História Angels 2, Werewolves Against Vampires. - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Angels, Bruxo, Fada, Guerra, Lobisomem, Luta, Magica, Original, Romance, Sobrenatural, Vampiro
Visualizações 10
Palavras 2.256
Terminada Sim
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


No capítulo anterior, os Angels são atendidos por Malu, que conta a eles a lenda das pedras e em seguida promete achar a Pedra da Lua. Por enquanto que May tinha uma aula de surf, David e Léo entraram em confusão por enquanto que roubavam uma flor cigana. No outro dia, Malu localiza a pedra, os três amigos vão atrás de uma pista na biblioteca que inicia um enigma para acharem a Pedra da Lua. Por fim, David tenta revelar a May o motivo de não ter se curado antes, mas isso apenas a irritou.

Capítulo 23 - Following the Clues


Era noite, Travel e Kênia andavam pelas ruas de Bangkok.

Kênia: Desde que os humanos sumiram a movimentação abaixou bastante, todos sabem que não existem tantos sobrenaturais assim.

Travel não prestava atenção ao que ela dizia, apenas andava aceleradamente.

Kênia: Travel, está me escutando?

Travel: Claro que estou.

Kênia: Faz horas que você não diz nada.

Travel: Só estou... Só estou pensando. Em dois dias a guerra começa e ainda não temos nenhuma pista da Pedra do Sol.

Kênia: Por que você não procura o seu pai?

Travel: Em hipótese alguma.

Kênia: Por quê? Você precisa dele!

Travel para de andar, vira para ela e a olha nos olhos, raivosamente.

Travel: Eu nunca, nunca precisarei dele.

Travel olha para frente e continua a andar.

Kênia: Travel.

Ele continua andando.

Kênia: Travel!

Travel: O que é?!

Travel se vira para ela novamente.

Kênia: Estamos sendo seguidos.

Travel olha ao redor, alguns homens vestidos de vermelho andavam por trás de algumas barracas iluminadas.

Travel: Vamos sair daqui.

No Havaí, era cedo, David e Léo tomavam café da manhã na pousada.

David: Meus sucos de laranja e plasma estão acabando.

Léo: Não se preocupa, nossa viagem acabará hoje também. Na verdade amanhã, já que pegaremos a pedra após meia noite.

Léo morde uma maçã, May vai até mesa e coloca as duas mãos em cima da mesma, aproximando seu rosto dos rostos dos dois.

May: Saíremos em cinco minutos, estarei lá fora esperando. Não quero nenhum atraso, entendido?

Léo assenti.

May: Ótimo.

May vai para fora da pousada.

Léo olha para David.

Léo: Aconteceu alguma coisa?

David bufa.

Léo: Considerarei isso como um sim.

Minutos depois, os três estavam em uma lancha indo em direção a última ilhota.

Léo: Nosso dinheiro já está acabando, gastamos muito alugando essa lancha.

O piloto olha para David, que estava com casaco e cobria seu rosto com o capuz.

Piloto: Você não sente calor?

David: Até sinto, mas prefiro viver.

A lancha para ao lado da última ilhota.

Léo: Ela é bem pequena, o que pode ter aí?

May: É o que iremos descobrir.

Eles descem da lancha e sobem na ilhota. Andam por todos os cantos dela, já que era bem pequena, e não acham nada.

Léo: Não era para ter algo aqui?

David: Talvez apenas não esteja visível.

David olha para o chão.

Léo: Acha que pode estar enterrado?

May: Veremos.

May faz raízes crescerem por toda ilhota. Duas raízes empurram uma caixinha que estava enterrada. May faz a raìzes entrarem na terra novamente, e Léo pega a caixinha.

Léo: Inteligente.

May: Obrigada.

May sorri. Léo abre a caixinha e vê um papel.

David: Vamos até Malu, ela poderá traduzir o que estiver escrito.

Os três voltam para a lancha.

