História Angel (JiKook-JungMin) - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Anjos, Bts Bangtan Boys, Demonios, Drama, Hentai, Humanos, Jikook, Jungmin, Lemon, Min Yoongi/suga, Mistério, Namjin, Romance, Taekook, Taeseok, Vhope, Vidas Passadas, Vkook
Exibições 267
Palavras 1.170
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu realmente estou achando que a fic vai ficar muito longa e isso me preocupa ;-; Tipo, são poucas pessoas que gostam de LongFic e eu planejava deixar Angel com 20 capítulos, porque os capítulos já são grandes e 30 capítulos deixaria a história meio enjoativa, não deixaria? (Respondam, por favor) Tentarei deixá-la com 25 já que com 20 não é mais possível <3 Espero que gostem

Capítulo 19 - Devaneios


Fanfic / Fanfiction Angel (JiKook-JungMin) - Capítulo 19 - Devaneios

Como um desmaio, eu apenas perdi meus sentidos e tudo se escureceu, como descrevem a morte. O meu físico apenas dormia e o meu psicológico pensava e repensava nas palavras claras de Taehyung.

- Eu sou o anjo negro...

A palavra anjo não era desconhecida para mim, até porque me atormentava em meus sonhos, passando uma mensagem em códigos. Eu poderia rir na cara do homem que se diz um anjo, mas o meu interior o temia, temia por Jimin, temia por mim. Eu só queria encontra-lo e esclarecer as demasiadas dúvidas, que me atormentaram desde as palavras ditas claramente por "V", até agora.

- Jeon? – A voz fina e suave do doutor Jin me acordou do sono pesado, fazendo-me logo sentir uma dor intensa em meu crânio. – Oh, você acordou.

O rosto pálido do doutor Seokjin apareceu em meu campo de visão, os fios de suas madeixas loiras mel estavam posicionadas perfeitamente para cima, formando um penteado bagunçado e estiloso. A testa pálida combinava perfeitamente com a cor do cabelo e as roupas brancas de médico. Os olhos negros e arregalados me fitavam curiosos, abrindo discretamente os lábios.

- O que faz aqui? – Indaguei me sentando na cama, tirando o lençol fino de meu tronco e checando, com as mãos, o local em minha cabeça que doía intensamente, arfei ao tocar o curativo. – O que aconteceu...? – Arrastei as palavras, cansado e tonto.

- Bom – se sentou ao meu lado -, seus pais chegaram e você estava caído no chão, com um bastão ao seu lado e uma ferida no lado direito de sua cabeça – os olhos pequenos e semicerrados me encaravam, como um policial em um interrogatório. – O que aconteceu?

- Eu... não... – arfei.

Podia me lembrar perfeitamente das palavras de Tae, da visita repentina do trio e as ameaças. Como o ponto final, podia me lembrar de Namjoon mirando um bastão em mim, depois disso, nada havia acontecido, de acordo com as minhas lembranças.

- Não quer falar?

- Cadê eles? – Me tornei mais sério, me livrando bruscamente do lençol sobre o meu corpo. – Aonde eles estão?! – Elevei a voz, puxando, com os pés sobre o colchão, o meu corpo para fora da cama, no lado oposto de Jin. – Me responda! Aonde eles es... – me calei, me sentando novamente na cama ao sentir um fracasso cambalear minhas pernas.

- Eles quem? – Jin se levantou, andando lentamente até o lado da cama que eu estava. – E não se esforce, você parece péssimo.

- Eles não estavam aqui quando meus pais chegaram? – Indaguei cabisbaixo.

- Desculpe, mas seus pais disseram te encontrar sozinho e desmaiado, como eu acabei de falar.

- Mas Taehyung, Namjoon e YoonGi estavam aqui... – Murmurei.

- Namjoon? Por que eles estariam aqui? – Jin se posicionou defronte a mim, com as mãos no bolso do jaleco branco que descia até as coxas tampadas por uma calça jeans escura.

Me virei ao ouvir a porta de meu quarto ser aberta, e os barulhos do salto de omma preencherem o local. A mulher me encarou sombriamente, antes de fazer um sinal com a cabeça para Jin sair, o que ele fez após sacar a maleta e inclinar a cabeça antes de passar pela mulher alta e enfeitada por joias.

