eu não ia e nem queria te beijar, Jungkook, tá bom? Agora vamos logo servir essa droga de jantar, porque tá ficando muito quente para as minhas mãos – Falou seco saindo pela porta da cozinha

Não posso negar que aquilo me magoou um pouquinho, mas eu conheço o Taehyung, já esperava que ele respondesse algo assim, e eu sou uma pessoa bem teimosa, acredite, eu sei quando o Tae deseja muito algo, por mais que ele negue, o que sai da boca não importa, são os olhos que não conseguem mentir, e eu já conheço o olhar afogado em luxúria desse garoto, sonho com esse olhar quase toda noite

Por isso não vou me deixar abater por qualquer palavra que ele disser

Resolvi seguir Taehyung rumo à sala de jantar sorrindo como se ele não tivesse dito nada impactante, porque ele realmente não disse

-Bon Appétit! – Tae disse ao pôr nosso jantar sobre a mesa

-Você fez alguma coisa durante todo o processo? – Jin perguntou à Tae arqueando uma sobrancelha

-Os dois primeiros volumes, por quê?

-Acho que eu vou ser bem cuidadoso em comer só a parte de cima – Jin falou rindo debochando da capacidade culinária do ruivo que foi muito melhor que a minha

-Ah, sabe o que eu acabei de lembrar? Tem vinho na cozinha! Vou trazer uma garrafa

-Não esquece as taças! – Jin falou pondo uma espécie de lenço guardanapo sobre as pernas

-Ah vocês vão querer também? – Taehyung perguntou sorrindo – Vou trazer duas então – Não pude deixar de rir com o fato de Tae ter alegado precisar ficar embriagado para aguentar minha “família”

Não demorou muito para ele voltar para a sala com as duas garrafas em uma mão e as taças na outra e sentar ao meu lado na mesa

-Então, Jungkook, você já voltou às aulas? – Namjoon perguntou tirando uma garfada da porção de lasanha com Kimchi que ele depositara em seu próprio prato

-Sim! Umas duas semanas atrás

-E estão sendo legais com você?

-Aham! Todos me receberam bem e o professor é incrível

-Que bom, fico feliz que esteja conseguindo se enturmar filho – Namjoon disse dando um sorriso enquanto pegava outro pedaço da lasanha, e segundo eles e repito que essas são palavras deles, ficou “divina”

-E você, Tae? Continua desempregado? Não ficarei surpreso se a resposta for um sim – Jin disse rindo como se o fracasso do ruivo já fosse algo garantido

-Na verdade, eu trabalho sim, tá? Trabalho cuidando de crianças órfãs e eu herdei a herança da minha avó, incluindo sua empresa

-Então seu único mérito conseguido por conta própria, é limpar frauda suja? – Jin riu soprado pela irônia e eu vi Tae encher mais uma vez sua taça até a metade e tomar tudo de uma vez

-É – Respondeu pigarreando levemente

-Jungkook, desde quando você vive com um bêbado? – Meu “pai” perguntou virando para mim, eu iria responder algo, mas Taehyung respondeu antes de mim

-Desde que os pais chatos para um cacete, você não Namjoon, decidiram fazer visitas para o seu filho que é meu colega de quarto, sem avisar – Tae falou levantando parecendo alterado pelo efeito do álcool

-Tae... – O chamei baixo

-Shhh... – O mesmo pôs seu indicador sobre meus lábios pedindo por silêncio – Por que você não gosta de mim, Jin? Qual o seu problema comigo? Me diz, o que foi que eu fiz pra você? Porque eu realmente não consigo entender porque você me odeia tanto assim

-Ora, isso é ridículo! Eu não odeio você – Jin falou debochando sem tirar seu sorriso do rosto

-Odeia sim! É porque eu sou um viadinho de merda oferecido? Ou é porque você não aceita o fato de que é irritante ao ponto de seu filho preferir vir morar comigo? Hein Seokjin? Por que você me odeia? Você me culpa pelo Jungkook ter entrado em coma?! – Gritou a última parte quase chorando – É por isso? Você me culpa por algo que meu pai fez? Você não deveria odiar à mim, deveria odiar ele, deveria culpar ele, eu NÃO SOU responsável pelo o que aconteceu com seu filho, eu NUNCA quis que aquilo tivesse acontecido, muito pelo contrário, você não faz ideia de como eu me importo com esse garoto, eu dediquei cada segundo da minha vida desde o momento em que eu o conheci à cuidar dele, você acha que eu não me senti mal também quando o vi quase morrer naquela maca? Você acha que eu não sofri só em pensar que eu não pude dizer adeus e talvez nunca tivesse a chance? Você acha que eu consegui viver com isso? É isso que você acha não é? Que eu pedi ao meu pai para que ele fizesse o que fez com a gente, mas deixa eu te contar um segredinho – Disse chegando bem perto de Jin – Mas não pode contar à ninguém, okay? Sabe como segredos podem ser burocráticos, eu não pedi que meu pai fizesse isso, eu só pedi que ele me entendesse, mas ele não entendeu, então não me culpe por viver em um país de merda onde as pessoas que não fazem parte do padrão social merecem ser espancadas, eu não sou um viadinho de merda oferecido, eu não sou um assassino, eu não sou um inútil, eu não sou um monstro e o mais importante, eu não sou, nunca fui e JAMAIS serei igual ao meu pai! – Disse sem conseguir conter às lagrimas, correndo para seu quarto, batendo a porta com força

Depois disso a sala ficou em um silêncio perturbador, acho que nenhum de nós três conseguíamos acreditar nas palavras do garoto sorridente, não podíamos imaginar que isso estava para vir e definitivamente jamais esperaríamos que ele explodisse desse jeito

-Eu acho melhor a gente ir embora – Namjoon disse se levantando após termos ficado calados por tempo de mais – Filho, tente falar com ele, acalmá-lo, eu vou tentar falar com o seu pai – Disse a última parte sussurrando no meu ouvido – Nós sentimos muito a sua falta

-Eu também senti, pai – Falei o abraçando

-Tchau filho, qualquer dia a gente pode combinar, de jantar – Namjoon falou após passar pela porta

-Okay – Concordei sorrindo – Tchau pais!

