História Angel (Ziall Horlik) AU - Capítulo 15


Escrita por: ~

Exibições 23
Palavras 3.783
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - XV - Blond


Zayn puxou Niall para o 
mesmo se apoiar em seu corpo, assim o mais novo acabou deitado no peito do moreno enquanto Zayn usava seus dedos para dedilhar o violão.

— Isso é tão lindo. — Niall sussurrou ouvindo Zayn guiar seus dedos lentamente pelas cordas do violão fazendo o som ecoar pela sala. E Zayn sorriu quando ouviu o que o outro disse, pois o som do violão não era mais lindo do que o sorriso verdadeiro de Niall.

O moreno sorriu involuntariamente ao olhar para a expressão de felicidade de Niall que estava deitado em seu peito. Os dois, aquela altura estavam totalmente atrasados para conseguirem almoçar e quando o estômago de Zayn roncou alto Niall se sentou olhando sobressalto para Zayn.

— Você está com fome. — Ele disse e Zayn concordou, assim o anjo levantou-se puxando Zayn consigo para fora da sala de música. Niall tinha realmente gostado de encontrar Zayn e de ter passado mais um tempo sozinho com ele, afinal ele sentia a necessidade de estar com o outro.

Pelo corredor meramente vazio, já que alguns alunos estavam conversando sentados nos bancos e alguns já voltavam do refeitório dado que o intervalo estava quase no fim, Niall agarrou a mão de Zayn sentindo a pele quente do outro contra a sua enquanto ambos atravessavam o pequeno jardim até o refeitório, e mais uma vez um sorriso involuntário surgiu nos lábios dos jovens garotos.

O refeitório já não estava cheio e isso facilitou a ida dos dois ao se servirem com algumas das comidas e frutas que ainda sobravam. Zayn logo avistou a mesa onde sentava com seu amigo e seus colegas, mas logo ficou frustrado quando viu Kay, o colega de Niall ao lado de Josh conversando com o mesmo. 

Niall também ficou estático quando viu para onde Zayn olhava, não conseguindo acreditar que Josh tinha convidado Kay  para almoçar consigo e com seus amigos, mesmo depois de tudo o que Niall tinha dito sobre ele. Kay não era humano e com certeza não era um anjo, e Niall estava a disposto a descobrir o que ele era e como ele tinha conseguido conquistar Josh tão rapidamente.

Mesmo não gostando nada da ideia de se sentar ao lado daquele estranho, Niall seguiu Zayn sentando-se ao lado de Harry. O garoto de olhos verdes passou então a conversar com Niall, assim como Louis e Liam já que Josh não tinha ao menos falado com eles quando com Kay. O anjo incluiu Zayn a conversa onde o mesmo o perguntou o quanto ele estava empolgado para saber com qual papel ficaria na peça, Niall não sabia responder. Ele não se importava com isso, não aquele momento quando Kay fazia Josh rir às vezes por nada.

Ao seu lado, Zayn percebeu o quanto aquilo o incomodava e tentando fazer Niall ficar confortável, apertou a mão fria do anjo contra a sua. O que fez Niall olhar de lado encontrando os olhos castanhos e um pequeno sorriso dançar nos lábios de Zayn, ele sorriu para o outro se aproximando ainda mais do moreno. 

E naquele momento, Kay podia estar conversando com Josh e o distraindo, mas ele viu quando o arcanjo e seu humano - que o seguia por toda a parte -, deram as mãos por baixo da mesa. A reação dos dois podia ser vista de longe por qualquer criatura sobrenatural, pois as áureas dos dois brilhavam em tons iguais de rosa, mostrando ainda mais para ele como os dois estavam apaixonados. Kay então pediu desculpas a Josh, pois ele tinha que começar a fazer a sua missão.

