História Anjo Sombrio - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Star Trek
Personagens James T. Kirk, Nyota Uhura, Personagens Originais, Spock
Tags Anjo, Sombrio, Star Trek
Visualizações 5
Palavras 411
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Luta, Magia, Mistério, Poesias, Policial, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Esse poema não é obra de ninguém além de mim, tá? Eu que fiz.
Aproveitem.

Capítulo 2 - O poema.


Na aula de literatura, eu estava completamente atento ao que ela fazia. Desde o modo como posicionava os pés até a curva que sua mão direita fazia para colocar a franja do cabelo atrás da orelha.

Notei que ela tinha não só uma mas duas tatuagens. Uma no pulso e a outra na própria orelha. Ela estava na cadeira da fila ao lado. Estava atenta demais no caderno para estar fazendo a tarefa.

Sua escrita era rápida e suave. Como se aquilo fosse muito importante.

-O que está escrevendo aí Srta . Kanakaredes?

O mala do professor pegou de forma agressiva o seu caderno e leu:

- Anjo Sombrio?

E continou:

QUE NASCEU DA DISCÓRDIA E CRESCEU DA GANÂNCIA

VIVE E REINA EM MEIO A TREVAS

QUANDO ABRAÇA UM CORAÇÃO DISSECA-O ATÉ SOBRAR APENAS ÓDIO. 

POR ONDE PASSA DEIXA UM RASTRO DE DISCÓRDIA. 

NÃO IMPORTA ONDE VÁ, O MAL O SEGUI COMO UM CÃO FIEL.

AMALDIÇOADO A VIVER DO DESPREZO

REZA PARA QUE UM DIA ALGUÉM, NÃO IMPORTA QUEM, POSSA TIRAR TIRAR OS PECADOS QUE CARREGA NO CORAÇÃO E LHE TRAZER PAZ.

ANJO SOMBRIO QUE SOFRI SEM PARAR E LUTA SEM CESSAR. 

Todos estavam olhando para a autora de trabalho que trouxe inveja ao rosto do professor Jackson. 

Ele, vendo a cara de admiração dos alunos rasgou a página do caderno da Uhura e deixou na lixeira sem ligar para o que pensariam.

- Você terminou a redação que mandei fazer?-ele falou em tom autoritário.

- A vinte e oito minutos atrás. 

Os outros olharam para o professor com uma simples pergunta:"E AGORA! VAI TIRAR ELA DA SALA POR TERMINAR MAIS CEDO, OTARIO? ".

- Deixe ver?-Ela mandou.

Ela então pegou o caderno e o entregou ao professor.

Ele leu e deu sua nota.

Ela voltou a sua mesa e ficou lá lendo o livro.

Quando o sinal tocou, foi a última a sair da sala.

Depois foi em direção a biblioteca e ficou lá procurando e lendo livros.

Por um tempo eu a perde de vista.Ela tinha entrado na aárea D da grande sala. Eu entrei depois e...

- O que faz aqui?-perguntou chegando do meu lado.

-Primeiro: O que todos fazem numa biblioteca. Segundo: o que VOCÊ faz aqui?

- O que todos fazem numa biblioteca.-Ela rebateu, sorriu e depois saiu desaparecendo mais uma vez.

Quando o sinal tocou, lá estava ela sentada na sua cadeira dessa vez desenhando alguma coisa.

Por que estava tam interessado nela? Porque, dentre tantas garotas tinha que mi interessar por ela? E por que aquele poema teve tanto significado para mim?O que essa garota tem que mi atrai tanto?



Continua...


Notas Finais


Não sei gostaram, mas eu gostei.
Spoiler:paixao ou vocação para detetive?
Nunca se sabe o que uma garota pode fazer sozinha numa casa enorme e a noite.
Mistério. Eu adoro isso.
Até.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...