História Angels 2, Werewolves Against Vampires. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Angels, Bruxo, Fada, Guerra, Lobisomem, Luta, Magica, Original, Romance, Sobrenatural, Vampiro
Exibições 3
Palavras 1.875
Terminada Sim
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


No capítulo anterior, Kênia leva David e os outros para Chade. Ao ver o desanimo de todos, May canta e alegra todos do lugar. Zarina, líder da matilha de Chade, manda May atrás de uma flor de sangue para curar David totalmente. May consegue a flor e acha um filhote de feneco, leva os dois de volta a Chade e lá cura David. No fim da noite, May vê Travel e Kênia se despedirem, depois disso Travel começa a se transformar em lobisomem.

Capítulo 18 - Sniffing the Sniffer


May olha para lua, é lua cheia.

May: Travel, por que está se transformando hoje? Já faz dois dias que começou a lua cheia.

Travel: Agora é diferente, eu estava sob efeito de uma substância...

Os músculos de Travel cresciam e ganhavam pelos.

Travel: May, não posso me controlar na lua cheia. Além de não me controlar, ganho mais força e isso... Pode matar você!

Travel se transforma por completo, rasgando sua roupa e uivando. Ele vai arranhar May, mas ela cruza os dois braços na frente do rosto para se proteger dos golpes. Ela grita ao sentir sua pele sendo rasgada pelas garras, diversos lobisomens saem das barracas e das pequenas casas. Eles uivam e correm para cima de Travel, que também corre ao encontro deles.

May: Travel! Deixem ele! Não está fazendo por mal!

Travel derrubava muitos dos lobisomens que o atacavam, ele vê May o observando e corre na direção dela.

May: Se acalme!

May não corria, continuava mostrando confiar que Travel não faria nada. Travel ia enfiar suas garras na barriga dela, mas ela é puxada para o lado e cai nos braços do David.

David: Vamos sair daqui, agora!

May e David correm pelo deserto, Travel corria atrás deles e todos os lobisomens corriam atrás para pará-lo.

May: Por que ele me quer?

David: Não sei, existe algo em você que atiça o desejo de matar dele.

May: Será que é por eu ser uma fada?

David: Nunca vi nada igual, mas talvez seja.

David avista uma caverna dentro de uma pedra gigante no meio do deserto.

David: Vamos entrar!

David olha para trás e vê que três grandes e fortes lobisomens mordiam e arranhavam Travel.

May: Não podemos deixá-lo! E se ele morrer?

May para de correr e se vira para voltar e ajudar Travel.

David: May! Não irão matá-lo, só querem desmaiá-lo no máximo! Se não fizerem isso ele poderá destruir tudo!

David segura a mão de May e a puxa para dentro da caverna. Ele coloca ela abaixada atrás de uma pedra no fundo escuro da caverna.

David: Fique aí e torça para que ele seja apagado.

May: E se ele não for?

David: Terei que dar conta do trabalho.

May: David, você não pretende....

Travel rosna já na frente da caverna, já estava com muitos cortes e machucados, porém parecia ainda ter muita força.

David: Saia daqui lobisomem!

Travel corre para cima de David mostrando seus dentes. David corre para cima dele também, mas antes que pudesse pará-lo, Travel morde o ombro de David e o lança para trás. David faz um rolamento, assim que cai no chão, e se levanta olhando fixamente para Travel.

David: Pare agora!

David tentava hipnotizá-lo, mas Travel pula em cima dele, o prendendo no chão. Travel ia morder o rosto de David, porém David solta os braço e acerta um murro nele. Travel ataca novamente, como tem visão noturna conseguia ver David claramente. Já David usava o sentido aguçado, conseguindo desviar de todos os ataques. David segura o braço de Travel e o lança na parede da caverna, em seguida um corre em direção ao outro. May levanta e corre para frente dos dois.

May: Parem!

David para, mas percebe que Travel não faria o mesmo, então volta a correr. Um lobisomem de pelo amarelado uiva na entrada da caverna, o uivo é alto e aterrorizador, deixando Travel parado de cabeça baixa com o focinho encostado no chão. Em seguida ele sai correndo para fora da caverna, David vai até May.

David: Está bem?

May: Sim, mas...