Só quando o loiro sumiu foi que Niall sentiu-se em paz. Josh voltou a interagir com os colegas e em pouco tempo o sinal tocou. Todos começaram a deixar o refeitório e Niall acompanhou seus amigos, quando ambos tinham que se dividir apenas Zayn o seguiu. Primeiramente Niall, pediu que ele fosse diretamente para sua sala, alegando que em menos de uma hora veriam-se novamente.

Zayn o ouviu e então deu as costas a Niall, mas não antes de deixar um beijo estalado na bochecha do anjo em meio a um corredor ainda cheio de alunos. No mesmo instante que o moreno se descolou seus lábios do rosto gélido de  Niall, o anjo  sentiu todo o seu rosto pegar fogo, ele encolheu-se com vergonha apertando a alça da sua mochila e em passos apressados entrou na única porta que viu, a do banheiro onde ele acabou esbarrando em Kay na entrada. 

De início o outro sorriu para si e continuou a andar como se nada tivesse acontecido. Niall negou para si mesmo, estava começando a ficar psicótico em relação a ele e aquilo não podia ser bom. Fechou a porta atrás de si, se escorando na mesma e finalmente notando o quanto seu coração martelava em seu peito.

Andou até a bancada onde ficavam as pias, ligou a torneira enquanto olhava-se no espelho. Ele ainda podia sentir os lábios de Zayn queimarem em sua pele, perguntou-se quando essa reação iria passar, não sabendo a resposta o anjo sabia que de algum modo teria que tirar aquela vermelhidão da sua face rápido para então poder voltar para sala.

Encheu a mão com a água corrente a levando até o rosto e molhando lentamente até sentir-se mais aliviado, repetiu o processo também arrumando seus cabelos que estavam incrivelmente bagunçados. Quando terminou, Niall andou até ao final da bancada para pegar as toalhas de papel para secar as mãos quando viu um líquido vermelho brilhante deslizar pelo chão manchando todo o local. Sua boca abriu-se em surpresa, ele estava assustado.

O que tinha acontecido? 

Niall sentiu todo o seu corpo tremer quando o cheiro de ferrugem atingiu seu olfato, ele sabia o que era aquele líquido espesso no chão, só não conseguia acreditar. Lentamente Niall tocou na porta, seus dedos ainda estavam molhados e a porta estava incrivelmente fria, aliás, todo aquele banheiro tinha caído de temperatura e o anjo começou a tremer enquanto empurrava a porta.

Logo lágrimas borraram sua visão ao ver um garoto tombado na privada. Seus braços estavam amolecidos ao lado do seu corpo, e ele suspirava baixinho e em seus olhos Niall ao chegar mais perto podia ver a fina linha que o prendia aquele corpo. O anjo desesperou-se tocando inocentemente no garoto, vendo sua pele pálida e seus lábios brancos, sem sangue nenhum.

Ele gemeu fazendo ainda mais lágrimas descerem pelo rosto novamente corado de Niall.

— N-não se esforce. — Niall pediu e o garoto apenas respirou fundo, a única ação que ele ainda conseguia executar. Não tinha forças, pois já não havia sangue o suficiente em seu corpo para poder mover-se ou dizer para aquele desconhecido que chorava por si, ao ver seu estado que ele se arrependia. Mas Niall sabia disso, ele sabia o quanto o garoto sentia-se. 

Naquele momento Niall se permitiu usar dos seus dons e entrar na mente do garoto. 

Ele sentia-se fraco, nada em seu dia podia tornar-se pior. Seus pais tinham brigado mais uma vez, seus irmãos não sabiam que ele existia, enfim, ninguém se importava com ele. Foi assim então, ainda exausto pela noite extremamente mal dormida que Logan saiu de casa. Andou várias quadras até o quarteirão da sua escola, lugar onde ninguém se importa com ele, para variar. 