-Tchau meu amor – Jin se despediu me abraçando

Assim que meus pais foram embora eu cobri a lasanha a colocando no frízer, indo ao quarto do ruivo logo em seguida

Entrei lá achando que ele poderia estar chorando, ou algo do gênero, mas Tae estava tão bêbado que acabou adormecendo

Sorri ao vê-lo dormir tão serenamente e me aproximei devagar tomando cuidado para não acordá-lo retirei seus sapatos e o vesti com os lençóis para que não tivesse frio, em seguida peguei minha toalha e alguns travesseiros, levei para a sala, e só voltei para o quarto para deixar um balde caso ele vomitasse, fui tomar um banho e decidi dormir no sofá, pois não queria que ele acordasse

O Hyung tem trabalhado muito esses dias, o trabalho dele no orfanato não é só limpar fraudas sujas, ele também gerencia o lugar, toma conta dos pagamentos, também é ele que assina os documentos necessários quando surge alguém querendo adotar as crianças

Resumindo, é Taehyung quem mantém aquele lugar funcionando, e esses dias ele está trabalhando num longo e complicado processo, quase não dorme, todas as noites ele trás papelada pra casa, eu me preocupo com ele, ele precisa descansar um pouco, mas infelizmente não sei como fazer isso, Tae diz que está bem, e ele ama aquelas crianças, mas mesmo assim, eu ainda me preocupo, queria poder ajudá-lo de alguma forma

Quatro dias depois...

Taehyung's P.o.V

Acordei, mas não havia sinal do Jungkook, o que é muito estranho, porque eu sempre acordo antes dele, eu sou quase um homem de negócios, e o mais velho da casa, então eu tenho que acordar sempre mais cedo, sem falar que eu posso acordá-lo, que logo de manhã cedinho posso vê-lo abrir lentamente seus lindos olhos

Mas enfim, eu não sou uma espécie de enciclopédia pra ficar falando sobre cada detalhe fascinante sobre ele

É a minha história, e eu vou falar sobre mim!

Levanto da cama e percebo que meu quarto está mais arrumado que o normal, apenas dou de ombros e vou para a cozinha ainda de pijama, chego lá e dou de cara com Jungkook cozinhando

A vida pode ser irônica

-Fez uma lasanha uma vez e já tá se achando o chefe de cozinha, Jeon Jungkook? – Perguntei indo até ele tentando disfarçar que encarava seu short, eu até tento não olhar, mas é tão curtinho por mais que seja folgado, e as suas coxas super definidas ficam à mostra, é quase impossível desviar o olhar daquilo

-Ah, eu só tô tentando te ajudar com as coisas de casa, às vezes eu sinto como se você fosse minha babá barra empregada – Disse dando um sorriso tímido

-Uhm, e o que o nosso mini-chefe está fazendo para o nosso café da manhã? – Indaguei me apoiando em seus ombros

-Ahm... Torradas, ovos com bacon e macchiatos de caramelo

-Uau, tô impressionado, não sabia que conseguia fazer tudo isso já

-Bom, eu costumo a aprender as coisas bem rápido

-Eu que o diga – Disse pra mim mesmo – Então, precisa de ajuda?

-Eu Preciso que você relaxe e descanse um pouco! Pare de se manter ocupado com tanta coisa, Tae! Tenta descansar, por favor, eu me preocupo muito com você

-Okay, okay – Pus minhas mãos no ar em forma de rendição – Eu vou tirar uma sonequinha, mas não é porque você quer e sim porque eu posso

-Tá – Riu balançando negativamente a cabeça enquanto batia a omelete

Recentemente, como já foi dito antes, eu descobri que meu adorável colega de quarto, não se lembra de um segundo sequer dos últimos vinte e um anos de sua vida, hoje eu vou tentar ir escondido ao hospital, com a Seolhyun e já imagino Jimin indo junto também, para falar com o médico que cuidou do caso do Jungkook por todo esse tempo, talvez ele possa me explicar melhor toda a situação

Enfim, nesses quatro dias, eu tenho prestado mais atenção – Se é que isso é possível – No Jungkook e no comportamento dele, pra saber como ele lida com seu pequeno probleminha e como eu nunca havia percebido, acontece, que Jungkook é um ótimo mentiroso, estava tão óbvio esse tempo todo, eu só nunca percebi porque ele manipulava toda a situação usando palavras difíceis e eu ficava confuso, mas agora posso ver claramente, que ele não faz a menor ideia do que está fazendo

{...}

-Senhor Kim? – Ouvi uma enfermeira me chamar

-Sim?

-O dr. Choi está pronto para atendê-lo

-Se acalma Tae – Seol disse tentando me tranquilizar – Vai ficar tudo bem

-Certo – Disse levantando me dirigindo até a sala do Minho, médico que sempre cuidou do Jungkook, ainda nervoso

-E então? – Perguntei me sentando na cadeira em frente à mesa dele sem mais delongas

-Bom, acho que é melhor mesmo irmos logo ao assunto – O dr. Choi disse sorrindo – O caso do Jungkook é muito raro, eu pessoalmente nunca vi alguém acordar de um coma achando que vivia em outra vida, mas bem, eu fiz algumas ligações, visitei alguns amigos que também estão no rumo da medicina há anos e eu também vi todo o histórico médico do Jungkook, ao que parece ele teve uma infância muito sofrida, e acredito que essa seja a principal causa da sua amnésia incomum

-C-Como assim? – Perguntei

-Bom, ao que parece, seu amigo sofreu muitos traumas, segundo seu histórico ele foi à muitos psicólogos e terapeutas, mas ele nunca superou nem aceitou que tudo o que aconteceu à ele, realmente aconteceu, ele nunca conseguiu superar a morte de sua família, e todas as outras coisas desagradáveis, então, quando ele entrou em coma, como uma tentativa de não sofrer mais com tudo aquilo, seu cérebro apagou todas as memórias que ele tinha de sua vida e as substituiu por memórias distorcidas baseadas na sua vida real, resumindo, uma realidade alternativa, que para Jungkook, parece muito mais vívida do que qualquer coisa que possam contar à ele

-E... – Pigarreei me controlando para não começar a chorar – E existe alguma chance de ele recuperar a memória?