Em Bangkok, alguns homens musculosos, que vestiam ternos vermelhos, entram no Grande Palácio Real. Dois deles carregavam Travel, que estava ferido e fraco, pelos braços. Mais dois carregavam Kênia, que estava em uma situação um pouco melhor que a de Travel.

Os dois são levados até um homem que usava uma túnica vermelha, dourada e branca. Seu cabelo era um pouco grande, liso e castanho escuro. Era musculoso, alto e tinha pele escura. Estava de costas, olhando para o seu trono.

Rei: Então era verdade? Quando pretendia vir falar comigo?

Os homens de vermelho soltam Travel e Kênia.

Travel: Eu não pretendia fazer isso.

O rei ri, continuava de costas sem olhar para eles.

Rei: Vejo que veio acompanhado.

Kênia: Muito bem acompanhado, se me permite dizer, senhor.

Rei: Engraçado, depois de fugir de casa ainda volta com ignorância, acha isso certo, Travel Wolf?

Travel: Quem é você para falar de ignorância?

O rei vira para eles, revelando seus olhos vermelhos, suas cicatrizes e seu sorriso sarcástico.

Rei: Seu pai.

Minutos depois, no Havaí, Léo, David e May estavam na casa de Malu.

David: Esses enigmas estão brincando com a gente?

Malu: Talvez.

Malu sorri.

Léo: Pode repetir o que está no papel, por favor?

Malu: "Para o próximo segredo ter, o mestre das ondas de ser".

May: Temos que achar algum ser das águas?

Léo: Acho que é algo bem mais simples.

Malu: Terão que entrar em um torneio de surf, e pra sorte de vocês terá um hoje.

David arqueia a sobrancelha.

David: Só tem um problema, não sabemos surfar.

May: Digamos que eu tenha tido uma aula.

May sorri.

Na Tailândia, em uma grande mesa, Travel e Kênia jantavam junto de vários homens bem vestidos, eram ricos e líderes de matilhas.

Rei: Então, Travel...

Ele mastiga e engole um pedaço de carne.

Rei: Veio para ficar?

Travel olha para ele com rancor.

Travel: Não, Rei Werner.

Rei: Vejam, meus amigos alfas, o meu filho passa quase dois meses sem me ver e já pretende ir embora.

Werner e os outros lobisomens riem sarcásticamente.

Travel: Eu não sou seu filho.

Travel dá um murro na mesa e se levanta com raiva.

Kênia: Licença.

Kênia se levanta e vai atrás de Travel.

No Havaí, os três estavam na praia, May já havia feito a inscrição para o campeonato.

May: Já fiz a inscrição, agora só resta esperar.

Léo: Como conseguiremos uma prancha?

May: Maron irá trazer uma pra mim.

Léo: Maron?!

May: Sim, ele também vai participar.

David: Não quer que eu participe também?

May revira os olhos.

May: Não, obrigada.

Léo: Bem... Por que não vamos para pousada por enquanto?

May: Ótima ideia, o campeonato de surf só vai começar depois do almoço.

David: Até lá teremos um bom tempo para conversar.

May: Prefiro cochilar.

May se afasta deles, indo para pousada.

Léo: Seja lá o que você fez, ela está com raiva.

David: É, eu percebi.

Travel e Kênia estavam na varanda do quarto que pertencia a ele antes de fugir.

Kênia: Ele é um idiota, não é?

Travel: Mais que isso.

Kênia: Não precisa escutar ele, você tem a mim.

Travel e Kênia se olham, ela se aproxima dele para beijá-lo, mas ele se afasta.

Kênia: Não quer?

Travel: Não.

Travel volta a olhar a vista pela varanda.

Kênia: É por causa dela, não é? Por causa da fada.

Travel: É, algum problema?

Kênia: Não viu como ela te tratou? Ela é uma...

Travel vira para ela e aperta seu braço.

Travel: Não ouse falar dela.

Werner entra no quarto e vai até a varanda.

Werner: Me deixe a sós com o Travel.