Logan passou o dia inteiro trancado na sala, vendo os alunos andarem acompanhados com seus amigos pelos corredores enquanto ele estava ali, sozinho e triste. Uma realidade para Logan, nada em sua vida valia a pena e prestes a entrar em um crise de pânico e de existência cortei da sala não se importando em deixar sua bolsa e seus cadernos e livros na sala. Entrou no banheiro trancando-se em uma das cabines e sentando-se na privada e deixando a sua tristeza lhe dominar, já tinha passado a noite inteira chorando por não conseguir suportar sua própria vida. 

O que ele iria fazer? 

E foi naquele momento em que ele ouviu a porta do banheiro anunciar que mais alguém estava ali com ele. Longos segundos se passaram em um completo silêncio, e então passos começaram a soar no piso. Logan se encolheu, choramingando baixinho e levantando os pés até o peito com medo. 

— Você sabe que não é importante. — A voz sussurrou do outro lado da porta. — E que isso vai te deixar melhor, vamos lá Logan. 

— N-não! — Ele disse choramingando baixinho, com sua voz soando extremamente abafada por conta que ele estava encolhida contra a parede. 

— Ninguém iria sentir sua falta e você sabe disso. — Kay disse sabendo que ele estava conseguindo, o medo do garoto era óbvio. E ele sentia a fraqueza do outro, ele já sentia-se pouco diante da família, arrependido por ser um insignificante que não conseguia conquistar ninguém nem para amizades, quanto mais para romance. Logan era um adolescente fraco e influenciável, uma criatura que seria uma missão para Kay como roubar doce de uma criança.

O demônio sentiu o outro começar a tremer e ouviu seu choro vindo de dentro da cabine, ele tinha conseguido o tocar e o resto era apenas uma questão de ordens.

Niall abriu seus olhos azuis encontrando os azuis do outro garoto. Ele piscou lentamente para ele, sua áurea já não brilhava e ao invés disso fazia Niall sentir-se sufocado com o fedor da morte presente ali, a vitalidade do garoto tinha ido embora com uma última piscada, assim como o brilho dos seus olhos. 

Ele havia morrido. 

Niall se afastou, e um grito rompeu em sua garganta. Ele tinha presenciado uma das cenas mais aterrorizantes de sua vida, um suicídio, olhou para suas mãos vendo o sangue do garoto melar suas mãos.

Correu para a pia lavando as mãos e tirando todo e qualquer gota do sangue de Logan e só então ele lembrou do que tinha visto na mente de Logan. Ó responsável pela morte do garoto havia sido Kay, e então tudo ficou mais claro para o anjo.

Kay era um demônio e ele tinha matado um humano. 

Correu para longe daquele banheiro, batendo na porta se atrapalhando com a fechadura e enfim quando conseguiu sair correu pelos corredores procurando alguém que pudesse lhe ajudar. Correu e correu até quase cair quando avistou a sala da diretora, ignorou totalmente a secretária que tentou lhe impedir, assim ao abrir a porta encontrou a diretora pela primeira vez em todo tempo que estudava ali, ela era uma mulher loira de cabelos curtos trajando um terninho bege. Ela olhou para o garoto que rompera em sua porta, de olhos inchados e respiração alterada, Niall adiantou-se a sua mesa e abriu a boca só que aquele instante, ainda enchiqueirador ele não conseguiu pronunciar as palavras que pareciam ferir sua língua.

— L-logan! B-banheiro! E-e-ele... E-ele m-m... — Tentou dizer sem êxito jogando-se em uma das cadeiras em frente à mesa da diretora. A 

— Acalme-se. — A mulher pediu, não fazia ideia do que aquele menino estava falando. — Respire.— Instruiu e Niall tentou, mas falhou. Então ela levantou-se de sua cadeira rodeando a mesa e sentando-se  ao lado de Niall, colocando a mão nas costas do garoto acariciando levemente o garoto por cima da roupa. 

Pegou as mãos de Niall, estavam frias e suadas concluindo que algo de muito ruim tinha acontecido para o garoto estar em um quase ataque de pânico.

— Me diga seu nome? — Perguntou para saber se ele já estava mais calmo.