-Levando em conta sua situação, se eu estiver certo, a única maneira de ele se lembrar de tudo, é finalmente aceitar que essa aqui é a sua vida

-Você tem alguma ideia de como eu posso fazer isso?

-Infelizmente não, Tae, temo que a única pessoa que pode ajudar o Jungkook, é ele próprio, não há nada que nós podemos fazer além de continuar contando para ele a verdade, é muito importante que vocês estejam cientes que é a vida dele que está em risco, então ele merece saber de toda a verdade, não tentem esconder nada dele, okay?

-Não se preocupe, doutor – Seolhyun que estava comigo na sala se pronunciou – Vou cuidar para que isso não aconteça – Disse levantando junto comigo se despedindo do doutor Minho me levando de volta para o carro rumo à minha casa

-Eu não posso – Falei quando ainda estávamos no trânsito – Contar pra ele, Seolhyun, eu não posso

-Tae, ele merece saber

-Eu sei que sim, mas e se ele não encarar de um jeito bom? E se ele gritar comigo de novo? Se ele resolver ir embora e nunca mais voltar? Eu não vou aguentar passar por isso de novo, Seol

-Tae... O Jungkook ama você

-Amava, ele não lembra mais de nada

-Talvez não da forma como você quer, mas ele irrevogavelmente vai sempre amar você, seja como amigo, como irmão, ou como amante, ele te respeita e te admira, eu o conheço bem de mais pra saber que ele jamais faria algo pra magoar você

-E se ele nunca recuperar a memória?

-Não pense assim, ele vai recuperar, você sabe que ele tem forças para isso

-Eu não quero arriscar, não me sinto pronto pra isso, eu só fiz mal à ele, ele com certeza está melhor assim, e é isso o que eu quero, o melhor pra ele, mesmo que o preço da felicidade dele seja não ficar comigo

-Taehyung, você precisa observar mais o espaço ao seu redor, só você não consegue perceber, que essa talvez seja a coisa que o Jungkook mais quer lembrar, se você realmente quer o melhor pra ele, deveria contar a verdade

-Eu não vejo dessa maneira

-Tudo bem, mas e se ele descobrir sozinho? Como você acha que ele vai se sentir em relação à você quando descobrir que esse tempo todo você teve oportunidade pra contar pra ele, mas não o fez?

-Tá, o que nós quatro estamos fazendo aqui, Taehyung? - Depois da conversa que eu tive com a Seol, decidi que não iria pra casa, eu precisava falar com pessoas que entendem desse assunto, pessoas que entendem o que eu passo, então eu chamei Yoongi, Hoseok, e para matar dois coelhos numa cajadada só, também chamei os pais do Jungkook

-Okay – Comecei – Primeiro, vocês – Apontei para Namjoon e Seokjin – Precisam saber sobre algo relacionado ao Jungkook e Jin preciso que preste bastante atenção porque isso não foi minha culpa e eu não quero que você me odeie mais – Falei e assim expliquei tudo sobre o laudo do garoto e a sua condição psíquica

Depois de muitas perguntas e lágrimas – Da parte do Seokjin – finalmente os dois aceitaram a situação e esperavam ansiosos para o que eu tinha a falar

-Bom, a razão pela qual eu chamei vocês quatro aqui foi porque... Eu queria a opinião de vocês sobre... Algo

-Acho que eu já sei o que é – Namjoon disse confiante

-Sabe?

-Claro, qual é, o que nós quatro temos em comum? – Perguntou olhando para os outros três

-Somos... Casados (?) – Hoseok respondeu e eu pude ver Yoongi bater a mão no rosto

-Não, idiota – Yoongi falou agora batendo a mão na cabeça do Hoseok – Somos gays!

-Exato! – Namjoon concordou

-Pois é... – Falei baixinho

-Taehyung desembucha logo, odeio suspense – Jin disse cruzando os braços – O que você quer?

-Certo, bom, antes do Jungkook... Vocês sabem, ele e eu... Nós... Namorávamos, mas como vocês sabem, ele não lembra disso, então, vocês acham que eu deveria contar pra ele?

-Por que não contaria? – Namjoon perguntou confuso

-Porque eu tenho medo de que ele reaja da mesma forma que reagiu quando descobriu cinco anos atrás

-Como? Correndo para o seu apartamento na chuva pra transar com você na mesa da sala de jantar? – Jin perguntou arqueando a sobrancelha

-Não foi assim que aconteceu – Contrariei – E pra falar a verdade nós nunca...

-Nunca o quê?

-Nós nunca... Fizemos...

-Ah meu deus – Yoongi falou chocado – VOCÊS NUNCA FIZERAM SEXO?

-Fala mais alto, acho que aquela velinha atravessando a avenida duas quadras daqui ainda não ouviu – Falei revirando os olhos escondendo meu rosto

-Desculpa, mas sério que vocês nunca?

-Nunca, Yoongi

-Tipo, nada? Nadinha?

-Nada, nadinha

-Por quê? – Perguntou ainda sem entender

-Porque o Jungkook ainda era menor de idade e eu não queria desrespeitar ele...

-Mentira! – Yoongi negou – Você nunca se preocupou com a idade dele!

