História Aniquila-me - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Lydia Martin, Stiles Stilinski
Tags Darkallison, Darklydia, Darkstydia, Martinski, Stydia
Exibições 223
Palavras 2.160
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi, lindinhos! Capítulo fresquinho para vocês!
Eu realmente espero que estejam gostando da reta final da fic (apesar dos personagens estarem sofrendo), porque está sendo muiitooo difícil para escrever.
Tenho que pensar em muitos detalhes, encaixar tudo com o desenvolvimento da fic para não deixar nenhum furo, reler capítulos antigos e organizar todas as ideias da minha cabeça, mas é gratificante pensar que estou conseguindo finalizar uma história que eu amo tanto!
Apesar de que ainda não estou pronta para dizer adeus...
Enfim hahaha chega de drama e vamos para o capítulo!
Boa leitura.

Capítulo 46 - Liberta pelo ódio


Apesar do horror do momento em que eu vivia, eu desejava que tudo acontecesse em câmera lenta. Mesmo estando desesperada, apavorada e sentindo uma dor absurda, eu desejava que os segundos se estendessem um pouco mais.

Meu desejo não era prolongar aquela tortura, nem ver por mais um segundo Stiles sendo espancado. Mas, eu queria me preparar, queria estar pronta para a hora de fugir, para a hora de tomar coragem e me vingar. Porém isso não aconteceu. Eu não tive tempo o suficiente.

Tudo foi rápido e passou diante dos meus olhos como pequenas frações de segundos. Eu não estava pronta, no entanto, a covardia dentro de mim finalmente cedeu por causa do que aconteceu.

O medo não saiu de mim, nem o nojo, nem a paralisia nos músculos. Eu continuei apavorada, temendo Kevin, porém, o ódio que eu sentia aumentou. A ira explodiu no meu peito e incendiou meu corpo, me consumiu.

A besta, a fera animalesca que lutei para conter durante tanto tempo, se libertou. Senti meus olhos ardendo como se brasas de chamas os consumissem. Conhecia aquela sensação e soube que o verde da minha íris foi substituído por um preto profundo e opaco.

A última vez que eu tinha sentido aquilo, que eu tinha reagido daquela forma, foi quando ataquei Malia por ciúmes de Stiles. Depois daquele descontrole, a cor dos meus olhos nunca mais tinha mudado.

O que foi capaz de me fazer ser dominada pelo ódio, foi uma sequência excruciante de acontecimentos. Começou quando Stiles conseguiu pegar a chave da cela do bolso de Kevin. Até ali, tudo parecia estar dando certo.

Stiles ainda apanhava, porém eu vi o momento que sua mão alcançou a chave e a segurou com firmeza. Então, os olhos castanhos repletos de dor e força me encararam, se comunicando silenciosamente comigo.

Aquele era o sinal mudo para que eu fugisse, mas eu não fazia ideia de como lutar contra o pânico que me pressionava, me mantinha presa.  Foi aí que Stiles reagiu pela primeira vez.

Assim que seus olhos abandonaram meu rosto, eu vi a fúria e a determinação se formando em suas feições feridas pela surra. Stiles agiu enquanto eu continuava medrosa e sem ação.

O corpo que eu amava se impulsionou para a frente no momento em que os punhos atingiram o rosto de Kevin. Stiles gemeu de dor enquanto se movia, mas foi capaz de surpreender Kevin, o derrubando no chão e jogando a chave na minha direção.

Minha única atitude foi forçar os braços, me libertando das algemas com minhas mãos quebradas. Lutei contra a dor e com dificuldade, agarrei a chave que faria com que eu saísse daquela cela imunda.

O que deu errado, foi por causa da dor de Stiles e a minha paralisia. Ele tentava se defender, acertou o máximo de socos e pontapés que conseguiu, porém a cada movimento ele grunhia dolorosamente.

“Corre, Lydia! ”, foi o que ele gritou. Mas eu não era capaz de abandoná-lo, porém, também não era capaz de ajudá-lo. Vi, horrorizada, as lágrimas de dor despencarem pelo rosto de Stiles enquanto brigava com Kevin.