— N-niall — gaguejou. — V-você precisa i-ir lá! — O anjo implorou tocando no braço da mulher. Ela o encarou, sua expressão mudando de calmaria para uma confusão tempestuosa, sabia que o que o garoto falava era verdade. Niall então levantou e a mulher o seguiu, ele não gostava de usar seus dons daquela maneira só que era preciso. O anjo tinha acabado de presenciar uma morte e também tinha descoberto que o amigo de Josh era um demônio, uma das piores criaturas de todos os universos. Onde um demônio estava nada dava certo, o equilíbrio do bem nem sempre funcionava fazendo o trabalho dos anjos ser praticamente inútil.

Só que Niall não era apenas um anjo, ele estava a um pedestal acima dessas criaturas. Ele era um arcanjo dotado de poderes fortes o suficientes para deter um demônio jovem, como pensava ser Kay. 

E ele iria conseguir.

Levou a diretora do colégio até o banheiro masculino, aquela altura já não havia ninguém pelos corredores e Niall agradecia por isso não queria assustar os colegas. Quando enfim abriu a porta, a mulher ficou horrorizada com a quantidade de sangue espalhado pelos ladrilhos brancos, andou lentamente até a última cabine e soltou um uivo surpresa pela visão de um dos seus alunos sem vidas largado e morto ali.

Virou-se para Niall avaliando se ele estava bem e vendo a palidez anormal no garoto ela voltou até onde ele estava, travado na porta do banheiro encarando o sangue de um humano inocente. 

Cuidadosamente ela elevou o rosto do menino, fazendo-o olhar em seus olhos e perguntou: — Você está bem? Não quer ir até a enfermaria? 

— N-não. Eu quero o-ir para casa. — Niall disse em um pedido, a mulher assentiu levando ele para fora do banheiro. Aquela cena era demais para um menino de dezesseis anos, assim que saíram no corredor o zelador apareceu fazendo sua ronda pelos corredores.

— Sr.Fiztgerard pode levar esse garoto até minha sala e diga a Mary para ligar para sua família, ele não está bem. — Ela instruiu empurrando Niall delicadamente em direção ao homem. — E por favor, chame uma ambulância. — O zelador assentiu olhando para baixo vendo aquele garoto pálido e trêmulo abraçar seu corpo, ele o guiou até a secretaria e disse a Mary o que a diretora tinha lhe pedido.  Niall sentou-se em uma das cadeiras da pequena sala de espera em frente à sala da diretora, ele ainda sentia e tudo o que tinha visto na mente de Logan. 

Ansiava para voltar a ver Louise e lhe perguntar como seguir sabendo o que tinha acontecido. Uma morte era demais para o arcanjo lidar, já tinha falado muitas vezes com anjos da morte e para eles isso já não era mais visto com outros olhos.

— Querido? — A mulher um pouco velha lhe chamou atenção, Niall elevou o olhar e ela sorriu caridosa para ele. — Sua irmã já está o esperando. 

Niall levantou-se ao mesmo tempo em que Josh e Zayn apareceram ali. Os dois o olhavam assustados conferindo se estava tudo bem com o anjo, e aparentemente ele estava bem a não ser por sua pele extremamente pálida e sem expressão em seu rosto.

— O que aconteceu? — Zayn perguntou vindo em sua direção. O loiro viu Zayn e imediatamente ligou a sua condição com a de Logan, um garoto frágil e influenciável. — N-niall você está bem? — Sussurrou baixinho apenas para Niall lhe ouvir, o loiro negou falando a verdade porque ele não estava bem.

Seu corpo estava febril e ele ainda tremia.

— Eu preciso ir para casa. — Josh o ouviu e ficou curioso, afinal, o que tinha deixado Niall com tanto medo?

— Eu posso levar você. Josh, me empresta seu carro? — Zayn pediu soltando Niall, mas ainda mantendo sua mão ao redor da cintura do mesmo.