- Você está bem? – Indagou após seguir os passos duros de Seokjin até a saída.

- Por que vocês não estavam aqui e os empregados também não? – Murmurei apertando o tecido do lençol.

- Eu perguntei se você está bem, responda – começou a caminhar até mim.

- Estou bem...

- Fomos em um encontro com os Kim, pedir perdão pelas burradas que você fez, e demos uma folga aos empregados – se sentou no banco pequeno da penteadeira, depois de posicioná-lo defronte a mim. – Aonde você estava? Você some e encontramos você assim, caído e com uma ferida na cabeça! – Elevou a voz. – Jeon Jungkook! Você está de brincadeira com a nossa cara?!

- Omma, acalme-se...

- Primeiro você some do noivado, arruinando o mesmo, depois é acusado de incendiar a casa de alguém e vai para o jornal como um traidor de Taehyung, e agora você some e volta assim... – reduziu o tom de voz, deixando algumas lágrimas caírem da marca d’agua de seus olhos. – Eu não criei você para isso, filho.

- Mãe, confia em mim, por favor – me ajoelhei em frente ao seu corpo sentado, pegando suas mãos e trazendo-as ao meu peito. – Taehyung e dois garotos vieram aqui, eles me disseram coisas surreais e me deixaram desmaiado no chão da sala de estar – digo quase desesperadamente. – Taehyung não é o que parece ser!

- Jungkook – me encarou incrédula, afastando suas mãos das minhas -, já chega! Você está passando dos limites!

- Acredite em mim, omma!

- Não invente esse tipo de coisa para se safar das coisas que você faz! – Levantou, se afastando de mim. – O que está acontecendo com você, Jungkook?

- Estou falando a verdade, ele é mau! O amigo dele, Namjoon, fez isso com a minha cabeça!

- Namjoon? O novo namorado do doutor Jin? – Levou os dedos finos até a testa, incrédula. – Estou impressionada com o que você está se tornando.

- Custa confiar em mim?! – Berrei, ainda ajoelhado.

- Custa parar de falar asneiras?! Os trincos das portas e janelas continuam inteiros, ou seja, ninguém arrombou nada para entrar aqui, os policiais checaram isso, e deixamos tudo trancado antes de sair. Quando voltamos, estava tudo fechado, tudo em seu devido lugar, exceto você!

- Eu não entendo... – perdi as poucas forças que continham em meu corpo, me sentando no chão. – Eles estavam aqui...

- Eles não estavam aqui, há câmeras na entrada da mansão e checamos, ninguém entrou a não ser você – suspirou impaciente. – Venha, estamos com visitas. Coloque uma roupa descente antes – me olhou de cima a baixo, antes de trajar os passos brutos para fora do quarto.

- - - -

Arrastei os passos fracos pelos degraus de vidro, deslizando minha mão pelo corrimão. Risadas femininas e masculinas, vozes conhecíveis vinham da sala de estar, onde eu planejava chegar. Eu podia conhecer aquela risada grossa e forçada, de longe, Kim Taehyung. Franzi o cenho, parando no último degrau, encarando as pessoas que perceberam minha presença, direcionando o olhar para mim.

- Jungkookie! – Tae se levantou do sofá, colocando as palmas das mãos no queixo, em um aegyo animado. – Eu perdoo você!

- Você está brincando com a minha cara, Taehyung? – Me aproximei em passos duros.

- Do que está falando? – A voz fora doce e inocente, já o sorriso apenas visto por mim, soara demoníaco e sarcástico, despertando uma raiva incontrolável de meu interior, resultando atos físicos.

- Idiota! – Segurei firmemente o colarinho branco do garoto que continuava a sorrir sarcasticamente.

- Jungkook, o que está fazendo?! – Appa se meteu entre a gente, me encarando sombriamente enquanto eu mantinha os olhos fixos em Tae, que mudou a expressão para assustado e inocente.

- Tudo bem, ele deve estar bravo comigo... – Tae murmurou cabisbaixo, formando um biquinho forçado nos lábios. 


Notas Finais


Relembrando, o "eu perdoo você" do Tae, é por causa do noivado e as notícias que o JK passara a noite na casa de Jimin.
O próximo capítulo será narrado pelo Jimin, espero que gostem ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...