História Angels 2, Werewolves Against Vampires. - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Angels, Bruxo, Fada, Guerra, Lobisomem, Luta, Magica, Original, Romance, Sobrenatural, Vampiro
Exibições 4
Palavras 2.383
Terminada Sim
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


No capítulo anterior, May dirige um caminhão para fugirem de uma matilha de lobisomens. Em seguida eles fogem de moto e lutam, mas acabam sendo apagados. Estranhamente antes de serem jogados em uma fogueira, uma jovem contou algo para o líder da matilha que fez com que eles fossem soltos.

Capítulo 17 - Brightness of Hope


Era cedo, Kênia guiava David, Frederic, Léo, May e Travel para Chade. David estava encapuzado por conta do sol, já conseguia andar sem a ajuda de ninguém.

May: Quer apoio?

May olha para David e ele olha para ela.

David: Não, obrigado. A única coisa que está me incomodando é o calor, mas por conta do sol não posso tirar essa capa inútil.

Léo: Na verdade ela é bem útil, sua pele estaria queimando se não estivesse com ela.

David e May olham para Kênia.

May: Obrigada por ter deixado que nós cinco dormíssemos na sua casa ontem e por estar nos guiando.

Kênia: Não foi nada.

David: Por que não nos mataram?

Kênia: Bem...

Kênia troca olhares com Travel.

Kênia: Acho que Zaci não permite que eu conte.

David encara Travel, que desvia olhar para o deserto escaldante.

Frederic: Olhem! É Chade?

Frederic aponta para algumas tendas, May e Léo se animam e olham para Kênia esperando a resposta.

 Kênia: Sim, finalmente chegamos.

May puxa o braço de David para fora da capa e se abraça nele.

May: Finalmente ficará bem David.

David sorri e Travel fica com raiva ao ver a cena.

Travel: Então Kênia, você também é lobisomem?

Kênia: Sim, como quase todos da África. Como devem saber os lobisomens predominam aqui.

Léo: Sabemos sim.

Eles andam mais um pouco, veem várias pessoas pedindo comida, sentadas no chão. Crianças choravam, bebês dormiam expostos ao sol, homens trabalhavam exaustos.

David: Que horrível, todos parecem infelizes aqui.

Kênia: E são, Chade é considerada o lugar mais pobre do planeta. Infelizmente não há muito o que possamos fazer, a matilha daqui está sempre triste e trabalhando para sobreviver.

Frederic: E é aqui que encontraremos a cura para o vampiro?

Travel: Me pergunto o mesmo.

May observava as pessoas pensativas, quase todas as pessoas olhavam para eles, diferentes sobrenaturais juntos era incomum atualmente.

Léo: Gostaria de poder ajudar, mas não sei se será possível.

David olha para May, que para de andar e fica olhando para o chão. David para de andar e depois todos os outros param também.

David: May, está tudo bem?

May: Temos que começar pelo básico.

Léo: Começar pelo básico?

May: Sim, temos que animá-los.

Um homem encostado em uma tenda começa a tocar seu cavaquinho.

May: Isso, continua.

Ela corre até uma mulher que estava com dois pedaços de pau na mão e rodeada de algumas tampas de lixo de metal.

May: Bate nas tampas no ritmo dá música que aquele homem está tocando. 

A mulher estranha mas começa a bater, May fica no centro da cidade.

May: 

Think the clouds are clogging up my brain

Like the weather drain same

As the tears on my face

And I'm stuck up in the storm eye

I guess I'll be alright

Oh, uh oh uh oh

Oh oh, uh oh uh oh

Then it hits me like

Oh, uh oh uh oh

Oh no, uh oh uh oh uh uh oh

 

And you're that wind that swept me off my feet

Got me flying till I'm crying and I'm down on my knees

That's what Dorothy was afraid of

The sneaky tornado

Oh, uh oh uh oh

Oh oh, uh oh uh oh

There's no place like home 

Uh oh uh oh

Home uh oh uh oh uh uh oh 

 

I'm boarding up the windows                                     (May começa a pular)

Locking up my heart                                                    (Ela dá um giro ainda pulando)

It's like every time the wind blows                             (Abre o braços)   

I feel it tearing us apart                                          (Ela balança os braços para esquerda e depois para direita)

Every time he smiles                                                   (Pega areia)

I let him in again                                                           (Joga a areia para cima e gira)

Everything is fine                                                         (Ela junta as mãos no coração)         

When you're standing in the eye of the hurricane (Levanta as duas mãos e explode uma bola de ar ao redor dela)

 

Here comes the sun, here comes the rain         (May fica chamando as pessoas com a mão para cantarem com ela)

Standing in the eye of the hurricane

Here comes the sun, here comes the rain               (As pessoas olham para May, mas ninguém vai)

Standing in the eye of the hurricane

 

I'm flopping on my bed like a flying squirrel               (Ela senta no meio de três crianças) 

Like a little girl hurt by                                                    (David observava que ninguém parecia querer dançar)