-Tá, tá! É porque, eu não me sentia pronto e eu não queria machucá-lo e também, eu não queria que ele achasse que eu estava com ele só por sexo, e principalmente, eu não queria que ele pensasse que eu sou igual ao maldito que abusou dele na infância, porque foi exatamente isso que ele pensou quando descobriu que eu tinha sentimentos por ele, e também é por isso que eu não quero contar agora, porque eu não quero magoá-lo novamente – Desabafei secando uma lágrima antes mesmo que ela caísse

-Não tinha percebido que isso também afetava você – Jin disse pondo a mão em meu ombro

-É, mas afeta – Falei fungando

-Tae, eu sinto muito por tudo o que eu já te disse, eu só queria o melhor pro Jungkook, assim como você, agora eu vejo, que o melhor para o meu filho, é você, e é por isso que eu acho que você deveria contar, sim, existe a possibilidade de ele não encarar de uma maneira positiva, mas também existe uma grande chance de você finalmente conseguir tudo o que queria desde os dezesseis anos

-O Jin tá certo, Tae, dá muito medo tomar uma decisão como essa, porque você não quer perder a outra pessoa, mas você tem que tentar mesmo assim, porque pelo menos não vai passar o resto da vida se perguntando “O que teria acontecido se eu tivesse contado?” – Yoongi reforçou o argumento do mais velho

-Então vocês todos acham que eu deveria contar? – Perguntei e todos concordaram com a cabeça

Depois disso nós pagamos a conta, conversamos mais um pouco sobre como eu poderia contar, eu acho que todos estão certos, eu deveria e vou contar pra ele, mesmo que eu não goste de sua reação, ele merece saber, e se ele parar de falar comigo, me ignorar ou tentar ir embora, eu não vou permitir, não vou deixar que ele vá, eu não vou mais desistir de nós dois, pela primeira vez na vida, vou lutar pra ter o que eu quero com a pessoa que eu amo, além do mais, eu já perdi ele muitas vezes, não quero perdê-lo nunca mais

Cheguei em casa meio exausto pelo dia longo e culpado, pois eu não havia ido trabalhar por mais que tivessem me dado folga, então eu só tirei meu sobretudo e fui rumo à mesa da sala de jantar, ler algumas papeladas, assinar algumas coisas, bom, muitas coisas, ao que parece eu vou ficar a noite inteira ocupado com isso e isso não é uma desculpa pra evitar de contar aquilo pro Jungkook, prometo à mim mesmo, que eu vou contar amanhã de manhã, assim que ele acordar

-Hyung? Onde você tava o dia todo? – Jungkook perguntou após chegar em casa não muito mais tarde que eu

-Eu saí com o Yoongi e o Hoseok – Falei sem dar muita atenção ao mais novo, pois todos esses documentos são realmente muito importantes

-Ah – Falou sem pedir mais explicações, pude ouvir quando ele sentou no sofá da sala e ligou a tv – Ei, hyung! Me chamou vindo até mim – Me lembrei de uma coisa, você sabe aonde eu deixei minha forma de biscoitos? Pensei que talvez pudesse fazer alguns

-A Seol pegou emprestado – Falei virando uma folha enquanto ajeitava meus óculos

-Será que ela tá em casa? Eu quero muito fazer os biscoitos

“Será que ela tá em casa?”

De repente a voz de Seolhyun, de hoje mais cedo, ainda no carro quando conversávamos, me veio à tona

“Hoje eu e o Jimin vamos ter nosso primeiro encontro oficialmente, só nós dois, sem culpa e sem precisarmos nos preocupar com nada, eu vou fazer um jantar, vai ser tudo incrível, então lá pelas oito ou nove da noite, se você precisar da minha ajuda, meu celular vai estar no silencioso”

Sim, Seolhyun está em casa, e o Jimin também... Talvez se eu permitir que o Jungkook vá lá sem avisar, ele pegue os dois no flagrante e assim eu não terei que contar à ele, pois a Seol vai ter que explicar ela mesma...

Eu sou um gênio, eu sei

-Sim, ela tá em casa sim – Disse mordendo minha caneta

-Você pode me levar lá, hyung?

-Ahn – Não, se eu levasse ele lá meu plano não daria certo – Eu até poderia, mas eu preciso muito deixar toda essa papelada pronta até amanhã, foi mal, Jungkook

-Tudo bem, eu sei que isso aí é importante, eu posso pegar um taxi – Falou dando de ombros pegando seu casaco – Até mais, Tae!

-Ei, espera! – O chamei

-Que foi?

-Toma as chaves do apartamento dela, assim você pode pegar a forma sem incomodar – Falei entregando as chaves como quem não quer nada

-Certo, valeu, tchau!

-Tchau! – Fechei a porta e fiquei a próxima hora inteira visando esses documentos, até pegar no sono

Jungkook's P.o.V

Voltei da faculdade meio tarde, pois estava determinado a terminar o trabalho passado pelo professor naquele mesmo dia, então passei meu dia com a cara enfiada nos livros da biblioteca

Quando cheguei em casa, Tae não estava, o que foi muito estranho, porque ele sempre está em casa à essa hora, comecei a ficar preocupado, porque ele também não deixou bilhete, peguei um taxi e fui pra casa de Seolhyun, e ela também não estava lá, fui para o Hoseok e o Yoongi, e eles também não sabiam ou não quiseram dizer onde ele estava, liguei pro Jimin e nada, comecei a pensar que talvez ele tivesse ficado louco e ido pro orfanato, por mais que ele estivesse de folga, fui pra lá na esperança de achá-lo, mas ninguém o tinha visto lá também, já estava começando a escurecer, eu liguei até pra Polícia, mas disseram que eu tinha que esperar 48 horas

Resolvi ir pra casa e encontrei Tae com a cara naqueles papéis, cheguei perto dele e perguntei da forma mais calma possível aonde ele estava, ele disse que havia saído com Yoongi e Hoseok, mas isso era mentira, porque eles não faziam ideia de onde ele estava, resolvi respirar fundo e deixar pra lá porque, lembram o que aconteceu da última vez que surtei por não acreditar nele? Pois é

Fui para a sala, mas a tv estava muito entediante, resolvi me manter ocupado com outra coisa, com biscoitos, por exemplo, mas a forma estava com a Seol, então nesse momento eu estou no táxi indo pra casa dela pegar, cara, sobre táxi, é caro, preciso aprender a dirigir

Cheguei no prédio onde ela morava e o porteiro me deixou subir direto, disse que alguém havia ligado e liberado, imaginei que o Tae havia avisado à Seol que eu vinha, então entrei no elevador e fui até o andar dela, chegando lá passei a chave que Tae me deu e a fechadura se abriu revelando uma cena bem... Bom, uma cena... Peculiar...