May e David olham para o lobisomem na frente da caverna, que se vira e vai em direção a Chade.

May: Zarina.

David: A Zarina não pode... Como deu aquele uivo que acalmou o Travel?

May: Não sei, mas sei que deve ter uma explicação. Agora vamos atrás do Travel.

David: Não, é muito perigoso. Tenho certeza que ele vai ficar pelas redondezas, volte a dormir.

May pensa em contestar, mas acaba aceitando e volta a sua barraca para dormir. Ela dormiu em um pano forrado na areia dentro da barraca, que não tinha fundo.

No outro dia, May acorda e vê que David havia passado a noite toda vigiando a entrada da barraca. Ela se senta e tira o lençol de cima dela.

May: David, não dormiu?

David: Não estou cansado, tinha que ter certeza que Travel não voltaria para atacar. Agora terá que ir atrás dele, já deve estar em forma humana.

May: Não vem comigo?

David: O sol e o calor me deixam fraco, não servirei para nada. O Léo vai com você, não se preocupe.

May: Mas o Léo está...

David dá um tapa na perna de Léo, que dormia em cima de um lençol ao lado de May. Léo acorda assustado, ele se senta rapidamente e olha ao redor.

Léo: O que houve? Algum ataque?

May: David! Por que fez isso?

David: Léo, pronto para o desafio de hoje?

Léo: Claro.

Léo coça os olhos.

Léo: E qual é mesmo?

May: Travel teve um descontrole na lua cheia de ontem. depois de uma confusão ele fugiu e não sabemos onde ele está.

Léo: Entendi... Posso comer e tomar um banho antes?

May: Bem...

Ela escuta sua barriga roncar.

May: Vamos comer, plantei alguns pés de frutas e fiz com que crescessem rápido.

Léo: Ótimo.

Eles comem e em seguida passam a manhã toda procurando Travel pelas redondezas. De tarde May alimentava o filhote de feneco na barraca da Zarina.

May: Foi você, não foi?

Zarina sorri e olha para May por enquanto que se senta sobre seu tapete.

Zarina: Seja mais específica.

May: Você que é o lobisomem de pelo amarelo, que apareceu na entrada da caverna ontem.

Zarina: Certamente.

David observava a pequena raposa tomar leite em uma pequena mamadeira, ele desvia os olhos para Zarina.

David: Como fez aquilo? Aquele seu uivo foi diferente de qualquer outro que já ouvi.

Zarina: Apenas os alfas mais fortes conseguem fazer isso, deve ter muita força e lealdade de seus betas.

May: Mas Travel não é seu beta, você não é líder dele.

Zarina: Porém consegui acalmá-lo, ele é um lobisomem de respeito e estava confuso, apenas precisava de uma ordem, de alguém para obedecer.

May: Tem ideia de onde ele está?

Zarina: Não, mas qualquer um dos lobisomens de Chade pode farejá-lo.

Léo entra na barraca e vê seus amigos conversando com Zarina.

Léo: Vamos procurar mais?

May solta a mamadeira e vai até Léo carregando o feneco.

Léo: É um filhote de feneco?

May: Sim, no caminho procuraremos a mãe desse pequeno filhote.

Léo: Ótima ideia.

May e Léo iam sair da barraca.

Zarina: Esperem!

May e Léo param e olham para ela.

Zarina: Vá com eles vampiro.

David: Mas...

Zarina: Bruxo, venha cá!

Léo vai até ela, ela puxa suas mãos para baixo, trazendo seu corpo para baixo e aproximando os seus rostos.

Léo: Bem... Não é você, sou eu. Não daríamos um bom casal, você morreria cedo e...

Zarina: Do que está falando?

Léo (corado): Apenas continue.

Zarina: Tenho algumas coisas que talvez goste.

Zarina aponta para uma gaveta, Léo vai até ela e pega o que tem dentro, dando um grande sorriso.

Léo: Materiais para o pó de teletransporte.

David: Então...

Zarina: Vá com eles vampiro, vão os três juntos atrás do lobisomem. Assim que o acharem, use o pó de teletransporte e voltem para casa.

May: Obrigada, Zarina.

Zarina: Por nada, minha jovem.

David coloca uma capa e os três saem da barraca.