Os dois homens a minha frente estavam furiosos e igualmente determinados. Socos, chutes, palavrões, gritos e uma quantidade imensa de sangue. Stiles vencia e perdia diversas vezes, seu corpo já fraco estava sendo ainda mais açoitado.

Kevin se aproveitava de cada fraqueza que Stiles demonstrava. As mãos nojentas que por tanto tempo me feriram, machucavam o corpo do meu amor. As pernas asquerosas que por muitas vezes me encurralaram enquanto eu era violentava, aumentavam a dor de Stiles.

Stiles dizia meu nome, ele implorava que eu fugisse, mas eu simplesmente não conseguia. Não podia. Por isso, presenciei o espetáculo de horror até que Kevin se colocou por cima de Stiles e levou as mãos ao seu pescoço.

Quando vi o garoto que eu amava sendo sufocado, foi o momento que senti os olhos ardendo. A fúria foi gerada do meu ventre e transbordou, inundando cada centímetro do meu ser. A covardia que me prendia escorreu por meus poros e foi substituída pelo ódio que fez meu corpo se erguer.

Eu já não conseguia pensar, nem sentir a dor que antes me dominava. Fiquei de pé, joguei a chave no chão e fechei as mãos em punho. Meu tronco tremia quando senti os meus lábios abrindo.

Lembrando do agoniante ano que passei aprisionada naquele inferno, foquei os olhos em Kevin e concentrei toda minha ira em sua direção. Eu sabia o que precisava fazer. Sabia graças as torturas e experimentos desumanos que fui sujeita pelo doutor.

Despejei o ódio através do grito. Minha garganta ardeu, meus olhos lacrimejaram, minhas pernas ameaçaram falhar. Ainda assim, deixei que o som agudo e feroz rompesse de minha boca e se espalhasse pelo pequeno ambiente.

Libertei todo poder escondido dentro de mim, permiti que meus sentimentos e traumas se manifestassem. O grito perdurou por um tempo incalculável e então, quando meus lábios secos se fecharam, tive o prazer de presenciar o que eu tinha feito.

Sangue fresco escorria das orelhas e nos olhos de Kevin. O desgraçado estava caído no chão, o corpo preso em uma convulsão horrenda. Ele tremia sem parar, se debatendo no chão e da boca deformada, uma espuma branca surgia e escorria.

Ver o demônio que me destruiu de diversas maneiras impotente e sofrendo, me deu coragem para sorrir e me aproximar. Os olhos escuros que cercavam meus pesadelos, ainda tinham consciência. Ele sabia o que estava acontecendo.

— Não. — A voz fraca, porém decidida de Stiles fez com que eu inclinasse a cabeça em sua direção.

Mesmo tendo concentrado meu grito apenas para Kevin, tinha rastros de sangue escorrendo dos ouvidos de Stiles. Olhei aquilo com preocupação, culpa, enquanto ele se erguia do chão com muita dificuldade.

— Eu machuquei você... — Murmurei incrédula antes de finalmente, erguer as mãos para ajudá-lo a se levantar.

Stiles mais uma vez, gemeu de dor e ao ficar de pé, envolveu um braço ao redor de meus ombros. Ele apoiou o peso do corpo em mim e eu tive dificuldades para me manter firme.

— S-suas mãos. — Quando ele falou com visível dificuldade, notei que o motivo da dor ter cedido foi minhas mãos não estarem mais quebradas.

— Quando meus olhos ficam pretos, eu consigo me curar. — Expliquei percebendo que nunca tinha dito aquilo a ele. Odiava ter que falar qualquer coisa que tivesse ligação com o inferno.

Tentava me manter calma, mas não conseguia desviar os olhos de Stiles. A careta de dor em seu rosto era agoniante e todo seu corpo parecia estar machucado, destruído.

Ele não conseguia manter a coluna ereta e a respiração saía com muita, muita dificuldade. Os joelhos estavam flexionados como se a qualquer momento fosse desabar no chão e eu mal conseguia sustentar seu peso com um braço em torno da cintura ferida.