Seol estava deitada no sofá com um anão em cima dela, o Jimin, e os dois estavam... Pois é

Eles ainda não haviam notado a minha presença então eu fechei a porta com força para que fizesse barulho suficiente, o que assustou os dois que se separaram imediatamente

-Olá gente – Cumprimentei os dois dando um sorriso enquanto Jimin fechava o zíper de sua calça e Seol abotoava os botões da camisa

-Jungkook... Eu posso explicar

-Não, não precisa Seol, estudei biologia no colegial, sei o que estava acontecendo, olha, quem sou eu pra julgar, mas você não podia pelo menos respeitar o Tae e terminar com ele ao invés de ficar traindo ele com o melhor amigo dele?

-Jungkook...

-Não, porque eu posso até entender que vocês dois se gostem, mas eu não posso entender o porquê de você estar iludindo o Taehyung, ele se importa muito com você, sabia?

-Jungkook!

-Que foi, Seolhyun?

-Okay, eu não tô acreditando nisso – Seol deu uma risada balançando a cabeça em negativa – O Taehyung é um gênio

-Oi? – Perguntei confuso

-Okay, Jungkook, o Tae não se importa que eu saia com o Jimin, porque nós não estamos juntos, nunca estivemos, na realidade

-Como assim?

-Eu não posso explicar isso, mas eu posso dizer que não sou eu quem o Tae queria namorar, é você

-Q-quê?

-É verdade, o Taehyung ama você, e sempre amou, desde a primeira vez que olhou nos seus olhos, e... Antes do seu acidente... Vocês namoravam

Passei os próximos três minutos encarando o nada com cara de tacho e a boca aberta refletindo cada palavra do que a Seolhyun acabara de dizer

-Jungkook? – A ouvi me chamar

-Uhm?

-Você está bem?

-Tô, tô, é... Eu preciso de um copo d'água – Falei pigarreando

-Deixa que eu vou buscar – Jimin falou indo para a cozinha

-Seol... O que você está dizendo? Eu não...

-É verdade Jungkook, aquele garoto é louco por você

-Por que ele não me disse?

-Ele não se sentia pronto, por isso que ele trouxe você até aqui, para que eu fosse obrigada a te contar

-Ele... Eu... Quê?

-Tá aqui o copo d'água – Jimin falou me entregando após voltar para a sala, tomei todo o conteúdo de uma vez só e encarei o teto

-Acho que eu preciso de algo mais forte – Falei

-Aqui ainda tem Whisky, certo, Seolhyun? – Jimin perguntou

-Tem...

-Okay, vou trazer

-Com gelo! – Especifiquei

-Traz a garrafa, Jimin – Seol pediu

-Certo

-Meu deus! – Exclamei pondo as mãos no rosto

-Jungkook, calma

-Eu preciso falar com ele, Seolhyun! - Falei me levantando

-Voltei! – Jimin falou ao voltar pra sala com a garrafa na mão, a tomei dele e bebi uma boa golada do conteúdo, creio que equivalente a quase dois copos

-Eu preciso falar com ele! – Disse balançando a cabeça para os dois lados

-Okay... Deixa que a gente te leva, cuidado! – Jimin me pegou antes que eu caísse quando eu tentei andar e tropecei

Nós três saímos juntos do apartamento e descemos até a garagem do prédio, Seol pegou o carro dela e me levou até o prédio onde eu moro, não é tão longe, eu já estava começando a sentir o efeito do Álcool se intensificar, mas eu ainda estava longe de perder a consciência

Entrei no apartamento e Tae havia desmaiado na cadeira de tanto olhar aquela papelada, eu ainda não fazia ideia do que iria dizer, mas tinha certeza que meu "Eu embriagado" sabia exatamente o que falar

Cheguei mais perto da mesa e num movimento só derrubei tudo o que tinha nela fazendo um barulho alto o suficiente para acordar o Tae

-Jungkook?! – Me chamou assustado levantando num pulo – Por que você fez isso? Eu já tinha organizado tudo em ordem de data cres--

-Você me ama?! – Gritei e o vi engolir em seco

-Jungkook...

-Você me ama?! – Gritei mais alto ainda – Como assim você me ama?! Hein? – Falei avançando na direção dele enquanto ele se afastava até colar na parede que separava nossos quartos

-Jungkook... Calma

-CALMA?! Não me peça pra ter calma agora, Taehyung, como você pôde esconder isso de mim? Meu deus, você é tão... Tão...

-Tão o quê? – Perguntou analisando minhas expressões que transbordavam raiva

-Tão... Idiota! – Falei me aproximando ainda mais dele puxando sua blusa – Por que você escondeu isso de mim? – Gritei

-Jungkook, por favor – Tae me chamou desesperado tentando se proteger de qualquer golpe que eu pudesse dar nele, mas agredi-lo nunca sequer passou pela minha cabeça, fixei meu olhar em seus lábios e o beijei descarregando nele toda a minha adrenalina

O soltei apenas para analisar sua expressão e ele me olhava assustado

-Nunca mais esconda os seus sentimentos, Taehyung – Falei por mim e eu o vi por a mão em meu rosto para juntar novamente nossos lábios, dessa vez em um beijo mais calmo

Eu não estava conseguindo acreditar nisso, depois de tanto tempo, eu finalmente podia senti-lo novamente, eu estava sentindo ele de verdade, não era fantasia, não era sonho, não era realidade criada em um coma, era ele, ele de verdade, original e único, e esse beijo que estávamos trocando, eu nunca senti nada assim antes, eu o beijava e não imaginava como eu sentia falta dos seus lábios, era quase como se a minha boca soubesse que não toca a dele há mais de cinco anos

