História Aneurysm - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~ai_meus_rins

Postado
Categorias Originais
Tags Aneurisma, Drama, Medicina, Sexo
Exibições 17
Palavras 940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá! Bom, está aqui o primeiro capítulo de Aneurysm. Perdoem-me pela demora.

Vamos a alguns avisos.

➡ Capítulo Revisado;

➡ Aneurysm não será movida a comentários, mas sempre serão bem-vindos;

➡ Não tenho dias certos para atualizar, mas sempre vou colocar um dia previsto para a nova atualização, mas nem sempre serão cumpridos;

▪ Alina Kovalenko como Elizabeth Le Leukën;
▪ Josh Duhamel como Fábio Simões;
▪ Patrick Dempsey como Theodor Le Postiche.

➡ Ao decorrer da história, conforme novos personagens aparecem, irei colocar quem os representam;

➡Capa feita por HopperSnow, e Sinopse feita por Danger, ambas do Valerie Edits.

Bom, acho que é só isso, espero que gostem do Capítulo.

Capítulo 2 - Chapter I - I'll Be Fine


                     "Quado vires um homem bom

 tenta imitá-lo; quando vires um homem mau,

                    examina-te a ti mesmo."

                                 Confúcio.

                                     ° ° ° ° °

     Elizabeth Point Of View

Sai de minha Suíte cantando a música que tocava baixo no quarto, a música era Am I Wrong do Nico & Vanz. Assim que sai fui diretamente para o meu Closet, para pegar as roupas que já havia separado para vestir. As peguei e fui voltando para o quarto. Coloquei as roupas em cima da cama e fui pegar meu creme de Jasmine para passar em meu corpo, peguei-o e o coloquei na cama. Fui até a frente da cama e primeiramente tirei a toalha de meus longos cabelos ruivos e a toalha de meu corpo em seguida. Depois de um tempo, peguei o creme e passei em todo meu corpo, após de ter feito isso comecei a vestir minhas roupas. Vesti minha Lingerie verde escuro,  logo meu vestido preto com detalhes vermelhos em seguida e por último, calcei meus sapatos pretos. 

Fui até minha penteadeira e comecei a passar os dentes da escova no meu cabelo. Depois fiz uma maquiagem básica com base, batom vermelho vinho, rímel e lápis de olho. Quando terminei com a maquiagem, coloquei algumas coisas necessárias na minha bolsa. Meu celular, o batom e minha carteira com uma quantia de dinheiro. Desliguei a música que tocava e sai do quarto, e fui até as escadas, descendo-as em seguida.
 
Enquanto descia as escadas, vi meu Pai mexendo em umas papeladas em cima da Mesa de Centro da sala, talvez estes papéis sejam relatórios de seus pacientes. 

Quando cheguei no final da escada, chamei-o: 

— Pai? – Assim que o chamei ele virou sua cabeça em minha direção, e assim que me viu deu um sorriso no canto dos lábios e falou: 

— Ah, oi minha Filha, nem vi você descendo as escadas, estava tão concentrado nesses relatórios. – Falou levantando-se e vindo em minha direção me dando um beijo na testa — Onde você vai? – Perguntou. 

— Eu vou sair com o Antônio. – Respondi dando um sorriso.

— Que Antônio? Aquele seu ex Professor de Educação Física? – Perguntou-me. 

— Ele mesmo. – Antônio foi meu professor quando eu tinha de 14 para 15 anos, ele foi meu Professor de Educação Física no 2 e 3 ano do Ensino Médio. 

— Mas Elizabeth, ele não é casado? 

— Não Pai, ele se separou faz pouco tempo. – Respondi indo até o sofá e sentando-me no mesmo. 

Ele deu de ombros enquanto ia até a cozinha perguntando-me se queria algo e eu neguei. Peguei meu celular para olhar as horas e vi que eram 20:09, tínhamos marcado para às 20:30 então fiquei mexendo no celular até meu Pai vir a sala e sentar-se ao meu lado.

Ficamos conversando por um tempo até que seu celular toca, ele atendeu a chamada e falou poucas palavras.

— Tenho que ir. Ataque Cardíaco. Você vai ficar bem? – Perguntou.

— Sim, Pai, vai ficar tudo bem. Agora vá salvar mais uma vida. – Falei com um sorriso nos lábios. 

Ele me deu um sorriso e foi pegar suas coisas. Depois de ter pego tudo, foi até a porta e antes de sair me deu um 'tchau' com a mão e eu repeti o gesto.

Depois que meu Pai saiu fui até o sofá para ver as horas em meu celular, e vi que eram 20:27, então Antônio estava para chegar. Depois de uns 3 minutos, ele chegou no horário marcado. Desliguei as coisas e fui em direção ao seu carro, entrei no mesmo e formos indo para o restaurante.

                             ° ° ° ° °

Cheguei em casa, já eram 24:37. Fui pra sala e vi que meu Pai estava assistindo o meu filme preferido, "Assassino À Preço Fixo", com Jason Statham, meu ator preferido.

— Oi Charlotte, como foi o jantar? – Perguntou-me.

— Ah, normal. Só conversamos, relembra-mos o passado, não aconteceu nada demais. – Falei indo em sua direção, lhe dei um abraço por trás e um beijo na bochecha.

— Hum... Agora vá trocar de roupa, para vir assistir ao filme. – Ele mandou assim que o filme entrou nos comerciais.

O obedeci indo direto para meu quarto. Assim que cheguei, tirei minhas roupas, ficando apenas de calcinha, coloquei meu sutiã em cima da poltrona ao lado da cama, e o vestido no cesto de roupa suja.

Fui até meu Closet e peguei a primeira camisa de meu Pai que vi, a vesti logo em seguida.

Cheguei à sala abotoando o último botão. Sentei ao lado de meu Pai, e esperamos o filme voltar dos comerciais.

                             ° ° ° ° °

Depois que o filme acabou, formos para nossos quartos para dormimos. Mas uma coisa que não conseguia fazer neste momento era dormi.

Eram 2:15 quando comecei a sentir um forte peso nas pernas, o peso tava mais na minha perna direita. Achei isso estranho e virei-me de barriga para cima, mas não adiantou. Minutos depois eu comecei a sentir uma dor de cabeça muito, muito forte. Preocupada com isso, resolvi ir até o quarto de meu Pai.

Quando cheguei lá, parecia que a dor de cabeça havia aumentado uns 80%. Abri a porta de seu quarto entrei e liguei as luzes. Antes que eu chamasse meu Pai, ele acordou por si só, e  perguntou-me:

— Elizabeth o que que foi? Está tudo bem? – Perguntou-me preocupado.

— Não Pai, não está tudo bem. – A cada palavra que pronunciava eu ficava mais fraca e a dor de cabeça aumentava. — Eu estou com muita, muita dor de cabeça, e minhas pernas... – Não consegui falar mais nada depois disso.

Eu não sabia o que diabos eu estava tendo, mas, neste momento, eu soube que era uma coisa nada boa.


Notas Finais


Gostaram? Espero que sim.

Agradeço aos 12 favoritos, eu realmente achei que os favoritos não iriam passar dos 5, então muito obrigada mesmo.

Próximo Capítulo previsto para: 23/11.

Noch Mehr.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...