— Vocês nunca vão sair daqui!

Incrédula, olhei para Kevin. Ele já estava livre das convulsões, apesar do corpo continuar estendido no chão e dos olhos vermelhos vivos. Seu rosto deformado por cicatrizes e inchaços, formava um sorriso asqueroso.

— Seu desgraçado... — A raiva transbordou da voz de Stiles e o fez arriscar dar alguns passos para frente.

Ele tropeçou nos próprios pés e eu me esforcei para impedir que seu corpo despencasse no chão. Desesperada, ajeitei o braço dele em torno dos meus ombros e apertei sua cintura com mais força.

Liberta da covardia e também, da raiva alucinante, forcei para que minha mente funcionasse. Eu precisava estar lúcida, consciente, para usar a inteligência ao meu favor.

Meus olhos perceberam depois de uma longa eternidade, que a porta da cela estava jogada no chão. Olhei para os lados e vi que o chão e as paredes tinham rachaduras recentes. Eu tinha feito aquilo com meu grito!

— Vocês podem me matar, mas vão continuar presos aqui! — A voz repugnante que trazia lembranças horríveis, voltou a falar. Uma risada debochada e falha surgiu de seu corpo moribundo. — Agora que o doutor já tem a Lydia, ele vai matar o Scott!

Meu corpo tremeu com aquela afirmação e Stiles perdeu a sanidade. Ele se separou de mim e se jogou no chão duro, gritando de dor quando os joelhos frágeis alcançaram a superfície irregular.

 — Seu filho da... — Stiles foi interrompido pelo abusador.

— Você vai perder tudo aqui! — Enquanto Kevin falava, a parte sã da minha mente gritava que eu e Stiles estávamos perdendo tempo. Nós precisávamos fugir, porém o meu ódio berrava que Kevin ainda não tinha sofrido o suficiente. Queria vencer meus medos e torturá-lo por tudo que fez. — Seu melhor amigo vai morrer e qualquer um que tente ajudar vocês, também vai ser pego!

Mesmo fraco, com o corpo encolhido de dor, Stiles levou o punho ao rosto horrendo de Kevin. O som oco da cabeça dele batendo contra o chão em que estava estirado foi muito prazeroso.

— Onde o Scott está? — Não soube como Stiles teve forças para berrar.

— O doutor ainda quer que você fique vivo para os planos dele, mas a sua vida vai ser miserável! — Eu andava em direção a porta, quando parei ao escutar a nova fala de Kevin seguida por sua risada ácida. — Seus amigos vão ter morrido e você vai ver todos os dias a princesa nua, sendo torturada e não vai poder fodê-la nunca mais. Vai passar o resto dos dias sem poder arrombar a...

— Pare de falar como se ela fosse um objeto! Seu desgraçado! — A voz de Stiles ficou mais forte, mais agressiva.

As lágrimas voltaram a surgir nos meus olhos e o nojo voltou a atingir meu estomago, ao mesmo tempo que analisei Stiles. A fúria em seu rosto repleto de hematomas era indescritível.

— S-stiles, nós precisamos ir! — Disse sentindo a fraqueza me espancar, mesmo com a determinação de me manter lucida para ser capaz de defender a mim mesma e a Stiles.

— Ela foi meu objeto, Stiles! Ela foi a minha puta e você não estava aqui para impedir. Ela é minha!

Fechei os olhos no momento que Stiles gritou. Quando voltei a abrir as pálpebras, vi Stiles atingindo o estomago de Kevin diversas vezes antes de agarrar seus braços e puxá-lo, o arrastando pelo chão.

— Stiles, por favor... — Implorei agoniada, preocupada. Ele estava fraco demais para fazer aquilo.

Decidi ajudá-lo com Kevin quando um barulho vindo do lado de fora da cela chamou a minha intenção. Cambaleei até o corredor enquanto chorava e proferia todos os palavrões que conhecia.