Léo: E o Frederic? Vou chamá-lo.

Léo corre para chamar Frederic, May e David olham ao redor.

David: Você deu bastante suporte alimentar para eles quando resolveu plantar todos esses pés de frutas.

May: Queria alegrá-los, nem que fosse temporariamente.

May sorri e Léo volta com Frederic.

Léo: Agora estamos prontos?

May: Temos que pedir para que algum lobisomem nos guie, farejando o Travel.

Frederic: As vezes esquecem do gatão que vocês têm aqui!

Frederic se transforma em leão e fareja o chão.

David: Conseguiu sentir o cheiro dele?

Frederic rosna e corre para o noroeste, David, Léo e May correm atrás dele.

Léo: Espero que esteja farejando o lobisomem certo, é fácil se confundir em uma terra que tem tantos.

May: Não se preocupe, sei que Frederic irá conseguir.

Nas costas May carregava uma bolsa com alguns suprimentos, David e Léo olhavam ao redor para ver se viam algum feneco fêmea atrás do seu filhote.

Horas depois, já era noite e eles chegam em Niger. David olha para Frederic.

David: Tem certeza que é aí que ele está?

Frederic assente com a cabeça, Léo bufa entediado.

Léo: Passamos horas andando e parando para voltarmos para o lugar onde todos querem nos matar?

David: É exatamente isso. Mas tanto faz pra mim, apenas quero sangue, estou sedento.

May: É melhor entrar sozinha com o Frederic.

David e Léo: O quê?!

May: São vocês que eles odeiam, se entrar sozinha talvez não aconteça nada. 

Léo: Faz muito sentido, mas não vale a pena arriscar.

May: Vale sim, pelo Travel.

David encara May.

David: Se não aparecer em dez minutos irei te buscar.

May: Voltarei antes.

May entrega o feneco para Léo e, junto a Frederic, corre para dentro da cidade.

Léo: E o que acontece se vierem nos matar?

David: Corremos.

Léo: Ah, belo plano.

Frederic atravessa a porta de uma pequena casa, May entra logo em seguida, em meio a poeira levantada, pronta para salvar Travel de qualquer pessoa que tivesse feito o sequestro.

May: Devolvam o Travel! Não irei embora sem que...

A poeira some e May percebe que Travel conversava com Kênia, os dois estavam sentados a mesa.

Kênia: Era apenas bater na porta.

Kênia e Travel riem.

Travel: Você parece bem tensa.

May: Tensa? Eu estou tensa? É isso que tem a dizer?

Kênia: Que fada mais irritadinha.

May fecha o punho direito e em seguida aponta para Kênia.

May: Quem é você aqui? Silencie-se.

Travel e Kênia trocam olhares.

May: Eu fiquei louca de preocupação, você ficou sumido a noite, a manhã e tarde toda. Encontro você aqui conversando com essa desvalida e ainda tem a coragem de dizer que pareço tensa?

Kênia: Desvalida?

Travel: May...

May: Quer saber? Eu vou embora.

May volta até David e Léo, ainda com raiva.

Léo: Está tudo bem?

May: Claro que está tudo bem, está tudo maravilhoso!!

May segura o feneco e Travel, Frederic e Kênia aparecem.

Travel: Kênia vai com a gente.

May: O quê? A resistência é um lugar sério Travel, apenas  os guerreiros de Tobias podem ficar lá.

Kênia: Fique mais tranquila, será temporário.

Kênia sorri para May e ela bufa de raiva.

Léo: Bem... Por enquanto que estava sozinho com David e o feneco, preparei o pó de teletransporte.

David: Mas o que faremos com o feneco.

May: Ele vem com a gente.

Travel: Achava que na resistência só podiam ficar os guerreiros de Tobias.

May: Ele é um animal indefeso!

Léo: Sinto um clima tenso aqui. Bem... Se preparem.

Léo joga o pó no chão e uma fumaça começa a cobrir todos.

Léo: Queremos ir para resistência, na Inglaterra, em Surrey!

Eles são teletransportados para onde Léo desejou.

David: O que aconteceu aqui?

 

 

 

Continua...


Notas Finais


No próximo capítulo, será uma data especial que quase todo mundo comemorará.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...