Um mês, durante um mês inteiro, eu morei com ele, eu dormi na mesma cama que ele, e sofri todas as noites, pois havia me convencido completamente de que ele jamais poderia gostar de mim, pois todos incluindo ele haviam deixado claro que ele sentia atração por mulheres exclusivamente, passei noites em claro, já chorei até dormir me lembrando de quando eu fui feliz com ele, mesmo que nada daquilo tenha acontecido, era real pra mim, era puro e intenso, e todas as sensações que eu senti estando com ele em imaginação, agora nesse ósculo se intensificam cem vezes mais

O toque delicado dos seus lábios se movimentando em harmonia com os meus, o seu gosto doce, sua língua entrelaçada na minha, fazendo movimentos circulares, incrível era a sincronia, como se estivessem conversando entre sí, não importava o quanto meu pulmão gritasse, eu não queria soltá-lo, explorava com vontade cada centímetro quadrado da sua boca, nem sei quanto tempo nós ficamos naquele beijo, mas infelizmente não sou eu que decido por quanto tempo eu consigo prender o fôlego, então fui obrigado a finalizar aquele momento, dei um último selinho nele e colei nossas testas enquanto minhas mãos ainda estavam agarrando sua cintura e as suas mãos ainda estavam pregadas em meu pescoço

Ambos já estávamos ofegantes, a sala estava pegando fogo tanto quanto a cozinha dias atrás, mas não era por causa de um forno ligado, nossas respirações eram descontroladas e meu coração batia tão rápido que eu estava seriamente acreditando que a qualquer momento ele poderia pular pra fora do meu peito, Tae não estava muito diferente

O puxei pela cintura ainda com minhas mãos agarradas à ele e praticamente o joguei em cima da mesa onde nós voltamos a nos beijar, só paramos por um breve momento enquanto eu tirava sua camisa

-O que você tá fazendo? – Me perguntou arfando ao sentir meus lábios tocarem a pele de seu pescoço, deixando beijos, mordidas e chupões

-Não faço a menor ideia – Respondi subindo em cima dele ficando os dois em cima da mesa voltando a beijá-lo

-Ahn... Jungkook?

-Que foi?

-A mesa é de madeira, não vai aguentar nós dois – Falou rindo

-Ah, certo – Prendi suas coxas com força ao meu redor e o puxei para cima para que ele ficasse preso à mim, ao fazer isso, pude sentir nossos membros bem despertos se atritarem, Tae também percebeu, pois assim que eu o fiz subir lentamente pelo meu colo fazendo o encontro de nossas ereções, pude vê-lo levantar seu rosto para o teto e morder seus lábios com gana enquanto rebolava sutilmente como se precisasse de mais contato naquela região

Sem muito mais enrolação, abri a porta do quarto de Taehyung e o joguei na cama logo subindo em cima dele, mas antes de voltar a nos beijarmos tirei minha camisa primeiro

-Você tem certeza de que quer fazer isso?

-Tenho, por quê? Tá com medo? – Perguntei o olhando sorrindo ladinamente

-Deixa de ser idiota – Falou rindo esticando o rosto para poder me beijar

Desci meus lábios até seu pescoço novamente e enquanto o marcava sentia Tae arranhando minhas costas com suas unhas curtas, fui descendo cada vez mais com minha língua até chegar ao cós de sua calça, que minhas mãos logo fizeram o favor de remover, levando embora sua box também, me permitindo apreciar pela primeira vez em muito tempo, seu membro duro e avantajado apontando para mim

Com a ponta da minha língua, rodeei sua glande rosada e molhada de pré-gozo, a chupando em seguida uma única vez, ouvi Tae gritar alto por consequência do toque inesperado e por essa ser uma região muito delicada do homem, provocar esse local por muito tempo é como uma tortura

Desci minha língua por toda a extensão de seu falo duas vezes e comecei a morder levemente a parte de dentro de sua coxa enquanto massageava sua glande com meu polegar

-J-Jungkook, n-não m-me t-tortura – Tae pediu praticamente tremendo

-O que você quer de mim Tae? – Perguntei com gana

-E-eu... – Tentava falar enquanto eu insistia em lubrificar sua pele sensível – Me chupa, Jungkook – Pediu me olhando com um olhar intimidador

Confesso que me arrepiei com esse olhar, nunca o vi me olhar desse jeito

-Com todo o prazer, hyung – Falei o olhando sorrindo maliciosamente, ele retribuiu o sorriso mordendo os lábios enquanto tirava alguns fios de sua franja do rosto

Envolvi seu membro com a minha mão e o abriguei dentro da minha boca, comecei a chupá-lo com toda a vontade armazenada junta com a minha adrenalina, meu maior objetivo era preencher minha boca com o máximo que eu conseguisse do membro de Taehyung, e o resto eu estimularia com a minha mão, não era uma tarefa fácil, pois seu falo rígido e pulsante era exageradamente avantajado

Mas por mais que eu engasgasse um pouco, ouvir Tae gemendo tão desesperadamente graças a algo que eu estava fazendo fazia valer cada segundo, e me fazia querer continuar cada vez rápido e profundo, senti Tae agarrar meus cabelos com força, mas não para controlar meus movimentos e sim para sincronizar comigo

São indescritíveis todas as sensações que eu estava sentindo naquele momento

Quer dizer, eu já transei com o Taehyung, muitas vezes, de várias maneiras distintas e em vários lugares diversos, mas nunca nenhuma dessas vezes, chegou a ser tão... Intenso, como está sendo agora, toda excitação queimando meu corpo, todos os meus sentimentos, eu nunca senti nada igual, era bom, era excitante, era inacreditável, era real, nesse exato momento ficou mais claro do que nunca pra mim que aquilo, que tudo o que eu vivi, era só uma ilusão, porque definitivamente, essa segunda chance que eu estou tendo com Tae, essa nova e verdadeira realidade que eu estou vivendo, é muito melhor