The big bad world                                                           (May aponta para um cacto)

Yeah, it's twisting up my insides                              (As crianças olham e May faz flores aparecerem ao redor dele)

Can't hide it on the outside                                           (Os três sorriem e correm até as flores)

Oh, uh oh uh oh                                                             (May levanta e fica andando olhando as outras pessoas)                                           

Oh oh, uh oh uh oh

Yeah, it hits me like

Oh, uh oh uh oh

Oh no, uh oh uh oh uh uh oh

 

And that's when you hold me, you hold me               (Ela senta atrás de uma menina)

You tell me that you know me, I'll never be lonely    (Começa a fazer uma trança na garotinha)

Say we made it through the storm now

But I'm still on the lookout

Oh, uh oh uh oh

Oh oh, uh oh uh oh

The air's getting cold                                                   

Uh oh uh oh                                                                      (Ela acaba a trança)

Cold                                                                                   (May se levanta puxando a menina)

 

I'm boarding up the windows                                       (May e a menina ficam pulando)

Locking up my heart                                                      (Ela gira a garota que ria se divertindo)

It's like every time the wind blows                              (May chama as pessoas novamente)

I feel it tearing us apart                                              (Ela corre até as três crianças que olhavam as flores)

Every time he smiles                                 (As três dão as mãos e May puxa a primeira, trazendo as outras junto)

I let him in again                                                       (May carrega as três crianças até o centro, onde a outra está)                      

Everything is fine                                                           (As crianças também ficam pulando)

When you're standing in the eye of the hurricane

 

Here comes the sun, here comes the rain                 (May corre até uma casal e puxa eles)

Standing in the eye of the hurricane                           (Leva os dois até o centro)

Here comes the sun, here comes the rain                 (Segura a mão de uma idosa) 

Standing in the eye of the hurricane                           (Leva a idosa até o centro)

 

And he picks me up like                                                (Todos começam a bater palmas)

He's got the way of the hurricane                                

And I think I'm fine like                                            (May olha ao redor e vê que todos sorriam ainda batendo palmas)

I'm in the eye of the hurricane

 

And he picks me up like                                                (As pessoas começam a cantar com May)

He's got the way of the hurricane

And I think I'm fine like

I'm in the eye of the hurricane

 

And I'm floating, floating                 (As pessoas começam a ir sozinhas para o centro se juntar a May e as crianças)

And I don't know when, know when

I'm gonna drop

He's got the way, he's got the way                               (Todos chegam no centro)

 

I'm boarding up the windows                                 (Por enquanto que as pessoas pulam, May puxa Frederic e Léo)

Locking up my heart

It's like every time the wind blows                                (May puxa Travel e Kênia para o centro)

I feel it tearing us apart

Every time he smiles                                                       (May puxa David com cuidado)

I let him in again                                                              (Ao chegar no centro ele gira ela)

Everything is fine                                                             (David sorri para May como se estivesse orgulhoso)                      

When you're standing in the eye of the hurricane    (Ela sorri e olha observa todos pulando e dançando)

 

Here comes the sun, here comes the rain                  (May solta David e começa a saltitar passando por todos)

Standing in the eye of the hurricane     (Ela levanta a mão esquerda e várias flores nascem na areia desse mesmo lado)

Here comes the sun, here comes the rain                  (Ela saltita até o outro lado)

Standing in the eye of the hurricane                   (Levanta a mão direita e várias flores nascem desse lado também)

 

Todos:

He picks me up like

He's got the way of the hurricane

I think I'm fine like

I'm in the eye of the hurricane

 

May:

He's got the way!                                                               (Todos param de pular)

 

Todos:

OOh ooh ooh

OOh ooh ooh

 

As pessoas batem palmas, May fica corada. Todos voltam aos seus afazeres, mas agora estão animados, as crianças olhavam as flores que May havia espalhado por grande parte do lugar. Léo fazia alguns truques com a varinha para mostrar a alguns adolescentes, Frederic conversava com Travel e Kênia, que pareciam ter se dado muito bem. David vai até May.

David: Você foi incrível.

May (corada): Obrigada, tinha que animar essas pessoas.

David: Estava com saudades disso.

May: De ver pessoas animadas?

David: De te ver cantar.

Se possível May fica ainda mais corada, antes que ela pudesse responder uma idosa sai de uma barraca e fica encarando May e David, depois ela retorna para barraca.

May: Vamos lá, acho que ela pode nos ajudar.

May e David vão até a maior barraca que havia por ali, dentro veem vários objetos mágicos, a idosa estava sentada no chão em cima de um tapete.

A senhora é gordinha, um pouco alta, tem olhos verdes claro, de forma que parece ser cega. Seu cabelo está preso, um coque, ele é branco e cacheado. Sua pele é escura, porém não tanto. 

Idosa: Sou a alfa Zarina.

May: Você é a líder a alcateia de Chade.

David tira a capa e joga no chão.

 May: David!

David: Depois eu pego.

Zarina olha David da cabeça aos pés.

Zarina: O que deseja... Vampiro?