— Nada disso sr.Malik, sei que suas aulas ainda não acabaram! — Mary interrompeu o pedido de Zayn e ele revirou os olhos para a mulher, pois ela conhecia Zayn melhor do que desejava já que ele fazia visitas frequentes a diretora.

— M-mas ele precisa ir para casa! — Ralhou ele.

— E porque você o levaria? — Josh perguntou no lugar da senhora. Zayn o olhou com a boca aberta sem saber como lhe responder, porém quando Niall apertou sua mão e o fez olhar no belo azul dos seus olhos a hesitação de Zayn sumiu. — E, aliás, o que você veio fazer aqui? O zelador me chamou.

— Louise já veio me pegar, não se preocupe Zayn. — Niall o assegurou respondendo e ignorando as perguntas de Josh e o moreno assentiu. Não sabia se para Josh aquilo poderia acontecer, mas enquanto Josh estivesse ao lado de Kay, Niall não contaria nada a ele ou contaria com ele. 

— Então, será que posso levar ele até a saída Mary? — Zayn perguntou virando-se para a mulher que sorriu para ele assentindo lentamente. Josh bufou revirando os olhos e seguindo Niall e Zayn pelos corredores prestando bastante atenção nas mãos dadas do dois a sua frente.

Niall quando viu os dois ficou nervoso, não queria deixar Zayn preocupado é muito menos tentar dizer a Josh o que ele tinha visto na mente de Logan, isso ele iria contar para Louise quando ambos estivessem sozinhos.

Depois de alguns minutos eles avistaram o audi com Louise esperando o irmão. Caminharam até o estacionamento de onde nem Zayn ou Josh poderiam passar sem autorização e como Niall tinha ele apenas sorriu triste o entregando ao homem que ficava no portão e em seguida voltou a olhar para Zayn e Josh. O moreno se aproximou do anjo, lhe abraçando sabendo que iria sentir falta dele na reunião no teatro.

— Eu posso ir amanhã. — Niall o respondeu sorrindo fraco. 

— Não vou poder ir na sua casa hoje, mas prometo te ligar e te dizer com qual papel ficou. — Zayn disse prestativo enquanto apertava as mãos do menor nas suas.

Niall o agradeceu e em seguida saiu definitivamente do terreno escolar. Louise o olhou preocupado e assim que o anjo sentou-se ao seu lado caiu mais uma vez em lágrimas. Louise afagou sua coxa fazendo-o estremecer com seu toque acolhedor, então Niall levantou o olhar abrindo a boca repetidas vezes não conseguindo pronunciar palavra nenhuma.

— Você não me precisa contar agora Niall. — Ela disse o tranquilizando sabendo que para a escola lhe ligar alegando que seu irmão não estava bem, o que acontecerá tinha sido realmente sério. Niall sabia que podia fazê-la ver com seus próprios olhos o que tinha presenciado e quem era o culpado da história só que Niall preferiu ficar quieto e encostar a cabeça na janela do carro enquanto sua irmã dirigia até em casa.  

A mulher estacionou o carro ainda fora de casa ajudando Niall com sua mochila e o guiando até dentro de casa. Ambos sentaram-se no sofá e Niall começou a choramingar baixinho, sua irmã começou a estranhar a sua palidez e então tocou no rosto de Niall sentindo sua pele estranhamente quente. Preocupada ele pediu que ele deitasse no sofá e levantou indo até a cozinha preparar uma xícara quente de chá para ver se a temperatura do anjo abaixaria, era óbvio que o que ele havia visto tinha sido forte. Niall podia ser um arcanjo, mas na terra ele viveria experiências reais e sofreria como um humano por conta dos sentimentos aflorados. Com a água quente, a loira despejou em uma xícara com um sachê de chá de camomila para acalmar o anjo, voltando para sala Niall continuava acordado e estava chorando. Louise sentou-se no sofá trazendo Niall para colocar a sua cabeça em seu colo depois de ter colocado o chá na mesinha de centro.