É fato que existem algumas coisas no meu passado que são difíceis de engolir, mas se tudo o que eu ouvi hoje é verdade, se eu tive um passado com o Tae e ele realmente me ama tanto quanto eu o amo ou até mais, significa que nós também temos um futuro juntos, um futuro real, e isso, é tudo o que eu mais quero, ele, é o que eu mais quero

-J-Jungkook... – Ouvi o ruivo me chamar me libertando de meus pensamentos – Eu não... Eu não consigo... Segurar... Mais – Eu entendi exatamente o que ele quis dizer, então comecei a acelerar meus movimentos indo cada vez mais profundo em seu membro, eu sentia ele pulsar em minha boca ficando cada vez mais duro, Tae se prendeu aos lençóis, arqueou as costas e soltou um grito alto quando finalmente depois de muito tempo se contendo liberou seu sêmen agridoce em minha boca, engoli todo o líquido e o masturbei mais algumas vezes com a minha mão para prolongar o orgasmo me deitando do seu lado logo depois

Nós não falamos nada, creio que o único som no quarto era o som do ar-condicionado e das nossas respirações aceleradas, principalmente a de Taehyung, que fitava o teto boquiaberto, talvez ainda chocado com todo o momento, eu também me sentia do mesmo jeito, mas eu sou muito bom em esconder sentimentos, então fiquei só analisando seu rosto prestando muita atenção enquanto ele fechava os olhos, como se fazendo isso pudesse reviver tudo o que acabara de acontecer

-Eu não sei o que dizer – Disse finalmente quebrando o silêncio – Como você... Jungkook você já fez isso antes? – Perguntou me olhando estupefato

-Não – Respondi rindo, bom, eu tecnicamente nunca tinha feito mesmo, sei lá, eu tenho um também, então eu sabia exatamente o que fazer

-Você me surpreende mais a cada dia que passa – exclamou balançando a cabeça em negativa

-Você tá cansado?

-Não... Por q-- - Antes que ele pudesse terminar de perguntar, prendi seus lábios nos meus subindo em cima dele novamente

-Porque agora é a minha vez – Respondi a sua quase pergunta mordendo os lábios ao sentir suas unhas apertarem minha bunda por dentro da minha calça e da minha box

-E você não acha que esta usando roupas de mais para isso?

-Você bem que poderia me ajudar a tirá-las

-Você é muito folgado, sabia? – Perguntou retoricamente depositando beijos no meu ombro e pescoço enquanto virava para o lado trocando nossas posições – Mas você foi tão bonzinho hoje que eu vou fazer isso pra você – Sorriu com gana enquanto sem enrolar removeu as únicas peças de roupa que eu usava

-Você é tão lindo, Jeon... – Disse fazendo uma trilha com seus dedos por minha pele, ele estava a três segundo de pôr sua boca na região que tanto precisava de atenção quando eu o puxei pelo queixo – Que foi? Você não disse que era a sua vez? – Me olhou confuso

-Eu nunca falei sobre sentir a sua boca – Esclareci o trazendo de volta pra cima trocando novamente nossas posições colocando três dos meus dedos da mão direita em sua boca enquanto minha outra mão me auxiliava a por suas pernas em meus ombros

Tae rapidamente entendeu e lubrificou bem meus dedos, lentamente, enfiei um por um em sua entrada tomando sempre muito cuidado para não machucá-lo, fiz ele prometer que mandaria eu parar se não conseguisse suportar, quando senti que meus três dedos entravam e saiam com facilidade os retirei e os substituí pelo meu próprio membro, enfiando muito devagar dentro do interior do ruivo, ainda que eu estivesse tomando muito cuidado, podia ouvi-lo reclamar da dor que ele devia estar sentindo, parei de me movimentar e me inclinei sobre ele o beijando numa tentativa de distraí-lo, quando percebi que funcionou voltei a me movimentar, ainda mantendo a mesma velocidade lenta, era muito difícil penetrá-lo nessa velocidade

Soltei um suspiro sôfrego quando finalmente consegui colocar tudo, era muito apertado, e eu sabia que se não tomasse cuidado, não só o machucaria como também machucaria à mim, ele estava muito tenso, talvez pela dor que ele se negava a admitir estar sentindo, tentei relaxá-lo fazendo carícias em seu pescoço sentindo suas unhas novamente arranharem minhas costas, voltei a me movimentar um pouco mais rápido ao sentir Tae rebolar abaixo de mim entregando que ele não sentia mais tanto desconforto

-Pode ir mais rápido Jungkook

-N-não, eu vou machucar você

-Não vai, eu não sou uma mulher frágil, Jungkook, eu aguento – Disse a última parte sussurrando no meu ouvido mordendo meu lóbulo em seguida ao mesmo tempo que prendia suas pernas ao meu redor me deixando mais conectado à ele

Deitei meu rosto em seu ombro e comecei a estocá-lo gradativamente mais rápido enquanto o ouvia gemer manhoso no meu ouvido

Penetrava Taehyung cada vez com mais força e mais fundo só para ouvi-lo gemer meu nome com uma voz grossa e potente, quando consegui acertar sua próstata, acho que foi o momento exato em que ele perdeu a sanidade, pois gritava alto coisas sem sentido algum enquanto arranhava com muito mais força as minhas costas

Comecei a estocar só naquele lugar e a masturbá-lo também

-Aaaaah J-Jungkook – O ouvi gemer enquanto rangia os dentes e apertava os lençóis – Eu vou gozar de novo