May e David se sentam no tapete.

May: Ele se machucou há um tempo e não estava se curando, voltou a se curar antes de ontem. Sabe o porquê disso?

Zarina fica pensativa.

Zarina: Por mais que tenha muita sabedoria, nunca vi nada igual antes.

David: Voltei a me curar, mas lentamente, ainda tenho um machucado na barriga e esse no braço que já está quase sarando.

Zarina: Apenas você pode me dizer o que está acontecendo, algo em você deve ter mudado para isso acontecer.

David pensa em algo mas não diz.

May: Me falaram sobre uma flor que podia ajudar ele a normalizar a cura.

Zarina: A flor de sangue.

May: Como posso consegui-la?

David olha para May repreensivo.

David: Não, da última vez quase morremos.

May: Dessa vez será diferente, conseguirei pegar a flor sozinha e sem muito esforço.

Zarina: Ótimo, você precisa de sangue, dá para ver pelos seus dentes.

David encara ela.

David: Pelos meus dentes?

Zarina: Sou mais experiente do que imagina. Agora você terá que segui para o leste, fada. Vá até encontrar uma grande colina de areia, em cima terá a flor. Uma vez no ano cresce a flor de sangue nessa colina, mas pode ser perigoso.

David: May, não vá.

David segura a mão de May.

May: Nunca serei forte se viver sendo protegida, devo proteger também.

May sorri, David parece ainda mais preocupado.

David: Vá com o Léo.

May: Não, irei sozinha, tenho que fazer algo sozinha.

May corre para fora da barraca, David ia se levantar mas Zarina puxa sua camisa, o fazendo cair sentado.

Zarina: Respeite a decisão dela. Fique quieto, trarei sangue para você, vai acabar morrendo de cede.

Zarina levanta e vai até um balcão, David fica pesando no que pode ter feito ele parar de se curar.

Uma hora depois, May andava com bastante esforço, não aguentava mais andar naquele calor e com sede.

May: Não posso desistir.

Ela vê a colina.

May: Ainda bem!

May corre até a colina e sobe, no topo pega a flor de sangue e desce contente. Antes que pudesse comemorar uma tempestade de areia se aproxima.

May: Ah não!

Ela vê que do lado direito da colina tinha uma passagem para uma caverna subterrânea, ela acende sua áurea e entra para se proteger. Muita areia começa a entrar na caverna, May decidi ir mais para dentro, ela escuta barulhos de passos. Da escuridão surgem algumas luzes, era um lobo que soltava raios, ele brilhava da mesma forma que May.

May: O que é você?

O lobo vai entrando mais profundamente na caverna, May vai seguindo ele até que o perde de vista.

May: Não acredito que ele sumiu.

May olha para a flor de sangue e vê que ela está morrendo.

May: Tenho que voltar depressa.

May ia voltar para entrada quando escutou um choro de cachorro, ela se vira e expande um pouco a luz da sua áurea. Consegue ver uma filhote de raposa sozinho.

May: Você está sozinho? Onde está sua mamãe?

May pega ele no braço.

May: Te ajudarei a encontrar sua mãe.

Mais uma hora depois David estava desesperado com a demora de May.

David: Por que ela ainda não voltou?

Zarina: Não se preocupe, não há criaturas assassinas por aqui.

David: Então por que disse que era perigoso?

Zarina: Por conta das tempestades de areia.

David: O quê?! Quer dizer que ela pode estar em uma tempestade de areia?!

David sente uma dor na barriga.

Zarina: Acalma-se, estresse só piora seu ferimento.

May entra na cabana.

David: Por que demorou tanto?

May mostra o filhote de raposa.

Zarina: Um filhote de feneco, a raposa do deserto, é o menor e mais adorável do mundo.

May dá a flor a David.

May: Já sabe o que fazer.

David bota as pétalas na boca, elas dissolvem e viram sangue, ele engole. May levanta a camisa dele e vê que sumiu.

May: Sumiu!

May o abraça, dá o feneco para Zarina segurar e puxa David para irem contar aos outros que estava melhor.

De noite, Léo, David e Frederic conversavam dentro de uma barraca, já haviam tomado banho e trocado as roupas. May ia para barraca quando vê Travel se despedindo de Kênia, ele abraça ela e depois beija seu rosto, os dois ficam trocando olhares e ela vai embora. May vai até Travel.

May: Então sua namoradinha se foi?

Travel: Está com ciúmes?

May: Eu com ciúmes de você?

May ri. Travel fica de costas para ela e abaixa a cabeça.

May: Sei que não ficou triste de verdade, só está fingindo, não caio nessa.

Travel não responde nada.

May: Travel?

Travel se vira se transformando em lobisomem, May olha para lua e vê que está cheia.

Travel: Corra!

 

 

 

Continua...


Notas Finais


No próximo capítulo, Travel começará a perder o controle devido a lua cheia e continuarão a busca pela mãe do feneco.

* A música que May canta é: Hurricane, da Bridgit Mendler.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...