— Me mostre. — Ele pediu e Niall hesitou em tocar-lá para mostrar aquele cena grotesca que ficaria presa em sua mente pelo resto de sua eternidade. Louise tomou a mão de Niall a apertando e o anjo fechou os olhos, ela o imitou e logo as imagens foram se formando em sua mente.

Quando terminou de mostrar a Louise tudo o que tinha visto, o que pensava  de Josh sempre estar acompanhado de Kay, um demônio e o quanto ele estava empenhado a destruir todo o trabalho que o anjo vinha fazendo na escola da cidade. 

Niall continuou com os olhos fechados com medo de abrir e ver a decepção nos olhos de Louise. Porém, ela não estava tão em choque como o arcanjo já que só o que via era coisas tristes na ONG onde trabalhava.

— É horrível Niall. Ver toda a dor e sofrimento dos humanos, é realmente difícil. — Ela sussurrou passando as mãos nos cabelos de Niall o acalmando logo depois de praticamente força-lo a mostrar o que tinha acontecido. — O nosso trabalho é tentar evitar que isso aconteça, nós podemos. E o que você viu hoje, é apenas um começo. Você está aqui há menos de dois meses e terá que se acostumar, terá que ajudar a todos e além disso terá que concluir sua missão e...

— Eu não vou conseguir, não vou conseguir Lou. Eu não vou conseguir! — Niall repetia repetidas vezes baixinho e voltando a chorar. Ele sabia quais seriam as palavras de Louise só que Niall não estava disposto a ouvi-las naquele momento, pois era coisa demais para ele processar.

— Você vai conseguir e eu sei disso, por que eu confio em você. — Niall olhou para ela assentindo e sentando-se no sofá. — Beba o chá e depois vá descansar, durma e talvez esse mal estar disperse em sua mente.

*

Quando Niall acordou, foi com Louise o balançando lentamente com o telefone na mão.

— É o Zayn, ele quer saber se você está bem. — Ela disse baixinho e Niall esfregou os olhos ainda sonolento. — Quer falar com ele? — Ela então lhe estendeu o telefone.

Niall pegou o telefone e o levou até o ouvido, ouvindo a respiração lenta de Zayn.

— Oi. — Sussurrou enquanto Louise o deixava sozinho no quarto. 

— Estava dormindo? — Malik perguntou ao perceber a voz rouca de Niall.

— Não, eu estava apenas deitado. — Niall disse não querendo passar para Zayn a  imagem de sua fraqueza.

— Você vai ser o coelho. — Zayn disse e Niall ficou confuso.

— Coelho? Do que você está falando? 

— Na peça. Você ficou com o papel do coelho. Eu fui à aula para saber. — Zayn disse.

— Obrigado Zayn. — Niall falou sorrindo minimamente, ele já tinha lido o livro repetidas vezes e estava satisfeito com o papel que ficará.

— Você está bem? — Perguntou o moreno. Sua vontade aquele segundo era estar ao lado de Niall, mas ele teve que ir direto para casa já que sua tia estava fora novamente. 

— Estou. Não se preocupe Zayn, amanhã acho que estarei novo em folha. — Confessou. 

— Acho que nos vemos amanhã? — Zayn perguntou esperançoso, o anjo sorriu concordando mesmo sabendo que Zayn não o estava vendo. 

— Claro, até amanhã Zayn. — Niall disse e o outro lhe deu adeus. Quando deixou o telefone cair ao lado do seu quarto começou a pensar em Zayn, ele faria de tudo para manter Kay longe dele. Zayn não precisa de mais influência para se destruir do que sua própria mente.

Ele fechou os olhos novamente suspirando fundo tentando pensar em algo para tirar Kay do caminho enquanto também pensava em Zayn e no quanto ele estava envolvido consigo, enfim, o anjo tinha muitos problemas em mãos e ele teria que soluciona-los logo logo.

 


 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...