Escutava os gemidos de dor Stiles se misturando aos fracos protestos de Kevin. Fui para o corredor que me amedrontava e por um momento, me aterrorizei quando vi uma silhueta desconhecida derrubando um homem que andava na minha direção.

— Stiles! — Gritei aflita, enquanto tentava enxergar com a pouca luz.

Quando o corpo do que eu presumi ser um guarda, caiu a poucos metros de mim, finalmente reconheci quem o derrubou. A figura feminina de pele morena e cabelo na altura dos ombros me fez suspirar de alívio e gratidão.

— Malia. — Murmurei sem acreditar na felicidade que me invadiu por ter visto a Hale.

— Finalmente achamos vocês! — Ela respondeu enquanto os olhos azuis me analisavam, antes de virar o corpo na direção oposta. — Liam está vindo. — Não sei dizer se ela falou consigo mesma ou para mim.

Obriguei as minhas pernas se moverem em direção a cela. Arquejei de surpresa com a cena que me deparei. Kevin estava com as correntes que me prenderam, em volta de seu pescoço, o prendendo como um cachorro.

O abusador estava ainda mais ferido e o que mais me chamou atenção foram as fraturas expostas em ambos os braços. Mesmo vendo o movimento mínimo do peito de Kevin, denunciando a respiração, era difícil acreditar que ele estava vivo.

— Reze para morrer antes que eu escape daqui. — Nunca pensei que Stiles pudesse falar com tanta agressividade, tanta ameaça. Ele estava ajoelhado ao lado de Kevin, seu corpo tremia com o esforço para se manter naquela posição. — Porque se ainda estiver vivo, eu vou voltar aqui, vou enfiar você na prisão e me certificar que fique em uma cela onde vai descobrir como é ser fodido todos os dias contra sua vontade!

— S-stiles! Malia está aqui.

Eu já não sabia o que sentir, o que fazer. O pavor me nocauteava e me sentia assustada até mesmo com Stiles, por ver como ele se transformou ao ameaçar Kevin e o destruir daquela forma. 

Queria berrar, queria correr, precisava sair daquele lugar. Meus olhos novamente ardiam e daquela vez, mesmo com o medo, eu sabia que ia ser capaz de atacar quem se colocasse no meu caminho. Eu faria qualquer coisa para sair do inferno.

Finalmente, tinha uma real chance de fugir, mas não sabia se Stiles ia aguentar aquele percurso. No mesmo instante em que Malia entrou na cela e Liam surgiu atrás dela, os dois pisando em cima da porta caída, Stiles despencou para o lado.

Ele perdeu a consciência e eu gritei de agonia. 


Notas Finais


Entãoooo o que acharam?? Gostaram do destino do Kevin? Eu só consegui decidir o que ia acontecer com ele enquanto eu escrevia o capítulo hahaha
Apesar de todo o sofrimento, perceberam que as coisas estão começando a dar certo, não é? Ou pelo menos por enquanto... muhahahhamuhahah *minha amiga chama isso de risada maléfica, então por favor, imagem uma risada maléfica*
Eu quero muito saber sobre o que vocês esperam para o final da fic e o que gostaram de ver por aqui!
Vocês finalmente vão ver a alcateia reunida. Chegou o momento de saber onde o Scott está e qual vai ser o destino dele e de verem também, Mallydia em ação!
Mas vou logo avisando que os problemas ainda não terminaram... tem uma coisa que vai ser revelada nos próximos capítulos, que estou MUITO ansiosa para ver a reação de vocês! Espero conseguir surpreender vocês, porque finalmente chegou o momento de entenderem todos os planos da Eichen House para a nossa querida Lydia.
É isso, não deixem de comentar!
Vou escrever o mais rápido possível, pois estou animada com a reviravoltas finais.
P.s- Como amo DEMAIS essa fic, estou planejando capítulos especias para vocês...como bônus para verem um pouco mais alguns personagens ou algumas situações. Se tiverem alguma sugestão, algo que queriam que eu escrevesse, falem por mensagem ou por comentário mesmo!
Beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...