História The Destruction of Love - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Visualizações 16
Palavras 1.153
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olha eu aqui com um cap grandinho. Milagre ne ? Eu posta tao rapido assim. É que eu tava inspirada e descidi escreve antes que eu esquecesse ne ? Entao ta ai

Capítulo 10 - Presente


Fanfic / Fanfiction The Destruction of Love - Capítulo 10 - Presente

 - Uma coisa que eu não gosto é de levar susto e pode se afastar um pouco?-o olhei de canto ainda com o livro em maõs .

- Porque?-Apoia o queixo em meu ombro e me olha sorrindo

-Porque eu não te dei liberdade para isso-volto a atençao ao livro

Meu pedido foi um fracasso e ele abraçou a minha cintura e nao vou mentir,me deixou arrepiada, suspirei e o olhei de canto.

-Ainda nao me respondeu...-sussurou perto de minha orelha.

-O que exatamente?-fecho o livro

-Gostou do livro?-olha para o mesmo

-Sim ,eu gosto de livros como tantas outras coisas.

-Quer que eu compre pra voce?

Pegou o livro de minhas maos e foi andando ate o balcao onde a velha que falava antes comigo estava com um sorriso no rosto. Fui atras dele rapidamente .

- Cristopher nao precisa eu tenho dinheiro.-fico a sua frente

- Mas eu quero comprar algo pra voce -me olhou serio

- Mas eu nao quero....-o encarei seria

- Nao se preocupem com isso....- a velinha se manifestou fazendo agente olhala- Nao vem muita gente aqui entao fiquem com o livro - abri a boca pra falar aguma coisa mais fui interrompida

- Desculpe mas eu insisto em pagar pelo livro - Cristopher se aproximou

- Considere entao como um presente para o jovem casal - olhou para nos dois que trocamos olharem espantados.

- No-nos nao s-omos....- coro e aponto freneticamente para mim e para Cris em sequencia gaguejando de nervosismo mas o ser apenas segurava o riso da situaçao.

- Ha, desculpeme entao se ouve um mau entendido,mas caso isso acontecesse um dia acho que seriam muito felizes juntos.-olho para Cris que tambem me olha.

Apos aquele constrangimento saimos da biblioteca e fomos para a praça de alimentaçao pois nossas barrigas estavam roncando de fome. Eu pequei um hamburquer , batata frita grande e uma coca-cola , Cris pegou a mesma coisa.

Pegamos uma mesa meio isolada das demais e comemos em silencio, em algum momento Cris me olhou e acabou rindo , fiquei com cara de desintendida.

- Ta rindo do que?- fiquei seria

- De voce - tena segurar o riso e aponta pra minha cara - Ta toda suja ...

- Aonde ?- passo as costas das maos no queixo.

- Nao ai nao , na tua boca - se aproximou apoiandose na mesa.

- Ava criatura- tentava limpar mas sem sucesso

- Deixa que eu te ajudo - Chegou mais perto

- Como exatamente?- Ta eu nao deveria ter perguntado.

- Assim

Ele juntou nossos labios, exitei por um instante mais logo sedi , iniciamos um beijo calmo e gostoso , entrelacei minhas maos em sua nuca. Graças a maldita falta de ar nos separamos com um selinho.

-Consequi- ele disse apos se endireitar na cadeira

- O que exatamente?- recomponho o ar pouco vermelha

- Terminar o que deveria ter feito la no teu quarto.....

(....)

Depois daquilo eu nao disse mais nada . Terminamos de comer e agora estamos andando , ele esta com algumas sacolas de roupas e outras que eu nao faço ideia do que sejam .

- Onde vamos agora?- olhei para o ceu que se fecha , parece que ira chover mais tarde

- Ja chegamos...-o olho e percebo que ele parou e fita um parque a nossa frente.

Era grande com alguns bancos de madeira e varios brinquedos para as crianças , sentamos em um dos bancos e ficamos em silencio, fechei os olhos e senti a brisa pouco fria enquanto balançava as pernas.

- Queria te dar uma coisa- teve minha atençao, pegou uma caixinha de uma das sacolas e me estendeu.

- O que é?- a caixinha era preta com alguns detalhes em prata.

- Um presente.- me olhou e sorriu

- Eu disse que nao queria nada...-o encarei

- Voce ainda nem viu o que é- cruzou os braços e se aproximou.

Suspirei e abri a caixinha, era uma pulseira de bolinhas pratas com uma coruja com algumas pedrinhas decorandoa, fiquei encantada e a pequei observando mais de perto e nao pude evitar de sorrir.

- É linda Cris, obrigada- o olhei e sorri

- Achei que gostaria- encarou o chao

- Como se nem ao menos me conhece?- quardei novamente a pulseira e o encarei

- Apenas suspeitei.... Esta certa , nao sabemos nada um do outro....- parecia cabisbaixo

- Ao menos voce sabe que Eli nao é minha mae....- me encostei no banco

- A algo em voce que te faz se diferenciar das outras garotas, isso que quero dizer...-me olhou de canto e se encostou so meu lado.

Fiquei em silencio.

- Sabe , eu nao conheci meus pais...Eles morreram quando eu era recenascido e eu fiquei com minha avó por parte de pai... Tauvez um dos motivos pra eu ter me tornado um garoto rebelde na infancia...- parou e me encarou

- Porque esta me contando isso?-olhei fundo em seus olhos

- Porque confio em voce Scar....- se aproximou e me deu um selinho demorado o qual eu retribui.

" Ele.... confia em mim? Entao , quer dizer que posso confiar nele tambem? Acho que nao... so o tempo pode dizer isso..." penso enquanto recuperava o ar perdido.

- Obrigada...- ele disse

- Pelo que?

- Por me dar a oportunidade de ter sua companhia- colocou uma mecha de meu cabelo atras da orelha e alisou meu rosto de deixando corada.

(...)

Como ja estava frio e tarde ele me trouxe ate em casa, paramos um a frente do outro na sacada de minha casa.

- Queria sair mais vezes assim.- sorri de canto

- Voce nao sai muito?- perguntou

- De vez enquando com um amigo...- franzi os labios

- Podemos sair mais vezes se quiser...- propos

- Pode ser...-senti ele se aproximando e como de relance olhei para cima paea encaralo

- Tem alguem especial em sua vida, como um namorado?- perguntou colando nossos corpos

- Nunca fui muito chegada nisso , mas e voce?- senti um aperto em minha cintura pelo abraço que o maior de dava

Ele apenas me beijou, e sem exitar eu retribui, este foi mais longo e foi separado por alguns selinhos, abri os olhos lentamente e nao çude evitar que um sorriso se formace em meus labios, ainda estavamos agarrados com as testas coladas.

- Isto responde a pergunta?- ri fraco

- Sim responde - lhe dei mais um selinho , como pode uma boca ser tao viciante?

Ele me soutou , estava com um sorriso esplendido.

- Entao , me ligue quando quiser dar um volta novamente - colocou as maos no bolso e eu apenas assenti vendo ele desaparecer pela rua.

Entrei em casa e como estava tudo apagado, suponho que Eli esteja em seu quarto, fui ate o meu e apos um longo banho relambrando os acontecimentos do dia fui dormir como um anjinho, literalmente....


Notas Finais


Gostaram? Ate o proximo ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...