Kênia assenti, se solta e sai do quarto. Travel bufa e volta a observar a cidade.

Werner: Ia matá-la?

Werner ri.

Travel: Claro que não. O que você quer?

Werner: Ainda me culpa, não é?

Travel: Não quero falar sobre isso.

Werner: Acha que foi fácil a morte da sua mãe para mim? Sofri tanto quanto você.

Travel vira para o pai.

Travel: Você escolheu matá-la! Nem ligava para ela!

Werner: Isso não é verdade! Eu fiz o que um bom rei deve fazer.

Werner suspira.

Werner: Quando invadimos a base do caçadores da Tailândia, procurávamos sua mãe que havia sido sequestrada. Muitos lobisomens estavam morrendo, mas nenhum de nós desistíamos. Propuseram um acordo, se parace o ataque naquele instante, eles deixariam eu e os outros escaparem com vida. Naquele dia eu tive que escolher entre sua mãe e meus companheiros, infelizmente eu fiz...

Travel: Deixou ela! Deixou que a matassem!

Werner: Travel, se coloque no meu lugar!

Travel: Você ao menos pensou em mim? Claro que não.

Werner: Escuta... Só quero dizer que pode dormir aqui hoje, você e a sua... Não sei o que. Se precisar de mim, poderei ajudá-lo. Mas não quero que se comporte feito um tolo, guarde seus sentimentos para si, seja um verdadeiro lobisomem.

Werner dá as costas e sai do quarto.

Horas depois, no Havaí, May já estava surfando. Léo e David torciam de baixo de um guarda sol. David estava de casaco.

Léo: May está indo muito bem.

David: Pode até ser... Mas tem muitas pessoas indo melhor que ela.

Léo: Tem razão.

Um onda gigante surge.

Léo: Isso é uma... Tsunami?!

Os turistas que escutam o comentário de Léo gritam e correm.

David: Léo, é apenas uma onde gigante, é comum aqui.

Léo: Eu sei, mas parecia tanto...

Alguns surfistas caem da prancha ao tentar subir a onda. May consegue chegar até o topo, mas lá vê mais dois outros surfistas. A onda quebra e eles vão atrás de outras.

Um tempo depois, Maron foi declarado o vencedor.

Léo: O que faremos agora?! Precisamos entrar no quarto do vencedor.

May e Maron vão até David e Léo.

Maron: Ganhei uma noite no hotel Ohana East, mas deixarei vocês irem lá, sei que é importante.

May: Muito obrigada, Maron. Nem sei como agradecer.

Maron: O que acha de jantarmos hoje a noite?

May cora.

May: Estou em uma missão, esqueceu?

Ela ri e ele faz o mesmo.

David: Vamos logo para o hotel, precisamos achar a próxima pista.

Maron dá a chave que ele ganhou para May.

Léo: Vamos.

Os quatro vão para o quarto do melhor surfista havaiano.

Léo: Está aqui em algum lugar.

Os três procuravam por todos os cantos, até que David acha um papel dentro de uma agenda.

David: Achei.

Léo: Vamos até Malu.

Os três vão até a casa de Malu, que fazia sobremesas.

Malu: Bem... Esse diz "para algo escontrar, na floresta deve procurar".

David: Mas existem várias floresta aqui no Havaí.

Malu: Bom...

Ela desce a escadaria e eles a seguem. Malu senta em frente a sua bola de cristal.

Malu: Mostre-me onde se encontra a pista que eles precisam.

A bola de cristal mostra a primeira floresta da Ilha Maui.

Malu: Vocês devem ir até a ilha Maui, segunda ilha havaiana. A primeira floresta, será nela que encontrarão.

May: Certo, vamos logo para economizar tempo.

Os três saem da casa, pegam um táxi, um barco e chegam na Ilha Maui uma hora depois.

Léo: Essa floresta é enorme.

David: É melhor começarmos a procurar logo.

Eles olham debaixo de folhas, no topo de árvores, dentro de flores, porém não encontram nada.