Comecei a acelerar meus movimentos tanto em sua mão quanto em sua entrada ao ouvir tais palavras, sentia meu abdômen se contrair, eu também não aguentaria por muito mais tempo, Tae levantou a cabeça e gemeu arrastado, seu peito subiu e desceu e a sua entrada se contraiu quando finalmente senti seu líquido quente ser jorrado para fora de sua fenda melando sua barriga e a minha mão, acabei não aguentando e gozei também, o estoquei mais algumas vezes para prolongar meu orgasmo e finalmente me retirei de dentro dele de uma vez indo deitar ao seu lado, o ouvi gemer sofrido, provavelmente ter me retirado dele tão rápido deve ter sido desconfortável

-Eu vou tomar banho – Anunciei me levantando após um tempo calados, acho que ninguém nunca fez um regulamento onde dizia exatamente o que falar depois de fazer sexo com o seu colega de quarto

-Espera! Eu vou também – Deixei que ele fosse na frente para poder admirá-lo desfilando nu pelo casa enquanto inclinava minha cabeça e mordia os lábios

-Jungkook? – Quer parar de me comer com os olhos e entrar no banheiro? – Pediu rindo

Mal entramos no chuveiro e já começamos a nos beijar de novo

-Achei que a gente tava aqui pra tomar banho – Falou arfando ao sentir nossos membros se tocarem

-Isso era quando eu ia tomar banho sozinho – Respondi apertando suas nádegas

-Deixa de ser tarado Jungkook, vai, vira de costas, deixa que eu passo sabonete em você – Disse rindo, fiz o que ele pediu e comecei a sentir suas mãos passeando sobre minhas costas, Tae parecia concentrado, como se quisesse memorizá-la para depois a eternizar em uma pintura, senti o ruivo passar suas mãos para a frente do meu corpo e tocar meu membro já desperto novamente

-Já está assim, Kook?

-Você me deixa assim, hyung – Falei me virando de frente pra ele

-Acho que eu posso te ajudar com isso – Disse sorrindo ladino enquanto descia sua boca até a região

E assim eu recebi o melhor e provavelmente primeiro sexo oral de minha vida, nós tomamos banho e depois disso fomos dormir e eu comecei a ter os mesmo pesadelos de sempre, sobre a noite em que eu aparentemente virei órfão

Taehyung's P.o.V

Acordo no meio da noite ouvindo Jungkook gritar ao meu lado por ajuda, ligo rapidamente a luz e fico em cima dele segurando seus braços, pois ele não parava de se debater

-ME SOLTA! Por favor, não me machuca, me solta, me solta! – Implorava chorando

-Jungkook, Jungkook, se acalma, eu tô aqui, ninguém vai te machucar

-Quem é você?

-Sou, eu, Taehyung, eu prometo que vou te proteger, sempre, você está seguro, meu amor, eu juro que está – Assegurei ao mais novo beijando sua testa

-Tae?

-Uhm?

-Você pode ligar a luz? – Pediu e eu fiquei um pouco confuso

-Já está ligada, Jungkook – Falei e vi o mais novo me fitar com um olhar assustado voltando a chorar de novo – Jungkook, você está bem?

-Eu... Eu não consigo enxergar

Yoongi's P.o.V

Algumas horas atrás

-Pra onde você vai, amor? Já tá tarde, volta pra cama – Ouvi Hoseok me chamar manhoso quando eu fiz barulho falhando miseravelmente em sair de casa sem ser percebido

-Você sabe exatamente pra onde eu vou

-Yoongi, você prometeu que ia parar

-Eu menti, tá? É muito difícil pra mim, Hoseok, eu não consigo e nem quero parar!

-Mas isso faz mal à você! Eu também prometi isso, lembra? Você também não acha que é difícil pra mim me conter?

-Isso são situações totalmente diferentes

-Eu sei que é mais difícil pra você, mas se você não parar, isso vai acabar te matando!

-Já acabou? Porque eu preciso ir, se não vou me atrasar

-Eu te proíbo de sair de casa!

-E quem disse que você manda em mim? Se enxerga, Hoseok! O quê? Só porque conseguiu se formar naquela faculdade e subir na vida você é melhor do que eu? Você continua sendo um merda! Você não diz o que eu posso ou não fazer, você nasceu pra seguir ordens, não fazê-las, entendeu? Então cala essa boca e volta pra merda da cama, porque eu vou sair sim e não vai ser você que vai me impedir – Falei bravo batendo a porta da frente me arrependendo automaticamente de ter dito tudo isso à ele

Foda-se! Era o único jeito de sair de casa

Entrei no meu carro e botei o pé no acelerador, sem nem me importar caso ele estiver chorando agora mesmo, vou resolver isso depois

-Olha só quem apareceu! E aí? Trouxe a grana? – Meu “amigo” loiro oxigenado perguntou e eu joguei a mochila cheia de dólares nele

-Cadê? – Perguntei

-Calma, pra quê a pressa? Deixa eu me certificar de que você cumpriu sua parte

-Eu já estou em abstinência por duas semanas! Não tenho tempo pra isso, tá tudo aí, agora me dá logo a cocaína

-Uau, duas semanas? Aguentou bem, enfim, você tá certo, tá tudo aqui, toma – Me entregou o pacote com a droga que meu corpo pedia desesperadamente – Só vai devagar com a dor – Falou dando um sorriso

-Se importa se eu usar um pouco agora?

-Fique a vontade – Falou batendo em uma cadeira indicando que eu poderia sentar lá, coloquei o pacote em cima da mesa à minha frente e retirei um pouco do pozinho o colocando sobre a superfície de ferro

Com a mão tapei um dos lados do meu nariz e inalei boa quantidade do pó com a narina descoberta sentindo meus olhos arderem entregando que a cocaína começava a fazer efeito

TO BE CONTINUED


Notas Finais


CARALHO
Eu gostaria de dizer algumas palavras
1-Esse capítulo deu trabalho pra cacete, porque enquanto eu betava o spirit ficava parando aí eu tinha qie fazer tudo de novo
2-Já comprei E coloquei meu colete à prova de balas, foi difícil de achar, mas eu consegui 😂
3-Como sempre né, não esqueçam de expor suas amáveis opiniões
Kisses on your hearts e até o próximo "tiroteio"
kdbfsia


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...