História Anjo Suicida - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Cartas, Cortes, Depressão, Drama, Fim, Revelaçoes, Suicidas, Textos, Vida
Visualizações 56
Palavras 1.070
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 24 - Última carta


23 de Janeiro, 2012. Recife.O dia hoje amanheceu lindo, mas a minha tristeza ofuscou toda a sua beleza.São 9 horas da manhã e eu deveria estar na faculdade mas hoje me permiti curtir as minhas ultimas horas neste mundo. Muitas pessoas irão se perguntar o porque que eu tomei essa decisão, então, aqui direi; Eu não fui nunca uma menina alegre e feliz da vida, eu fingia para esconder os sentimentos reprimidos em meu peito e esses sentimentos que me levaram a morte. Sei que será difícil para algumas pessoas aceitarem mas logo me esqueceram, outros nem sentirão a minha falta e outros torciam pra que isso acontecesse. Não fiz isso por que algumas pessoas queriam, fiz por não aguentar mais tanto sentimento reprimido, tanta angustia, tanta dor, tanta solidão, tanta tristeza e ainda por cima uma traição. Esses foram os principais motivos da minha morte.Não quero que ninguém fique triste ou sinta pena de mim, fiz isso pra me libertar e provavelmente quando vocês estiverem lendo essa carta já estarei livre, já não sentirei mais nada. Vou deixar aqui alguns lembretes para algumas pessoas que realmente me amaram, e que eu vou levar comigo em meu coração, embora partido.- Mãe, não chora! Eu to bem, acredite. Lembre-se de nossas brincadeiras e me imagine sempre daquele jeito, feliz, era ali com aquelas brincadeiras bobas que eu era feliz, eu nunca esquecerei de nenhuma de nossas brincadeiras, também não esquecerei dos sermões e das nossas discussões. Mãe eu te amo, e pode ter certeza que você vai está sempre em meu coração no lugar mais belo.- Pai, há meu herói, meu anjo protetor, é, não tínhamos muita intimidade mas quero que saiba que você é o melhor pai do mundo, obrigado pelos sermões, por me defender os carinhas que se aproximavam, agora eu entendo o porque me defendias tanto. Pai, eu te amo não esquece, por favor!- Irmão, e ai idiota!? Ta chorando porque? KK, Eu sempre soube que tu me amas apesar de todas as nossas brigas idiotas. Espero que tu saibas que eu também te amo, vê se cuida da nossa mãe eu não estarei tão perto para fazer isso e vê se se cuida.- Ao meu amado, é meu lindo agora acabou tudo, literalmente. E da maneira que acabounão tinha como eu ser forte por muito tempo, mas eu tentei, juro que eu tentei. Mas a dor dessa traição foi mais forte que eu e tomou conta do meu coração, tomou conta de mim e eu não resisti. Pois bem, conseguiste o que querias quebraste-me. Mas quero que saibas que te amei até o ultimo minuto de minha vida.- O atoSão agora 11 horas 45 minutos, abri a janela do meu quarto e pus-me a observar a beleza do dia, as cores, as nuvens, as pessoas, senti o vento em meu rosto pela ultima vez. Sentei-me um pouco em minha cama, observei o meu quarto, olhei pela ultima vez cada comodo da minha casa. Vi algumas fotos da família echorei por não ser forte o suficiente, sinto que essa vida não foi feita para mim, estarei melhor noutro lugar, assim eu espero. Fui ao quarto dos meus pais e peguei o frasco de remédio para pressão arterial do meu pai, estava cheio, tomei alguns, uns 9 eu acho. Voltei para o meu quarto, peguei uma foto do meu amado e deitei olhando pro seu lindo rosto pela ultima vez, algumas lagrimas caíram e eu dormi.Ali naquela cama estava o meu corpo… Um corpo já sem preocupações, sem sentimentos, sem dor, sem angustia, sem alma. Espero que entendam que eu não fui covarde, eu fui uma guerreira que lutou mesmo sem forças contra si mesma, apenas cansei. Adeus.Nas mãos de Deus eu entrego a minha vida.Sinto-me perdido e covarde, talvez pela concepção geral de que isso é uma fuga, um não querer enfrentar os fatos e dar a volta por cima. Não concordo muito com essa concepção, o que dizer dos etíopes? São covardes, burros e preguiçosos por morrerem de aids e inanição? Será que do mesmo jeito que se alimenta o corpo com proteínas, vitaminas sais e água também não devemos alimentar a mente pra que não morramos por dentro e apenas completemos o processo com o corpo?É, eu morri por dentro. Por favor, não se sintam culpados, não havia nada que vocês poderiam ter feito pra me ajudar, e talvez até tentassem se eu desabafasse com alguém minha intenção de fazer o que devo ter feito já que estão lendo minha despedida.Várias coisas me mataram aos poucos por dentro, consumiram minha vontade de tentar. As coisas muitas vezes dão errado e aquela história de que “Deus sabe o que faz” ajuda por um tempo, engana um pouco a gente e faz com que tenhamos a esperança que um dia as coisas vão mudar de figura, que vai pra frente, mas às vezes não vai, essa desculpa ficou tão vazia pra mim quanto o conceito de Deus, ou ele está em algum universo paralelo ou está muito alto lá em cima que meus soluços e gritos por clemência não conseguiram acordá-lo.Por dentro jaz o que outrora foi um sonhador, visionário, otimista e desafiador. Simplesmente acomodei-me com a dor, lutar só a aumentava, parar de me debater poupou o mínimo para que eu tivesse uns poucos momentos de satisfação na minha vertiginosa queda rumo ao abismo que me encontro. Meu rosto sem expressão, essa melancolia estampada em meu ser de forma residente é o fedor que ultrapassa a barreira metafísica e se manifesta no físico. Já não consigo dormir, pensar, sonhar, amar. Estou morto! E sou ateu o suficiente pra reconhecer que a fábula da ressurreição de Lázaro é apenas um conto literário como qualquer outro, como a minha vida que não passou de uma piada de mau gosto.Não culpo ninguém e culpo tudo e a todos. Foi o momento, a situação, as mazelas absorvidas ao longo de anos de humilhação, lutas, esforços, todos em vão.Não quero que lembrem de mim como um covarde, quero que lembrem de mim como alguém que teve coragem suficiente para assumir um fato já consumado e torná-lo finalmente físico. Alguém que resolveu dar um salto em meio a toda amargura e desespero, que abriu os braços e pulou daquela cachoeira, fugindo dos zumbis que o circundavam, que também estavam mortos, sendo que ao contrário de mim, eles mentiam pra si mesmos sobre isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...