May: Já está anoitecendo, precisamos achar isso logo.

Léo: Já fizemos o possível.

David: Não podemos parar. Em que lugar ainda não olhamos?

Eles olham ao redor.

Léo: Ali!

Léo aponta para um ninho de beija-flor em cima de uma árvore grande.

David: As pistas estão escondidas há muito tempo, acha mesmo que esse ninho é tão velho assim?

May: Tem ovos nele, deve ser recente.

Léo: Pode ser mágico, ele nunca se destroi e é algo que ninguém imaginaria. Já fiz isso na escola de bruxos.

David corre e pula na árvore, por conta da sua velocidade seu pulo é alto. Ele sobe um pouco mais e chega no ninho, levanta os ovos, pega um papel, coloca os ovos e pula para o chão.

David: Léo, você é um gênio.

David dá o papel a Léo.

May: Vamos voltar para Ilha Oahu.

Os três vão para um barco. No caminho, May escuta uma voz bonita cantarolar.

May: Essa voz...

As outras pessoas pareciam não ligar. David e Léo se levantam das cadeiras e vão se jogar do barco, mas May puxa a camida deles.

May: Estão loucos?!

Todos olham para ela. Dois homens ajudam a segurá-los.

Homem: São sereias, como somos tritões elas não nos encantam.

May: Isso explica muita coisa.

Uma hora depois, eles estavam na casa de Malu.

Malu: "Se não há nada para fazer, em uma festa de hula deve aparecer".

Léo: Já escureceu, quantas pistas ainda faltam?

Malu: Não sei te dizer.

David: Em qual festa devemos ir?

Malu: Toda quinta tem um grande luau no Hotel Lótus, tenho quase certeza que a próxima pista estará lá.

May: Obrigada, voltaremos em breve.

Os três vão para o hotel, lá algumas mulheres dançavam hula-hula, pessoas riam, dançavam e comiam.

Léo: Parece bem legal.

May: Foco, Léo. Onde pode estar?

David: Vamos dar uma olhada.

Eles se separam, David acha um painel com avisos e panfletos. Entre os panfletos velhos, que estavam separados, estava o papel.

David: Achei!

Ele vê que Léo comia sorvete de morango, e May puxava ele para longe das dançarinas. David vai até os dois.

David: Conseguir achar.

May: Ótimo.

Os três vão novamente na casa de Malu.

Malu: "Depois de muito procurar, finalmente podem achar. E se você não se cuidar, um banho de lava pode tomar. A Pedra da Lua fica na ilha inicial, dentro do cospidor profissional".

Léo: Ilha inicial... É a primeira ilha do Havaí, que se chama Havaí também.

May: Cospidor profissional? Será que tem relação com o termo Kilauea que significa cospindo?

David: Faz todo sentido, já que é citado lava no papel. E Kilauea é o nome de um vulcão.

Malu: Exato, vocês deverão ir até a primeira ilha, chegar no vulcão Kilauea, que é ativo, e achara flor que se abre toda meia noite. Já são mais de oito horas da noite, se apressem.

David: Certo.

Eles vão correndo para pousada, onde jantam, tomam banho, escovam os dentes, pegam mais dinheiro e pegam um barco para primeira ilha.

Uma hora e alguns minutos depois, eles chegam na ilha e pegam um táxi, que deixa eles próximos do vulcão.

Taxista: Eu só venho até aqui.

Léo e David: Obrigado.

May: Obrigada.

Léo paga e os três descem do táxi, que vai embora.

Léo: Vamos logo, será rápido e simples.

May aponta para o vulcão, fumaçava bastante.

May: Ele é ativo, esqueceu?

Léo engole em seco.

David: Vamos, a Pedra da Lua nos espera.

Os três começam a andar em direção ao vulcão.

 

 

 

Continua...


Notas Finais


No próximo capítulo, veremos Travel em um desafio pela Pedra do Sol, e David, Léo e May com problemas com a Pedra da Lua.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...